Confira aqui qual o procedimento para conseguir o Visto definitivo para Morar e Trabalhar em Portugal.

Se o seu sonho é sair do Brasil para morar e trabalhar no exterior pode se alegrar, pois já existem muitos países que oferecem essa oportunidade para quem quer se aventurar no exterior. Claro que o investimento vai sair um pouco salgado, mas para quem realmente quiser enfrentar esse desafio de obter a cidadania portuguesa, deve procurar o programa português de vistos a estrangeiros.

De acordo com Paulo Lourenço, cônsul-geral de Portugal em São Paulo, os brasileiros só estão atrás dos chineses na lista de espera. São 123 vistos brasileiros contra 2.300 vistos chineses, a lista é meio fora de proporção, diz o cônsul. Ele admite que a preferência é pelo irmãos de língua, porque há muito mais coisas envolvidas entre os dois países.

Por causa da economia brasileira estar um tanto desorganizada, Portugal virou a nova ‘Miami’ brasileira e muita gente está apostando na terra de Camões para fazer novos investimentos imobiliários, o que pode ser um boa saída, segundo diretora da área residencial da consultoria imobiliária JLL, Lisboa, Patrícia Barão.

Na capital portuguesa, o brasileiro conta com segurança, saúde e muita qualidade de vida, coisas capazes de atrair qualquer pessoa. O país está se estabilizando política e economicamente e também voltou a crescer. “Lá o brasileiro não precisa de carro blindado ou segurança, por exemplo", argumenta a diretora.

Vale lembrar que para ter acesso a esse visto é necessário que se faça algum tipo de aplicação como, comprar um imóvel no valor de pelo menos 500 mil euros. Geralmente a preferência dos brasileiros são imóveis no centro da capital, onde pode-se caminhar a pé até os melhores restaurantes e museus. Com esse valor é possível a compra de um apartamento com dois quartos e 80 m quadrados, no centro da cidade, garante Patricia.

É muito comum para quem deseja sair do país para viver no exterior, tentar obter um Golden Visa (autorização permanente para morar com direito a levar família), países como EUA têm excesso de burocracia e o preço é de U$ 600 mil, os brasileiros encontram muita dificuldades para conseguir o Golden Visa.

Segundo um estudo pelo Migration Policy Institute, mostra que os benefícios gerados pelo programa do Golden Visa são mínimos, se comparar as críticas que recebem.

Por Ruth Galvão


Confira aqui qual o procedimento para receber o Golden Visa e poder morar e trabalhar nos EUA legalmente.

Está atrás do tão sonhado emprego e moradia nos Estados Unidos? Pois saiba que isso é possível por meio do golden visa, em português “visto dourado”, um investimento que concede um lugar para morar e, ainda de quebra, permite que o usuário do benefício leve a sua família junto.

Surgidos a partir do ano de 2008, quando a crise no mundo desenvolvido ficou mais forte, os vistos ganharam força nas mãos de uma população rica de países que estavam em constante desenvolvimento, como Rússia e China.

Levando isso em conta e em meio aos problemas financeiros e políticos no Brasil, o programa EB-5, que concede visto para imigrantes, se torna uma excelente oportunidade para quem quer buscar um futuro melhor. Porém, se você acha que essa ideia é barata, já precisa se preparar. Atualmente, é preciso desembolsar aproximadamente US$ 600 mil para conseguir o visto e, ainda, ter muita paciência com a burocracia, sendo que esta segue algumas etapas.

Em primeiro lugar, é provada para a imigração norte americana que o interessado não possua qualquer histórico criminal, além de não poder ter sido deportado dos EUA. Além disso, também é preciso comprovar de onde vem o dinheiro que será investido no programa, sendo que este não poderá ser de origem ilícita. Caso este provenha de salários e bônus, é preciso apresentar a declaração do Imposto de Renda (IR) e os contracheques. Ainda, se for referente a venda de ativos, deve-se comprovar a negociação por meio de contrato de venda ou comprovante de como o adquiriu.

Essa burocracia leva em torno de dois meses para ficar pronta e necessita que os investidores estejam em contato e sendo auxiliados por empresas autorizadas pelo governo americano, que formam o centro regional. Além disso, estes precisam de um advogado com licença para atuar nos EUA. Portanto, vale saber que os custos estimados somente nessa etapa giram em torno de US$ 40 mil a US$ 60 mil, mais honorários de advogados e demais taxas do governo.

Ainda é importante saber que somente depois da apresentação de todos os documentos que há o investimento do dinheiro propriamente dito. Para isso, ele precisa optar por projetos que consigam gerar no mínimo uma dezena de empregos em três anos, mantendo-o por ainda mais dois anos. A rentabilidade e o capital investido é resgatado, normalmente, após os cinco anos.

Todos os trâmites tem duração média de 18 meses e, após aprovação do programa, o investidor deve se mudar em até 180 dias, valendo o visto por um período de dois anos para parceiro e filhos com idade máxima de 21 anos. É preciso saber também que estes últimos necessitam ser solteiros. Após este período, o golden visa pode se tornar permanente e após cinco anos no país, pode-se solicitar a cidadania americana.

Kellen Kunz


Para quem for viajar para o exterior um bom conselho é utilizar dinheiro em espécie. Depois que o governo aumentou a taxa do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) dos cartões pré-pagos e de débito, de 0,38% para 6,38%, ficou mais vantajoso usar o dinheiro em vez dos cartões.

Os especialistas recomendam que a pessoa faça uma pesquisa de preços antes de viajar. Sabendo o valor exato que deverá gastar no exterior, a pessoa pode levar o dinheiro necessário e apenas usar o cartão em casos de emergência.

Com a internet é possível pesquisar desde preços de estadia de hotéis até a passagem de metrô.

Apesar de estar livre de altas taxas de impostos, o dinheiro em espécie tem suas desvantagens. Existe o risco de roubo, de perda, além do fato de ser muito perigoso para uma pessoa andar com dinheiro vivo.

O cartão pré-pago, mesmo com a mudança de IOF, pode ser mais atraente para quem busca segurança. Ele permite ao cliente obter conversões de moeda rapidamente, fica livre de flutuações cambiais e pode ser carregado com o tanto certo de dinheiro que se pretende gastar.

Além do dinheiro em espécie, o cartão de crédito também se tornou vantajoso para ser usado no exterior, uma vez ele proporciona a possibilidade de adiar o pagamento dos 6,38% com o valor da compra junto ao prazo de fechamento da fatura.

Fora isso, o cartão de crédito tem vantagens como os benefícios em milhas, que o cliente pode usar em seu favor para trocar por passagens aéreas, reservas em hotéis e até mesmo nas compras em lojas específicas.

Porém, o cartão de crédito requer mais cuidado do cliente para que o “valor limite” não seja extrapolado nas compras, já que os juros são bem altos.

Sendo dinheiro em espécie, cartão pré-pago ou cartão de crédito, agora a pessoa que viajar ao exterior terá que fazer um planejamento muito mais detalhado para não gastar além do necessário.

Por Luciel Ribeiro





CONTINUE NAVEGANDO: