Inadimplência no varejo recuou em julho

Segundo informações do SPC Brasil, divulgadas pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) nesta quarta-feira (8), a inadimplência no varejo diminuiu em julho deste ano em relação ao mesmo mês de 2011, apresentando queda de 5,68%. Já, com relação ao mês de junho, o recuo visto foi de 4,4%.

Na comparação anual, esta é a segunda maior queda vista em 12 meses, perdendo somente para o mês de março deste ano, quando a baixa ficou em 11,95%. De acordo com a entidade, a tendência é que a diminuição da inadimplência tenha uma leve queda no segundo semestre deste ano.

Já, as vendas do varejo caíram 0,28% no mês passado em comparação ao mesmo período de 2011. Porém, há aspectos positivos para as vendas do setor no segundo semestre, pois no dia 12 de agosto será o Dia dos Pais (segundo uma pesquisa encomendada pelo SPC Brasil, a maioria das pessoas deverá pagar as compras à vista), em outubro, o Dia das Crianças, e em dezembro, o Natal.

Na comparação entre junho e julho, as vendas aumentaram 1,86%.


As vendas para a Páscoa no Rio de Janeiro deverão crescer 9% esse ano, em comparação ao mesmo período do ano de 2011, essa é a previsão do CDL-Rio (Centro de Estudos do Clube dos Diretores Lojistas do Rio de Janeiro).

Para a pesquisa, o Centro consultou 500 lojistas que possuem estabelecimentos na capital do Rio de Janeiro.

De acordo com Aldo Gonçalves, presidente da CDL-Rio, o crescimento ocorre devido à Páscoa não ser restrita apenas aos ovos feitos de chocolate. No mesmo período, também cresce a procura por brinquedos, roupas e bichos de pelúcia. A data é comemorada tanto por crianças quanto por adultos.

Ainda segundo Aldo, o comércio tem se voltado para outros produtos, além dos infantis, principalmente para os casais de namorados.

Outro assunto abordado pela pesquisa foi com relação ao otimismo dos lojistas. Os dados mostraram que mais de 50% dos lojistas confiam na elevação do volume de vendas esse ano, sendo que 51,4% admitiram que aumentaram a variedade de produtos oferecidos e 15,4% treinaram os funcionários a fim de oferecer um atendimento mais eficiente aos clientes.

Destaque também para as contratações temporárias, dos 500 lojistas ouvidos, mais de 40% afirmaram ter contratado mão de obra temporária.

Por Joyce Silva


Os supermercadistas devem obter êxito com as vendas de Páscoa neste ano de 2012.

De acordo com a Abras (Associação Brasileira de Supermercados), é esperada uma alta de 11% nas vendas em relação ao mesmo período de 2011. O período é o segundo melhor para o setor, ficando atrás apenas do Natal.

Conforme a pesquisa, todos os produtos analisados tiveram um aumento de encomenda aos fornecedores, isso quer dizer que os supermercados já estão se preparando para uma maior demanda, com uma superior quantidade de produtos à venda. Nesta análise, o bacalhau se destacou em primeiro lugar com um aumento de 11,3%.

Os preços dos itens analisados também tiveram um aumento, o que garante maior lucratividade aos supermercados. Nesta análise, a cerveja liderou com uma alta de 7,7%.

Nas duas análises, os ovos de Páscoa ficaram em terceiro lugar, com 9,4% e 5,9%, respectivamente.

Tudo leva a crer que em 2012, o sentido da Páscoa e a celebração em família serão regados a muita fartura e variedade de compras, resta agora se preparar para os gastos extras não planejados e também, é claro, para as calorias dos chocolates.

Por Anne A. Matioli Dias


A construção civil brasileira aguarda meses positivos daqui em diante, até 2016, ocasião na qual o país agregará os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro. Antes, porém, a Copa do Mundo, em 2014, deverá estender a área de atuação a todo o país nas regiões que abrigarão as partidas do mundial de futebol.

Mesmo antes da edificação de espaços destinados às modalidades esportivas, a nação governada por Luiz Inácio Lula da Silva experimentou aumento nas vendas de materiais de construção e aquisição de novas residências, entre casas e apartamentos, devido ao “Minha Casa, Minha Vida”, bem como, a outra esfera, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que atualmente já atravessa sua segunda fase de implementação.

Apesar de todo esse otimismo envolto ao setor, a Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco) divulgou nas últimas horas que as vendas pelo setor apresentaram queda de 5,5% no mês passado em relação a maio. Segundo a entidade em reportagem emitida pelo Folha UOL, é a primeira vez desde março do ano passado que o varejo do segmento abriga arrefecimento.

Cláudio Elias Conz, presidente da Anamaco, diz-se surpreso com a constatação, mas relaciona que para isso a Copa do Mundo surtiu como peso preponderante no cenário, pois as lojas agregadas pela entidade – ao todo 138 mil – conferiram o baque na comercialização de materiais de construção em virtude da ausência de consumidores.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A manutenção da isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) a materiais de construção até dezembro deste ano foi muito comemorada por pessoas que dependem do setor para estabelecerem negócios e possibilitar a realização de sonhos ao próximo. O programa do governo “Minha Casa, Minha Vida”, convergido a esse fator, tem aumentado a perspectiva de compras de residências novas.

O Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo (Secovi-SP) divulgou no princípio desta semana que a comercialização de imóveis novos na região metropolitana de São Paulo ascendeu 1,9% em abril em comparação ao mês imediatamente antecessor. Os 39 municípios na Grande SP colaboraram, pois, para o aumento das vendas de lares com dois dormitórios, enquanto aqueles com três quartos tiveram baque de 9,4% no mesmo período base.

No acumulado quadrimestral, de acordo com o portal de economia Terra, foram mais de 24,5 mil unidades novas vendidas na Grande São Paulo, quase 11,7 mil correspondentes à capital paulista, ou 47,7%, segundo o Secovi-SP.

Por Luiz Felipe T. Erdei





CONTINUE NAVEGANDO: