O piso salarial regional de São Paulo teve um reajuste de 7,62% em 2017. Confira o salário para cada categoria.

Em dezembro do ano passado o governador de São Paulo Geraldo Alckmin propôs à assembleia legislativa o projeto que visava ao aumento do salário mínimo regional, ou conhecido também como piso salarial regional num total de 7,62%.

Em março de 2017, Geraldo Alckmin, conseguiu a aprovação da lei que reajustou o piso salarial dos trabalhadores do estado em 7,62%, que passou a valer a partir do dia 1º de abril.

O reajuste feito equivale ao reajuste anual regional.

A lei

Apesar de ser previsto em lei o direito do trabalhador receber um salário mínimo nacional que atualmente está em R$ 937,00, os governos podem criar projetos de lei para os empregados sem piso salarial definido em lei federal, ou acordo coletivo de trabalho.

Valores Reajustados

A primeira faixa de trabalho que inclui trabalhadores domésticos, pescadores, trabalhadores agropecuários e florestais, auxiliares de serviços gerais, cabeleireiros, telefonistas, motoboys, marceneiros, costureiros, manicure, pedicure e entre outros que antes recebiam R$1.000,00 passaram a receber R$ 1.076,20.

A segunda faixa R$ 1.017,00 para R$ 1.094,00, e atinge os trabalhadores das áreas de administração pecuária e florestal, representantes comerciais, supervisores de compra e venda, radialistas, chefes de comunicação, dentre tantas outras redes de trabalhadores que hoje estão podendo desfrutar deste aumento aprovado pelo governo do Estado de São Paulo.

O estado paulista é um dos poucos beneficiados onde o salário mínimo é maior que o salário nacional, ou seja, os servidores beneficiados com esse aumento podem comemorar. Pois além de conseguir a aprovação do aumento do piso salarial regional, o governador também conseguiu validação do projeto que abona complementarmente os funcionários públicos a terem salários igualados a esse mínimo regional.

Com esse pequeno aumento, porém significativo, é possível que os trabalhadores que são regidos por lei estadual, consigam esticar um pouco mais o salário até o fim do mês, mesmo com a inflação acima de 7%.

Vale ressaltar que é importante a participação dos trabalhadores na fiscalização do valor pago por seus superiores e do valor pago para seus empregados. Pois a lei deve ser utilizada de forma a beneficiar os servidores, e o valor mínimo que deve ser pago as determinadas faixas. Para que a lei funcione é preciso à colaboração dos envolvidos e interessados.

Passados cinco meses da validação e recebimento do reajuste regional, é possível observar efeito positivo que teve sobre a população que tem desfrutado desse aumento.

O reajuste salarial pode auxiliar também na geração de lucros e de empregos em uma época de crise e de desempregos, podendo ajudar também na economia do estado. Mas como? O aumento do piso salarial regional pode ser um atrativo para pessoas que estão em busca de uma nova vida em uma cidade grande, como São Paulo. Pois, os empreendedores e donos de lojas, mercados e etc, podem aproveitar o momento para desembolsar um valor um pouco maior, porém com uma chance de conseguir recuperar todo o valor investido em novas contratações.

Quando uma população recebe mais, tende a gastar mais. Ou seja, pode ser uma chance de conseguir gerar lucros para o governo e vendas para os donos de negócios e também gerar empregos para pessoas que estão em busca de uma oportunidade. Em uma situação como essa, todos podem ganhar. É preciso pensar na sociedade como um todo, para assim conseguirmos tornar o país com geração de lucros e oportunidades de emprego para quem precisa.

Pensando nisso, é preciso mostrar resultados para incentivar outros estados a seguirem os mesmo passos. A longo prazo pode ser uma das soluções para a economia do país.

Por Fabiane de Barros Coelho

Salário mínimo


Secretaria da Fazenda de São Paulo libera créditos da Nota Fiscal Paulista 2016.

Foram liberados nesta segunda, dia 10 de outubro, pela Secretaria da Fazenda, um total de R$ 679 milhões referentes a bonificações do programa Nota Fiscal Paulista. Deste valor, R$ 627 milhões destinam-se a condomínios e consumidores e os outros R$ 52 milhões para as instituições sem fins lucrativos, estando esses valores disponíveis a partir das 13 horas do mesmo dia 10.

Para a obtenção do dinheiro, o usuário deve acessar o site da Secretaria da Fazenda referente ao programa Nota Fiscal Paulista (http://www.nfp.fazenda.sp.gov.br) e digitar seu CPF ou CNPJ, sendo possível a transferência para uma conta corrente ou popança de sua titularidade. Tendo um prazo máximo de 5 anos para o saque, o dinheiro será creditado na conta cadastrada em até 15 dias.

É possível também o crédito ser destinado para o pagamento do IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) de 2017, porém, para que haja esse processo, o usuário deve solicitar essa operação até o dia 31 de outubro e, para que a operação seja válida, o veículo deve estar em nome do requerente.

Outra maneira de reverter os créditos é fazendo uma doação para uma entidade social.

Sobre o programa

O programa Nota Fiscal Paulista surgiu em 2007 com o objetivo de reduzir a sonegação e melhorar a arrecadação dos impostos pelo governo. Todo usuário cadastrado, na hora da compra em um estabelecimento que esteja de acordo com as categorias dadas pela Secretaria da Fazenda, pode pedir a nota fiscal em seu CPF/CNPJ. Com isso, ele passa a receber créditos acumulados referentes ao imposto do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). A taxa pode variar de acordo com o serviço adquirido, chegando em até 20% do imposto e 7,5% do valor da nota.

Para saber se um estabelecimento faz parte do programa, basta conferir no banco de dados oficial da Secretaria da Fazenda aqui.

Caso tenha se interessado pelos créditos, mas não possui cadastro ainda, basta realizar o mesmo aqui. Para solicitar os créditos, mais informações ou em caso de dúvidas, acesse o site da Secretaria da Fazenda responsável pelo programa aqui

Gustavo Morais Abolafio


Espaço terá 2,6 mil metros quadrados e receberá empreendedores, investidores e mentores interessados em trocar experiências sobre startups.

O dia 13 de junho vai marcar a abertura de oportunidades que o Google vai oferecer para as pessoas que são empreendedoras. Elas poderão conhecer o espaço que a gigante da internet abrirá em São Paulo, mais precisamente no bairro Paraíso.

Chamado de Google Campus, a novidade trata-se de um espaço para os empreendedores, investidores e mentores deste segmento para que possam aperfeiçoar, criar e trocar suas experiências sobre startups que podem ajudar no desenvolvimento de nosso país.

Serão seis andares disponibilizados para o Google Campus em São Paulo, com 2,6 mil metros quadrados. Os interessados em conhecer o espaço poderão fazer a inscrição como visitante ou como um possível residente do mesmo.

Link para inscrição como visitante: www.campus.co/sao-paulo/pt/sign-up.

Link para a inscrição como futuro residente: https://gfepublic.secure.force.com.

Essa iniciativa do Google teve o seu anúncio feito no ano de 2014 e o projeto sai do papel em 2016. Além do espaço que fica aberto em São Paulo, o Google também conta com sedes semelhantes em Madri, Londres, Seul, Tel Aviv e Varsóvia.

O que é uma startup?

Para muitos, qualquer pequena empresa que esteja em um período inicial de trabalho pode ser apontada como uma startup. Porém, outra vertente dá conta que uma startup é uma empresa que apresenta custos sobre a sua manutenção bem reduzidos, mas tem a possibilidade de crescimento rápido e boa geração de lucros.

Atualmente, há outra definição que está satisfazendo tanto os investidores como pessoas que são especialistas nessa área. Ela atenta para o fato que uma startup é um grupo de pessoa que procura por um modelo de negócios escalável e repetível, sendo que as mesmas trabalham em condições de uma incerteza extrema.  

Nesse cenário de incerteza vamos observar que não há como apontar que a ideia em questão e o projeto da empresa vão de fato dar certo, ou então, que possam, ao menos, se apresentarem sustentáveis. O ser repetível é a possibilidade que ela tem para entregar o seu produto mais de uma vez em escala ilimitada, sem que que haja diversas customizações ou adaptações para cada tipo de cliente.

O escalável da startup é crescer sempre, sem que esse fato influencie no seu modelo de negócio. 


Paulistanos podem economizar até R$ 1.700 no ano se pesquisarem os preços em mercados.

A maior e mais populosa capital do Brasil, conhecida por ser uma cidade que nunca dorme, pois tem diversos ramos da economia durante todo o dia em funcionamento, também tem vivido sua má fase na geração de emprego e renda.

Em tempos como esse, o estado de São Paulo não tem vivido seus dias de glória econômica e, com isso, os paulistanos amargam também a decisão de fazer ajustes nas contas. Então, a palavra de ordem é economizar.

Claro que em uma cidade tão agitada como São Paulo, fazer economias usando o método de pesquisas de preço não é uma missão nada fácil. No entanto, para quem não deseja entrar na forca das dívidas, essa é uma alternativa bem eficaz.  

Como a vilã da inflação tem estado em torno de 8,5%, essa taxa tem colocado as garras principalmente em produtos alimentícios, o que explica a alta no preço de itens básicos da cesta básica como feijão, arroz, macarrão, frango e carne – até os produtos mais supérfluos como iogurtes, biscoitos e outros itens de lanches. Tudo está com o preço elevado e os paulistanos precisam se levantar da cadeira, pegar o caderninho de notas e fazer uma visita em mercados e atacados da sua região. A finalidade? Saber onde se pode comprar comida mais barata.  

Uma atitude como essa pode trazer para o trabalhador paulistano uma economia anual de R$ 1.700,00. Isso é o que afirma a Proteste Associação de Consumidores, que fez uma pesquisa e descobriu que, de um estabelecimento com a distância de poucos metros um do outro, pode-se comprar biscoitos da mesma marca e peso com a diferença de até 134%, traduzindo isso em números, significa que um pacote de biscoito pode custar de R$ 2,09 a R$ 4,90. O frango nosso de cada dia, muito comprado em épocas que carne vira iguaria de luxo, pode chegar a custar por 1 Kg o preço de R$ 7,35; enquanto em outro mercado chega a R$ 15,97.  

Claro que se leva em consideração a região onde está localizado o mercado ou atacado – quanto mais em área nobre estiver situado, mais caro tende a ficar suas compras no local. Porém, é importante entender que mesmo localizados na mesma região em São Paulo – seja ela norte, sul, leste ou oeste – sempre vai existir quem venda mais caro e mais barato.  

Atitudes como essa, de fazer um simples conhecimento de preços, pode gerar para o paulistano a média de R$ 1.700,00 de economia ao ano. Agora, imagine que, com esse valor, dá para se pagar duas parcelas do financiamento do seu carro popular, ou quem sabe custear os primeiros meses de uma pós-graduação a distância ou quem sabe até mesmo poupar para fazer uma viagem em um fim de semana.

Pense nisso! Em tempos de arrocho financeiro, pesquisar é uma medida sábia, que dá retorno e pode ajudar você a manter suas contas sempre em dia.

Por Michelle de Oliveira

Economizar no mercado


Liberação de créditos da Nota Fiscal Paulista foi adiada em 6 meses, sendo que as pessoas que iriam retirar os valores em outubro de 2015 só poderão retirá-los em abril de 2016.

O Governo do Estado de São Paulo pegou muita gente de surpresa ao anunciar que foi adiado em seis meses o prazo/calendário referente à liberação de créditos resultantes do serviço da Nota Fiscal Paulista. O anúncio foi realizado na última terça-feira, 7 de julho. Dessa forma, os cidadãos que fazem parte do serviço e que deveriam retirar os valores em outubro de 2015 apenas poderão realizar o serviço em abril de 2016. A resolução oficial foi publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo, edição de 4 de julho.

É importante destacar que, segundo o governo de Geraldo Alckmin, a medida de adiar o calendário foi tomada com base no intuito de preservar os recursos, ou seja, guardar potenciais investimentos para áreas de maior prioridade e interesse público. Com essa medida, o governo não precisa elevar a carga tributária e acaba não atingindo os principais setores da economia paulista bem como os contribuintes.

Além disso, juntamente com tal medida o governo também anunciou o corte de 30% para, no máximo, 20% da taxa do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços, o chamado ICMS. Vale destacar que é justamente essa a taxa que é reservada aos créditos que são retirados posteriormente pelos participantes do serviço. O governo afirma que a decisão tomada visa principalmente à ampliação da distribuição de vários recursos em áreas como, por exemplo, a saúde que possui seus repasses vinculados de forma direta com a arrecadação do ICMS.

Outro detalhe importante é que a medida em si apenas é válida para os créditos de ICMS que foram calculados em relação às compras que foram feitas ainda no primeiro semestre de 2015. Os usuários que ainda possuem créditos referentes a outros períodos podem utilizá-los normalmente.

Em contrapartida com essas medidas, o governo também anunciou a ampliação da quantidade de bilhetes que irão participar dos sorteios mensais. Além disso, também haverá o pagamento do prêmio principal no valor de R$ 500 mil todos os meses.

Por Bruno Henrique

Nota Fiscal Paulista

Foto: Divulgação


A última quarta-feira foi marcada pelo disparo do preço do dólar comercial, deixando mais apertado o orçamento de quem pretende viajar ao exterior ou comprará a moeda para armazenar em casa. Em São Paulo, nas casas de câmbio, o dólar foi cotado próximo de R$ 3,40. A variação vai de R$ 3,14 (em dinheiro vivo) a R$ 3,35 (no cartão pré-pago), esses valores já incluem o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). Vale lembrar que o valor para turistas é sempre mais elevado do que o preço informado no câmbio comercial.

Confira algumas das cotações:

Na Treviso Corretora, em dinheiro o dólar estava R$ 3,17, e R$ R$ 3,28 no cartão pré-pago; na Fair Corretora o valor era de R$ 3,14 em dinheiro, e R$ 3,32 no cartão pré-pago; e na Confidence o dólar estava R$ 3,18 em dinheiro e R$ 3,35 no cartão.

Se você já está com viagem agendada para o exterior em breve, especialistas orientam que é preciso comprar o dólar agora para garantir que você não pague um valor ainda mais alto. Porém, se a programação possui um tempo maior, orienta-se a comprar o dólar aos poucos, dessa forma será possível obter um preço médio.

Você sabe por que os valores são maiores?

Comumente na imprensa o valor do dólar divulgado é o comercial, o qual possui cotação menor do que o comercializado nas casas de câmbio.

O dólar comercial está presente nas movimentações financeiras realizadas pelo governo no exterior, em empréstimos de brasileiros que residem fora do Brasil e também para uso de grandes empresas em movimentações de exportação e importação de mercadorias.

Para as pessoas comuns, o dólar é vendido apenas nas casas de câmbio e seu preço é maior. Comumente, ele é comercializado para pequenos compradores que pretendem utilizá-lo em viagens, na conversão dos débitos realizados em moeda estrangeira no cartão de crédito e também na compra de passagens aéreas. 

Por Rafaela Fusieger

D?lar


O Nota Fiscal Paulista é um programa de iniciativa do governo de São Paulo que teve origem em outubro de 2007 e hoje já tem mais de 16 bilhões de participantes cadastrados. Trata-se uma ideia criativa no combate à sonegação fiscal: devolve ao consumidor até 30% do ICMS embutido no valor das mercadorias. Para tanto basta cadastrar-se e solicitar nota fiscal vinculando-a ao seu CPF ou CNPJ. 

Os créditos são liberados duas vezes por ano: em abril (créditos do 2º semestre do ano anterior) e outubro (referentes ao 1º semestre do ano corrente). Na última semana, mais precisamente desde segunda-feira (6), o programa liberou R$ 895 milhões em créditos. Do montante, R$ 23,2 milhões estão destinados aos consumidores dos 99 municípios da região de São José do Rio Preto. A cidade, que é a recordista da área, teve liberados 9,8 milhões.

Desde o início do programa já são R$ 109,9 milhões, dos quais R$ 97,2 milhões em créditos e R$ 12,7 milhões em prêmios.  

Catanduva, a segunda colocada teve R$ 2,3 milhões em créditos liberados nesta leva – R$ 26 milhões no total. Os créditos podem ser utilizados na redução do valor do IPVA do próximo exercício. Também podem ser transferidos para conta corrente ou poupança, existindo a possibilidade de fazer a doação das notas ou cupons fiscais a entidades de assistência social ou de saúde ao critério do titular.

Para consultar seus créditos basta acessar a página da Secretaria da Fazenda www.nfp.fazenda.sp.gov.br, onde também é possível fazer novos cadastros através do preenchimento de um de um questionário simples – nome, CPF, endereço, entre outros. Vale lembrar que esses valores ficam disponíveis por tempo limitado. O titular tem o prazo de até 5 anos para resgatá-los e, quando não o fizer, estes serão transferidos para a conta do Tesouro do Estado.  

Hoje o valor “esquecido” pelos consumidores paulistas ultrapassa surpreendentes R$ 4,6 bilhões.

Por André César


Em São Paulo, no mês de março existe a estimativa de um aumento da inflação ao comparar com fevereiro de 2014, conforme indica o IPC (Índice de Preços ao Consumidor).

Na segunda semana de março aconteceu um novo aumento na inflação e por consequência os especialistas se demonstram sádicos quanto ao desejo do Banco Central (BC) de atingir a meta de 4,5% nos índices inflacionários. De acordo com a FIPE (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), durante o período houve aumento de 0,68%, valor 11% superior ao comparar com a primeira prévia semanal do mês.

Ao levar em conta a estatística da FIPE, se considera “alimentação” como o setor que teve maior inflação durante a segunda semana de março. O índice fechou em 1,41% no período. Também aconteceu um aumento nos índices inflacionários com destaque nos seguintes setores:

  • Despesas Pessoais: De 0,67% para 0,56%.
  • Transportes: De 0,67% para 0,81%.

Entre os setores que ficaram em limite inferior no Índice de Preços vale destacar: Vestuário (0,18%); Educação (0,18%); Saúde (0,39%) e Habitação (0,31%).

Maria Isabel Hammes, que possui uma coluna no Zero Hora online, desacredita no fato de que a inflação no ano deve ficar na casa dos 4,5%, conforme espera os representantes do BC (Banco Central). A especialista indica que o governo faz propaganda de que vai atuar no setor de alimentos, quando na verdade não realiza nada além do que a obrigação de governar.

Hammes atenta ao fato de que embora o governo diga que tem atenção ao setor de alimentos, a verdade no setor funciona de forma diferente na vida real. A colunista indica que conforme o tempo aumentam os preços da alimentação no Brasil em valores além do que o salário mínimo pode sustentar.

Para Alexandre Tombini, presidente do BC, a principal influência na inflação alta no Brasil se encontra no setor dos alimentos.

Por Renato Duarte Plantier


Entre o período de 10 de fevereiro ao dia 16 de abril de 2014, o Senac São Paulo, em grande parceria com a BM&FBOVESPA, estará oferecendo o Curso Educar Máster gratuitamente em 23 unidades do Senac, que estão distribuídas em todo o Estado de São Paulo. O curso já está em sua 9ª edição e esta parceria terá como objetivo desenvolver a cultura de poupança e consumo consciente das pessoas, por meio de uma educação financeira.

O Educar Máster será ministrado através de temas importantes que abordam o universo das finanças pessoais, tais como alternativas de investimentos e formação de patrimônio no longo prazo, planejamento financeiro, organização de orçamento, controle de despesas, entre outros temas correlatos.

As atividades do curso deverão ser ministradas por consultores de educação financeira parceiros do Instituto Educacional da BM&FBOVESPA.

Os participantes que concluírem todo o curso receberão um certificado de participação ao final do período.

As atividades relacionadas com o curso acontecerão durante o período de dois dias, sempre das 19:00 às 22:00.

Para participar é necessário possuir idade mínima a partir de 18 anos.

As inscrições para a iniciação do curso, bem como também mais informações a respeito, poderão ser encontradas através do portal oficial do Senac São Paulo, por meio do seguinte endereço eletrônico: www.sp.senac.br. As vagas são limitadas.

Com base em números relatados, o total de famílias brasileiras que terminaram o ano de 2013 endividadas aumentou cerca de 16% com relação ao mesmo período do ano de 2012, de acordo com a Peic (Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor). No ano de 2012, o número que atingiu a marca de 1,93 milhão, no ano anterior era de 1,66 milhão. Em termos relativos, 53,8% das famílias ainda possuíam algum tipo de dívida até o mês de dezembro de 2013, uma relevância ainda alta de 7,5 pontos no mesmo período em 2012.

Por Daniela Almeida da Silva


Os decretos servem como ordens de autoridades públicas e superiores. Objetivam determinar com que as resoluções oficiais sejam cumpridas. Conheça os decretos que existem no quadro geral e influenciam as regras do IPTU na cidade de São Paulo.

No Decreto 52.703/2011, que nos dias atuais se encontra em vigor, existe o ato que serve para aprovar a legislação sobre tributos para o município de São Paulo. No quadro de leis que objetiva discutir e efetivar ordens sobre a cidade e os impostos, há regras adicionais: Decretos 51.357/2010; 50.500/2009; 49.704/2008; 48.407/2007; 47.006/2006 e 45.983/2005.

Decretos 37.923/1999e 42.396/2002: O conjunto de ordens visa aprovar e consolidar as leis da Propriedade Predial Urbana, ou seja, traz regras oficiais para organizar os princípios básicos referentes ao IPTU. Na prática específica que qualquer título imobiliário em São Paulo pode pagar ou não o imposto, o que varia de acordo com autorizações do poder público. Acessão física, natureza, bens imóveis e onerosos são modalidades que podem influenciar no dever de pagar o imposto.

Nas regras específicas do Decreto existe texto que serve para esclarecer os direitos para quem adquire o imóvel. Taxas fiscais e locais também se encontram presentes no conjunto do texto oficial, assim como as melhorias que o poder público faz com o dinheiro que recebe do imposto.

Em terras nacionais o sistema jurídico considera que os decretos se centram de forma oficial nas funções administrativas dos membros que sediam o poder político, ou seja, ordens inerentes aos cargos de prefeitos, governadores e presidentes.

O decreto pode ser pessoal ou em grupo. No primeiro caso apenas uma pessoa recebe a ordem ao ponto que na segunda opção existem grupos que ganham com regras semelhantes. Objetivo da ordem pública se encontra no ato de executar ou regulamentar, duas atividades que possuem base no Art. 84.

Por Renato Duarte Plantier


De acordo com informações colhidas no site oficial da Prefeitura de São Paulo e conforme a Lei 11.614/1994, os pensionistas, aposentados e as pessoas que possuem renda mensal vitalícia no sistema previdenciário não precisam pagar o IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano). A isenção acontece apenas para pessoas que possuem um imóvel registrado no nome físico.

Não se pode ignorar o fato de que pessoas que se enquadram nas regras precisam solicitar a isenção de forma pessoal, com ou sem procurador. Necessário ter o requerimento de isenção, entregue nas subprefeituras que se localizam próximas do imóvel. Para conquistar o documento os interessados precisam seguir ao seguinte endereço: Vale do Anhangabaú, número 206, das 08h às 18h.

Pessoas interessadas em solicitar e preencher o requerimento, para conquistar isenção na taxa de pagamento do IPTU, também precisam trazer no documento o demonstrativo que demonstra de modo claro o rendimento. Quem não apresenta o documento que demonstra a renda tem o pedido de isenção arquivado até a entrega acontecer, na subprefeitura.

Para conquistar esse tipo de isenção existem cinco tipos de regras, de acordo com a Lei: o bem imobiliário precisa compor o patrimônio de quem solicita o direito, não ter outro imóvel na cidade de São Paulo, não utilizar o bem como rendimento, ter renda de no máximo três salários mínimos e ser aposentado (pensionista ou beneficiário).

Caso as condições para conquistar a isenção deixarem de ser atendidas, existe a necessidade de comunicar à Secretaria Municipal das Finanças a atual condição, em prazo de no máximo três meses.

A cópia do demonstrativo de contas e o requerimento de isenção são os únicos documentos solicitados para conquistar o direito de não pagar IPTU, na cidade de São Paulo. Porém, caso julgue necessário, a unidade que analisa o pedido pode solicitar outras fontes documentais para conceder direito ao dono do imóvel não quitar o imposto.

Por Renato Duarte Plantier


No site da Prefeitura de São Paulo, os colaboradores do IPTU podem consultar as certidões dos tributos que se referem ao imóvel. É possível fazer não apenas a consulta das certidões negativas, como também dos dados cadastrais. Conheça os principais serviços:

  • Certidão Negativa de Débitos de Tributos Imobiliários: Com essa opção os contribuintes podem emitir e confirmar a autenticidade das certidões do IPTU, taxas de conservação pública, índices da limpeza pública, entre outros serviços que se referem ao destino do imposto.
  • Certidão Negativa de Débitos de Tributos Mobiliários: Com essa opção as pessoas podem comprovar de modo oficial como se encontra a regularidade no que tange aos recolhimentos do TRSS, TFE, TFA e ISS.
  • Certidão de Dados Cadastrais do Imóvel (Valor Venal): Além de emitir, os contribuintes também podem autentificar os dados cadastrais dos imóveis, basta colocar o número do cadastro que se encontra no boleto de pagamento e fazer a consulta. Também existe o informe da base de cálculo sobre a cobrança do IPTU.
  • Certidão de Rol Nominal: É possível requerer, emitir e fazer a confirmação da autenticação que se refere à pessoa jurídica ou física no Rol Nominal.
  • Certidão de Informações de Tributos Imobiliários: É possível confirmar e realizar a emissão do número de cadastro para confirmar informações da certidão e dos dados de lançamento do IPTU. As ações podem ser do ano vigente ou dos períodos anuais posteriores.
  • Certidão de Recolhimento da Taxa do Lixo: Com essa opção os contribuintes emitem certidão não apenas da TRSD, como também sobre a TRSS. Na lista do sistema há o quadro completo de pagamentos, desde o ano de 2010.
  • Outras Certidões de Tributos Mobiliários: Com essa opção os contribuintes podem requerer certidões do quadro geral dos tributos imobiliários que são emitidos via Secretaria Municipal de Finanças.

Clique aqui e conheça maiores informações sobre as certidões dos tributos imobiliários.

Por Renato Duarte Plantier


Contribuintes que deixaram de fazer o pagamento de parcela do IPTU 2014 em São Paulo não podem pagar com a mesma notificação com data atrasada. De forma prática existe a necessidade de solicitar a segunda via que traz novo período para quitar a dívida. Pessoas que perderam a nota para o pagamento mensal também podem fazer a solicitação de forma pessoal ou via internet.

Não se pode ignorar o fato de que serviços de emissão da segunda via são gratuitos, ou seja, contribuintes não precisam pagar valores adicionais para retirar a notificação. Quem deseja ter a nota atualizada com os valores da parcela do mês em que não fez o pagamento deve seguir de modo pessoal para o Vale do Anhangabaú, número 206. O atendimento acontece das 8h às 18h, de segunda-feira a sexta-feira.

Interessante notar que também existe a possibilidade de solicitar a segunda via na rede mundial de computadores, conhecida de forma popular como internet. Esse procedimento pode ser interessante no sentido de não ter que enfrentar filas que acontecem no atendimento pessoal. O serviço virtual está disponível das 6h às 00h, de segunda-feira a sábado. Não adianta realizar o procedimento no domingo, visto que o sistema fica em manutenção durante o período.

O serviço é de graça. Porém, apenas podem ser realizadas as solicitações das notificações de parcelas com dívida ativa, ou seja, que ultrapassaram da data de vencimento. Para retirar a notificação da segunda via há necessidade de entrar no site oficial da Prefeitura de São Paulo, clicar em IPTU e depois no link: “Segunda Via”.

Pessoas que estão com problemas de fazer o pagamento no dia 9, data automatizada no sistema do IPTU em São Paulo, podem mudar o período de pagamento das parcelas ao realizar o recadastramento no site oficial da Prefeitura e escolher o período mais adequado.

Por Renato Duarte Plantier


O Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) 2014 é entregue na própria residência dos habitantes da cidade de São Paulo, com serviço realizado por conta dos Correios. Interessante notar que pessoas que decidem pagar de forma parcelada não possuem desconto, mas recebem cada notificação da mensalidade na porta de casa. Quem deseja modificar os dias de vencimento precisa escolher a data ideal ao fazer o cadastramento no site oficial da Prefeitura.

A lei 15.044/2009 traz informações das atualizações aplicadas ao valor por metro quadrado que na soma em geral traz a quantia que deve ser paga no IPTU 2014, em São Paulo. Para que os valores somados fiquem próximos da realidade de mercado existem alíquotas distintas que levam em consideração também a função do imóvel. Por exemplo, há possibilidade de o terreno comercial ser mais caro do que o residencial, mesmo com os dois locais estabelecidos na mesma região.

A entrega das notificações acontece não apenas no endereço do imóvel como também em outros locais, desde que sejam assinalados por contribuintes que fazem o recadastramento do sistema disponível no site da Prefeitura e assinalam novo sobrescrito. Esse tipo de procedimento pode ajudar as pessoas que alugam terrenos e querem receber as parcelas do IPTU 2014 em mãos para não atrasar o pagamento.

Não se pode ignorar o fato de que contribuintes que não realizam o cadastro no site da Prefeitura para decidir qual a melhor data para realizar o pagamento possuem vencimento fixado de forma automática para o dia 9 de cada mês. Interessante notar que a data pode variar de acordo com os desejos dos contribuintes, independente do tipo ou da região na qual se estabelece o imóvel.

Também existem contribuintes que optam por receber as notificações em empreendimentos que são especialistas em administrar imóveis. Para casos do gênero, quando não existe o recadastramento, o primeiro dia de vencimento acontece em 20/03/2014.

Por Renato Duarte Plantier


Segundo a pesquisa de preços feita pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, Dieese, inflação dispara na cidade de São Paulo. O resultado para o mês de outubro do Índice do Custo de Vida do Dieese ficou em 0,81 por cento quase o dobro dos 0,41 por cento registrados em setembro.

Novamente os produtos da área de alimentação puxaram os preços para cima. Estes produtos apresentaram uma alta de preços de 1,95% e somente eles tiveram um impacto de 0,59 por cento no valor final do custo de vida medido pelo Dieese.

Segundo a pesquisa, o grupo dos alimentos tiveram uma alta generalizada, em todos os sub-setores, tanto nos alimentos in natura e semi-elaborados com uma expressiva alta de 2,25%, como naqueles industrializados com uma subida de preços de 2,05%. Isso impactou também a alta de preços para comer fora de casa que apresentou uma alta de 1,15%.

Dentro o grupo os alimentos com maiores elevações foram os grãos (como arroz e feijão) que subiram em média 7,85%. Também as Raízes e Tubérculos (como a batata inglesa) subiram expressivamente cerca de 3,82%.

A inflação para os últimos doze meses de acordo com o indicador do Dieese está em 6,43%. O número é bem mais alto do que a meta do Conselho Monetário Nacional para o índice de inflação medido pelo IBGE, o IPCA, no país, que é de 4,50%. Além dos alimentos, os produtos e serviços no setor de habitação, registraram expressiva alta no período chegando patamar de 0,65% de variação positiva, seguidos de itens de saúde, com 0,45%.

Por Matheus Camargo


O IBGE, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, apresentou estudo em que mostra que a região metropolitana de São Paulo teve aumento de desemprego em setembro. Segundo os dados do IBGE, o aumento foi considerável. Em agosto, a taxa de desempregado em São Paulo estava em 5,8% da população economicamente ativa, esse valor subiu para 6,5% em setembro.

Segundo a pesquisa, não houve redução do número de vagas de emprego, mas sim um aumento no número de pessoas buscando vagas. A taxa de desemprego nacional também subiu de 5,3% em agosto para 5,4% em setembro. Com esses dados, a soma da população desempregada no país subiu para 1,3 milhão de pessoas no mês de setembro. O que corresponde a um aumento de três por cento em relação a agosto.

Em relação ao mesmo período do ano passado, a taxa diminuiu. Em setembro de 2011 eram 8,6% da população ativa que estava a procura de emprego. A população com ocupação remunerada somou 23,2 milhões de pessoas no mês. Equivalente a um aumento de 0,9 por cento frente a agosto.

Assim 212 mil conseguiram arrumar ocupações para prover seu sustento nesse período. Em relação ao ano passado, o aumento é de 512 mil pessoas a mais com empregos, frente À setembro de 2011. Isso representa um aumento de 2,3 por cento no número de trabalhadores.

Por Matheus Camargo


Após alguns bons pregões no início da semana passada a Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) começou a apresentar uma sucessão de quedas fortes. No pregão de terça-feira, 23 de outubro, a queda chegou ao impactante 1,72%, deixando o pregão no patamar dos 57.690 pontos.

As quedas da Bovespa começaram na quinta-feira passada, 18 de outubro, após a Bolsa alcançar o patamar dos 60.000 pontos no pregão de quarta. Como motivos das quedas, têm sido apontados por analistas as preocupações com a situação da Europa. Os mercados internacionais vieram sofrendo fortes perdas depois da reunião de lideres europeus na quarta-feira passada, onde se discutiu a possibilidade da união bancária entre os países da zona do Euro. As discussões, no entanto, não foram muito para a frente e o futuro da União Europeia é incerto.

A situação na Europa ficou ainda pior com o anúncio do Banco Central da Espanha de que a recessão no país está ainda pior, nesta terça-feira. Segundo informações do BC espanhol o Produto Interno Bruto do país está em queda de 1,7% no acumulado do ano de 2012.  A agência financeira Moody's rebaixou as notas dos ratings de todas as regiões da Espanha. O dado indica a perda de confiança nas instituições espanholas em conseguirem pagar suas dividas.

Sobre as notícias domésticas, a Bolsa vive o impacto da apresentação dos balanços financeiros das empresas com as ações mais negociadas na Bovespa. Essa semana devem ser apresentados os balanços da Companhia Vale do Rio Doce, da Petrobras e dos bancos privados nacionais. O Bradesco já apresentou o seu e demonstrou um lucro líquido de R$ 3,412 bilhões entre julho e setembro deste ano.

Por Matheus Camargo

Fonte: UOL


A Bolsa de Valores de São Paulo consolidou na tarde dessa sexta-feira, dia 19 de outubro, uma trajetória de queda. O pregão da Bovespa perdeu o patamar dos 59.000 pontos e apresentava uma forte queda de 1,47% às quinze horas e trinta minutos da tarde, com 58.853 pontos.

O pregão dessa sexta-feira começou com oscilações entre perda e ganhos e atingiu um pico de 59.844 pontos por volta das dez horas e dez minutos da manhã, com alta de 0,18 pontos percentuais. Após isso se iniciou uma trajetória de queda que se acentuou à tarde.

A Bovespa seguiu a queda generalizada das bolsas internacionais com a Dow Jones, na liderança das perdas acumulando menos 1,64 por cento. O centro dos maus resultados no mercado financeiro volta a ser a Europa. Apesar de na última reunião da União Europeia os líderes políticos europeus terem dado um passo na criação de um supervisor bancário para a zona do euro, as bolsas não reagiram bem.

A situação do mercado brasileiro não está melhorando, o que contribuiu na baixa da Bovespa. O IPCA-15, prévia do índice de inflação ao consumidor nos primeiros quinze dias do mês, mostrou que outubro já acumula uma inflação de 0,65%. Isso pode indicar que a inflação de outubro supere a alta forte de setembro e faça com que o acumulado do ano de 2012 supere o centro da meta do governo.

Fonte: Infomoney

Por Matheus Camargo


Tripoli foi o vereador mais votado em São Paulo.

Na cidade de São Paulo, as Eleições 2012 elegeram 55 novos vereadores. A capital paulista teve como o candidato mais votado Tripoli, com 132.313 mil votos (aproximadamente 2,32%).

Na segunda colocação ficou Andrea Matarazzo, com 117.617 mil votos (aproximadamente 20,6%). Em terceiro colocado ficou Goulart, com 103.301 mil votos (aproximadamente 1,83%).

Do total de votos, 80% foram nominais e 19% para a legenda. Os votos brancos ficaram em 10% e os nulos em 8%.

Clique aqui e confira a lista completa dos vereadores eleitos em São Paulo.


José Serra e Haddad estão no segundo turno.

Neste domingo (07), foram realizadas as Eleições 2012 para prefeito e vereador em São Paulo. Com o resultado das urnas, ficou decidido que os eleitores paulistanos terão o segundo turno.

A disputa será entre José Serra, do PSDB, e Fernando Haddad, do PT. O candidato tucano ficou com aproximadamente 30% dos votos, um total de 1 milhão e 884 mil.

Haddad ficou na segunda posição, com cerca de 28% dos votos, com 1 milhão e 700 mil. O novo horário político será iniciado no dia 13 de outubro, onde os candidatos devem apresentar as suas propostas para convencer os eleitores no segundo turno.

Ainda estão previstos novos debates para acontecer até o dia das eleições. O horário político termina no dia 26 de outubro.

A população de São Paulo voltará às urnas no dia 28 de outubro, das 08 horas até às 17 horas.

Clique aqui e confira mais informações sobre o segundo turno em São Paulo.


Bovespa.

Nesta terça (28) a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) está operando com valorização. Por volta das 13h04, o Ibovespa, que é o principal índice da bolsa paulistana, apresentava valorização de 0,76, aos 58.555 pontos.

Nesta segunda (27), o indicador tinha fechado em queda pelo terceiro pregão seguido, apresentando investidores cautelosos frente aos crescentes sinais de desaceleração da China e também pela espera de novas medidas dos bancos centrais para a estimulação da recuperação global.

Com isso, o Ibovespa encerrou em queda de 0,54%, com 58.111 pontos. Com relação ao giro financeiro da bolsa, ele foi de R$ 4,7 bilhões, o que foi abaixo da média de 2012 que era de R$ 7,2 bilhões.

Neste ano, a bolsa apresentava uma alta acumulada de 2,39%, sendo que no mês de agosto, o número foi de R$ 3,59%.


Custo de vida em São Paulo aumentou em julho de 2012

Segundo o Dieese, o ICV (Índice de Custo de Vida) da cidade de São Paulo apresentou alta de 0,42% em julho. Em relação a junho (0,23%), esse resultado foi 0,19 ponto percentual maior. Os alimentos foram a grande influência para essa alta, com elevação de 1,11%.

As classes saúde (0,28%) e habitação (0,23%) também pressionaram a taxa. Já, os grupos vestuário (-0,23%), equipamento doméstico (-0,73%) e transporte (-0,07%) apresentaram variações negativas.

Todos os subgrupos do grupo alimentação apresentaram alta. Os produtos in natura e semielaborados registraram elevação de 1,38%, a alimentação fora do domicílio apresentou alta de 0,85%, e os produtos da indústria alimentícia ficaram com alta de 0,93%. Dentre os produtos in natura e semielaborados, os destaques foram para os legumes (alta de 20,07% nos preços). Já, as hortaliças subiram 8,46%.

A elevação do grupo habitação deve-se aos subgrupos locação, impostos e condomínio (0,03%) e operação do domicílio (-0,12%). Já, no grupo saúde, a grande influência foi a alta nos preços da assistência médica (0,3%).

No acumulado anual, o ICV registrou elevação de 3,86%, e nos últimos 12 meses, a alta foi de 6,37%.


Receita faz pente-fino em declarações de contribuintes de São Paulo

Aproximadamente mil contribuintes de São Paulo foram intimados pela Delegacia de Fiscalização da Receita Federal, sob a suspeita de deduções indevidas nas declarações do Imposto de Renda que foram entregues nos últimos 5 anos.

De acordo com informações divulgadas pela assessoria de imprensa do órgão, essas declarações apresentam deduções suspeitas em 4 casos: pensão alimentícia, educação, despesas médicas e contribuições a planos de previdência privada.

Entre as declarações analisadas sobressaem as de empregados de grandes empresas e de funcionários públicos estaduais, chamando a atenção pela presença de deduções de uma mesma fonte. Isso indicaria que o mesmo recibo estaria sendo usado em diversas declarações realizadas.

A tática do fisco para encontrar esses contribuintes, foi cruzar os dados informados com os enviados por planos de saúde, médicos, planos de previdência privada e cartórios.

Os contribuintes que receberam a notificação não devem retificar as declarações, mas comparecer à unidade da Receita informada na mesma, levando todos os documentos necessários para justificar os dados declarados.

Caso seja comprovado que houve má fé, fraude ou dolo, o contribuinte deverá pagar uma multa mínima de 75% ou de 150%, de acordo com a ocorrência.

Os contribuintes que encontrarem algum erro na declaração, mas não receberam nenhuma notificação, devem retificar o erro.


A cidade de São Paulo apresentou um aumento no custo de vida no mês de março de 0,59% quando comparado ao mês anterior. As informações fazem parte do ICV (Índice do Custo de Vida), calculado pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

O estudo também apresentou o ICV acumulado nos últimos 12 meses, nesse caso o aumento foi de 5,49%.

Analisados separadamente, os grupos que mais influenciaram o resultado foram o de habitação (com alta de 1,19%) e o de alimentação (com alta de 0,62%).

No grupo de habitação, os maiores responsáveis foram os valores referentes ao condomínio e aos impostos, juntos esses dois fatores tiveram um aumento de 1,57%.

Já com relação à alimentação, os maiores aumentos foram encontrados nos produtos considerados in natura e semielaborados, que tiveram alta de 0,59%.

Pesaram também os gastos referentes à saúde, os reajustes dos convênios e seguros médicos tiveram alta de 0,68% e as consultas médicas aumentaram 0,74%.

Por Joyce Silva


De acordo com o cálculo do Índice do Custo de Vida (ICV) realizado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o custo de vida na cidade de São Paulo teve alta de 1,32% em janeiro, sendo que em dezembro de 2011 a taxa ficou em 0,5%. O grande responsável por esse aumento foram os gastos com educação e leitura, que tiveram um aumento de 7,17%.

Os reajustes de mensalidades, de acordo com o Dieese, foram os que mais pesaram no bolso dos paulistas, em cursos formais o aumento de mensalidades chegou a 8,5%.

Na área de educação, o maior aumento se deu nas escolas de educação infantil (com 10,17%), em seguida aparecem as instituições de ensino fundamental (com 9,9%) e as de ensino médio (com 9,88%).

O acúmulo total da taxa do ICV foi de 6,12% nos últimos 12 meses.

Já a taxa anual no transporte sofreu uma queda, passou de 7,83% para 4,44% em 2011, o motivo foi a saída do aumento de 11,11% nas tarifas dos ônibus municipais, que vigorou em janeiro do ano passado.

Por Joyce Silva


Um estudo feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) mostrou que a capital paulista tem renda per capita maior que a média nacional, assim como o índice de desemprego.

A pesquisa mostrou ainda que em 2009 a renda per capita do Brasil era de pouco mais de R$600, enquanto na cidade de São Paulo a média da renda por pessoa já passava dos R$800.

Tal situação por ser vista como contraditória, visto que a taxa de desemprego registrada em São Paulo é 9,34%, enquanto que no resto do país a média é de 8,16%. O que prova que embora o desemprego seja um problema a ser resolvido, os que estão empregados tem ganhado salários razoáveis.

Esse estudo faz parte das pesquisas da “Situação Social nos Estados”, com base nas estatísticas do IBGE. O objetivo é pesquisar a qualidade de vida dos moradores de cada estado, para assim obter uma visão geral da situação do país.

A pesquisa também mostrou que no ano passado cerca de 4,2% da população paulistana vivia na pobreza extrema, enquanto que no resto do Brasil o índice é de 10,5%.

Fonte: IPEA

Por Jéssica Posenato


A Rede Carrefour vai contratar 150 novos funcionários para as unidades localizadas na região metropolitana de São Paulo. São 100 vagas para Osasco e 50 para Guarulhos. Assistência médica e odontológica, Cartão Carrefour, convênio com farmácia e ótica, seguro de vida, refeição no local de trabalho, vale-transporte e previdência privada são os benefícios oferecidos aos contratados, que irão trabalhar 44 horas por semana.

As oportunidades estão distribuídas entre os cargos de operador de caixa, balconista, repositor, fiscal de loja, frentista de posto de combustível, auxiliar de perecíveis, vendedor e promotor de vendas. Os candidatos devem ter ensino médio completo, exceto para a função de auxiliar de perecíveis, cuja exigência é o 1º grau completo. Conhecimentos em informática e experiência mínima de seis meses são requisitos para as vagas de vendedor. De uma forma geral, há chances para pessoas com ou sem experiência.

Os interessados devem comparecer à Rua do Manifesto, 931, 4º andar, Ipiranga, na capital paulista, entre os dias 13 e 30 de junho. O atendimento começa às 8 horas. A seleção consiste em triagem de currículos, entrevistas e dinâmica de grupo. Outra opção é entregar o currículo no setor de atendimento ao cliente de qualquer loja Carrefour.

Por André Gonçalves


O setor supermercadista apresentou bom crescimento em março deste ano. De acordo com levantamento realizado pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras), as vendas nas lojas cresceram 9,28% em comparação a fevereiro. Consequentemente, o maior volume de aquisições fez o consumidor certamente e ao menos uma vez enfrentar grandes filas.

Para evitar esse tipo de estresse, um Projeto de Lei (PL) em tramitação na Câmara Municipal de São Paulo visa estabelecer um tempo máximo de espera para atendimentos nos caixas de super e hipermercados situados na cidade. De autoria do vereador do Partido Progressista – Attila Russomanno, a proposta não abrange, porém, caixas rápidos e preferenciais.

O tempo máximo almejado dentro do PL n° 01-00186/2011 é de 20 minutos. Para o cumprimento, a proposta indica a entrega de senhas ou de bilhetes aos clientes com horários iniciais e de atendimento nos caixas. Caso isso não ocorra, a multa pode variar de R$ 300 a R$ 2,4 mil, valor a ser aplicado em conformidade ao número de reincidências.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Associação Paulista de Supermercados


Muito se comenta nos principais noticiários do país sobre a atual desaceleração econômica, então motivada por fatores oriundos de medidas do governo federal e de outras fontes. Entretanto, o consumidor paulista continua a consumir, ao mesmo tempo em que seu endividamento apresenta recuo.

Estudo divulgado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio) aponta que o percentual de paulistas com dívidas arrefeceu para 48,3% no mês de abril, contra índice de 52,8% de março. Traduzido em números, são menos 160 mil famílias endividadas entre os períodos.

A federação pondera que a alta confiança do paulista em vários pontos da economia e o número de trabalhadores atuando no mercado contribuíram para uma taxa mais baixa no mês. Além dessa constatação, os lares do Estado de São Paulo passaram a ter menos contas em atraso, uma vez que o índice baixou de 17,2% para 14,3%.

Nem sempre é possível terminar o mês com a remuneração adquirida por meio de um trabalho formal ou informal. Contudo, o Ipea aponta que apenas 5,1% das famílias sondadas pelo estudo não possuem qualquer condição de pagar parte ou o total de suas dívidas.

No próximo semestre, porém, a confiança pode diminuir na medida em que as iniciativas do Banco Central (BC) forem mais bem percebidas. O consumidor, não apenas o paulista, precisa ficar de olhos abertos para que o otimismo não dê vazão a novos endividamentos, embora uma situação leve a outra.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Dados referentes à segunda quadrissemana de fevereiro indicam que o Índice de Preços ao Consumidor do município de São Paulo (IPC), calculado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Fipe), apresentou variação de 0,95%, contra taxa de 1,12% da leitura precedente.

Dos sete grupos presentes no IPC da Fipe, três apresentaram baixa em seus índices. Da primeira para a segunda leitura do mês, a categoria Alimentação registrou baixa de 0,29% para 0,06%, assim como Transporte, de 3,24% para 2,47%. A Educação, por sua vez, contraiu a queda mais significativa, de 4,81% da primeira quadrissemana do mês para 3,48%.

Diferentemente dos índices das categorias acima, a taxa do grupo Habitação saltou de 0,58% para 0,67%, a de Despesas Pessoais de 0,89% para 0,90%, a de Saúde de 0,73% para 0,92% e a de Vestuário de 0,15% para 0,28%.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Fipe


O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, anunciou recentemente os novos valores para o Piso Salarial Regional. Criado em 2007 e reajustado anualmente com base na inflação e no crescimento da economia paulista, o Piso Salarial Regional beneficia mais de 1,4 milhão de trabalhadores no estado e sofrerá reajustes de até 7,14% em 2011.

Dessa forma, passará de R$ 560,00 para R$ 600,00 na primeira faixa (que contempla trabalhadores com menores remunerações e qualificação), R$ 570,00 para R$ 610,00 na segunda faixa (trabalhadores de serviços de turismo e hospedagem, vendedores, pintores, pedreiros, entre outros) e de R$ 580,00 para R$ 620,00 na terceira faixa (administradores agropecuários e florestais, representantes comerciais, técnicos em eletrônica, entre outros). Já para o funcionalismo público, o novo valor é de R$ 630,00  o que beneficiará mais de 33 mil servidores e pensionistas no estado.

O novo piso é superior aos valores federais e ao resultado da inflação de 2010 em São Paulo, que fechou 2010 em 6,40% segundo dados da FIPE (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas).

O Piso Salarial Regional do Estado de São Paulo leva em consideração as características e especificidades do mercado de trabalho paulista para o reajuste de valores, uma forma de garantir que o ganho para os trabalhadores seja maior do que a média nacional.

Por Diego Alvim


Natal e Ano Novo. Duas datas próximas, porém distintas em suas finalidades. A grande diferença entre uma e outra é a compra de presentes para 25 de dezembro, acarretando em grandes despesas para o consumidor – geralmente estendidas nas faturas de cartões de crédito a partir de janeiro seguinte.

Embora especialistas tenham endossado a teoria de contenção de gastos do 13º salário para a quitação de dívidas e ao pagamento de impostos do ano seguinte – IPTU e IPVA –, nem todos seguiram as sugestões. Dados divulgados pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio) por meio da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) revelam que o nível de endividamento dos residentes na cidade de São Paulo subiu de 45,7% em dezembro para 51,2% em janeiro.

Lares com renda mensal de até dez salários mínimos correspondem, atualmente, a 55% do total do endividamento. Traduzindo o percentual em números, a quantidade de famílias com dívidas avançou para 1,836 milhão neste mês – antes era 1,639 milhão.

Segundo a Fecomercio, o aumento dos índices de endividamento no início de 2011 é reflexo dos níveis de confiança do consumidor em dezembro, bem como a contração de novas dívidas para o Natal e para a virada de ano.

Outro fator constatado pela Fecomercio é de incremento no número de lares com contas atrasadas, avançando de 13% no mês passado para 15% em janeiro. Novamente, revela a federação, as famílias com renda entre um e dez salários mínimos representam o maior índice, de 17%.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Fecomercio


O preço da cesta básica acumula considerável crescimento em 2010, com destaque para São Paulo. Conforme números divulgados pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), nas 17 capitais os produtos apresentaram aumento de preços.

Manaus computou o maior avanço de custos, de 9,28%, com a cesta básica já custando R$ 250,56. Fortaleza também foi outro local de crescimento (8,03%), elevando o valor para R$ 208,91. Como já citado, São Paulo continua com o custo mais elevado de todo o Brasil, de R$ 264,61, acréscimo de 4,26% entre outubro e novembro. Segundo a Band Online, os itens que mais apertaram a cotação da cesta básica foram o açúcar, o óleo de soja e a carne.

No acumulado anual até novembro, o local de alta mais sentida foi Goiânia, em 23,79%. Nos últimos 12 meses, porém, Recife contabilizou o maior acréscimo de preços, de 17,29%. Na contramão de ambos figuram Aracaju e João Pessoa, com reajuste de 4,28% e 3,84%, respectivamente.

Valendo-se desses dados, o Dieese avalia que o salário mínimo em novembro deveria abranger R$ 2.222,99, suficiente, pois, para o trabalhador gerir e sustentar toda a família sem passar apertos.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A rede de restaurantes especializada em comida australiana, Outabck Steakhouse, está abrindo processo seletivo com o objetivo de aumentar seu efetivo de profissionais no estado de São Paulo. A seleção serão feita por OIT restaurantes da franquia.

Os interessados poderão concorrer as vagas de atendentes de mesa e bar, recepcionistas e auxiliares de cozinha e limpeza.

A empresa não exige experiência anterior na função para nenhuma das vagas, mas os candidatos deverão ter mais de 18 anos de idade e também Ensino Médio completo.

Para participar da seleção os interessados devem acessar o site www.outback.com.br.

Por R.D.


A empresa Cyrela Brazil Realty está com uma oportunidade para aqueles profissionais que querem trabalhar no ramo de transações imobiliárias ou quem já atua no mercado.  Segundo informações da própria empresa, o objetivo é contratar 40 pessoas para trabalharem com sua marca de vendas própria, a Seller.

Os Pré-Requisitos para se candidatar as vagas é ter mais de 18 anos, ensino superior completo, ser comunicativo, além de ser organizado.

Interessados devem enviar currículo para o e-mail: rhvendas@cyrela.com.br

Por R.D.


Está aberto o processo seletivo para o preenchimento de, aproximadamente, 60 vagas distribuídas nas 21 unidades da Cultura Inglesa na capital e interior de São Paulo.

A seleção será realizada de quatro etapas eliminatórias, sendo que após análise do currículo, será aplicado um teste de proficiência da língua inglesa, dinâmicas de grupo, entrevista e treinamento de 120 horas.

A Cultura Inglesa oferece bolsas integrais para os cursos de inglês avançado, certificações internacionais ICELT e DELTA da Universidade de Cambridge, participação em congressos nacionais e internacionais, convênio médico e odontológico, seguro de vida, plano de previdência privada, abono salarial e vale alimentação.

Os interessados devem encaminhar o currículo para academic@culturainglesasp.com.br e mais informações no site www.culturainglesasp.com.br

Por Lucimara B. da Costa


A manutenção da isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) a materiais de construção até dezembro deste ano foi muito comemorada por pessoas que dependem do setor para estabelecerem negócios e possibilitar a realização de sonhos ao próximo. O programa do governo “Minha Casa, Minha Vida”, convergido a esse fator, tem aumentado a perspectiva de compras de residências novas.

O Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo (Secovi-SP) divulgou no princípio desta semana que a comercialização de imóveis novos na região metropolitana de São Paulo ascendeu 1,9% em abril em comparação ao mês imediatamente antecessor. Os 39 municípios na Grande SP colaboraram, pois, para o aumento das vendas de lares com dois dormitórios, enquanto aqueles com três quartos tiveram baque de 9,4% no mesmo período base.

No acumulado quadrimestral, de acordo com o portal de economia Terra, foram mais de 24,5 mil unidades novas vendidas na Grande São Paulo, quase 11,7 mil correspondentes à capital paulista, ou 47,7%, segundo o Secovi-SP.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Você já foi ao mercado e escutou a frase “deseja informar seu CPF para a Nota Fiscal Paulista”? Caso sua resposta seja afirmativa, saiba que poderá resgatar uma quantia em dinheiro referente ao primeiro semestre de 2009.

A partir desta quinta-feira, esse programa do governo estadual passou a liberar aos que fazem parte desta iniciativa uma soma que representa R$ 516,3 milhões, distribuída para as 5,6 milhões de pessoas cadastradas, além de quase 3 mil entidades sociais que aderiram ao projeto neste segundo semestre.

Para aqueles que têm créditos acima de R$ 25 a serem resgatados, o depósito pode ser solicitado diretamente na Conta Corrente ou na Conta Poupança, bem como, a depender do interesse, pedir o repasse da quantia a terceiros. Infelizmente, os que possuem alguma pendência de IPVA e ICMS com o Estado estão impossibilitados de resgatar esse benefício.

Por Luiz Felipe T. Erdei




CONTINUE NAVEGANDO: