IPI de painéis de madeira, laminados de alta resistência e de PVC foi zerado

O governo publicou no Diário Oficial da União nesta segunda-feira (20/08), um decreto que reduz para zero a alíquota do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) que incide sobre painéis de madeira, laminados de alta resistência e de PVC, sendo que alguns produtos tinham a alíquota de 5% e outros de 15%.

A indústria de móveis vinha reivindicando a redução do IPI dos painéis, pois eles são considerados uma das principais matérias primas do setor.

De acordo com a Receita Federal, o objetivo dessa redução é “estimular os setores envolvidos”, pois isso contribuirá para a manutenção dos níveis da atividade econômica, e de emprego e renda.

Guido Mantega, ministro da Fazenda, anunciou a redução do IPI para os itens citados no dia 29 junho, quando renovou o prazo de redução para a linha branca de eletrodomésticos, mas a decisão somente foi publicada oficialmente nesta segunda-feira.

A estimativa é que a renúncia de receitas vinda desta redução chegue em R$ 116,12 milhões.

A medida valerá até o dia 30 de setembro de 2012, quando será encerrada a redução do IPI para móveis, papel de parede, laminados, lustres e luminárias.


Com a menor taxa desde março a inflação calculada pelo Índice de Preço ao Consumidor Amplo – IPCA – ficou em 0,24 % no mês de julho.  A redução dos preços dos alimentos em pelo menos de 0.06%, foi a principal responsável pela queda da IPCA no mês de julho, diz IBGE.

Os principais produtos que tiveram redução nos preços e colaboraram com baixa da inflação são: o leite pasteurizado com a taxa que variou de 12,10% para 4,02%, o queijo com 1,72% em junho e 0,86 em julho, o açúcar cristal registrando 3,43% para 0,24%; também apresentaram queda nos preços de junho para julho o leite em pó (de 1,48% para 0,33%) e o pão francês (0,28% para -0,44%).

Contando 1 ano a IPCA acumula variação de 4,50%. Sendo que uma maior mansidão da IPCA foi barrada pelos gastos com habitação, que anotaram um aumento de 1,11% em julho, acima da taxa de 0,27% em junho. A taxa de energia elétrica, com ascensão de 3,25% no mês de julho, em virtude do reajuste nas tarifas da região metropolitana de São Paulo, foi mais uma vilã que impediu um recuo menor da IPCA.





CONTINUE NAVEGANDO: