Confira aqui algumas dicas de investimento para aplicar até R$ 2 mil.

Nesse post vamos abordar um pouco o tema de investimentos e apresentar a você um bom investimento para realizar com R$ 2.000,00.

É claro que para começar a pensar em investimentos, você não precisa esperar ter alguma quantia pré-determinada. O correto é você estar sempre pensando em investir, sendo com R$ 50,00 ou diretamente com uma quantia maior como R$ 2.000,00.

É importante pensar que qualquer investimento vai ter um retorno, mesmo que seja pequeno, um investimento gera retorno financeiro.

Primeiro passo para investir seja com R$ 2.000,00 ou com R$ 50,00 é investir.

Primeiro tenha segurança financeira.

Qualquer pessoa que vá começar a investir está pensando em algum tipo de retorno financeiro em cima do seu dinheiro e também pensa na segurança financeira ou tem o desejo de ter mais dinheiro.

Segundo especialistas no ramo das finanças, você precisa criar um fundo de emergência financeira. Antes de ir pensando em investimentos de alto risco, o mais fundamental é pensar em um fundo de emergência para qualquer coisa que possa acontecer com você ou com sua família.

Muitas pessoas partem direto para investimentos de alto risco e talvez essa não seja a melhor opção de por onde começar.

Fundo de emergência.

O fundo de emergência financeira é um fundo que previne sua renda caso você não possa trabalhar por algum motivo. Para saber qual é o fundo financeiro que você precisa guardar, faça o cálculo das suas despesas mensais, as mais importantes e as quais você não vive sem.

Então pegue este valor e multiplique por seis vezes. Essa será sua renda de segurança antes de qualquer coisa.

Este fundo procure aplicar em investimentos de baixa volatilidade e bastante segurança. A opção de comprar tesouros dentro da taxa Selic é uma boa opção, o tesouro direto com base na Selic é um investimento que tem uma rentabilidade mais alta que uma poupança comum e pode ser movimentada a qualquer momento.

Aonde investir R$ 2.000,00?

Vamos começar frisando que para essa pergunta não existe somente uma resposta e não existe somente uma forma de ter retorno. Existem várias variáveis na hora de aplicarmos dinheiro. Seguindo abaixo eu vou apresentar algumas formas de investimento e comentar um pouco sobre cada uma delas.

Bons investimentos serão, por exemplo, investimentos de renda fixa com o prazo correspondente ao período que você pretende utilizar o dinheiro.

Deixe-me te apresentar três opções de investimento de renda fixa.

  • CDB
  • LCI
  • LCA

Qual é a diferença entre elas?

A diferença principal entre elas é que no caso de CDB você paga imposto de renda e no caso das LCI e LCA’s você não paga imposto de renda.

Todos esses três investimentos tem a mesma garantia que a poupança, que é o fundo garantidor de crédito que te garante um valor de até R$ 200.050,00 por CPF ou por instituição financeira. São investimentos muito seguros também.

Investimentos de longo prazo.

Um bom exemplo de investimentos de longo prazo é o tesouro IPCA+. O tesouro IPCA+ terá a rentabilidade fixa mais a inflação. Isto é, o tesouro IPCA+ irá te pagar um valor acima da inflação.

Então caso você tenha o seu fundo de emergência guardado e esteja sentindo a necessidade de entrar em investimentos de longo prazo, o tesouro IPCA+ oferece títulos de investimentos com vencimentos para até o ano de 2045 e 2050.

É uma boa opção para quem sabe que não vai precisar o dinheiro em curto prazo e está pensando em investir para ter sua aposentadoria ou guardar para a educação do seu filho.

Como é um investimento de longo prazo que está recebendo rentabilidade fixa mais a taxa da inflação, o tesouro IPCA+ tem um ótimo retorno sobre os investimentos.

Dicas.

Lembre-se que antes de fazer um investimento de longo prazo é muito bom você possuir um fundo de emergência. Um investimento de longo prazo é um dinheiro que você precisa saber que não irá precisar, pois se for retirado antes do vencimento ele não possui nenhum retorno.

Mauricio Lazarini Bento Junior


Saiba aqui como funciona e quais são as vantagens de aplicar o seu dinheiro na poupança.

Se você tem interesse em aprender mais sobre investimentos, confira aqui informações sobre o investimento mais popular no Brasil: a poupança.

Sobre a poupança

A poupança é uma opção de aplicação considerada mais acessível e segura, uma vez que é garantida pelo próprio governo federal. Além disso, é tida como adequada tanto para grandes investidores, quanto para pequenos.

As regras de funcionamento são definidas pelo Banco Central do Brasil (BCB) e há leis que regulamentam seu funcionamento. Atualmente, a remuneração equivale a 0,5% de juros por mês, sobre o montante depositado. Ainda deve ser incluso no cálculo, a variação da taxa referencial (TR).

Assim, quanto mais tempo você deixar o valor aplicado na poupança, maior será seu retorno.

Embora seu retorno seja baixo, comparado com outras aplicações, como por exemplo os títulos públicos, é um investimento considerado simples, isento de imposto de renda e de taxas administrativas.

Como o rendimento depende do valor da taxa básica de juros (SELIC), os ganhos ficam limitados a 6,17% no período de um ano, somando a variação da TR, quando a SELIC supera 8,5% ao ano.

Já no cenário em que a taxa básica de juros do Brasil fica inferior a 8,5%, a correção da poupança é limitada a 70% dessa taxa, mais a TR, calculada pelo BCB. Esse é o cenário atual do país, quando a SELIC está em 7,5%.

Como funciona?

O investidor deposita um montante em dinheiro na conta poupança que tenha em algum banco. A esse valor será adicionado os juros mensais, 30 dias após a data de aplicação, com rendimento regulamentado pelo Banco Central.

Se você não possui conta poupança, mas deseja abrir uma em algum banco, confira o que é necessário fazer:

1) Separar documentos – entre eles RG, CPF e comprovante de residência;

2) Apresentar documentos ao banco para que sua conta poupança seja aberta;

3) Realize seus depósitos – para que seu dinheiro comece a render, é necessário que você faça depósitos na sua conta poupança.

Outra informação que quem investe em poupança precisa saber é que o seu dinheiro não fica parado na conta. Os bancos utilizam os valores depositados para fomentar outros créditos, como o imobiliário, por exemplo. Como retorno de ter usado seu dinheiro, você recebe um rendimento do banco.

Cada banco pode oferecer diferentes modalidades de poupança, considerando vinculação à conta corrente, acessibilidade a outros dependentes e com limites de movimentações por mês para realizar movimentações bancárias, como transferências, pagamentos, vinculação com benefícios de programas do governo, entre outros.

É vantajoso ter poupança?

Apesar de não oferecer uma rentabilidade alta, é indicado para quem não possui um montante grande, mas que deseja guardar seu dinheiro, para aqueles investidores que desejam obter retorno em curto prazo e para as pessoas que preferem ter uma reserva em dinheiro, para situações de emergência, por exemplo, uma vez que o dinheiro da poupança pode ser sacado a qualquer tempo. Assim, não é necessário autorização prévia do banco, como ocorre em outros tipos de investimentos.

Outra vantagem da poupança é que não se exige valor mínimo para começar o investimento. Assim, você pode começar a aplicar seu dinheiro, mesmo que em pequena quantidade. O objetivo é não deixar de investir. Caso a conta passe meses sem movimentação, poderá ser encerrada.

Para ter poupança, não precisa ser maior de idade. Isso permite que os pais ou representantes legais comecem a guardar dinheiro para os filhos ainda que menores de 16 anos.

Histórico da poupança

No Brasil, investir em poupança é algo bem tradicional. Sua criação no país ocorreu no século 19. O objetivo era salvar o dinheiro da inflação para garantir a capacidade de compra.

Melisse V.


No acumulado do 1º trimestre deste ano o valor das retiradas atingiu R$ 23,230 bilhões

No mês de março foi registrado o pior comportamento da poupança, isso aconteceu devido à cotação do dólar que tem deixado mais atraentes outros investimentos e também por conta da alta dos juros. Outro dado preocupante para a economia brasileira é que o valor dos resgates do mês passado foi bem acima do que a quantia negativa de um ano inteiro, R$ 11,438 bilhões.

O contraste da quantia resgatada em março é assustador ao comparar com os valores retirados durante o ano de 1999 e 2000, R$ 8,769 bi e R$7,541 bi, respectivamente.

Entre os dias 9 e 13 de março foram resgatados R$ 7,552 bilhões, este dado foi divulgado pelo Banco Central. O saldo total da poupança foi de R$ 650,290 bilhões em março, incluindo nessa quantia os rendimentos do período R$ 3,538 bilhões. As retiradas somaram quantias muito mais altas, enquanto a quantia retirada foi de R$ 171,098 bilhões, o valor depositado nas contas poupança foi de R$ 159,660 bilhões.

Segundo os dados informados pelo governo, depois uma pesquisa secundária conferindo os dados desde o ano de 1995, até março de 2015, o mês com maior valor de retiradas tinha sido fevereiro de 2014, contabilizando R$ 6,236 bilhões. Já o panorama deste ano foi bem superior, no primeiro trimestre deste ano, o valor das retiradas somou R$ 23,230 bilhões.

O Ministério da Fazenda divulgou em fevereiro que os rumores de confisco da poupança ou de quaisquer outras aplicações não seria verdade. Ainda sobre o assunto, o Ministério divulgou que a informação seria falsa e que iria contra a política de governo adotada e que não condizia com a real intenção do mesmo ao elevar a taxa da poupança. Sendo assim, a população pode ficar tranquila que o dinheiro continuará rendendo mensalmente e você poderá dispor da sua reserva quando precisar.

Por Melina Menezes

Resgate da poupanca

Foto: Divulgação


A caderneta de poupança, reconhecida como um bom investimento nos anos 90, quando as altas inflações garantiam uma alta rentabilidade, vive momentos de oscilação, acompanhando a instabilidade do mercado financeiro brasileiro.

O Banco Central revela que, no mês de setembro, os depósitos da poupança superaram os saques em R$ 1,36 bilhão. O saldo total da caderneta passou de R$ 638,474 bilhões no mês de agosto para R$ 643,413 bilhões no mês de setembro. A informação foi divulgada pelo Banco Central na última segunda-feira, dia 06 de outubro.

Foram R$ 145,095 bilhões depositados e R$ 143,725 bilhões sacados. Contudo, no mês de setembro do ano passado, os depósitos superaram os saques em R$ 6,695 bilhões, uma diferença significativa para o mesmo período do ano corrente.

Acumulando os meses de janeiro a setembro de 2014, a poupança obteve captação líquida positiva de R$ 15,5 bilhões.

Mesmo com os altos e baixos, a poupança continua sendo uma boa opção para os investidores, principalmente para os pequenos e médios investidores, com um perfil mais conservador, uma vez que a caderneta de poupança é um investimento de baixo risco e que tem rentabilidade estável e segura.

A poupança chegou a ter sua rentabilidade abaixo da maioria dos investimentos entre os anos de 2011 e 2012, com uma baixa significativa da rentabilidade mensal. Contudo, com as mudanças nas taxas de juros e a taxa Selic, além de algumas mudanças adotadas pelo Governo Federal, a velha poupança voltou a ter rentabilidade mensal na casa de 0,5% ao mês, o que voltou a atrair novos investidores.

Outra vantagem da caderneta de poupança é a isenção de imposto de renda e outros impostos, diferente de outros investimentos que, apesar de ter maior rentabilidade mensal, descontam-se alguns impostos, o que acarreta, em muitos os casos, na equiparação dos lucros mensais ou até mesmo em uma superação da caderneta de poupança, se comparado a investimentos como CDB e CDI.

Por André César

Foto: divulgação


Em nossa vida sempre nos deparamos com vários paradigmas e problemas e, cada vez fica mais difícil tomar decisões em um mundo em que a informação e conhecimento se desenvolvem muito rápido.

Temos tempo para tudo, mas nem sempre sabemos como organizar e planejar nossa vida e, principalmente nosso futuro.

Com o desenvolvimento da ciência e da medicina, o homem moderno criou a possibilidade de viver cada vez mais. Neste ponto temos um impasse a respeito de nosso futuro, a tão sonhada aposentadoria. Quem não quer se aposentar aos 40 anos e viver os outros muitos anos viajando e fazendo tudo que sempre sonhou.

Obviamente, ninguém se aposentará aos 40 anos, tradicionalmente todos trabalham e pagam seus tributos até os 65 anos e no máximo até os 70 anos. Com isso, todo cidadão espera uma aposentadoria digna, mas o que vemos atualmente é um sistema público falido e que não terá capacidade para absorver toda a população que entrará com este  processo em um futuro breve.

Uma das saídas para não ficar a mercê do governo é investir em uma conta para a previdência privada. Hoje em dia inúmeras instituições bancárias e financeiras oferecem inúmeros serviços, cabe ao cliente saber avaliar e escolher o melhor plano para a sua vida.

Uma pergunta que nos tira o sono é: qual a melhor forma de investimento, previdência privada ou investir por conta própria? Pois bem, depende muito de pessoa para pessoa, se no seu caso, você sabe como fazer e acompanha as variações de mercado, invista em uma conta própria e em fundos fixos que lhe renderão lucro com o tempo, caso contrário, contrate uma instituição adequada, que cuidará de seu dinheiro e de seu plano até a sua aposentadoria, apenas tome cuidado e estabeleça tudo em um contrato bem detalhado. Ambas as possibilidades renderão a você o benefício de uma aposentadoria plena e satisfatória.

Por Claudemir Pereira

Investimentos para a aposentadoria

Foto: Divulgação


Dados coletados nos pregões da Bovespa mostram que as aplicações em fundos imobiliários tiveram uma expressiva alta esse ano. O número de investidores nos fundos imobiliários passou de 35.282 para 46.959, até o fim de agosto de 2012.

O motivo é o rendimento expressivo dos fundos. Segundo o índice Ifix, que mede o comportamento de 44 fundos de investimento na Bolsa de Valores de São Paulo, o papeis dos fundos imobiliários tiveram uma alta de 31,5% entre julho e setembro deste ano,  enquanto o índice da Ibovespa para as principais ações brasileiras tiveram ganhos de apenas 4,27%.

Os fundos imobiliários são criados por investidores, que juntam seus recursos para aplicar em vários imóveis. Eles pagam um retorno sobre o investimento inicial com alugueis ou através da venda de imóveis com valorização.

Com as altas de preço no mercado imobiliário brasileiro nos últimos dois anos, os fundos têm retribuído cada vez mais seus investidores. Porém, alguns analistas começam a lançar um sinal amarelo sobre o crescimento dos fundos, pois há rumores de que o mercado imobiliário está inchando seus preços acima do padrão da demanda.

Um pesquisador do Instituo Insper avalia que: "Se as taxas de juros continuarem caindo e os bancos continuarem dando crédito, dificilmente os preços dos imóveis vão cair". Resumindo, a avaliação comum entre os economistas e analistas é de que os preços devem se manter altos no mercado imobiliário no próximo período.

Por Matheus Camargo


De acordo com o Tesouro Nacional, o número de investimentos federais cresceu 23,5% no primeiro trimestre de 2012, quando comparado ao mesmo período de 2011.

Segundo a instituição, o valor total desses investimentos (considerando as obras públicas e o Programa Minha Casa, Minha Vida) foi de R$ 15,7 bilhões.

O principal aumento aconteceu no mês de março, sendo que o crescimento acumulado no primeiro bimestre foi de 3,3% quando comparado ao ano passado.

Os investimentos também apresentaram aumento no PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). De janeiro a março, o gasto foi de R$ 8 bilhões, isso representou um crescimento de 46,9% quando comparado ao primeiro trimestre de 2011. Quando comparados mensalmente, o investimento no PAC em janeiro e fevereiro apresentou um ritmo mais lento do que no mês de março desse ano.

O investimento em obras públicas é uma das prioridades do atual governo. Segundo os índices divulgados pelo governo, somente o Programa Minha Casa, Minha Vida foi o responsável por cerca de R$ 900 milhões em investimentos.

Vale lembrar que em outras obras públicas, o volume de investimentos apresentou queda, mas segundo o secretário do Tesouro Nacional, esses investimentos serão retomados nos próximos meses.

Por Joyce Silva


Para começar investir não é muito fácil, é necessário programar-se para fazê-lo.

O primeiro passo é separar as despesas mensais e a quantia o qual você deseja investir seja em ações ou poupança.

Este planejamento deve ser feito minuciosamente para obter uma boa rentabilização durante o mês sobre o valor que foi investido.

Feito todo o planejamento o valor investido futuramente poderá ser utilizado para começar a formar o seu patrimônio, mas atenção é necessária muita disciplina.

Após toda essa análise de gastos mensal e quanto você poderá poupar, é muito mais fácil saber como alcançar os seus objetivos.

Por Paula Ribeiro

Fonte: Ágora


Muita gente que quer investir seu rico dinheirinho deve estar cheio de dúvidas em qual seria o melhor investimento.

Tentando encontrar uma resposta para esta questão o UOL preparou uma matéria buscando ajudar quem tem dúvidas no que fazer para investir o seu dinheiro.

O vídeo traz dicas bacanas de como poupar o seu dinheiro e de qual investimento é melhor para você que busca um retorno a curto ou longo prazo.

Confira a matéria abaixo:





CONTINUE NAVEGANDO: