A Fundação Getúlio Vargas,  FGV, apresentou nesta terça-feira, dia 30 de outubro de 2012, um estudo que mostra que a evolução dos preços dos produtos agropecuários no atacado (subíndice do IPA – Índice de Preços do Atacado) apresenta uma variação negativa de 0,57%.

Segundo a pesquisa de Índice de Preços do Atacado os valores dos produtos industriais também apresentaram queda, embora com menor intensidade ao passar de uma variação positiva de 0,65% em setembro para uma queda de 0,05% no mês de outubro deste ano.

Os preços dos chamados bens intermediários apresentam uma alta em outubro com uma variação positiva de 0,41% frente ao mês de setembro onde a variação ficou em mais 0,90 %. Os preços dos bens finais mostraram também uma variação positiva de 0,07% neste mês frente a variação de 0,99% no mês de setembro.

Os valores das matérias primas brutas ficaram em 0,24% menores no mês comparados a uma alta de preços de 1,95% no mês de setembro. No resultado geral dos índices de preços ao produtor o  resultado do mês de outubro ficou 0,20% menor.

Por Matheus Camargo

Fonte: Exame


Referente às famílias com ganhos entre um e 40 salários mínimos mensais, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), similar ao tradicional IPCA (a diferença está no período de coleta), apresentou variação de 0,76% neste mês, resultado serenamente superior ao 0,69% constado em dezembro.

No confronto anual nova alta, pois em janeiro do ano passado a taxa constatada ficou em 0,52%. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), levando-se em consideração os últimos 12 meses, o IPCA-15 acumula índice positivo de 6,04%, também acima do período igualmente anterior, quando a entidade registrou variação 5,79%.

O maior impacto na alta do IPCA-15 foi decorrente, conforme previsões de especialistas, do avanço nas tarifas cobradas nos ônibus urbanos, que reteve variação de 1,77%, ou 0,07% como elemento individual no medidor. Outro motivador para o incremento, ainda no grupo Transportes, foi o etanol (variação de 4,31%).

De acordo com o IBGE, o índice da categoria Habitação passou de 0,51% no relatório anterior para 0,60% de agora. O grupo Alimentação e Bebidas agregou queda na taxa, para 1,21% neste mês, contra 1,84% em dezembro.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: IBGE





CONTINUE NAVEGANDO: