A Bolsa de Valores de São Paulo, Bovespa, apresentou uma tendência de queda no pregão do dia 9 de novembro, sexta-feira.

A Bovespa está acompanhando de perto a crescente tensão do mercado financeiro americano com os problemas das contas pública do país. A discussão deve ser o centro da vida política americana até o final do ano, quando será decidido o orçamento para 2013, agora que as eleições presidenciais terminaram.

O Ibovespa chegou a bater no piso dos 57 mil pontos pela manhã de sexta-feira acompanhando Nova York, onde o mercado de futuros caía 0,46%. A tendência de queda se alastrou nos índices da S&P 500, que caiam 0,44%. Somente o índice da Nasdaq apresentou variação positiva, com 0,33%.

O problema é o abismo fiscal nos Estados Unidos. Com a arrecadação estagnada pela recessão econômica, o governo norte-americano vê sua dívida pública chegar a patamares gigantescos, nunca antes alcançados. Além disso, o risco de recessão neste final de ano na França, que é a segunda maior economia da zona do euro, impacta o mundo financeiro.

Outro fator de desestabilização é a situação crítica na Espanha. O país em recessão não quer pedir socorro financeiro ao Banco Central Europeu, que certamente irá impor medidas de austeridade em troca do empréstimo ao país.

Por Matheus Camargo

Fonte: UOL   


Com o clima positivo nos mercados financeiros mundiais a Bovespa seguiu uma trajetória de alta rumo ao patamar de 60 mil pontos. O patamar é considerado como o "teto" atual das negociações da Bovespa, pois sempre que a bolsa consegue atingir ele não sustenta o patamar por muitos pregões consecutivos, apresentando queda logo em seguida.

Os principais papéis que apresentaram alta e ajudaram no bom resultado do pregão de terça-feira, 6 de novembro, foram os das siderúrgicas Vale e Petrobras.

Contribuiu para o clima positivo no mercado financeiro internacional o rápido processo de apuração de votos das eleições presidenciais no Estados Unidos. Já, durante a madrugada de terça para quarta-feira, 7 de novembro, os resultados foram anunciados e Obama foi reeleito para mais quatro anos na Casa Branca.

No pregão de terça-feirs o índice Ibovespa encerrou com uma variação positiva de 2,15% chegando a 59.458,59 pontos. No pico o índice apresentou uma alta de 2,32% com cerca e 59.561 pontos. Foram movimentados cerca de R$ 6,231 bilhões nesse pregão.

As ações da empresas Petrobras, Vale, Usiminas e outras siderúrgicas operaram em alta junto com a subida de preço das commodities no mercado exterior. As ações nominativas ordinárias da Petrobras (ON) apresentaram uma alta de 2,00%, enquanto as ações nominativas preferenciais subiram cerca de 2,07%.

Outro fator que poderia ter impulsionado as ações da petroleira teria sido rumores entre os investidores da bolsa de que o novo reajuste do preço dos combustíveis poderia ocorrer ainda esse ano, mesmo sem nenhuma sinalização oficial por parte do governo que isso poderia ocorrer.

Por Matheus Camargo


Nesta terça (11), a Bovespa encerrou em alta, quando o governo brasileiro divulgou a redução de tarifas de energia elétrica.

Tal medida deverá beneficiar ações do setor industrial, com maior destaque para as siderúrgicas. Em âmbito externo, os pacotes de estímulo na China e nos Estados Unidos influenciaram os mercados.

Para os Estados Unidos, o pensamento é para que aconteça uma nova rodada de afrouxamento monetário. Já na China, o pacote de estímulos que foi anunciado na semana passada contribuiu para o avanço das ações na sessão, de acordo com os operadores.

O Ibovespa, que é principal índice da bolsa de São Paulo, subiu 1,74%, a 59.422 pontos. Os investidores ainda esperam o anúncio do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, nesta quinta (13).

Na quarta (12), será conhecida a decisão da corte da Alemanha sobre o fundo de resgate da zona do euro.

 Nesta terça, o governo brasileiro anunciou a redução de tarifas de energia elétrica de 16% para 28% para a indústria e consumidores residenciais. Segundo especialistas, a medida deverá ajudar especialmente as siderúrgicas.


Nesta terça (04), a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em queda, acompanhando o clima de cautela dos mercados externos.

Os investidores estão em compasso de espera por detalhes da ação vinda do Banco Central Europeu (BCE) nesta semana.

Por volta das 15h22 (horário de Brasília), o Ibovespa apresentava recuo de 1,14%, a 56.621 pontos.

Nesta quinta-feira, haverá a decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), o que deixa os agentes na expectativa. O presidente da Instituição, Mario Draghi, fará uma coletiva de imprensa, que poderá anunciar medidas de estímulo frente a zona do euro.

Nesta segunda-feira, o principal indicador do mercado acionário brasileiro operou em alta de 0,39%, a 57.281 pontos.


Ibovespa fechou com leve alta nesta segunda-feira

A Bovespa encerrou o dia de hoje (20/08) com leve alta, após as negociações terem ficado sem direção definida por boa parte do dia. O mercado ainda está à espera de medidas de ajuda à zona do euro.

O Ibovespa encerrou em alta de 0,34%, a 59.283 pontos. O giro financeiro do pregão foi de R$ 9,917 bilhões. No acumulado mensal a alta é de 5,68%, e no anual, 4,46%.

O dia também foi marcado pelo vencimento de opções sobre ações. Segundo a BM&FBovespa, o exercício de contratos de opções sobre ações movimentou R$ 3,97 bilhões, sendo R$ 944,92 milhões em opções de venda e R$ 3,03 bilhões em opções de compra.

Os investidores também estão ansiosos com os eventos que serão realizados nesta semana, como os encontros do premiê grego, Antonis Samaras, com o presidente do Eurogrupp, Jean-Claude Juncker, na quinta-feira, dia 22; com a chanceler alemã, Ângela Merkel, na sexta-feira, dia 24; e com o presidente francês, François Hollande, no sábado, dia 25.


Ibovespa opera em queda no dia de hoje

O principal índice da Bovespa opera em queda nesta sexta-feira (17/08), indo em sentido oposto da véspera, quando encerrou o dia em alta de 2,16%.

Às 11h20, o Ibovespa registrou queda de 0,36%, a 59.229 pontos.

Outra influência no pregão de hoje, foi a divulgação do resultado do IBC-Br, que revelou alta da atividade econômica do Brasil no mês de junho.

Ontem, o índice encerrou em alta de 2,16%, a 59.445 pontos, influenciado pelos bons números da economia doméstica, e pelos dados das vendas no varejo, que mostraram crescimento de 1,50% no mês de junho em relação a maio.


Boas notícias sobre a economia doméstica brasileira e o bom humor sobre a economia externa fizeram com que a Bolsa de Valores de São Paulo fechasse o dia de hoje com uma boa valorização, subindo 2,16%, a 59.445 pontos.

Portanto, trazemos os resultados finais das principais ações do índice de hoje:

  • Maiores altas:

– PDG REALT ON: 10,29%, a R$ 3,75;

– BRASKEM PNA: 7,78%, a R$ 15,37;

– MRV ON: 5,84%, a R$ 11,97;

– GAFISA ON: 5,80%, a R$ 3,65;

– GOL PN: 5,02%, a R$ 10,25.

  • Maiores baixas:

– ULTRAPAR ON ED: -1,64%, a R$ 45,05;

– COSAN ON: -0,56%, a R$ 32,02;

– TELEF BRASIL PN: -0,52%, a R$ 49,83;

– MARFRIG ON: -0,39%, a R$ 10,34.


Ibovespa fechou o dia em alta de 2,16%

A Bovespa terminou o dia em alta nesta quinta-feira (16/08).

O resultado positivo foi impulsionado pelas ações da Vale, que voltaram a ganhar valorização no mercado externo, e pela rodada de bons números na economia nacional.

Portanto, o Ibovespa fechou em alta de 2,16%, a 59.445 pontos, registrando o maior índice desde 11 de maio. O giro financeiro do pregão foi de R$ 6,577 bilhões.

Além dos fatores que influenciaram a valorização da bolsa citados acima, a notícia de ontem sobre o projeto de concessões de ferrovias e rodovias também repercutiu positivamente no mercado.

O setor da construção civil também aparece otimista, e disparou na bolsa hoje, liderado pela PDG Realty, que encerrou o dia em alta de 10,29%, a R$ 3,75.


Ibovespa registra alta nesta quinta-feira

O principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo opera em alta no dia de hoje (16/08), impulsionado pelos ativos da Petrobras e da Vale, e com os investidores analisando o bom resultado (melhor do que o esperado) das vendas no varejo brasileiro de junho deste ano.

Por volta das 13h53, o Ibovespa registrava alta de 1,12%, a 58.848 pontos.

Ontem, o índice fechou em alta de 0,18%, a 58.189 pontos.


Ibovespa encerrou o dia em alta de 0,18%

O principal índice da Bovespa encerrou esta quarta-feira (15/08) em leve alta, depois de passar o dia com oscilações negativas e positivas.

O Ibovespa fechou em alta de 0,18%, a 58.189 pontos. O giro financeiro da sessão foi de R$ 21,056 bilhões.

A bolsa teve grande influência dos vencimentos de índice e dos resultados corporativos, que estão sendo revelados desde terça-feira, fazendo com que as ações tenham bastante movimentação.

A mínima do índice de hoje foi de -0,78%, e a máxima, de 0,50%.


Bovespa registra desvalorização nesta quarta-feira

No início do dia de hoje (15/08) a Bovespa apresentava valorização, porém no decorrer do pregão passou a operar em queda.

Às 15h20, o Ibovespa registrava desvalorização de 0,16%, a 57.989 pontos.

Ontem, o índice encerrou em queda, após uma sessão carregada de resultados corporativos e às vésperas do vencimento de opções sobre índice futuro e opções sobre índice.


Bovespa encerrou o dia em queda de 1,76%

Após operar sem uma tendência definida na maior parte do dia, o principal índice da Bovespa encerrou esta terça-feira (14/08) em queda, acompanhando um movimento de realização de lucros após os ganhos recentes.

A queda ocorreu em uma sessão de resultados corporativos e às vésperas do vencimento de opções sobre índice e opções sobre índice futuro.

A baixa do Ibovespa foi de 1,76%, a 58.082 pontos, e o giro financeiro foi de R$ 6,730 bilhões.

Os papéis preferenciais da Gol registraram a maior baixa no índice, com queda de 12,86%, a R$ 9,55.


Ibovespa registra leve alta nesta terça-feira

A Bovespa opera em leve alta nesta terça-feira (14/08), acompanhando as bolsas externas, após informações que indicaram uma contração da zona do euro no 2º trimestre deste ano, reforçando as expectativas de que BCE possa tomar alguma atitude para conter a crise da região.

Às 11h21, o Ibovespa subia 0,13%, a 59.197 pontos.

No cenário doméstico, o destaque fica para a agenda carregada de resultados corporativos e o vencimento de opções sobre o índice na quarta-feira, que podem influenciar o pregão, adicionando volatilidade.


Ibovespa fechou em leve queda nesta segunda-feira

O principal índice da Bovespa encerrou esta segunda-feira (13/08) em leve queda de 0,27%, a 59.122 pontos. O giro financeiro da bolsa foi de R$ 5,22 bilhões.

Os investidores permanecem cautelosos e com pouca atração por ativos de risco, preocupados com andamento da economia mundial.

No acumulado mensal, a Bovespa registra valorização de 5,39%, e no anual, a elevação é de 4,17%.


Ibovespa opera em queda nesta segunda-feira

Diante das preocupações com a recuperação global, a Bovespa vem acompanhando o mercado externo nesta segunda-feira (13/08) e segue em queda.

Às 14h10, o Ibovespa registrava baixa de 0,10%, a 59.223 pontos.

Outro fator que vem influenciando esta queda é a nova piora nas expectativas para o desempenho da economia do Brasil neste ano, pois a perspectiva para o crescimento do PIB brasileiro foi reduzida para 1,81% ante 1,85% de antes.


Ibovespa fechou em alta nesta sexta-feira

O principal índice da Bovespa encerrou em alta nesta sexta-feira (10/08) influenciada pelas ações da Gafisa, que subiram mais de 15% após a divulgação dos resultados positivos obtidos no segundo trimestre.

O Ibovespa subiu 0,82%, a 59.280 pontos. O giro financeiro do pregão foi de R$ 6,248 bilhões. No acumulado semanal, o índice tem alta de 3,53%, e no anual a valorização é de 3,15%.


Ibovespa opera em alta nesta sexta-feira

Após abrir o dia de hoje (10/08) em queda, influenciada pela divulgação dos dados ruins registrados na China em julho, que é o principal parceiro comercial do Brasil e forte comprador de matérias-primas, a Bovespa inverteu a situação e passou a operar em alta.

Às 15h06, o Ibovespa registrou alta de 0,60%, a 59.148 pontos.

As ações da Gafisa também apresentaram alta de 9,97%, a R$ 3,42, influenciadas pelo bom desempenho obtido no segundo trimestre.

Por outro lado, os papéis da Rossi foram a principal baixa vista até o momento na Bovespa, com queda de 4,70%, a R$ 5,47.


Depois de quebrar as consecutivas altas registradas nos últimos 4 dias, o Ibovespa encerrou esta quinta-feira em queda de 0,26%, mas quase alcançou os 59 mil pontos, ficando nos 58.797.

As ações da Petrobras, que estavam em forte alta ontem, apresentaram um recuo de 0,85% (preferenciais), a R$ 21,00, depois que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, declarou que os preços dos combustíveis podem não sofrer reajustes neste ano.

Já, entre as ações com as maiores altas registradas entre as 18h10 e 18h41, estão:

– GOL PN: 4,38%, a R$ 10,49;

– CESP PNB EJ: 3,46%, a R$ 36,80;

– GAFISA ON: 2,98%, a R$ 3,11;

– ELETROPAULO PN: 2,91%, a R$ 19,09;

– OGX PETROLEO ON: 2,91%, a R$ 6,37.

E, as ações com as maiores baixas vistas entre as 18h22 e 18h41, foram:

– V-AGRO ON: -5,13%, a R$ 0,37;

– JBS ON: -3,72, a R$ 5,70;

– LOJAS RENNER ON: -3,45%, a R$ 63,05;

– USIMINAS PNA: -3,03%, a R$ 8,00;

– MMX MINER ON: -2,92%, a R$ 6,31.


Ibovespa fechou em queda nesta quinta-feira

O principal índice da Bovespa encerrou o dia de hoje (09/08) com leve queda, após quase se aproximar dos 59 mil pontos no fechamento de ontem. Com isso, quebrou a sequência de quatro altas consecutivas.

O Ibovespa registrou baixa de 0,26%, a 58.797 pontos. O giro financeiro foi o menor deste mês, com R$ 5,733 bilhões. No acumulado anual, a valorização é de 3,6%. Já, na semana a alta acumulada é de 2,69%, e no mês, é de 4,84%.

De acordo com os operadores de mercado, os investidores estavam otimistas e ao mesmo tempo cautelosos diante da falta de notícias dos mercados externos.


Impulsionada pela valorização dos ativos da Petrobras, a Bovespa encerrou esta quarta-feira em alta de 2,12%, a 58.950 pontos.

Com isso, as ações com as maiores altas registradas entre as 17h58 e 18h24, foram:

– GAFISA ON: 7,88%, a R$ 3,01;

– USIMINAS ON: 7,10%, a R$ 9,35;

– ROSSI RESID ON: 6,25%, a R$ 5,61;

– CIA HERING ON: 5,66%, a R$ 43,06;

– USIMINAS PNA: 5,64%, a R$ 8,24.

As ações com as maiores baixas, entre as 17h54 e 18h18, foram:

– SOUZA CRUZ ON: -2,85%, a R$ 27,20;

– CESP PNB: -2,61%, a R$ 35,69;

– FIBRIA ON: -2,42%, a R$ 15,68;

– ULTRAPAR ON: -1,55%, a R$ 46,09;

– LOCALIZA ON: -0,73%, a R$ 33,90.


Ibovespa fechou em alta de 2,12% nesta quarta-feira

A Bovespa reagiu no dia de hoje (08/08) e fechou em alta, impulsionada pela valorização dos papéis da Petrobras. As ações da estatal subiram após as afirmações do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, de que há possibilidade do preço da gasolina aumentar neste ano.

O Ibovespa apresentou alta de 2,12%, a 58.950 pontos. Sendo assim, a bolsa acumula alta de 5,09% neste mês, e crescimento de 3,87% no ano. O volume financeiro ficou em R$ 7,122 bilhões, um pouco acima da média dos últimos dias.


Bovespa opera em alta nesta quarta-feira

O principal índice da Bovespa opera em alta no dia de hoje (08/08) impulsionado pelos bons ganhos das ações da Petrobras, depois da notícia de que o governo estaria revendo um novo aumento nos preços dos combustíveis.

Às 13h34, a alta registrada foi de 1,83%, a 58.782 pontos. Por volta desse mesmo horário, as ações ordinárias da Petrobras apresentavam alta de 5,29%, cotadas a R$ 22,11.


Encerrando esta terça-feira em queda, a Bovespa foi influenciada pelos setores da construção e siderurgia, limitando-se pelo avanço dos ativos da Petrobras que registraram alta.

Com isso, as ações que apresentaram as maiores altas no dia de hoje, entre as 18h44 e 18h59, foram:

– JBS ON: 4,83%, a R$ 5,86;

– EMBRAER ON: 2,82%, a R$ 13,13;

– PETROBRAS PN: 1,56%, a R$ 20,23;

– PETROBRAS ON: 1,45%, a R$ 21,00;

– CPFL ENERGIA ON: 1,00%, a R$ 24,25.

E as ações com as maiores baixas, registradas entre as 18h53 e 18h59, foram:

– USIMINAS PNA: -8,68%, a R$ 7,78;

– USIMINAS ON: -6,99%, a R$ 8,65;

– GAFISA ON: -6,67, a R$ 2,80;

– B2W VAREJO ON: -6,66%, a R$ 7,15;

– ROSSI RESID ON: -6,16, a R$ 5,33.


Ibovespa encerrou esta terça-feira em queda

Após dois dias de alta a Bovespa encerrou esta terça-feira em queda, ficando do lado oposto dos mercados externos, influenciada pelos setores de siderurgia e construção.

O Ibovespa registrou queda de 1,06%, a 57.725 pontos. O giro financeiro do pregão foi de R$ 7,27 bilhões.

No acumulado anual a bolsa está em alta de 1,7%, e no mensal, 2,9%. Já, nesta semana a alta acumulada está em 0,82%.

A queda de hoje foi limitada pelo avanço dos papéis da Petrobras, que fecharam em alta.


Com o Ibovespa operando em um cenário favorável nesta terça-feira (07/08), apresentado alta de 0,45%, a 58.607 pontos, às 11h58, as maiores altas das ações vistas às 11h43 foram:

– JBS ON: 5,01%, a R$ 5,87;

– V-AGRO ON: 2,63%, a R$ 0,39;

– PETROBRAS PN: 2,56%, a R$ 20,43;

– BRADESCO PN EJ: 2,51%, a R$ 33,85;

– MMX MINER ON: 2,47%, a R$ 6,63.

Por outro lado, as maiores baixas registradas também às 11h43, foram:

– USIMINAS PNA: -3,99, a R$ 8,18;

– USIMINAS ON: -3,76%, a R$ 8,95;

– CCR SA ON: -2,73%, a R$ 17,79;

– GOL PN: -2,32%, a R$ 9,68;

– CYRELA REALT ON: -2,21%, a R$ 16,77.


Ibovespa registra alta nesta terça-feira

O principal índice da Bovespa iniciou o dia de hoje (07/08) em alta, acompanhando as bolsas internacionais.

Às 11h34, o Ibovespa registrava alta de 0,91%, a 58.876 pontos.

Os investidores estão otimistas, sendo favorecidos pela agenda esvaziada. Segundo o BB Investimentos, a trajetória para o longo do dia é boa e parece se favorável, mas dependerá do comportamento do Dow Jones.

Apesar disso, esta semana ainda está cheia de indicadores econômicos da China, com números de inflação nesta quarta-feira, produção industrial e vendas a varejo na quinta-feira, e a balança comercial na sexta-feira.

No exterior, as expectativas de novas medidas de estímulo monetário na zona do euro e nos Estados Unidos ainda continuam influenciando em todos os mercados.


Com os dados de que o Ibovespa fechou o dia em alta de 1,90%, a 58.344 pontos, as maiores altas das ações, registradas entre as 18h56 e 18h59, foram:

– USIMINAS PNA: 8,48%, a R$ 8,57;

– SID NACIONAL ON: 7,85%, a R$ 11,26;

– OGX PETROLEO ON: 7,13%, a R$ 6,16;

– CYRELA REALT ON: 6,75%, a R$ 17,24;

– USIMINAS ON: 6,53%, a R$ 9,30.

Já, as maiores baixas vistas entre as 18h34 e 18h59, foram:

– ELETROPAULO PN: -3,38%, a R$ 18,00;

– DASA ON: -2,61%, a R$ 11,20;

– TRAN PAULIST PN: -1,45%, a R$ 55,19;

– KLABIN S/A PN: -1,18%, a R$ 9,23;

– CIELO ON: -0,76%, a R$ 61,30.


Ibovespa encerrou o dia em alta de 1,90%

O principal índice da Bovespa encerrou em alta nesta segunda-feira (06/08), após as notícias de melhora no cenário externo e pela valorização das ações da Petrobras.

O Ibovespa fechou em alta de 1,90%, a 58.344 pontos. No acumulado mensal a bolsa tem valorização de 4,01%, e no anual, 2,8%.

A virada dos papéis da Petrobras influenciou diretamente na Bovespa, pois no início do dia apresentaram queda de até 5%, e acabaram encerrando o dia com valorização.

A Bovespa registrou hoje a maior pontuação final diária desde o dia 11 de maio, quando encerrou o dia nos 59.445 pontos.


Influenciado pelas notícias internacionais, especificamente da zona do euro, o Ibovespa encerrou esta quinta-feira em queda de 1,37%, a 55.520 pontos.

Com isso, as ações que registraram as maiores altas, entre as 17h59 e 1819, foram:

– TIM PART. S/A ON: 4,75%, a R$ 9,10;

– LOCALIZA ON: 3,94%, a R$ 33,26;

– BR MALLS PAR. ON: 2,89%, a R$ 24,90;

– SOUZA CRUZ ON: 2,39%, a R$ 29,08;

– ULTRAPAR ON: 1,48%, a R$ 47,95.

Já, as ações com as maiores baixas, registradas entre as 17h50 e 18h19, foram:

– MRV ON: -5,60%, a R$ 10,12;

– LOJAS RENNER ON: -4,42%, a R$ 59,26;

– ELETROPAULO PN: -4,17%, a R$ 18,36;

– PDG REALT ON: -4,13%, a R$ 3,25;

– SANTANDER BR UNT: -3,90%, a R$ 15,05.


Bovespa: queda de 1,37%

O principal índice da Bovespa encerrou o dia de hoje (02/08) em queda de 1,37%, a 55.520 pontos.

A grande influência para a baixa de hoje foi o discurso feito pelo presidente do BCE, Mario Draghi, que não apresentou novidades para a recuperação econômica da zona do euro.

Dentre as ações que apresentaram valorização, destaca-se as da TIM, que começaram a subir depois das informações de que a Anatel liberaria as vendas de chips que tinham sido suspensas. A alta dos papéis da TIM foi de 4,26%, a R$ 9,06.


Bovespa opera em queda após discurso de Mario Draghi (BCE)

Após o presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, afirmar que a instituição poderá efetuar operações diretas no mercado aberto para estabilizar os custos da dívida de países da zona do euro, mas que para definir essas medidas levaria algumas semanas, a Bovespa vem operando em queda nesta quinta-feira (02/08).

Com os investidores decepcionados com as decisões do BCE, o Ibovespa apresentou queda de 1,33%, a 55.543 pontos, às 14h26.

O mercado aguardava com grande expectativa pelo discurso de Draghi, que não trouxe muitas novidades e mudanças, limitando-se apenas a dizer que o conselho da autoridade monetária poderá adotar medidas não convencionais, e que os governos devem estar preparados para ativar os fundos de resgate da zona do euro no mercado de títulos.


Ibovespa fechou em alta de 0,35%

O principal índice da Bovespa encerrou o dia de hoje (1º/08) com leve alta, após a notícia de que o Fed não irá oferecer novos estímulos à economia.

Os investidores continuam cautelosos, esperando alguma definição da reunião do BCE que ocorrerá amanhã.

O Ibovespa fechou em alta de 0,35%, a 56.292 pontos. O giro financeiro do pregão foi de R$ 5,98 bilhões.


Ibovespa apresenta queda nesta quarta-feira

O principal índice da Bovespa está operando em queda nesta quarta-feira, 1º de agosto, pois os investidores estão ansiosos para saber o resultado da reunião do Fed, que será divulgado hoje, e do Banco Central Europeu, que será revelado amanhã (02/08).

Às 10h56, o Ibovespa registrava queda de 0,73%, a 55.688 pontos.

Ontem, a Bovespa fechou o dia em queda, mas apresentou a primeira alta mensal desde fevereiro. Porém, no acumulado do mês ficou com alta de 3,2%, e do ano, com queda de 1,16%.


Ibovespa registrou queda de 2% no último dia do mês

A Bovespa fechou o dia de hoje (31/07) em queda, mas apresentou a primeira alta mensal desde fevereiro deste ano.

O principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, Ibovespa, encerrou o pregão em baixa de 2%, a 56.097 pontos. No acumulado mensal, a alta fica em 3,2%, e no anual apresenta queda de 1,16%.

No início do dia a Bovespa operava em alta, porém houve várias oscilações influenciadas pelas especulações de que o Fed e o BCE irão anunciar novas medidas nos próximos dias.

As ações que apresentaram a maior alta foram as preferenciais da Usiminas, com alta de 5,28%. Já, as principais quedas registradas foram nas ações ordinárias da PDG Realty, com baixa de 7,34%, e as da TIM, com queda de 5,84%.


Ibovespa opera em baixa nesta terça-feira

Ontem (30/07), pelo terceiro dia consecutivo o principal índice da Bovespa fechou em alta. O Ibovespa registrou 1,22%, a 57.288 pontos.

Porém, nesta terça-feira (31/07), o índice abriu o dia em baixa de 0,37%, a 57.027 pontos,  influenciada pela divulgação do aumento do desemprego na Europa, mas vem oscilando. Com algumas altas registradas hoje, às 11h37 o Ibovespa voltou a cair, ficando em -0,93%, a 56.706 pontos.

As ações com maiores altas registradas na bolsa, entre as 11h20 e 11h22, foram:

– USIMINAS PNA: 4,56%, a R$ 7,33;

– USIMINAS ON: 3,75%, a R$ 8,31;

– EMBRAER ON: 1,98%, a R$ 13,36;

– SID NACIONAL ON: 1,86%, a R$ 10,38;

– LLX LOG ON: 1,69%, a R$ 3,01.

E as maiores baixas, registradas entre as 11h19 e 11h22, foram:

– TIM PART S/A ON: -3,20%, a R$ 8,78;

– CIA HERING ON: -2,82%, a R$ 40,33;

– PETROBRAS ON: -2,67%, a R$ 20,44;

– B2W VAREJO ON: -2,41%, a R$ 6,88;

– PETROBRAS PN: -2,02%, a R$ 19,90.


Ibovespa registrou a maior alta desde 09 de agosto de 2011

O principal índice da Bovespa fechou o dia de hoje (27/07) em grande alta de 4,72%, a 56.553 pontos. Durante o dia houve oscilações, e o Ibovespa chegou a registrar alta de mais de 5%.

Esta foi a maior alta diária vista desde 09 de agosto de 2011, quando o índice registrou 5,1%.

O giro financeiro foi de R$ 9,1 bilhões. Porém, no acumulado anual a bolsa ainda registra desvalorização de 0,36%. No mês de julho a alta é de 4,04%, e na semana, é de 4,35%.

A influência dos comentários de Mario Draghi, presidente do BCE, de fazer o possível para evitar um colapso na zona do euro, começando pela proposta de comprar os títulos da dívida da Espanha e Itália, aqueceram todos os mercados, amenizando os temores de calote nessas regiões.

Os destaques do Ibovespa hoje foram as ações da OGX, com alta de 12,75%, a R$ 5,75, e as da Usiminas, com alta de 11,56%, a R$ 6,66. Já, as que fecharam no negativo foram as ações da Natura, com queda de 1,29%, a R$ 51,03, e as da Redecard, com queda de 0,05%, a R$ 32,95.


O principal índice da Bovespa opera no positivo nesta sexta-feira (27/07) registrando uma grande alta de 3,32%, a 55.797 pontos, às 14h52.

As boas expectativas relacionadas ao mercado externo fazem com que a bolsa permaneça valorizada no dia de hoje.

Com isso, as maiores altas e maiores baixas das ações do índice registradas, entre as 14h38 e 14h50, foram:

  • Maiores altas:

– OGX PETROLEO ON: 11,18%, a R$ 5,67;

– CIA HERING ON: 7,91%, a R$ 40,24;

– MARFRIG ON: 7,83%, a R$ 9,78;

– B2W VAREJO ON: 7,26%, a R$ 6,65;

– SANTANDER BR UNT: 6,48%, a R$ 15,44.

  • Maiores baixas:

– TRAN PAULISR PN ES: -1,18%, a R$ 58,50;

– REDECARD ON: -0,15%, a R$ 32,95;

– SOUZA CRUZ ON: -0,03%, a R$ 30,94.


Ibovespa: alta de 1,52% às 13h40

A Bovespa opera em alta nesta sexta-feira (27/07) estimulada pelas boas expectativas de que o Federal Reserve e o Banco Central Europeu possam anunciar novas medidas de estímulo monetário.

Às 13h40, o Ibovespa subia 1,52%, a 54.825 pontos. A maior alta do índice foi registrada pela Cia Hering, com alta de 5,6%, seguida pela OGX, com 4,12%. Já, do lado oposto, a principal queda foi alcançada pela Localiza, com baixa de 3,04%.

Ontem, o índice registrou alta de 2,65%, a 54.002 pontos, sendo sua maior valorização desde 29 de junho, quando alcançou uma alta de 3,23%.


Ibovespa fechou em alta nesta quinta-feira

Influenciada pela melhora dos mercados externos, o principal índice da Bovespa encerrou o dia de hoje (26/07) em alta de 2,65%, a 54.002 pontos.

As ações da Vale, que durante do dia apresentaram oscilações, impedindo uma alta maior ainda da Bovespa, também encerraram o dia no positivo. Segundo informações preliminares, os ativos da mineradora fecharam em alta de 0,94%, a R$ 35,45.

O alívio para os investidores e a expressiva melhora na Bolsa de Valores de São Paulo, foram influenciados pelos comentários de Mario Draghi, presidente do BCE, que prometeu fazer o possível para evitar um colapso na zona do euro.


Ibovespa opera em alta nesta quinta-feira

Depois de encerrar o dia de ontem em queda, o principal índice da Bovespa está operando em alta nesta quinta-feira (26/07), seguindo com otimismo em relação à melhora dos mercados externos.

Às 11h00, o Ibovespa apresentava alta de 0,64%, aos 52.946 pontos.

O otimismo citado deve-se a afirmação feita pelo presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, que indicou que a autoridade monetária fará o possível para evitar um colapso na zona do euro. Com isso, as bolsas de valores e as moedas de risco seguem com expressiva valorização, amparadas pelos comentários feitos por Draghi, que amenizaram as preocupações existentes nos últimos dias.


Bovespa fechou em queda de 0,06% nesta quarta-feira

Pelo quarto dia seguido o Ibovespa fechou em queda nesta quarta-feira (25/07), mesmo iniciando o dia em alta.

Após novos indícios de fraqueza econômica vistos na zona do euro e nos  Estados Unidos, os investidores permaneceram cautelosos à espera de que novas medidas de estímulo sejam adotadas nessas regiões.

Com isso, o principal índice da Bovespa recuou 0,06%, a 52.607 pontos. A queda acumulada anual ficou em 7,31%. Em julho, a queda fica em 3,21%, e nesta semana, em 2,93%.

Os grandes fatores influenciadores nessas quedas continuam sendo os problemas na Grécia e na Espanha, que permanecem afetando todos os mercados.


Bovespa opera em queda na tarde desta quarta-feira

Mesmo iniciando o dia em alta, o principal índice da Bovespa está operando em queda.

Às 15h19 o Ibovespa caía 0,11%, aos 52.581 pontos. Portanto, os investidores estão cautelosos diante de decepções em relação a resultados corporativos e de fracos indicadores de recuperação nos Estados Unidos e na Europa.

O movimento de baixa está acentuado, pois as expectativas são grandes de que o banco central norte-americano poderá promover mais um estímulo monetário antes do previsto. Além disso, as especulações de que a zona do euro irá alavancar o “poder de fogo” de seu fundo de resgate permanente ainda estão em pauta.

O dólar comercial também está apresentando queda nesta tarde. Aproximadamente às 14h30, a moeda registrava um recuo de 0,35%, a R$ 2,0367 na venda.


Bovespa: alta nesta quarta-feira

O principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo abriu o dia de hoje (25/07) em alta de 0,89%, aos 53.105 pontos, depois de três dias seguidos de queda.

Já, por volta das 10h25, o Ibovespa subia 1,09%, aos 53.211 pontos.

Os temores sobre a crise na zona do euro foram amenizados depois das declarações feitas pelo integrante do conselho do Banco Central Europeu, Ewald Nowotny, que apresentou argumentos favoráveis à concessão de uma licença ao Mecanismo Europeu de Estabilidade, permitindo um empréstimo ao fundo permanente de resgate, para ajudar os países com dificuldades.

No Brasil, as expectativas são para os números da mineradora Vale, que  os anunciará hoje após o fechamento do mercado. As previsões dos analistas indicam que o lucro líquido poderá ficar entre R$ 6 bilhões e R$ 7 bilhões no 2º trimestre.


Bovespa encerrou o dia em queda de 0,75%

Apesar do principal índice da Bovespa ter iniciado o dia em alta, o seu fechamento não apresentou o mesmo resultado.

Ainda influenciado pelo temor dos acontecimentos na Espanha e pela situação econômica mundial, o Ibovespa fechou em queda de 0,75%, aos 52.638 pontos. O giro financeiro ficou em R$ 6,07 bilhões.

Outro fator que também pressionou o índice, foi a forte queda das ações da mineradora Vale. As ações preferenciais recuaram 4,69%, e as ordinárias, 4,88%, sendo consideradas as maiores baixas registradas no pregão, ficando atrás apenas das ações preferenciais da Bradespar, que registraram queda de 5,59%.

Inversamente a essas quedas, as ações ON da TIM ficaram entre as maiores altas vistas no dia de hoje. A alta registrada foi de 4,81%, atrás somente das ações ordinárias da LLX Logística, com alta de 8,11%.


Bovespa opera em alta nesta terça-feira

O principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo está operando em alta nesta terça-feira (24/07), após dois dias seguidos de queda.

Às 10h25, o Ibovespa apresentava alta de 0,54%, aos 53.321 pontos.

Ontem, a bolsa caiu, sentindo os reflexos dos problemas internacionais. O Ibovespa fechou o dia em queda de 2,14%, aos 53.033 pontos, sendo considerado o menor índice registrado desde 28 de junho, quando a Bovespa fechou aos 52.652 pontos.


Ibovespa: queda de 2,14% em 23/07

As preocupações com os acontecimentos nos mercados internacionais (problemas na Espanha e Grécia), refletiram no fechamento da Bovespa nesta segunda-feira (23/07).

O principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo encerrou o dia em queda de 2,14%, aos 53.033 pontos. O Ibovespa chegou a cair 3,66% na mínima do dia. Já, a movimentação financeira do pregão foi de R$ 5,4 bilhões.

Portanto, neste mês de julho a Bovespa acumula perdas de 2,43% e no ano as perdas são de 6,55%.


Ibovespa opera em queda nesta segunda-feira

Após as notícias de que a Espanha poderá pedir ajuda internacional, a Bovespa segue o ritmo de sexta-feira (20/07) e continua em queda nesta segunda-feira (23/07).

Às 11h29 o Ibovespa operava em queda de 3,22%, aos 52.451 pontos. Na sexta-feira o índice fechou em baixa de 2,08%, aos 54.194 pontos.

Além do temor pelo que possa ocorrer na Espanha, as preocupações também se voltam à Grécia, pois o país poderá sair da zona do euro por não conseguir cumprir as condições de um acordo internacional de resgate.


Ibovespa 20/07: queda de 2,08%

Após três altas seguidas o Ibovespa encerrou o dia de hoje (20/07) em queda de 2,08%, aos 54.194 pontos.

Com isso, a bolsa acumula queda anual de 4,5% e semanal de 0,25%.

O fator influenciador, que fez com que o principal índice acionário da Bovespa caísse, foi o temor de que a Espanha seja o próximo país europeu a procurar resgate internacional.

Essa preocupação estremeceu uma possibilidade de empréstimo de até 100 bilhões de euros a bancos do país, fazendo com que a Espanha possa se unir aos países que buscaram ajuda internacional (incluindo Portugal, Grécia, Irlanda e Chipre). Ou seja, os custos de empréstimos da Espanha foram pressionados, deixando a negociação dos yields dos títulos de 10 anos acima de 7%.

Portanto, a expectativa para a semana que vem é que o Ibovespa continue oscilando entre 53 mil e 58 mil pontos.


Ibovespa fechou em alta de 1,40%

O Ibovespa fechou em alta nesta quinta-feira (19/07), de 1,40%, aos 55.346 pontos, reagindo positivamente pela valorização das commodities no mercado internacional, pela divulgação da ata do Copom, que informou que a Selic poderá alcançar patamares mais baixos, e pela boa reação dos investidores a balanços  corporativos nos EUA.

Com essa alta, o índice acumula ganho de 1,87% na semana.

As ações mais negociadas foram as da Petrobras, que subiram 1,50%, para R$ 19,62, as da Vale PN, com baixa de 0,07%, para R$ 38,57, e as da OGX, com alta de 0,52%, para R$ 5,70.

Já, as ações da Rossi Residencial ON foram as que apresentaram o maior ganho do dia de hoje, com alta de 9,13%, para R$ 4,30, seguidas pelos ativos da PDG Realt ON, com alta de 4,89%, para R$ 3,43, e pelas ações da Gafisa ON, com alta de 6,55%, para R$ 2,60.


Bovespa segue em alta nesta quinta-feira

A Bolsa de Valores de São Paulo abriu em alta nesta quinta-feira (19/07) e segue assim após dois dias de altas, acompanhando os mercados externos, depois da ata da Copom ter indicado que poderia ocorrer mais um corte na taxa de juros brasileira.

Às 10h30 o Ibovespa subia 0,60% aos 54.909 pontos.

Ontem (18/07) o índice fechou o dia em alta de 1,25%, com 54.583 pontos. O fato que chamou a atenção foi a baixa das ações das empresas de telefonia TIM e Oi, caindo 2,77%, a R$ 9,46 e 4,47%, a R$ 9,17, respectivamente.


Ações da Oi e TIM caem em 18/07

Após a Anatel punir as operadoras de telefonia móvel Claro, Oi e TIM, que terão as vendas de chips suspensas a partir do dia 23 de julho por apresentarem constantes reclamações por falhas nos serviços prestados aos consumidores, estas últimas apresentaram grandes perdas entre as ações do Ibovespa.

As ações preferenciais da Oi caíram 4,47%, indo para R$ 9,17 e as da TIM foram para R$ 9,46, caindo 2,77%. A Claro não teve este impacto, porque não participa da bolsa.

As empresas de telefonia não serão multadas, a não ser que não cumpram a determinação de suspender as vendas dos chips.

Já, o principal índice da Bovespa fechou o dia em alta de 1,25% com 54.583 pontos, acompanhando o comportamento do Wall Street, estimulado pelos dados de moradia dos EUA.





CONTINUE NAVEGANDO: