A Fundação Getúlio Vargas realizou um estudo para saber se a subida expressiva dos preços de imóveis no Brasil, em especial em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, estariam ocorrendo pela especulação desenfreada no setor. Há rumores entre os investidores de fundos imobiliários que a expressiva valorização desses nos últimos anos poderia ter se dado pela formação de uma bolha imobiliária.

As bolhas imobiliárias são subidas insustentáveis de preços no mercado de imóveis, sem base real na demanda dos compradores. O estudo da FGV no mercado imobiliário em São Paulo apontou que não há indícios da formação de bolha imobiliária. Foram usados métodos de pesquisa desenvolvidos pelo estudioso do mercado imobiliário Peter Phillips.

De acordo com os pesquisadores da FGV, o perigo da formação de uma bolha imobiliária não pode ser completamente descartado no país, embora eles não tenham encontrado nenhum indício contundente do fenômeno. Ainda segundo o estudo, a elevação expressiva dos preços de imóveis teria sido gerada por fatores normais do mercado, associados ao aumento da demanda impulsionada pela facilitação das condições de crédito.

Além do barateamento das taxas de juros nas linhas de crédito, anunciadas recentemente, outro fator chave para o barateamento do crédito imobiliário foi a iniciativa do Governo Federal no setor, com o lançamento do programa “Minha Casa, Minha Vida”.

Por Matheus Camargo


Dados coletados nos pregões da Bovespa mostram que as aplicações em fundos imobiliários tiveram uma expressiva alta esse ano. O número de investidores nos fundos imobiliários passou de 35.282 para 46.959, até o fim de agosto de 2012.

O motivo é o rendimento expressivo dos fundos. Segundo o índice Ifix, que mede o comportamento de 44 fundos de investimento na Bolsa de Valores de São Paulo, o papeis dos fundos imobiliários tiveram uma alta de 31,5% entre julho e setembro deste ano,  enquanto o índice da Ibovespa para as principais ações brasileiras tiveram ganhos de apenas 4,27%.

Os fundos imobiliários são criados por investidores, que juntam seus recursos para aplicar em vários imóveis. Eles pagam um retorno sobre o investimento inicial com alugueis ou através da venda de imóveis com valorização.

Com as altas de preço no mercado imobiliário brasileiro nos últimos dois anos, os fundos têm retribuído cada vez mais seus investidores. Porém, alguns analistas começam a lançar um sinal amarelo sobre o crescimento dos fundos, pois há rumores de que o mercado imobiliário está inchando seus preços acima do padrão da demanda.

Um pesquisador do Instituo Insper avalia que: "Se as taxas de juros continuarem caindo e os bancos continuarem dando crédito, dificilmente os preços dos imóveis vão cair". Resumindo, a avaliação comum entre os economistas e analistas é de que os preços devem se manter altos no mercado imobiliário no próximo período.

Por Matheus Camargo





CONTINUE NAVEGANDO: