Confira aqui algumas dicas para economizar nas compras de fim de ano.

Com os dias contados para a chegada do Natal, muitas pessoas já começam a fazer seus planos para as compras de fim de ano. Depois de uma alta taxa de endividamento que atingiu uma parte considerável da população em 2012, dos índices de inadimplência alarmantes de 2013, da falta de oportunidades no mercado de trabalho em 2014 e 2015, do aumento do desemprego e da crise econômica que perdura neste ano, nada mais normal (e ideal) do que controlar os gastos.

Em dezembro o aumento de determinadas despesas é significativo e os especialistas em planejamento financeiro chamam a atenção para os chamados gastos excessivos (ou seja, aqueles que poderiam ser de alguma forma evitados) de uma família que podem, nessa época, representar de 30% a 40% da renda mensal.

Entretanto, para não se enrolar nas contas, é necessário saber quais são as despesas que realmente não podem ser adiadas. Sabendo disso, fica mais fácil se prevenir para não começar o ano no vermelho.

Nesse artigo trazemos algumas dicas para você para aproveitar as ofertas e as festas sem problemas.

1 – Planeje os Gastos

Essa é uma boa época para se familiarizar e usar uma planilha de orçamento familiar. Para se organizar da melhor forma, coloque na planilha escolhida todos os ganhos (renda fixa mensal, rendimentos extras, etc). Depois liste todas as despesas desde as fixas até as variáveis. Sempre confira se existe alguma pendência financeira. Depois de fazer tudo isso fica mais fácil saber o quanto você gasta e quanto será possível guardar.

2 – Não faça Compras por Impulso

Antes de ir às compras, é interessante criar uma lista com tudo o que de fato precisa para o período. Com isso, quando chegar na loja ou na rede supermercado a chance de escolher um produto por impulso cai assim como as compras de algo “que não tinha certeza de que precisa”.

3 – Seja Original

Essa é uma alternativa interessante para quem quer economizar na hora de presentear os amigos. Em muitos casos, uma lembrancinha personalizada para eles garante maior sucesso do que um presente um pouco extravagante.

4 – Planeje sua Celebração

Fazer um jantar no Natal ou uma celebração no Ano Novo não é sinônimo de gastar muito. Antes de sair às compras coloque em uma lista tudo que será necessário sempre pensando a quantidade de pessoas que estarão presentes. Assim fica mais fácil comprar apenas o necessário e claro, evitar os gastos.

5 – Aproveite a Internet

A Internet é uma “mão na roda” na hora de economizar. O final de ano é uma época onde muitas lojas online fazem promoções e descontos especiais. Porém, é bom ter cuidado. Não se leve por ofertas que parecem muito atraentes, podem ser falsas! Sempre pesquise sobre a reputação da loja ou do serviço que irá adquirir. Busque também por opiniões de quem já comprou para não cair em golpes.

Por Denisson Soares


Inscrições para os cursos podem ser feitas neste mês de novembro.

Estão abertas inscrições para quem desejar aprender mais sobre como investir em ações e educação financeira. Os cursos serão disponibilizados pela BM&FBovespa.

Os cursos serão disponibilizados de duas maneiras distintas. A primeira na modalidade presencial e a segunda em ensino a distância, onde o ensino se dará de forma virtual.

Para aulas de forma presencial estão disponíveis os cursos “Educação Financeira – Módulo Mulheres em Ação” e “Educação Financeira – Módulo Master”. O primeiro terá uma carga horaria de 4 horas e o segundo 6 horas. Aos que desejam participar dos módulos presenciais, as inscrições podem ser realizadas até os dias 16 de novembro (para o módulo mulheres em ação) e 24 de novembro (para o módulo máster). O foco destes dois cursos é no ensino de como pode ser feita a elaboração de um orçamento familiar e pessoal, explicando também como funcionam os mais variados tipos de investimentos.

Para o curso presencial de “Como investir em ações” as inscrições vão até o dia 5 dezembro. Este curso terá uma carga horaria de 5 horas. O objetivo principal desse curso se baseia em ensinar detalhadamente ao aluno como adquirir ações e vendê-las, bem como os valores envolvidos na negociação e diferentes maneiras de se negociar os papéis.

Para as pessoas que desejam participar, porém, não podem se deslocar de sua cidade para aprender, existe a possibilidade de realizar o curso no formato digital. O curso disponível virtualmente é sobre “Finanças pessoais e investimento em ações”. No formato online, serão disponibilizadas vídeo aulas explicativas, quizzes, entre diversos materiais. A plataforma utilizada pelo curso será a Veduca.

Para se inscrever, o candidato pode acessar o site do Instituto Educacional BM&FBovespa, pelo link https://educacional.bmfbovespa.com.br/home. Quaisquer outras dúvidas sobre os cursos podem ser sanadas através dos telefones de contato da companhia, que são o (11) 2565-6313, (11) 2565-6826 e (11) 2565-6586, ou ainda através do e-mail de contato da empresa, que é o cursosie@bvmf.com.br.

Não perca essa chance de aprender mais sobre um assunto tão importante como este.

Por Igor Furraer


Os apps podem ser baixados para smartphones com Android, iOS e Windows Phone

Se você é do tipo de pessoa que fica todo enrolado na hora de controlar a sua receita mensal, não se preocupe, assim como você, muitas pessoas sofrem na hora de gerenciar os seus ganhos e os seus gastos. O principal motivo desta dificuldade é a falta de planejamento, já que a maior parte da população prefere "vivem mês-a-mês" do que pensar no futuro mais distante.

Uma das principais causas da pouca organização financeira é que muita gente coloca à disposição tudo o que ganha, comprometendo todo o salário em contas, deixando pouco ou nenhum valor guardado para posteriores necessidades.

Com os adventos da tecnologia, o controle dos gastos está muito mais fácil e acessivel. Atualmente, diversos softwares e aplicativos permitem que as pessoas tenham em consideração as suas dívidas e possam gerenciar melhor o seu dinheiro.  

Alguns dos aplicativos mais conhecidos nesse sentido são o GuiaBolso, Moni, Wally+, Finance Organizze, Zero Paper, Minhas Economias, Finance Plus, Orçamento Inteligente 2.  

O Guiabolso permite que o usuário sincronize as despesas. Há versões para sistema operacional Android e iOS e ele pode ser usado também por meio dos navegadores. O app realiza a a classificação das despesas através do uso de categorias.

No ano passado, este aplicativo foi considerado a melhor startup no INFO Start. 

Sendo considerado um dos mais rápidos e simples aplicativos do tipo, o Moni pode ser usado por aparelhos iOS. Ele requer que o interessado em utilizá-lo cadastre todas as informações de forma manual.

O Wally+ é um app curioso, ele permite saber se o usuário está gastando mais dinheiro com família, vida social, trabalho, etc. Um dos principais diferenciais deste app é o scanner de recibos,. Por meio deste, é possível criar uma versão digital do recibo e depois jogá-lo fora.  

Tendo as características dos programas que visam o controle financeiro, o Finance realiza gráficos para despesas e também receitas. A sua interface é bem colorida e muito fácil de ser utilizada.  

O Organizze pode ser baixado para smartphones Android ou iOS. Ele funciona mesmo que o usuário não esteja conectado à internet. Uma desvantagem deste app é que a pessoa precisa lançar todas as suas despesas de forma manual.  

A conotação do Zero Paper é basicamente empresarial. O app serve para que proprietários ou responsáveis por pequenas empresas tenham controle sobre os gastos da empresa.  

O aplicativo Minhas Economias pode ser usado por dispositivos iOS, Android e também por meio da web. Uma das vantagens de usá-lo é que a pessoa tem à disposição todos os seus dados financeiros, assim, fica mais fácil quando ele precisa acessá-los.  

O Finance Plus é um app que só funciona no Windows Phone 7.5, contudo, ele é gratuito e possui boas funcionalidades. Vale a pena testar!

Considerado como um bloco de notas, o Orçamento Inteligente 2 possui uma interface bonita e simples, permitindo que o usuário calcule de forma manual os seus gastos. No final do mês, o app libera uma planilha com os gastos totais e específicos.  

Como pode perceber, há diversos instrumentos para melhorar o seu desempenho financeiro, cabe a você escolher qual é mais propício para as suas necessidades.  

Por Melina Menezes

Foto: divulgação


O período de férias acabou e, como diz a sabedoria popular, o ano no Brasil só começa depois do carnaval. E com os gastos das festas de fim ano somado às férias, carnaval e as outras contas do início de ano, como IPTU, IPVA, gastos com materiais escolares, é possível que muitas pessoas cheguem à conclusão que gastaram bem mais do que ganharam nesse período.

Se você é uma delas, veja 5 dicas de como equilibrar as suas contas e seguir com a vida financeira tranquila durante o resto do ano.

1. Evite o Cheque Especial

A tentação é grande. Você está cheio de contas para pagar e quando olha no seu extrato bancário, possui uma quantia à sua disposição que daria para quitar algumas delas, ou até mesmo todas. Segundo informações divulgadas pelo Banco Central, a taxa de juros superou os 200% ao ano, sendo considerada a mais alta dos últimos 16 anos.

Então, embora pareça ser uma solução fácil para os seus problemas, a longo prazo poderá aumentar ainda mais as suas dívidas.

2. Fuja dos cartões de crédito

Além da taxa de juros alta nas compras parceladas, os cartões nos dão a ilusão de possuir mais dinheiro do que temos de fato, o que pode aumentar o desequilíbrio financeiro.

3. Pesquise os preços na hora do supermercado

As compras de mês são um dos gastos que pesam mais no orçamento doméstico. Fazer uma lista de compras necessárias e pesquisar os preços em diferentes mercados irão garantir uma economia significativa na compras realizadas.

4. Arranje uma fonte de renda extra

Use a sua criatividade e crie uma fonte de renda extra. Você pode usar seus talentos para oferecer aulas, vender bijuterias, alugar uma vaga não usada na garagem ou oferecer algum serviço que saiba fazer. Não venda produtos para pagamento posterior, pois você poderá ganhar mais dívidas caso a pessoa resolva não pagar por eles.

5. Corte os gastos supérfluos

Doces, lanchinhos fora da hora, gastos com noitadas, passeios, compras no shopping, entre outros. Verifique quais os seus gastos são realmente necessários e quais deles podem ser evitados.

Por Raquel Conrado

Foto: divulgação


Hoje em dia, se fala muito sobre motivação, conquistas financeiras e poder aquisitivo, mas não se fala em aspectos para mantê-los ou conquistá-los. É sempre um conselho daqui, uma experiência dali e outra história de vida acolá. Mas, o que o povo quer saber mesmo é de colocar a mão na massa, de resultados concretos e realizados em tempos reais e de ter a certeza de suas próprias escolhas.

A maioria das pessoas que tem facilidade para conquistar seus bens financeiros também tem uma certa dificuldade de mantê-los, por um outro lado, há pessoas que conquistam tudo com dificuldade na vida e não deixam que nada escape de suas mãos, mas também não aproveitam em nada.

Veja agora como ter sucesso em suas conquistas financeiras e saber aproveitá-las da melhor forma:

– Não crie limitações:

As limitações só nos servem apenas como obstáculos, por isso saiba driblá-las para que você tenha qualidade de vida em sua vida e em suas conquistas. A primeira coisa que você precisa fazer é não criar muitas expectativas em torno de seus objetivos, pois expectativas, por mais positivas que elas sejam, consomem energia e te tiram do principal foco, que é gerar metas sobre aquilo que você realmente quer.

– Cuide de suas economias:

Por menores que sejam suas economias, elas lhe valerão muito no momento em que você mais precisar. Portanto cuide delas. E para cuidar bem delas não precisa economizar ao extremo, mas sim saber como gastar e onde deixar de gastar. É criar fontes de rendas, investimentos e planejamentos para melhores condições, sendo seu dinheiro pouco ou muito.

– Aproveite cada sinal que a vida enviar:

Quem acredita nas oportunidades que a vida tem a nos oferecer não dorme na estrada. Fica sempre atento às oportunidades que as circunstâncias podem sugerir e aceita cada uma delas de forma grandiosa, pois mesmo que não venham a calhar, podem significar muita coisa para quem sabe onde quer chegar. Por isso, qualquer sinal positivo pode ser um aviso que suas conquistas estão perto.

Saiba ter persistência e ao mesmo tempo perseverança naquilo que você quer, não importa o que seja.

Por Daniela Almeida da Silva


Organização pessoal, financeira e profissional são fundamentais para construir uma base na carreira.

Você sabe como organizar a sua vida financeira? Muitas pessoas têm dificuldade em lidar com as finanças, porque gastam mais do que ganham e, por isso, acabam se endividando. A parte financeira organizada reflete em outros setores da vida. Por isso, é imprescindível saber como gastar o dinheiro da forma correta.  

Que tal conferir algumas dicas?

– Faça um planejamento!

É fundamental planejar as suas finanças, definir metas, para saber como alcançar os seus objetivos. Mantenha o foco e selecione as prioridades. Assim, você vai evitar gastos desnecessários. Estabeleça prazos para as suas metas e não dê passos maiores que as pernas. Ou seja, não sacrifique o seu dinheiro, por uma coisa que pode provocar um arrependimento depois.

– Faça um orçamento:

Faça um pequeno orçamento da sua vida e comece a contabilizar as coisas. Anote quanto tem gastado, ou seja, tenha a percepção de que até as pequenas coisas doem no seu bolso. Além disso, reserve dinheiro para os imprevistos, que podem surgir durante o mês. A partir do momento que você contabilizar os seus gastos, até os pequenos, verá como tudo pesa no seu bolso.

– Você tem dívidas?

Se você tem dívidas acumuladas é preciso mudar o comportamento financeiro. Quais gastos você pode regular? Em que precisa mudar? Selecione as prioridades na sua vida e ajuste as mudanças que devem ser feitas. Busque formas de aumentar a sua receita e quitar os débitos. Fique atento aos seus gastos, para manter as finanças em ordem.

– Parcelamento:

Evite parcelar as suas compras, porque elas podem provocar uma dor de cabeça lá na frente. Não abuse do cartão de crédito. Desta forma, procure pagar a fatura do seu cartão totalmente, sem parcelar.

– Poupe!

Separe uma parte do seu orçamento para poupar. Quanto mais poupar, melhor. Tenha uma reserva sempre para emergência, você não sabe o dia de amanhã.

Por Babi

Dinheiro


Quando falamos em dinheiro logo vem a sensação do consumismo exagerado. Por mais que não tenhamos tendência a sermos consumistas, acabamos nos envolvendo nessa camada da sociedade, que determina quem é o melhor só porque tem mais ou menos dinheiro que o outro.

A maioria da população é assalariada, e quando se trata de algo limitado, as pessoas realmente não têm autocontrole. É mais fácil controlar o muito do que o pouco, pois quanto menos uma pessoa tem, mais ela vai querer gastar, consumir e se individuar para ter algo. Se você é uma das pessoas que possuem dificuldades de administrar seu salário, ou mesmo aquela sua renda mensal, vinda da conta poupança ou outro tipo de benefício, atente-se a estas dicas a seguir:

– Faça uma lista de suas dívidas e pague-as primeiro. Antes de pensar em fazer qualquer coisa com o seu dinheiro, priorize suas contas mensais, tais como aluguel, água, luz, IPTU, condomínio, telefone, faturas de cartão de crédito, entre outras.

– Divida seu dinheiro ao meio. Depois que você pagar todas as suas dívidas, separe o restante do dinheiro que sobrou e use metade para necessidades básicas como alimentação, e a outra para bem-estar, como comprar aquele lindo sapato da vitrine da loja que você estava namorando há tempos, entre outras coisas que sejam relevantes para o seu bem estar, mas vá com muita calma. É importante você fazer isso mesmo que você receba adiantando salarial no meio do mês, pois assim fica mais fácil de manter seus gastos no controle.

– Outra dica interessante também é anotar tudo o que você gasta durante o mês, até aquele cafezinho que você toma toda manhã na lanchonete da esquina. Assim, seus gastos ficarão controlados na prática e com o tempo, a tendência será gastar menos. Quando isso acontecer, você estará totalmente no controle dos seus rendimentos.

Por Daniela Almeida da Silva


A frase: "o rico cada vez fica mais rico" é atualmente uma das frases mais reais e sinceras existentes no mundo. De acordo com o site do Bloomberg Billionaires Index, o patrimônio líquido dos bilionários girou em torno de US$ 524 bilhões (valor líquido) somente no ano de 2013. A indústria da tecnologia liderou o ranking e apresentou um crescimento maior dos ganhos, fechando em 28%.

O nome que lidera essa lista novamente é o de Bill Gates, que foi o bilionário que mais aumentou o seu patrimônio, totalizando cerca de US$ 15,8 bilhões. A seguir vem o nome de Sheldon Adelson, renomado empresário americano e CEO da Las Vegas Sand Corporation, faturando nada menos que US$ 14,4 bilhões. O empresário chinês Lui Che Woo é o terceiro do topo com a marca semelhante a de Sheldom Adelson, faturando US$ 15,2 bilhões. A seguir aparecem nomes como de Warren Buffet (US$ 12,9 bilhões), Mark Zuckerberg (US$ 12,4 bilhões), Jeff Bezos (também com US$ 12,4 bilhões) e Ingvar Kamprad (US$ 10,5 bilhões), que lideram do quarto ao sétimo lugar desta posição.

Os três nomes que aparecem no final da lista – que certamente não deixam de ser os menos consideráveis – são:  Masayoshi Son, empresário japonês fundador e também atual CEO da SoftBank Mobile e que representa a Sprint Corporation, e Lawrence Edward Page (também conhecido como Larry Page), co-fundador da Google, ambos na marca dos US$ 10 bilhões. Em décimo lugar está Sergey Brin, também co-fundador da Google e presidente de tecnologia do site, com US$ 9,9 bilhões (apenas 1 milhão a menos que o seu amigo e companheiro Larry).

Na lista dos 100, somente dois brasileiros aparecem: Jorge Paulo Lemann, dono da rede de fast food Burguer King, Heinz e AB Inbev, e o banqueiro libanês, que é  naturalizado brasileiro, Joseph Safra (onde ocupa a segunda posição do ranking brasileiro atualmente).  

Por Luciana Ávila

Foto: Divulgação


Encerrar o mês com dinheiro em conta é para poucos. Estudos apontam que parte da população possui dificuldades em administrar seu salário para que ele compreenda todo um período. Controlar os gastos, sobretudo em meio às novas medidas do governo federal, é praticamente um desafio.

Quem possui iPhone já conta com um aplicativo capaz de colaborar para o intento. Denominado ‘Finanças Iradas’, baseado na coleção de livros “Meninas Iradas”, de Mara Luquet e Andrea Assef, ambas jornalistas, o software promete assessorar o usuário no controle de gastos, melhor organização financeira e, por fim, como investir na Bolsa de Valores.

A ferramenta, segundo Flávia Bravin, diretora-editorial da Editora Saraiva, permite ao brasileiro administrar suas receitas e despesas, inclusive assinalando em qual área é possível economizar e tornar o dinheiro mais rentável. O aplicativo possui um jogo integrado que mostra ao usuário mais informações sobre o mercado de ações.

O ‘Finanças Iradas’, desenvolvido para iPhone 3GS ou 4 e iPods touch da 2ª a 4ª geração está disponível na Apple Store por apenas US$ 3,99.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Assessoria de Imprensa


Em abril de 2010 entrava na web uma ideia da Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN) que tinha tudo para dar certo: o site Meu bolso em dia. Ele, porém, não é o único portal que trata de educação financeira, mas pode ser tomado como exemplo de boas práticas no setor.

O sucesso do projeto revela um amadurecimento cada vez mais crescente no âmbito das instituições financeiras do país que, mobilizadas, visam conscientizar o cidadão sobre como gastar seu dinheiro.

Há um ano no ar, o Meu bolso em dia aborda a questão das finanças pessoais sob diversos enfoques voltados para as situações cotidianas dos brasileiros, relacionadas a como aplicar recursos em beleza, alimentação, educação, dicas de como comprar melhor, emprego, etc. Um dos destaques do site é o aplicativo de controle das finanças Jimbo, que pode ser baixado por qualquer pessoa gratuitamente.

Vale a pena conferir as dicas do Meu bolso em dia, que até o momento já registrou mais de 2 milhões de visitantes.

Por Alberto Vicente


As compras de final do ano geram grandes dívidas aos cidadãos, o que não significa, necessariamente, iniciar janeiro com contas no vermelho. É possível associar o temo “dívida” a compras parceladas, embora parte das pessoas relacionem a palavra ao seu sentido mais negativo.

Depois desse período de compras, surge novo obstáculo às contas particulares: pagamento de impostos, tais como IPVA e IPTU. Recentemente, dados divulgados pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio) assinalaram que o número de famílias endividadas avançou 12% entre dezembro do ano passado e janeiro de 2011.

Para Dora Ramos, diretora da Fharos Assessoria Empresarial, esse índice compreende o maior acesso dos consumidores ao crédito e o bom nível do otimismo. Em sua visão, o poder de compra incitado pelo 13º salário algumas vezes ilude as pessoas, que deixam de lado as contas de início de ano para dar vazão ao consumo. Para evitar essa recorrência, lista dicas que, se aplicadas, podem melhorar a vida financeira.

A definição de prioridades é o primeiro ponto a ser visto. Se há possibilidades de parcelamento, opte, mas é necessário estar em dia com as contas que só podem ser pagas à vista. Mesmo assim, como segunda dica, é bom evitar o tal parcelamento.

Além dessas duas dicas, Dora ressalta atenção quanto aos pagamentos realizados exatamente na data do vencimento. Qualquer esquecimento pode ser letal, pois pode fazer com que os juros incidentes desestabilizem as finanças.

O dinheiro de plástico (cartão de crédito) só deve ser utilizado quando necessário, e fazer uso do débito é algo mais viável, sempre dentro do saldo em conta. A última dica, uma das mais indicadas por especialistas, é poupar dinheiro, mesmo tendo dívidas e outras contas para pagar.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Assessoria de Imprensa


Na prática, uma das coisas que mais interfere com o relacionamento do casal é a situação financeira. Hoje em dia muitos se referem a expressão: "até que a morte os separe", trocando a palavra morte por dinheiro. Isto tem um ar de brincadeira mas no fundo revela uma realidade dura de se aceitar. O dinheiro é muito importante na estrutura da família. Por vezes, vemos profissionais da área de economia, com discursos inflamados sobre orçamento. É difícil fazer orçamento em cima do salário mínimo.

A economia brasileira está enfrentando um momento de crise, com grande número de desempregados e um achatamento salarial imenso. Esta instabilidade tem sérias repercussões sobre a família. Existe a necessidade de economizar para que todas as contas sejam pagas até o final do mês. Porém, a personalidade de algumas pessoas não convive bem com fazer economia e isto gera muitos atritos.

Nós não devemos nos apegar ao dinheiro, mas é fundamental para nossa existência que o tenhamos para as necessidades básicas, principalmente para o casal que inicia um relacionamento. Quando falta dinheiro, pode começar uma cobrança que altera completamente o humor das pessoas. Ninguém em sã consciência, se sente feliz por estar faltando dinheiro. Determinadas situações podem, inclusive, levar à depressão profunda.

Por Aline Medeiros da Silva





CONTINUE NAVEGANDO: