Segundo o balancete financeiro da General Eletric seus lucros no período de julho a setembro de 2012 alcançaram o valor de 3,49 bilhões de dólares, apresentando um resultado 8,3 por cento melhor do que no trimestre anterior.

Com esses resultados a empresa remunerará seus acionistas em 0,33 dólares por unidade de papel. No semestre anterior a empresa pagou 0,22 dólares por ação sua, com um lucro anunciado em 3,22 bilhões de dólares.

A receita bruta da empresa também apresentou variação positiva nesse período, elevando-se para 36,35 bilhões de dólares. Apesar dos bons resultados, o desempenho ficou abaixo do esperado para alguns analista que previram uma remuneração por ação de 0,36 dólares e um lucro líquido de 36,94 bilhões para o terceiro trimestre de 2012.

Dos setores da empresa com melhor desempenho nesse período estão os negócios industriais em infra-estrutura de energia e aviação, com um desempenho 11% melhor do que no segundo trimestre, batendo a casa dos 3,57 bilhões de dólares. Isso, mesmo com as encomendas de infra-estrutura tendo recuado 5% no terceiro trimestre. A empresa informou ainda que teve perdas de aproximadamente 1 bilhão de dólares com impactos monetários.

Por Matheus Camargo
 


A Danone é uma das maiores empresas de laticínios no Brasil e tem investido aproximadamente R$ 100 milhões por ano em sua planta industrial no país. Os investimentos têm gerando um retorno positivo, com uma média de crescimento da empresa de 15% nos últimos anos.

Mariano Lozano, presidente da Danone, afirmou que a empresa está em um forte ritmo de crescimento e o projeto chegará a dobrar de tamanho em 2013, em relação ao tamanho da empresa em 2009. Isso representa uma faturamento bruto de R$ 2 bilhões para a empresa.

O mercado de produtos lácteos industrializados no Brasil é de aproximadamente R$ 5 bilhões, afirmou Lozano. A Danone deve investir pesado também em promoção da marca e do consumo de laticínios industrializados no país. Segundo o executivo da empresa, um dos focos da campanha publicitária da Danone no próximo período é aumentar o consumo do produto no país, hoje com média de seis quilos e meio per capita.

A empresa não divulgou a previsão de participação de seus produtos no mercado de lácteos para o ano que vem, porém considerando as informações colocadas, a Danone deve alcançar uma fatia de mercado próxima de 40% em 2013.

Por Matheus Camargo

Fonte: Estadão


A empresa que é a maior fabricante de jatos de pequeno porte do mundo, a Embraer, informou na semana passada por meio de seu executivo Luiz Carlos Aguiar, que a receita da empresa no setor de defesa pode chegar perto de US$ 1 bilhão em 2012.

O setor de defesa da empresa condiciona aparelhagem e aeronaves para as forças armadas. Luiz Carlos Aguiar afirmou à Reuters que a receita desse setor na empresa deve chegar a quase US$ 950 milhões.

Essa notícia veio acompanhada do anúncio da queda da produção na empresa no terceiro trimestre desse ano. O que deixará quase um terço de suas entregas de aeronaves para o último trimestre do ano. Apesar da queda da produção, o Gabinete Executivo da Embraer afirma que estão mantidas as previsões de lucro para o ano.

No ano passado a Embraer faturou US$ 1,04 bilhão com o setor de defesa, o que significou 18% do faturamento total da companhia no ano. Aguiar informou ainda que o setor de defesa poderá significar um quarto de todo o faturamento da Embraer em 2020.

O principal comprador da empresa de jatos nesse setor é o governo brasileiro, que tem aumentado constantemente seus gastos com o setor militar.

Fonte: Reuters

Por Matheus Camargo


Mercado de títulos de capitalização faturou R$ 7,9 bi no 1º semestre de 2012

De acordo com a FenaCap, houve um crescimento recorde no mercado de títulos de capitalização no 1º semestre deste ano.

A alta foi de 19,2% ante o mesmo período de 2011, registrando um faturamento de R$ 7,9 bilhões.

O crescimento do volume de reservas técnicas (montante relacionado a depósitos efetuados por clientes de títulos de capitalização ativos) foi de 13,6%, alcançando R$ 20,8 bilhões.

No período analisado, foram distribuídos mais de R$ 420 milhões em premiações, aproximadamente 30% a mais do que no ano passado. O valor devolvido aos clientes foi de R$ 5,1 bilhões no 1º semestre deste ano, ante os R$ 4,3 bilhões devolvidos em 2011.

Segundo o presidente da FenaCap, Marco Antonio Barros, o mercado de capitalização deverá manter uma média de crescimento anual em 20% pelos próximos 3 anos, influenciado pelo aumento do emprego e da renda, pois tem uma “capacidade de apresentar soluções criativas e flexíveis tanto para o setor empresarial quanto para o consumidor final”.


Segundo dados divulgados pelo Sebrae, as micro e pequenas empresas de São Paulo devem fechar o ano de 2011 com um aumento de faturamento real da ordem de 3,5% em relação ao ano passado.

Se comparado com o mesmo período do ano anterior, o desempenho foi relativamente baixo. Estes índices já indicam algumas desacelerações que a economia nacional pode registrar em 2012. Já é previsto que os empresários, como um todo, terão uma redução nas vendas e no faturamento de suas empresas.

Para não ser pego de surpresa, o empresário deve estar preparado para momentos de baixas vendas, o que requer uma revisão no planejamento para manter a saúde financeira da empresa.

Luis Lobrigatti, consultor do Sebrae-SP, indica que um ótimo passo é começar o ano sem dívidas, evitando assim comprometer o caixa da empresa.

Outra dica dada por Lobrigatti é que os empresários procurem analisar se é possível reduzir custos. Um bom cálculo é reservar 80% do lucro da empresa para o pagamento de dívidas e poupar o restante para futuros investimentos ou situações de emergências.

Por último, o consultor orienta os empresários a estarem sempre bem informados e atualizados. Para isso, a realização de cursos para atualização profissional e para melhorar a gestão do seu negócio é essencial.

Por Natali Alencar


O sonho do negócio próprio cativa os desejos de qualquer pessoa que ambiciona independência financeira. Para isso realmente acontecer, em muitos casos, é preciso capital inicial, que varia em relação ao porte almejado pelo idealizador.

Em 2011, segundo a Rizzo Franchise, 19 novas marcas robusteceram o setor de Acessórios Pessoais, que agrega Malas e Bolsas, Calçados e Joias e Bijuterias. Um dos exemplos é a rede Morana de bijuterias, que inaugurou 39 franquias no ano.

De acordo com a Rizzo, 18 mil empregos diretos foram gerados com a inserção das 19 marcas no mercado brasileiro. Para Eduardo Morita, diretor de Negócios do Grupo Omatus, o setor de bijuterias finais é um modelo de negócios singular no Brasil. Para se ter ideia, a Morana espera faturar aproximadamente R$ 135 milhões em 2011.

Em meio a dicas de empresários e consultorias especializadas em franquias, está aí uma possibilidade de os brasileiros tentarem seu próprio negócio. Outro exemplo é a Nutty Bavarian, que recentemente abriu oportunidade em Palmas, no Shopping Capim Dourado.

Leia mais: Franquia da Nutty Bavarian em Shopping de Palmas (TO).

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Assessoria de Imprensa





CONTINUE NAVEGANDO: