Confira dicas de negócios lucrativos e promissores para o ano de 2018.

Diante de toda a crise que se estendeu sobre a vida econômica e política, no Brasil, as ideias criativas e as vocações para elaboração de negócios continuam a exercer suas funções. A história registra que os períodos de crise, entre guerras e pós-guerras, decadências nos sistemas políticos, por exemplo, foram os que mais despertaram as mentes mais inventivas e competentes. Aos poucos toda economia tende a se reerguer, exatamente como ocorre em tempos de processo inflacionário, nos quais o dinheiro chega ao máximo de desvalorização e precisa de nova moeda.

Assim, qualquer pessoa que tenha meios de investimento e alguma ideia concreta em mente, vale a pena apostar em empreendimentos mais baratos, criativos e muito originais. Existe uma relação de sete tipos de negócios que, se organizados de forma competente, rendem e muito, são eles:

Food Truck – este tipo de comércio consiste em um veículo atrativamente customizado e com adaptação de meios para elaborar, cozinhar e servir pratos e ou bebidas de produção autônoma. É um negócio móvel, que pode estacionar em locais estratégicos, de grande circulação de pessoas. Hoje o ramo de fast food está em alta, sobretudo nas grandes cidades. Vale a dica de oferecer ao público pratos saudáveis, finos e mais baratos.

Marketing Digital – na atualidade o universo digital veio para ficar. Desde as redes sociais mais famosas, como o Facebbok, até as mais particulares, ou canais de youtube, todas constituem meios de comunicação quase obrigatórios para quem deseja estar inteirado com a realidade do mundo. Marketing digital consiste em uma série de trabalhos realizados em alguma empresa, por alguma marca ou mesmo por algum empreendedor particular, que passam horas elaborando ambientes digitais atrativos para diversos negócios, no sentido de impulsionar empreendimentos em todos os setores econômicos e culturais. Em geral é um investimento de menor custo diante da mídia tradicional.

E-Commerce –está entre as melhores alternativas lucrativas atualmente. Já que existe uma série de fraudes e golpes aplicados por meio de falsos sites na internet. Este é um meio seguro, sobretudo porque pode ser compartilhado por Whatssapp entre familiares e amigos que vão indicando uns aos outros o serviço. É importante recorrer aos serviços de pessoas especializadas em desenvolvimento de sites, marketing digital, para a elaboração de uma página de bom visual e segura, que faça uma atrativa propaganda de produtos.

Doces para Festas – este é um dos mais tradicionais e eficientes ramos de empreendimento autônomo. Durante todo o ano são diversos eventos ocorrendo entre festas de aniversários, casamentos, datas comemorativas, sobretudo no final do ano, com as festas de Natal e ano novo. Nos últimos anos, o ramo de produção e venda de doces e outros tipos de alimentos refinados tornou-se um dos negócios mais lucrativos, com baixo investimento.

Bebidas Funcionais – nestes tempos em que existe grande preocupação com a saúde, e os alimentos estilo fitness estão em alta, o ramo de bebidas funcionais tem grande chance de dar excelente resultado, já que um empreendimento deste tipo exige práticas inovadoras que instiguem a curiosidade. Bebidas funcionais precisam ser elaboradas com muito cuidado e responsabilidade, proporcionando um organismo revitalizado.

Cosméticos Especiais – este é outro ramo tradicional que nunca perece. O comércio de cosméticos pode ser realizado tanto via internet, quanto pessoalmente. Está entre os que mais dão lucro, sendo que existe um mercado oficial já saturado, abrindo a oportunidade de trabalhar com cosméticos alternativos ou artesanais, tais como os orgânicos ou dermocosméticos, que precisam ser usados ou indicados por profissionais do ramo.

Beleza e Estética – este é outro ramo de atuação autônomo que está entre os que mais lucram, sobretudo em datas de festas e eventos. Em geral, o público feminino não abre mão de seus cuidados pessoais e da beleza, sempre há espaço para cuidar do visual. Os homens também estão nesse público. Portanto, um salão de beleza ou uma barbearia são excelentes meios de renda e de negócios que sempre tem grande demanda. É importante investir em um atrativo e elegante destaque para fazer frente à concorrência.

Por Paulo Henrique dos Santos

Negócios


Veja aqui o que muda com as novas regras do Simples.

Algumas mudanças para as pequenas empresas e empreendedores participarem do Simples Nacional, ou "Supersimples", foram aprovadas pelo governo. Além da maioria das empresas pagarem menos impostos, o funcionamento de pequenos negócios ficará mais fácil, uma vez que vários impostos serão pagos num único boleto.

A primeira mudança está no limite anual de faturamento que deve subir, beneficiando mais empresas. As micros e pequenas empresas irão se beneficiar com esta mudança, por conta das altas cargas tributárias enfrentadas por esta categoria. Este reajuste não é feito a 10 (dez) anos e começa a valer a partir de janeiro de 2018

Com esta nova regra, o Microempreendedor Individual (MEI) passa a ter um faturamento anual de R$ 81 mil, o que neste ano ainda é de R$ 60 mil. As microempresas tiveram o faturamento anual elevado, de R$ 360 mil, para R$ 900 mil. Já as pequenas empresas passaram de R$ 3,6 milhões para R$ 4,8 milhões. A esperança para este limite máximo é que chegasse a R$ 7,2 milhões, beneficiando ainda mais empresas.

Uma outra novidade está ligada diretamente ao parcelamento de dívidas em impostos, que pela nova regra, passa para 120 meses, o que antes era dividido em 60. Dois detalhes são observados, as dívidas são até o mês de maio de 2016 e as parcelas não devem ser menores que R$ 300,00. Segundo especialistas, esta regra deveria ser para as dívidas até agosto, sendo que a lei foi sancionada em outubro.

A terceira mudança irá beneficiar as empresas iniciantes que buscam apoio financeiro, conhecido como "start-up", e irá melhorar a situação do "Investidor Anjo", que passou a valer a partir de janeiro deste ano. Com a nova regra, este investidor pode aplicar o seu dinheiro sem se tornar sócio daquela empresa que recebeu a sua "ajuda", melhorando a sua segurança jurídica. Com a regra antiga, este "Anjo" deveria se tornar sócio minoritário e ter a preocupação dos trâmites legais da empresa.

Uma redução de seis para cinco anexos também foi observada, com um anexo para o comércio, outra para a indústria e três para serviços.

Outra mudança é a redução de 20 (vinte) tipos de alíquotas para 6 (seis) e o modo como se calcula, que fica assim: A Receita Bruta acumulada "vezes" a Alíquota Nominal "menos" a Parcela a reduzir, este resultado se "divide" com a Receita Bruta acumulada.

Operações de empréstimos e financiamentos agora pode ser incluídas no chamado "Fomento Mercantil" e novas atividades foram incluídas no Simples Nacional, como as micros e pequenas cervejarias, vinícolas e outros produtores de bebidas alcoólicas, serviços médicos com atividade de medicina própria, representações comerciais, auditoria, consultoria, entre outras.

Devo mencionar que um especialista em contabilidade deve ser consultado, pois são muitos os detalhes desta nova regra.

Por: Fernando Dias


Saiba aqui como abrir uma franquia da Cervejaria Devassa.

Porque investir em uma franquia?

Investir em uma franquia é sempre uma boa oportunidade. A franquia é um modelo utilizado para empreendedores que buscam segurança, afinal, você irá investir em uma marca já consolidada no mercado e reconhecida pelo público, onde o marketing já estará todo elaborado.

As franqueadoras do Brasil costumam dar todo o suporte necessário para que o empreendedor inicie o seu negócio com segurança, passando todo o plano do negócio, diretrizes e campanhas de marketing para que o empreendedor não tenha dor de cabeça. O modelo de franquias se tornou bastante aceitável no país nos anos 2000, onde cada vez mais as pessoas investem nesse modelo de negócio, por ser rentável e menos burocrático, pois a marca já possui o seu público.

Sobre a Devassa

A história da Devassa teve início em 2001, quando dois amigos empresários desejaram se unir para criar uma cerveja especial nas noites cariocas, que pudessem provocar à curiosidade e evidenciasse a qualidade da cerveja europeia misturada à ousadia do brasileiro.

Com um nome que estimulasse desejo, rapidamente a Devassa conquistou não só os cariocas, como apreciadores de cervejas de todo o país. A marca se consolidou como a primeira empresa de cervejaria fundada no Rio de Janeiro, trazendo uma proposta inovadora para os consumidores do ramo de cervejaria.

Com o reconhecimento no mercado nacional e com uma extensa cartela de clientes fiéis, a Devassa lançou em 2004, três anos após a sua fundação, o modelo de franquias que se tornou sucesso absoluto.

Em 2007 a Devassa passou a ser administrada pelo Grupo Schincariol e começou a expandir ainda mais o seu modelo de franquias com lojas próprias e quiosques, sendo uma opção com um orçamento mais contido para o empreendedor que deseja investir na marca.

Seja um franqueado Devassa

Para você se tornar um franqueado da Devassa, primeiramente você deve ter o perfil atrelado à marca, que nada mais é do que se identificar com a cerveja especial e ousada. É necessário que o empreendedor seja um apreciador de cerveja, tenha espírito de liderança e experiência no ramo de bares ou redes de restaurantes.

O empreendedor também deve ser organizado para administrar o seu negócio e deve possuir um bom relacionamento interpessoal para gerenciar o atendimento ao público e dos seus colaboradores.

Hoje a marca Devassa possui mais de 20 franquias espalhadas pelo país, todas por visionários do ramo de cervejarias. Confira as principais informações para você se tornar um franqueado da Devassa:

Taxa da Franquia: De R$ 65 mil até R$ 95 mil.

Instalação da Franquia: De R$ 450 mil até R$ 900 mil (dependendo da localidade da franquia, tamanho da mesma e equipamentos).

Capital de Giro: O empreendedor deve manter um valor estimado de R$ 120 mil para manter o negócio até o mesmo começar a dar lucro. O investimento total da franquia pode ultrapassar a marca de R$ 1 milhão de reais.

Faturamento mensal: O empreendedor poderá faturar acima de R$ 200 mil mensais, porém, o prazo de retorno do investimento é de até 12 meses.

Para tirar dúvidas sobre o apoio fornecido pela marca Devassa, treinamentos e todas as instruções para iniciar o seu negócio, entre em contato com a empresa e não perca a oportunidade de investir em um modelo de negócio lucrativo:

  • Responsável: Diego Castilho.
  • E-mail: diego.castilho@sonarfranquias.com.br
  • Telefone: (11) 2118-3742.

Diego Jose Laureano


Saiba aqui o que você deve fazer para abrir uma loja da Nutty Bavarian.

Para quem não quer mais ter patrão, horário de trabalho, dispõe de algumas economias na conta e pretende abrir seu próprio negócio, temos uma boa opção de franquia que pode render um bom dinheiro. A franquia Nutty Bavarian é uma das mais famosas do mundo, pois adota o sistema de quiosques que comercializam as deliciosas nozes glaceadas, além de ser um sucesso de vendas.

Fundada na cidade americana de Orlando, em 1989, a Nutty Bavarian conta com mais de 800 quiosques de vendas em todo o mundo, localizados em aeroportos, pontos turísticos das cidades, shoppings e alguns eventos em geral. No Brasil, a rede de franquias Nutty Bavarian só chegou em 1996, trazida pela empresária Adriana Auriemo, que viu uma possibilidade de negócio de alto retorno e com investimento baixo. O mercado brasileiro já conta com 70 pontos de vendas localizados nos maiores shoppings do país e as nozes, além de serem muito saborosas, são altamente nutritivas e fazem muito bem para a saúde. A grande vantagem é que os quiosques da Nutty Bavarian podem ser instalados em locais de grande movimentação de pessoas, o que pode significa altas vendas garantidas, além de precisar de somente de um ponto de energia elétrica, ao contrário da loja física, que requer maior investimento de dinheiro e material. Como os quiosques funcionam todos os dias da semana, das 10 até às 22 horas, inclusive domingos e feriados, recomenda-se que a equipe de trabalho seja composta de pelos menos, três funcionários.

Para quem deseja abrir uma franquia da Nutty Bavarian, os valores de investimento são os seguintes: a taxa de franquia pode variar de R$ 97 até R$ 108 mil, de acordo do modelo do quiosque escolhido, o capital de giro fica em torno de R$ 10 mil, os royalties são 8% do faturamento bruto mensal do quiosque, a taxa de publicidade gira em torno de 3% do faturamento bruto mensal da unidade e o retorno do investimento é de cerca de 6 a 18 meses, dependendo das vendas em geral. Para quem quiser saber mais informações sobre a empresa, pode acessar o site da mesma www.nuttybavarian.com.br. A empresa é considera uma das opções do ramo de alimentos mais em conta na hora de abrir um negócio, pois tem um retorno alto e um investimento baixo, se compararmos com outras franquias.

Rodrigo Souza de Jesus


Saiba aqui como funciona e como se cadastrar no MEI.

Muitas pessoas tem um grande objetivo que é ser dono(a) do seu próprio negócio. Trabalhar com o que gosta de fazer, exercer suas habilidades, conquistar independência financeira, entre muitos outros benefícios.

O mundo empresarial é visto por muitos como a oportunidade para ter uma empresa, ser reconhecido e ter muito sucesso fazendo o que ama de verdade.

No entanto, se aventurar nesse caminho sem ter um plano de negócios e também, não buscar informações antes para se formalizar como empresário, é um risco muito alto e uma tendência para falência em pouco tempo.

Quer saber como se formalizar como empresário? Continue lendo este artigo e saiba quais passos são necessários para iniciar suas atividades neste mundo dos negócios.

Como a informalidade virou oportunidade

Muitos trabalhadores no Brasil trabalham de maneira informal, ou seja, não tem uma carteira assinada, um registro de empregado em empresa ou até mesmo uma licença para trabalhar como autônomo ou constituir uma empresa.

Para que esses trabalhadores pudessem estar dentro da legalidade, foi criado no Brasil em Julho de 2009 o MEI (Microempreendedor Individual), com o objetivo de legalizar os autônomos e micro empresários e provar que é muito mais rentável do que o serviço informal.

O que é o MEI?

O MEI no Brasil é o empresário que trabalha individualmente, por conta própria e está legalizado como pequeno empresário.

A atuação do MEI independe de estabelecimento fixo, como no caso das empresas virtuais, que direcionam totalmente seus negócios na internet.

Características do MEI

O Microempreendedor Individual possuí algumas características que são muito importantes saber antes de se tornar realmente um empresário formalizado. Vejam quais são elas:

· É uma empresa individual, sem sócios;

· Seu faturamento médio é aproximadamente R$ 5.000,00 por mês;

· É possível ter um empregado com salário de até 1(hum) salário mínimo ou o piso da categoria, o que vale é o de maior vencimento;

· A atividade da empresa tem que estar enquadrado dentro do Anexo XIII do Simples Nacional;

· É proibido ter outra empresa em seu nome ou participar como sócio ou administrador.

Como se tornar MEI?

A partir de julho de 2009, se tornar um empresário no Brasil ficou muito simples e fácil, é a porta que permite a entrada de novos empreendedores neste mundo empresarial.

A formalização pode ser feita pelo próprio empreendedor. O Sebrae possuí diversos canais de informação, na qual é possível tirar todas as dúvidas para seguir este caminho.

Para saber mais e se formalizar acesse este endereço: http://www.portaldoempreendedor.gov.br/mei-microempreendedor-individual.

Existem alguns passos e cuidados que devem ser seguidos para se tornar um MEI. A primeira a se observar é a atividade comercial.

Qual é a minha atividade comercial?

Não são permitidas todas as atividades comerciais para se tornar MEI. Para saber se sua atividade comercial se enquadra nos requisitos, é preciso consultar no Portal do Empreendedor a lista de atividades.

A lista completa das atividades permitidas ao MEI está neste endereço eletrônico: http://www.portaldoempreendedor.gov.br.

Essa atitude deve ser a primeira coisa a ser feita, mesmo antes de criar seu plano de negócio.

Minha atividade não está na lista, o que fazer?

Se a atividade que você quer exercer não estiver relacionada na lista, o empreendedor então deverá procurar outra formalização, nestes casos, uma Sociedade Limitada ou uma Eireli (Empresa Individual de Responsabilidade Limitada).

Quais são os limites para se tornar um Microempreendedor Individual?

Como esta modalidade de empresa não permite sociedade, ou seja, sócios, também existe um limite de faturamento anual para continuar como MEI.

O faturamento permitido pode chegar até R$ 60.000,00 por ano, não podendo ultrapassar este valor. Por conta disso, segundo os consultores do Sebrae, é muito importante saber realmente se a modalidade do negócio está correta.

Quais são as taxas que o MEI tem que pagar?

Como o MEI está enquadrado no Simples Nacional, as taxas federais são isentas. Desta forma, o único valor mensal a ser debitado será de R$ 47,85 para comércio ou indústria, R$ 51,85 no caso de prestação de serviços ou R$ 52,85 se for comércio e serviços.

Todas estas quantias serão atualizadas anualmente de acordo com o salário mínimo e também estas taxas são destinadas ao ICMS ou ISS e a Previdência Social.

Através destas contribuições o Microempreendedor poderá gozar dos benefícios que o Governo Federal oferece que são: auxílio doença, maternidade, aposentadoria, entre outros mais.

Documentos para Formalização

Quando acessar o site do portal http://www.portaldoempreendedor.gov.br tenha em mãos CPF, Título de Eleitor e número do recibo do imposto de renda do responsável pela empresa.

Emissão de Nota Fiscal é possível?

Sim, é possível, desde que haja a formalização junto à esfera Federal e Estadual, no entanto, é necessário ir até a Prefeitura do seu município e fazer o CCM (Cadastro de Contribuinte Mobiliário).

Com esta inscrição, você poderá emitir nota fiscal para comprovar a prestação dos serviços, tendo em vista que esta atividade recolhe impostos para o município.

Meu negócio está crescendo e agora?

Ultrapassou os limites permitidos de R$ 60.000,00, haverão taxas proporcionais pelos valores excedentes, desde que estes valores não ultrapassem os R$ 72 mil permitidos.

No ano seguinte, automaticamente o MEI passa para ME (Micro Empresa). Além disso, deverá pagar os valores retroativos ao faturamento do ano anterior.

Devido à cobrança deste retroativo, ser tudo de uma vez só, muitas empresas fecham as portas por não conseguir arcar com estes custos.

Este artigo foi útil para você? Então compartilhe com todos os interessados em se tornar um empresário individual.

Marcio Ferraz


Saiba aqui como abrir uma loja franquia do McDonalds.

Todos os anos os meios de comunicação noticiam o aumento do número de empreendedores no Brasil. São pessoas que por diversos motivos resolvem montar o seu negócio e conseguem alcançar um grande êxito. Se você tem interesse em abrir o próprio comércio e não sabe o como iniciar o projeto ou ramo de atuação que quer seguir, uma boa saída é investir em franquias. Essa modalidade se mostrou altamente lucrativa nos últimos anos e que tal abrir uma franquia de uma grande empresa como o McDonald’s? Saiba como dar início a este desejo.

A rede norte-americana é considerada a maior empresa no ramo de fast food do mundo. Fundada nos anos 40 é um dos maiores exemplos de sucesso de empreendedorismo. Atualmente o McDonald's possui mais de 30.000 unidades, em mais de 100 países pelo mundo e emprega mais de um milhão de pessoas. O sucesso da empresa é a combinação de diferentes fatores, como: a diversificação de seus produtos para atender a todos os consumidores, o preparo dos funcionários para realizar um trabalho bem feito e também na própria gestão, ponto crucial para que a empresa chegasse ao patamar que está hoje. Devido a isso, abrir uma franquia do McDonald’s requer muito planejamento.

Para os interessados em ter uma unidade da marca é necessário primeiro um estudo de caso avaliando questões como: se o local que pretende abrir a loja será um bom ponto; se a cidade contém um número necessário de consumidores para este tipo de produto; se o público tem interesse e pode adquirir essa mercadoria, se você possui o dinheiro necessário para tal investimento; estimar o tempo de retorno do dinheiro investido; os riscos de um negócio deste porte; se você conseguirá formar uma equipe já capacitada, dentre outros.

Após essa primeira análise, o interessado deve mandar para os diretores da empresa uma proposta, detalhando o que foi apurado neste esse diagnóstico. Após isso, ficará a cargo deles decidir se concedem ou não a abertura da franquia. Caso a proposta seja aprovada, o dono da nova unidade passa por cursos para conhecer e aprender todos os processos e etapas que envolvem uma loja do McDonald’s. Lembrando que um conhecimento prévio sobre a história da marca faz diferença, durante esse “processo seletivo”.

Se você se interessou por este negócio e acredita que tem potencial para abrir a própria franquia, acesse este endereço para saber mais informações: https://www.mcdonalds.pt/mcdonalds/franchising/. Neste link, também se encontra o endereço para solicitar o pedido inicial da proposta e os demais passos que os interessados devem seguir para tentar abrir a franquia. Enfim, estude e planeje bem o seu negócio, assim o sucesso é garantido. Boa sorte!

Isabela Castro.


Confira aqui o passo a passo para abrir uma loja franquia da Cacau Show.

Como abro uma franquia Cacau Show?

Todos já comeram ou pelo menos ouviram falar dos famosos (e deliciosos) chocolates da rede Cacau Show. Fundada em 1988, esta rede veio a se popularizar em 2004, quando se expandiu, abrindo diversas filiais por todo o Brasil. Devido à qualidade e ao sucesso na venda de chocolates, muitas pessoas possuem interesse em abrir uma franquia Cacau Show e não sabem por onde começar. Você é uma delas? Tem interesse em saber mais sobre o assunto? Acompanhe o texto!

1ᵒ Passo – é interessante saber!

Para abrir uma franquia Cacau Show, primeiramente, é interessante saber que existem quatro modelos diferentes de lojas, o que também oferece variações nos custos para abrir cada uma delas. Os modelos são: Loja Convencional, Loja Light, Loja Express e Quiosque da Cacau Show.

A Loja Convencional é ideal para espaços bastante movimentados, com bastante circulação de pessoas, como shoppings e grandes supermercados, por exemplo. O tamanho deste tipo de estabelecimento é maior em relação aos outros e o custo de seu investimento inicial é de R$ 135 mil.

A Loja Light já possui um porte menor e é própria para cidades menores, que não possuem um potencial de vendas tão grande como no caso da Loja Convencional. O custo inicial de investimento para este tipo de estabelecimento é de R$ 110 mil.

A Loja Express é uma variante da Loja Convencional, seguindo os mesmos parâmetros. Entretanto, a Loja Express se destina a estabelecimentos menores. O custo de investimento inicial é de R$ 90 mil.

Por fim, o Quiosque da Cacau Show é o menor de todos os estabelecimentos variando entre os tamanhos de 4 a 6 metros. É também o mais barato, possuindo custo de investimento inicial de R$ 18 mil.

Para mais informações acesse o link: http://www.portaldofranchising.com.br/franquia-cacau-show-doces/

2ᵒ Passo – Que medidas devo tomar para abrir minha franquia Cacau Show?

Algumas medidas práticas tem que ser tomadas para abrir uma franquia Cacau Show. Na seguinte ordem, é necessário:

– Cadastrar-se no Site Cacau Show (O cadastro pode ser feito através do link: http://www.cacaushow.com.br/franquias/cadastro)

– Aguardar a pré-análise do perfil;

– Participar de uma reunião para apresentação da franquia;

– Tirar eventuais dúvidas;

– Procurar um ponto para o estabelecimento;

– Passar pela análise da documentação e do ponto comercial;

– Ir à entrevista pessoal;

– Passar pela avaliação final do ponto comercial e do perfil;

– Entregar a Circular de Oferta;

– Fechar o Contrato de Franquia;

– Receber orientações sobre a montagem da loja;

– Treinamento e estágio;

– Cadastrar a loja (CNPJ e IE);

– Assinar Contrato Fiança;

– Fazer o pedido Inicial;

– Finalizar a loja;

– E finalmente, fazer a Inauguração!

3ᵒ Passo – Ficar a par de dados importantes sobre a franquia Cacau Show

– Unidades: 14 próprias (franqueador) e 1580 franqueadas (franquias)

– Número de funcionários: Cada loja possui entre 2 e 5 funcionários, a depender de seu modelo.

– Faturamento médio mensal: R$ 60 mil

– Taxa de Franquia: R$ 30 mil

– Taxa de Propaganda: A variar

– Tempo para Retorno: De 18 a 24 meses.

Para mais informações e eventuais dúvidas é possível acessar o site da Cacau Show, clicando aqui.

Por Carolina Costa


Saiba aqui como abrir uma loja/franquia do Subway.

Ter o seu próprio negócio é um dos objetivos de milhões de brasileiros, porém, começar tudo do zero pode ser algo bastante difícil. Por isso, uma alternativa de muitos é recorrer à abertura de franquia de uma grande rede, investimento cada vez mais presente no Brasil. Uma das opções para este tipo de negócio é justamente a franquia da Subway, a rede norte-americana de restaurantes fast-food. Trata-se da maior cadeia de fast-food do mundo, são mais de 41.000 restaurantes espalhados pelo mundo.

A boa notícia para quem tem interesse neste tipo de negócio é justamente a facilidade para investir nesta área. Com isso, o primeiro passo a ser dado é acessar o site oficial da Subway (http://www.subway.com/pt-br) e através da opção “Franquia” clique em “Candidatar-se a proprietário”. Após isso, você será redirecionado para uma página contendo um formulário online que deverá ser preenchido. Caso seja aprovado, a rede irá enviar uma circular de oferta contendo um questionário detalhado. Dessa forma, o candidato estará passando por uma avaliação preliminar com o objetivo de uma futura entrevista presencial.

Depois de submetido à entrevista pessoal e devidamente aprovado, saiba que o processo de emissão da documentação necessária para a confirmação do negócio já é iniciada. Vale destacar que a rede busca pessoas com destaque na gestão pessoal, perfil empreendedor e com o objetivo de se dedicar ao máximo neste desafio.

Após isso, o mais novo franqueado deverá abrir a sua loja em até dois anos. Apesar dessa estimativa de tempo, é importante destacar que o prazo médio para abrir uma franquia Subway é de cerca de três meses.

Em média, o investimento para abrir uma franquia Subway varia de R$ 280 mil a R$ 500 mil. A rede Subway também entrará com total apoio e suporte juntamente ao franqueado, dentre os quais: apoio para financiamento da franquia, treinamento técnico de funcionários, orientação sobre métodos a serem adotados, além de outros suportes.

Confira aqui um panorama geral da franquia Subway: o investimento inicial pode variar de R$ 280 mil a 500 mil, sendo que a taxa de franquia é de R$ 25 mil; o estoque inicial é de R$ 23 mil; equipamentos e mobília podem custar até R$ 140 mil; reformas variam de R$ 80 mil a R$ 110 mil; taxa de royalties incidem sobre 8% em relação ao faturamento líquido; a margem de lucro sugerida é de 15% sobre o faturamento líquido; e o prazo de retorno de investimento é de 24 a 36 meses.

Por Bruno Henrique


Saiba aqui quanto custa e como abrir uma loja franquia do Boticário.

Para todos aqueles que sonham em ter seu próprio negócio no Brasil, pode preparar o bolso, pois como o diz o velho ditado, tudo tem o seu preço. Um recente estudo foi feito pela Associação Brasileira de Franquias (ABF), que foi divulgado no mês passado, envolvendo 1.300 marcas famosas e entre elas, as 50 maiores redes de franquias do país. O setor de alimentos lidera em absoluto o levantamento e abocanha 36% do total, mas a maior rede de franquias do Brasil, que conta com 3.730 lojas abertas, é do Boticário, do ramo de cosméticos e beleza.

Segundo o site do Boticário, quem deseja abrir uma franquia da marca, terá que desembolsar no mínimo 510 mil reais, já inclusos o valor da loja física e capital de giro.

O Boticário ainda faz algumas exigências quanto ao tamanho da loja, número de funcionários e ainda quanto a sua localização, pois ela deve se situar dentro dos locais pré estabelecidos pela rede.

A loja física deve ter no mínimo 36 metros quadrados, 6 funcionários, além de estar situada em pontos estratégicos da cidade, ou seja, em grandes avenidas comerciais ou locais onde o movimento de pessoas é grande em boa parte do dia.

As exigências para se tornar um franqueado são que a pessoa tenha um sistema de dedicação exclusiva em tempo integral aos negócios da marca, curso superior completo em gestão de negócios, experiência anterior no setor de varejo e se for possível, que ainda tenha um curso de especialização ou pós graduação em Marketing ou Gestão de Negócios.

O faturamento médio mensal de uma franquia do Boticário gira em torno de 70 mil reais mensais e o prazo para se obter o retorno de todo o investimento fica entre 1 ano e meio até três anos, dependendo das vendas em geral.

Todos os interessados que desejam abrir uma franquia da marca poderão fazer um cadastro no site www.oboticario.com.br e preencher o formulário correspondente. A empresa irá analisar a proposta das informações e caso sejam aprovadas, um contato com o futuro franqueado será feito. Caso a pessoa não tenha a bagatela de 500 mil reais para investir em uma loja, pode se tornar um representante dos produtos do Boticário e os requisitos são: ser maior de idade e possuir CPF próprio.

Mais informações podem ser visualizadas no site da empresa.

Rodrigo Souza de Jesus


Confira aqui quais são as melhores cidades para empreender.

Em tempos de crise abrir um negócio parece ser uma atitude nem um pouco apropriada. Porém, para quem está motivado a empreender um novo negócio, veja em quais cidades é mais recomendável para se instalar.

A Endeavor, organização que apoia empreendedores, onde promove a cultura do empreendedorismo em diversos países, efetuou um estudo que identificou as melhores cidades para abrir um negócio.

Este estudo feito pela organização já é conhecido por diversas cidades do Brasil e utilizam este guia para que possam se esforçar e melhorar suas condições para que novos empreendedores tenham condições de criar seus negócios locais.

Desafio para as cidades

O grande desafio das cidades em uma época de conturbação política e econômica é oferecer melhores condições para as empresas se manterem ativas.

Em um tempo em que o país possui um dos maiores índices de desemprego, ultrapassando a marca de 12 milhões pessoas, será possível para ajudar estas empresas que querem se desenvolver?

Criar alternativas para as empresas poderem crescer é o papel das cidades que querem ser polo para o empreendedorismo, ou seja, necessita muito esforço e comprometimento dos governos.

Exemplo de Porto Alegre

Um dos exemplos que as cidades poderiam seguir é Porto Alegre, ao longo dos últimos 15 meses, ela se esforçou na redução da burocracia para que houvesse a abertura de empresas.

Em anos anteriores,quando foram iniciados estes estudos, a capital gaúcha, levava mais de 200 (duzentos) dias para que fosse registrado um negócio. No entanto, até o fim deste ano, empresas que oferecem baixo risco, farão o registro em até 5 dias.

Ranking das melhores cidades para abrir um negócio segundo Endeavor

Para formar o ranking das melhores cidades para se montar um negócio, foi desenvolvido alguns critérios, na qual foi estruturado 7 (sete) pilares: ambiente regulatório, infraestrutura, mercado, acesso a capital, inovação, capital humano e cultura empreendedora.

Ao todo são 32 cidades que constam o ranking, vejam a seguir quais são elas e em que se destacam:

1º lugar – São Paulo

Em anos anteriores, Florianópolis (2ª colocada) se destacava no ranking. Porém, no ano de 2016, São Paulo abriu boa vantagem sobre a cidade do Estado de Santa Catarina. O destaque da cidade paulistana é por conta da sua potência econômica, além das boas condições de mercado, acesso a capital e sua conectividade, motivo este que eleva o nível de todo estado. Atração para empreendedores de alto impacto. Destaca-se também por sua infraestrutura.

2º lugar – Florianópolis

Uma ilha localizada mais distante, porém, ainda é empreendedora. Nas edições dos estudos feitos nos anos de 2014 e 2015, no primeiro ano liderou e no segundo, ficou empatada com São Paulo. Já neste ano, ficou um pouco mais distante de São Paulo e ocupa o 2º lugar.

Embora continuando com seus resultados muito bons no que diz respeito a planejamento e na importância do desenvolvimento econômico com políticas públicas, perdeu a briga para o item que trata a inovação. A proporção de mestres e doutores é a maior por empresa.

3º lugar – Campinas

Qualidade de vida, custos mais baixos, capital humano e inovação. Campinas é a cidade do interior paulista, junto com São José dos Campos (6ª colocada) e Sorocaba, melhor colocada e que põe o estado de São Paulo bem mais forte no ranking. Campinas foi a cidade eleita como a que possui o menor tempo para que seja regularizado um imóvel, cerca de 94 dias.

A lista segue…

Em 4º lugar Joinvile com 6,962 pontos, subindo cinco posições em relação as edições dos outros anos, seguida por: Vitória, São José dos Campos, Porto Alegre, Sorocaba, Maringá, Ribeirão Preto, Belo Horizonte, Caxias do Sul, Blumenau, Rio de Janeiro, Curitiba, Brasília, Uberlândia, Recife, Londrina, Aracaju, Goiânia, Natal, Teresina, Cuiabá, Salvador, Belém, João Pessoa, Manaus, Fortaleza, São Luis, Campo Grande e por último Maceió.

Conforme dito, no estudo as cidades apresentaram melhorias, reinventaram iniciativas para melhorar o ambiente para os empreendedores, bons exemplos copiados para inspirar.

Se você ou sua empresa quer se instalar em uma dessas cidades, analise de acordo com suas necessidades e procure nos governos.

Marcio Ferraz


Confira aqui uma lista com as piores cidades para empreender no Brasil.

Os especialistas são unânimes quando afirmam que antes de abrir qualquer negócio o novo empreendedor deve fazer uma pesquisa sobre a atividade a ser desenvolvida, público e ponto. É bem comum vários empreendimentos que tinham tudo para dar certo, fecharem as portas antes mesmo de um ano de atividades. O motivo do fracasso? A região em que se encontram.

Enquanto existem cidades em que os empreendimentos crescem e se desenvolvem, há também aquelas que não são tão favoráveis na abertura de novos negócios. Neste post você vai conhecer as 10 capitais que se encaixam nesse perfil desfavorável aos empreendimentos novos.

  • Fortaleza: é uma capital que possui muitos problemas como uma infraestrutura deficiente, em que os centros comerciais estão muito distantes. Além disso, existe a falta de segurança pública.
  • Teresina: se enquadra no mesmo perfil de Fortaleza, uma capital com problemas de infraestrutura.
  • Cuiabá: não atrai investidores, sofrendo um abandono econômico que não estimula a abertura de um novo empreendimento.
  • Belém: também não é uma boa opção, considerando o número de leis relacionadas a tributação, diante de tantas adversidades o empreendedor não consegue se manter.
  • São Luís: a falta de segurança pública e o aumento da violência influenciam na abertura de novos empreendimentos.
  • Manaus: além de problemas de infraestrutura, os entraves burocráticos também não estimulam novos empresários.
  • Salvador: embora seja muito badalada, para novos negócios não oferece atrativos, pois a começar pela burocracia, a insegurança pública leva a não atração de investidores.
  • Aracaju: apesar de possuir pontos negativos como as demais, ainda apresenta uma receptividade maior.
  • Natal: tão linda, mas ainda tão fechada para novos empreendimentos pelos mesmos motivos das demais capitais.
  • Maceió: de todas, é apontada como a pior, possuindo problemas de estrutura, falta de investimentos e segurança pública.

A listagem acima, feita com base do levantamento anual sobre capitais e empreendedorismo (Endeavor), mostra cidades lindas, muito conhecidas e surpreendentemente com baixos índices de empreendedorismo. Os motivos são claros, mas poderiam ser eliminados se houvesse um apoio maior a essas capitais, cujos empreendedores esbarram nos problemas de responsabilidade pública e de entraves legais. Fatores que não atraem novos investidores e nem favorecem o desenvolvimento dos poucos empreendimentos presentes nessas regiões.

Sirlene Montes


Receita Federal passará a excluir Empresas com Débitos do Simples Nacional.

A Receita Federal do Brasil informou que empresas do Simples Nacional serão notificadas, a partir de setembro, caso seja encontrado pendências tributárias ou previdenciárias. De forma que as empresas precisam correr para se regularizar, senão sofrerão exclusão por ofício do Regime Simplificado de Tributação. Diante disso, quem não pagar o débito pode perder todos os benefícios, sendo assim, o diretor executivo da Confirp Consultoria Contábil, Richard Domingos, dá o seu alerta a pessoa jurídica que precisa verificar sua tributação.

NÃO SEJA NOTIFICADO

A notificação da exclusão do Regime Simplificado se dará a partir de 26 de setembro de 2016 em todo Brasil, porém, os peritos da Confirp recomendam que as empresas que possuem débitos paguem ou parcelem imediatamente o valor pendente. 

ACESSE O PORTAL DO SIMPLES NACIONAL

Para visualizar a notificação que será dada por Ato Declaratório Executivo (ADE), basta entrar no endereço eletrônico tributário (DTE-SN – Domicílio Tributário Eletrônico) no qual fazem parte todas às empresas do Simples Nacional, com exceção dos MEI, lá encontrarão um anexo único do ADE com o valor da pendência. Também é possível fazer isso pelo Atendimento Virtual (e-CAC), no site da Receita Federal, através de certificado digital ou código de acesso.

REGULARIZE SUAS PENDÊNCIAS

As empresas que no prazo de 30 dias, depois de notificadas pelo ADE através da plataforma eletrônica, efetuarem a regularidade total de seus débitos, tornarão sua exclusão sem efeito, por extinção da causa, não precisando dispor-se a qualquer procedimentos relativo a RFB, ou seja, não constará mas nenhuma irregularidade e ainda se dará como se nunca tivesse havido irregularidade. Caso contrário, tornará efeito a partir de 1º de janeiro de 2017.

Enfim, a regularização das pendências frente à exclusão no Regime Simplificado de Tributação é dos males o melhor para as empresas, pois a perda dos benefícios são diversas, exemplificando temos a redução de encargos previdenciários e a forma simplificada de recolhimento dos tributos. Por isso é melhor prevenir e verificar se a empresa possui notificações, pois algumas as vezes nem sabem que estão com pendências ou porque esqueceram ou porque calcularam errado o tributo.

ELIZA MARIA AVOLIO DE SOUZA


Linha de Crédito visa incentivar o empreendedorismo e ampliar as rendas das famílias.

O Governo Federal deve lançar em setembro uma linha de crédito especial para os beneficiários do programa social Bolsa Família. A linha visa incentivar as atividades produtivas formais, com a finalidade de reaquecer o mercado interno, ampliar a rendas das famílias e incentivar o empreendedorismo.

A ideia do serviço é estimular o mercado formal. Assim, a iniciativa servirá para fornecer crédito à atividade produtiva e propiciar a compra de materiais de trabalho, prestação de serviços e outras atividades que gerem uma renda formal. Quem receber o crédito não perderá o benefício do Bolsa Família. A medida tem como uma das principais intenções incentivar a entrada dos beneficiários do programa social no mercado formal. Muitas dessas pessoas têm medo de entrar em uma atividade formal e perder a bolsa.

A fim de acabar com esses temores, o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, afirmou que o governo dará a garantia de dois anos no Bolsa Família às famílias que pegarem crédito no programa. Caso o beneficiário perca o emprego depois deste prazo, ele será reintegrado ao Bolsa Família.

Segundo o ministro, em entrevista ao Broadcast, o aporte pode ir de R$ 100 milhões a mais de R$ 1 bilhão. A medida terá grande restrição na exigência de garantias e, de acordo com o site Terra, está descartada a hipótese de que a linha possa beneficiar o microcrédito ou o consumo.

O programa está sendo planejado em conjunto com bancos públicos, como o BNDES, a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil, além de outros bancos regionais. Os valores finais ainda serão definidos. O Governo Federal irá criar um fundo de aval para garantir os empréstimos. Em caso de inadimplência, o pagamento das dívidas aos bancos sairá deste fundo de investimentos.

Por outro lado, os municípios que conseguirem aumentar o número de famílias emancipadas do Bolsa Família ganharão prêmios. O valor dessa premiação pode variar entre R$ 100 mil até R$ 3 milhões.

O programa de linha de crédito a famílias beneficiárias do Bolsa Família vem em conjunto com outro programa da mesma natureza, porém, para famílias beneficiárias do Minha Casa, Minha Vida. Ambos fazem parte da estratégia do presidente em exercício Michel Temer conseguir o apoio das camadas mais pobres da população, caso o impeachment da presidente Dilma Rousseff seja consumado na próxima semana.

Renato Senna Maia


Espaço terá 2,6 mil metros quadrados e receberá empreendedores, investidores e mentores interessados em trocar experiências sobre startups.

O dia 13 de junho vai marcar a abertura de oportunidades que o Google vai oferecer para as pessoas que são empreendedoras. Elas poderão conhecer o espaço que a gigante da internet abrirá em São Paulo, mais precisamente no bairro Paraíso.

Chamado de Google Campus, a novidade trata-se de um espaço para os empreendedores, investidores e mentores deste segmento para que possam aperfeiçoar, criar e trocar suas experiências sobre startups que podem ajudar no desenvolvimento de nosso país.

Serão seis andares disponibilizados para o Google Campus em São Paulo, com 2,6 mil metros quadrados. Os interessados em conhecer o espaço poderão fazer a inscrição como visitante ou como um possível residente do mesmo.

Link para inscrição como visitante: www.campus.co/sao-paulo/pt/sign-up.

Link para a inscrição como futuro residente: https://gfepublic.secure.force.com.

Essa iniciativa do Google teve o seu anúncio feito no ano de 2014 e o projeto sai do papel em 2016. Além do espaço que fica aberto em São Paulo, o Google também conta com sedes semelhantes em Madri, Londres, Seul, Tel Aviv e Varsóvia.

O que é uma startup?

Para muitos, qualquer pequena empresa que esteja em um período inicial de trabalho pode ser apontada como uma startup. Porém, outra vertente dá conta que uma startup é uma empresa que apresenta custos sobre a sua manutenção bem reduzidos, mas tem a possibilidade de crescimento rápido e boa geração de lucros.

Atualmente, há outra definição que está satisfazendo tanto os investidores como pessoas que são especialistas nessa área. Ela atenta para o fato que uma startup é um grupo de pessoa que procura por um modelo de negócios escalável e repetível, sendo que as mesmas trabalham em condições de uma incerteza extrema.  

Nesse cenário de incerteza vamos observar que não há como apontar que a ideia em questão e o projeto da empresa vão de fato dar certo, ou então, que possam, ao menos, se apresentarem sustentáveis. O ser repetível é a possibilidade que ela tem para entregar o seu produto mais de uma vez em escala ilimitada, sem que que haja diversas customizações ou adaptações para cada tipo de cliente.

O escalável da startup é crescer sempre, sem que esse fato influencie no seu modelo de negócio. 


Confira aqui algumas dicas de como aumentar as vendas de sua empresa neste período de crise econômica.

Não é novidade de que a crise está afetando a todos. Desemprego, inflação e corrupção, tem frustrado a população. Mas como vender bem em tempos de crise? Existem técnicas e novidades que você pode fazer suas vendas alavancar mesmo diante da atual situação. Ideias que talvez antes você não tinha pensado e que podem fazer muita diferença neste Natal.

Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, a Intenção de consumo das famílias brasileiras (ICF) caiu pelo nono mês seguido em outubro deste ano, com 78,4 pontos, percentual menor que 100 pontos, isto significa insatisfação dos consumidores.

Veja 12 dicas de como vender bem neste Natal em tempo de crise:

  • Comece as vendas em novembro (incentiva os consumidores a comprar antecipadamente).
  • Ofereça produtos na promoção (aproveite principalmente os produtos natalinos que sobraram do ano passado, a promoção incentiva ao consumo).
  • Divulgue seus produtos através das mídias sociais (uma forma moderna, sem custo e muita atrativa de divulgação, através do Facebook, Twitter, Blog, Site, crie uma página destinada a sua empresa e alimente-a com informações dos seus produtos, como fotos e valores que custam).
  • Entregue panfletos (não podemos esquecer desta forma tradicional de divulgação e que dá resultados).
  • Esteja atento ao estoque (mantenha ele sempre cheio para não correr o risco de deixa de vender mais produtos).
  • Ajude os funcionários (deixe o orgulho de lado e venda também, caso não tenha condições de contratar mais funcionários).
  • Contrate mais profissionais (devido ao pouco lucro e menos consumidores nas lojas, então contrate poucos funcionários para este período).
  • Contrate um locutor de loja (um locutor chamará atenção para seu estabelecimento, ofuscando as lojas que estão ao redor da sua, mas essa forma de divulgação depende do público que você almeja atingir e do perfil de sua empresa).
  • Fique de olho nos funcionários (Procure observar se todos os seus funcionários estão trabalhando bem e tratando bem os clientes).
  • Faça um sorteio (divulgue através de um cartaz em frente da loja, locutor ou mídias sociais sobre este sorteio, e explique que quem comprar na SUA LOJA, estará concorrendo a um prêmio, você escolhe o prêmio, pode ser um fogão, viagem, depende do público que você tem e do orçamento de sua empresa).
  • Decore sua loja (a aparência desperta atenção das pessoas).
  • Padronize seus funcionários (transmita um clima natalino, cheio de harmonia e alegria, através de acessórios e roupas natalinas).

Maria de Lurdes, 44 anos, pernambucana, comerciante, relata o que fez para melhorar as vendas de Natal. “No meu estabelecimento não tinha locutor de loja, então contratei um rapaz que já tinha essa experiência em lojas e através dele a situação melhorou, pois ele é bastante animado e extrovertido, isso chama a atenção dos clientes que passam, estou vendendo bastante atrativos natalinos”, comentou.

Por Erika Amanda Silva de Souza


Confira aqui as principais vantagens e desvantagens de se ter o próprio negócio.

Muitas pessoas se perguntam se devem trabalhar para si próprio ou para outros. Por vezes, seus sonhos de carreira, formação acadêmica te jogam por um caminho inevitável, trabalhar em grandes organizações, ter plano de carreira, inúmeros benefícios, parece tentador, e se você está no mercado de trabalho, principalmente em tempos de crise, em uma posição sólida como está, talvez sua pergunta já esteja respondida.

Porém, quando não conquistamos o cargo perfeito, ou mesmo tendo um dia ocupado o mesmo, mas não no momento, essa pergunta não se cala.

Ter o próprio negócio tem seus riscos, variações financeiras, desafios incalculáveis. Porém, sua liberdade de criação e sua tomada de decisão não passa por nenhum superior que poderá te "podar". Suas "asas" ficam soltas e seus vôos podem ir muito mais longe do que se espera. Ainda tem o lado financeiro, por mais risco que o negócio corra, os louros são colhido apenas por você.

Se você se matar de trabalhar, por horas e horas, inclusive nos finais de semana, os lucros obtidos por esse esforço adicional serão seu, não será apenas uma pequena recompensa chamada de hora extra ou banco de horas, será o aumento do lucro da sua empresa.

Atualmente, infelizmente, um assunto recorrente é a crise econômica no Brasil e a quantidade de vagas formais fechadas no país. Muitas pessoas estão passando dificuldades e vendo seu poder aquisitivo decrescer em alta velocidade. Ter o próprio negócio irá lhe permitir passar pela crise um tanto mais calma e ainda, por que não gerar emprego.

Outro ponto favorável é que depois da crise, quando a oferta de vagas aumentar e os salários forem compatíveis com as exigências da vaga, caso você queira voltar para o outro lado, sendo empregado, terá em seu currículo uma época de desafios e não um espaço em branco. Terá em seus currículo um cargo e uma função de liderança, de sua própria empresa, que com certeza muito lhe ensinará tanto para a vida profissional quanto pessoal.

Por Vivian Schetini


Chegou a oportunidade de obter o investimento necessário para tirar do papel uma boa ideia de negócio. Trata-se da 2ª edição do desafio “Sua Ideia Vale um Milhão”, realizado pelo Buscapé Company.

O desafio consiste em um processo de seleção de projetos para empreendedores que desejam colocar em prática suas ideias e lançar produtos comercialmente viáveis. 

O Buscapé busca propostas voltadas, preferencialmente, para os setores de “Social Commerce” e/ou “Mobile Commerce”.

O candidato que tiver o seu projeto escolhido será premiado com um investimento de R$ 300 mil e a oportunidade de ter o Buscapé como sócio da empresa.

As propostas serão avaliadas pela comissão da empresa e não há limite de vencedores. Na edição passada, por exemplo, quatro startups chegaram até o fim.

As inscrições começam no dia 4 de junho e encerram no dia 30 de agosto. Para inscrever-se é necessário acessar o site www.suaideiavaleummilhao.com.br.

Clique aqui e acesse o regulamento.

Por Rafaela Fusieger


Um novo empreendimento gera, invariavelmente, dúvidas na cabeça daquele ou daqueles que o idealizam. A incerteza entre algo que venha a se concretizar e oferecer bons frutos e o pessimismo sobre alguma derrocada é apenas um dos questionamentos. De todo jeito, várias são as entidades prontas a atender toda e qualquer necessidade dos empresários de primeira viagem.

No ano passado, 1.370.464 empresas foram estabelecidas no Brasil, salto de mais de 100% em comparação às 680.881 concebidas em 2009. Essa alta não significa apenas o bom ambiente econômico do país, mas também as ações realizadas pelo Programa Empreendedor Individual, que em 2010 foi responsável por mais de 752 mil formalizações, praticamente 55% de todo o Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) registrado no período.

Na concepção de Luiz Barreto, presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), esses resultados indicam que aos poucos os brasileiros têm adquirido conhecimentos sobre as vantagens de seguirem pelo caminho da formalização. A economia brasileira, nos últimos anos, foi importante fator para esse aumento.

O Empreendedor Individual abrange vários segmentos de atuação. Eis uma ferramenta importante para quem já tem um negócio informal ou àqueles que almejam criar sua própria empresa. Seguir orientações profissionais, de longa data, é diminuir o árduo caminho do empreendedorismo.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Sebrae


O Brasil tem correspondido bem às expectativas das empresas nacionais e estrangeiras devido a inúmeros fatores. A desvalorização do dólar diante do real é somente a ponta do iceberg dessa nova tendência.

Estudo relacionado pela Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro (Jucerja) assinala que o número de empresas abertas na unidade federativa aumentou 8,7% em 2010 em comparação a 2009. Em dados mais elucidativos, 41.025 novos negócios foram gerados no período, contra pouco mais de 37,7 mil no ano anterior.

Para Carlos de La Rocque, presidente da entidade, o avanço de novos negócios já era aguardado, porém o índice constatado superou todas as perspectivas. O segmento de roupas e acessórios foi o destaque no ano passado, com 16.846 do total. Salões de beleza se postaram em seguida, com exatos 8.585 novos empreendimentos.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Band Online





CONTINUE NAVEGANDO: