Saiba aqui o que muda com as novas regras do crédito rotativo no cartão.

O Banco Central do Brasil (BCB) determinou novas regras para utilizar o rotativo dos cartões de crédito. A mudança já é válida a partir do dia 3 de abril (segunda-feira). Confira aqui quais são as principais alterações.

restrição para pagar o valor mínimo da fatura. Não será mais possível escolher essa opção de pagamento por vária vezes subsequentes no ano. Antes, funcionava da seguinte maneira: o cliente, para evitar a inadimplência, deveria pagar até a data de vencimento pelo menos 15% do montante total da fatura do cartão do crédito. Assim, o saldo devedor seria cobrado com juros no próximo mês. Caso o consumidor não conseguisse realizar o pagamento integral, seria possível efetuar o pagamento do valor mínimo novamente e por quantas vezes quisesse.

Para evitar a conhecida "bola de neve" que esse tipo de pagamento pode gerar aos consumidores, o BCB estabeleceu que eles podem quitar 15% do valor da fatura, como antes. Todavia, não é mais permitido realizar essa operação seguidas vezes. De acordo com as novas regras, os bancos devem ofertar uma linha de crédito para que os clientes parcelem a dívida. Os prazos e taxas de juros serão negociados. Alguns bancos já divulgaram que os juros cobrados serão menores do que aqueles cobrados com o parcelamento do cartão de crédito. A variação está entre 1,99% e 9,99% por mês.

É válido esclarecer que o cliente pode, a qualquer tempo, mesmo antes do prazo para pagamento da conta do cartão, extinguir a dívida, pagando o valor total. O Banco Central esclarece que essa alternativa é para que os clientes, acostumados ao uso rotativo dos cartões de crédito, não acumulem dívidas com juros exorbitantes. Essa determinação visa por fim ao uso sem fim do pagamento mínimo e ao descontrole financeiro.

As taxas menores permitem menos dívidas. Mas os clientes devem ficar atentos ao financiamento dos débitos que venha a fazer junto aos bancos para não ficar inadimplente. Avalie o seu orçamento financeiro e faça um acompanhamento dos gastos para evitar déficit.

A mudança foi divulgada pelo BCB em 26 de janeiro (quinta-feira).

O Banco Central foi instituído em 1964. Trata-se de uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Fazenda responsável pela política monetária e cambial do Brasil.

Melisse V.


A Febraban, Federação Brasileira de Bancos, considerou em seu último Informativo Semanal de Economia Bancária, que o crédito rotativo, cheque especial e cartões de crédito, estão pesando expressivamente na economia das famílias brasileiras. Os dados do Relatório de Estabilidade Financeira do Banco Central também confirmam essa informação.

Segundo o relatório do BC o crédito pessoal comprometia, em abril de 2012, 43% da renda da população brasileira. Desse montante, 27% são destinados ao pagamento das linhas de crédito rotativo. Dentre os pagamentos deste a maior parte é destinada aos cartões de crédito que representam 80% do total de dinheiro gasto com pagamento desse tipo de crédito, afirma a Febraban.

Ainda segundo essa entidade, o comprometimento de renda com o pagamento de linhas de crédito no Brasil poderia ser muito menor, caso a maior parte do crédito disponível estivesse concentrada em crédito imobiliário, como nos Estados Unidos. A Febraban afirma que o comprometimento de renda com pagamento de crédito poderia cair no Brasil dos atuais 22,1% para 9,8% se 80% das linhas de crédito brasileiras fossem para gastos imobiliários. Isso ocorreria, pois o crédito imobiliário tem juros menos elevados.

O Relatório do BC aponta, ainda, que os bancos públicos ganharam parcela considerável de mercado de linhas de crédito no último ano. A participação deles passou de 41,8% em julho de 2011 para o patamar 45,1% em julho deste ano.

Os bancos privados tiveram sua parcela reduzida dos anteriores 40,9% para atuais 38% do total do mercado de crédito. Isso ocorreu devido à ofensiva da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil, com a redução das taxas de juros em suas linhas de crédito, o que atraiu muitos clientes no período.

Por Matheus Camargo





CONTINUE NAVEGANDO: