Carlos Alberto dos Santos, diretor do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), afirmou que continua apostando na expansão do crédito para as pessoas jurídicas e para o crédito imobiliário. Segundo dos Santos, o grande número de microempresas e empreendedores com empréstimo em pessoa física proporciona grande espaço para a expansão de setores.

Segundo ele, as pessoas estão contraindo dívidas através do sistema do cheque especial. Ele afirmou ainda que o Sebrae, de acordo com seus dados, aponta que 90% dos novos empreendedores não buscam crédito na forma de pessoa jurídica.

De acordo com os dados da instituição, o Brasil deve ter 22 milhões de pessoas no comando do seu próprio negócio até o ano de 2022. Essas informações fazem com que o Sebrae acredite ser possível uma expansão expressiva do crédito para pessoas jurídicas no Brasil durante os próximos anos.

As informações do diretor do Sebrae foram dadas durante o painel de inclusão financeira no Brasil, que foi realizado no 4º Fórum do Banco Central sobre o tema. A atividade acontece desde segunda-feira, dia 28 de outubro, na cidade de Porto Alegre.

Fonte: R7

Por Matheus Camargo


De acordo com as declarações do Banco Central a expansão do crédito no mercado brasileiro segue em ótimo estado.

As afirmações são de Luiz Awazu Pereira, diretor do Banco Central, e afirmam que o crescimento do crédito no Brasil ocorreu em um contexto muito diferente do que aconteceu  em economias avançadas  durante a crise de 2008. Para ele, o baixo grau de endividamento das famílias e das empresas e até mesmo do campo governamental  é uma diferença elementar dos dois contextos.

Awazu realizou suas afirmações durante um fórum promovido pelo Banco Central na capital gaúcha, Porto Alegre. Essas afirmações do diretor foram feitas mesmo com a avaliação de que as taxas de calotes nos empréstimos têm sido elevadas nos últimos 3 meses.

O diretor afirmou, ainda, que o crédito imobiliário do Brasil tem espaço para operar sua expansão. Segundo ele, este crédito representa apenas 6% do Produto Interno Bruto brasileiro. Segundo ele, o rápido crescimento do crédito no setor ocorre com regras de prudência e de forma sólida. Ele explicou que isso é muito diferente de uma  expansão do crédito sem uma base sólida determinado apenas pela deteriorização dos critérios de seleção das carteiras  de crédito.

Por Matheus Camargo

Fonte: Estado de Minas


A Caixa Econômica Federal (CEC) bateu mais um recorde no quesito de concessão de crédito imobiliário aos seus clientes. De acordo com informações divulgadas nesta semana pela instituição bancária, até o dia 24 de agosto, a Caixa Econômica atingiu o volume recorde de R$ 44 bilhões em empréstimos no setor imobiliário.

A Caixa Econômica finaliza, em média, 4 mil contratos por dia de crédito imobiliário, segundo a instituição. Com o crescimento da oferta e da demanda, a expectativa é que a CEC disponibilize R$ 60 bilhões em crédito imobiliário até o final do ano.

Em comparação ao primeiro semestre do ano passado, os seis primeiros meses do ano acumularam um crescimento de R$ 10 bilhões em relação à concessão de crédito imobiliário.

Por Luana Neves





CONTINUE NAVEGANDO: