A Copel, Companhia Paranaense de Energia, apresentou um comunicado nesta segunda-feira, dia 29 de outubro, onde demonstra que o fornecimento de energia elétrica da empresa cresceu 5% nos primeiros nove meses de 2012. O mercado da empresa teve um crescimento de 3,2% nesse período.

Ela foi responsável por um consumo de um 7.396 gigawatts de energia elétrica. Somente a Copel Geração e Transmissão de Energia cresceu um total de 1.029 gigawatts de energia distribuída no período. Ao final do mês de setembro de 2012 a classe de consumo industrial chegou a ocupar 32,4% do mercado cativo da Copel. Isso representa, um total de 84.887 mil consumidores atendidos.

Já, na categoria da classe residencial, o consumo de energia chegou a 4.867 gigawatts. O crescimento da classe foi de 3,8% totalizando um volume de 3.168.888 milhões de consumidores da companhia elétrica.

Na categoria rural o consumo de energia fornecido pela empresa foi de 3.749 gigawatts, o que representa um aumento de 4,8% apenas este ano. Nesse setor a Copel atende  a 374.759 mil consumidores. No setor da classe comercial o consumo de energia chegava 3.749 gigawatts. Isto representa um total de 4,8% do total de energia fornecido pela imprensa.

Por Matheus Camargo

Fonte: A Tarde


Depois da CPFL, as empresas do setor elétrico Energisa e Copel também declaram publicamente o interesse em comprar a empresa Rede Energia do Brasil. Um executivo da Energisa afirmou para a agência de notícias Reuters que a empresa tem interesse em adquirir a Rede.

A Rede Energia e a CPFL (em conjunto com a Equatorial) assinaram um termo de entendimento para a compra da empresa faz uma semana. Dessa maneira, a CPFL adquiriu o direito de exclusividade nas negociações junto a Rede Energia para a sua compra até o final de 2012.

O chefe de relações de investimento da Energisa afirmou que é do interesse de sua empresa que se apresente mais uma proposta à Rede, possibilitando assim melhor avaliação das alternativas de compra.

Ele informou também que a Energisa e a Copel entraram em contato com a Aneel (órgão governamental de controle das concessões de exploração do setor elétrico brasileiro) e com o acionista majoritário da Rede Energia para tratar do negócio.

Desde o fim de agosto de 2012 a Rede Energia tem sofrido graves problemas operacionais e financeiros. Para evitar a queda de energia nas unidades administradas pela concessionária, a Aneel apreendeu oito das unidades da empresa.

Fonte: Reuters

Por Matheus Camargo





CONTINUE NAVEGANDO: