Brasileiros emitiram 1,3 cheques sem fundos no mês de julho, segundo a Serasa. O que representa 2,29% do total de cheques compensados durante o mês.

Nunca se emitiu tanto cheque sem fundos quanto no último mês de julho. Um levantamento feito pela empresa Serasa, revelou que os brasileiros emitiram 1,3 cheques sem fundos somente no último mês. A pesquisa foi divulgada na última terça-feira (dia 18).

O número corresponde a um recorde para o mês de julho, desde 1991, quando a série foi criada. O número registrado corresponde a 2,29% do total de cheques compensados durante o mês.

Desde o começo deste ano, cerca de 8,75 milhões de cheques já foram devolvidos à sua origem, por falta de fundos. O número corresponde a 2,2% do total de cheques compensados. O resultado é o segundo maior percentual para o período do primeiro semestre do ano, desde que o levantamento começou a ser feito. O percentual só foi maior no ano de 2009, quando chegou aos 2,29%. No ano passado o percentual era de 2,11% de cheques sem fundos.

Segundo a Serasa, a culpa pela falta de pagamentos dos consumidores é o aumento das taxas de desemprego, e também a atual situação econômica do País, que está marcada pela recessão pelo aumento dos juros e da inflação.

Com esse cenário pessimista, os consumidores acabam tendo “sérias dificuldades” para honrar seus pagamentos, e mesmo quem tem boas intenções ao passar um cheque, às vezes pode não conseguir os fundos necessários para cobrir o seu valor. Dessa forma aumenta o número de devoluções.

Inadimplência não-bancária:

O Serasa Experian também avaliou que os índices da chamada inadimplência não-bancária, que englobam cartões de crédito, lojas em geral, financeiras e concessionárias de serviços, também aumentaram na passagem do mês de junho para o mês de julho. Com as dificuldades enfrentadas pelos brasileiros em honrar suas contas, a alta do mês foi de 0,6%.

Se comparado com o período do ano passado o número chega a 19,4% a maior alta desde 2011. Ao compararmos com o acumulado para o primeiro semestre, a inadimplência não-bancária subiu 16,8%.

Por Patrícia Generoso

Cheques sem fundos

Foto: Divulgação


Dados divulgados pela Serasa Experian revelam que durante o mês de abril a quantidade de cheques sem fundo diminuiu em relação a março deste ano.

No mês de abril, foram devolvidos 2,08% dos cheques em todo o Brasil. Em março de 2012 esse número foi de 2,19%.

Os economistas da Serasa Experian explicam que normalmente o mês de março costuma ter uma taxa de devolução de cheques um pouco maior devido à última parcela do IPVA e de algumas despesas escolares, como renovação da matrícula e compra de material escolar, por exemplo. Esses compromissos acabam alterando o orçamento.

O Acre, durante o primeiro quadrimestre deste ano, foi o estado que teve o maior número de cheques devolvidos, com 15,78%. Já o Rio de Janeiro foi o estado oposto e teve o menor número, com apenas 1,65%.

No comparativo entre as regiões, a Nordeste apresentou o maior percentual, com 2,04%. Já a região Sudeste teve o menor índice, com apenas 1,52%.

Esses e outros dados podem ser encontrados no site da Serasa Experian.

Por Natali Alencar


De acordo com uma pesquisa realizada pela empresa Telecheque, o número de cheques que tiveram problemas apresentou um aumento no último mês. Segundo o estudo, esse índice teve alta de 10,94% quando comparado ao mesmo período do ano passado. Este ano, o índice de inadimplência foi de 3,65%, enquanto que em 2011 esse valor foi de 3,29%.

Vários foram os problemas apresentados, sendo que a falta de fundos foi o principal fator. Segundo a pesquisa, 77,53% dos cheques voltaram por falta de fundos, os outros motivos foram sustação (com 8,77%), roubo ou furto (com 4,11%), fraude (com 1,92%), entre outros.

A região que apresentou mais problemas com cheques nesse período foi a Centro-Oeste (com 39,22%), seguida pela região Sul (com 18,97%), Nordeste (com 16,93%) e Sudeste (com 10,97%). A região Norte foi a única que apresentou redução, passou de 4,82% em 2011 para 3,78% em 2012.

O valor dos cheques, em média, também apresentou alta de 18,87%, passou de R$ 267,74 para R$ 318,25. Isso fez com que o ticket médio também tivesse alta, esse aumento foi impulsionado pelo crescimento do poder aquisitivo dos brasileiros. 

Por Joyce Silva


O Serasa Experian de Cheques Sem Fundos informou  nesta segunda-feira (20) que a inadimplência com cheques no mês de agosto em todo o país  teve a cotação mais baixa desde fevereiro do ano de 2005.

De acordo com o indicador, a inadimplência alcançada foi de 1,62%. Segundo economistas da empresa, a queda na inadimplência mostra que o consumidor brasileiro está preferindo comprar produtos com prazos mais curtos para pagamento, evitando a inadimplência.

Entre os meses de janeiro e agosto, de acordo com o Serasa, o estado de São Paulo obteve o menor percentual de cheques devolvidos, com 1,38%. O estado do Amapá, com 11,26% de cheques sem fundos, foi o estado que teve o maior nível de cheques devolvidos no período.

Por Luana Neves


O Serasa Experian informou na última quarta-feira (18) que o número de cheques devolvidos no Brasil durante o mês de julho teve declínio de 1,74% em relação ao mês anterior.

O índice foi o menor registrado pelo Serasa desde julho de 2004, quando foram devolvidos por falta de fundos 1,56% dos cheques. Segundo o Serasa Experian, no acumulado dos seis primeiros meses do ano, os cheques sem fundo foram 1,86%, contra 2,29% no mesmo período do ano passado.

A expectativa do Serasa Experian é que o número de cheques devolvidos no Brasil continuam apresentando recuo durante os próximos meses do ano.

Por Luana Neves


Para adquirir bens duráveis e não-duráveis os consumidores brasileiros fazem uso de vários mecanismos de cunho financeiro, tais como dinheiro vivo, cartões de crédito e débito e cheques. Uma ponderação recente e relevante parece dar novo ânimo aos brasileiros, que se aproveitaram e ainda aproveitam do momento econômico favorável e vivido pelo Brasil.

Levantamento divulgado nesta semana pela Serasa Experian indicou queda de 1,74% em julho no número de cheques devolvidos por toda a nação. Artigo veiculado pelo portal Terra assinala ser esse o menor percentual diagnosticado desde o sétimo mês de 2004, situação na qual o índice permeou a casa de 1,56%.

A entidade contabilizou, ainda, arrefecimento de 9,8% no número de cheques compensados no acumulado deste ano em comparação ao período semelhante de 2009. Economistas da Serasa atribuem o tombo à preferência do brasileiro por dívidas de longo prazo ante os pré-datados, justamente pelo fato de ser possível a negociação de prestações futuras.

As próximas e proeminentes datas comemorativas, Dia das Crianças e Natal, poderão surtir impacto negativo nesse andar da carruagem, pois em situações anteriores, inclusive em 2009, o consumidor se mostrou propenso a buscar outras maneiras de parcelar suas compras.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Dados divulgados pela Serasa informam que o período das férias elevou em 9,4% o número de cheques sem fundo lançados no mercado em relação a junho. Foram registrados no sistema da entidade cerca de 2,30 milhões de cheques sem fundo lançados no mês de julho.

Em relação ao mesmo período do ano passado, houve um aumento de 11% no número de cheques devolvidos por falta de saldo. A razão disso parece vir de um aumento excessivo no consumo devido ao rigor do inverno desse ano, além do Dia dos Namorados e das férias escolares.

Segundo os analistas da Serasa, vários estabelecimentos estão realizando financiamentos sem controle criterioso no recebimento de cheques pré-datados, o que colabora para a elevação dos dados. A expectativa é que a inadimplência comece a reduzir a partir do último trimestre desse ano.





CONTINUE NAVEGANDO: