Conjunto é composto por 9 moedas que mostram as atividades que envolvem o Programa Numismático dos Jogos Olímpicos e também Paralímpicos Rio 2016 e os pontos turísticos da cidade.

Em comemoração aos Jogos Olímpicos e também Paraolímpicos que serão realizados nos próximos anos no território brasileiro, o Bacen (Banco Central do Brasil) colocou em circulação mais uma coleção de moedas comemorativas para celebrar esses eventos.

O lançamento oficial aconteceu na última quinta-feira, dia 06/08, no Rio de Janeiro e essa é a terceira vez que moedas desse tipo são disponibilizadas para a população. Esse conjunto é composto de nove moedas que mostram de um lado em evidência as atividades que envolvem o Programa Numismático dos Jogos Olímpicos e também Paralímpicos Rio 2016, mais os pontos turísticos do próprio Rio de Janeiro, onde temos:

  • Uma moeda de ouro que homenageia de um lado o Cristo Redentor, símbolo máximo da cidade do Rio de Janeiro e mundialmente conhecido, e do outro mostra a Luta Olímpica, um esporte representado pelo lema olímpico Citius, Altius, Fortius, que significa mais rápido, mais alto, mais forte;
  • Quatro moedas de prata que mostram as paisagens da cidade e as atividades esportivas de remo, corrida, ciclismo e vôlei de praia, onde no reverso tem imagens ligadas com a cultura e fauna brasileira, onde podemos destacar o mico-leão-dourado, a orquídea, o sambódromo e o forró;
  • Por último, o conjunto tem quatro moedas de circulação comum no valor de R$ 1,00 que mostram os esportes onde o Brasil obteve mais medalhas nesses eventos, que são o futebol, o voleibol, o judô e o atletismo paraolímpico. Nesse caso, essas moedas já começam a circular na rede bancária e podem ser encontradas em embalagens especiais.

Outra informação que o Bacen divulgou é que serão comercializadas três cartelas diferentes contendo conjuntos de quatro moedas do tipo de circulação comum. Nesse tipo de cartela a população vai ter acesso às moedas de cada um dos três lançamentos que já foram realizados.

Para aqueles que ficaram com vontade de adquirir podem acessar o site do Banco do Brasil e realizar a compra através de boleto bancário ou senão para os que são correntistas podem optar por débito em conta. Já para quem não tem acesso à Internet, pode ir diretamente a uma agência do Banco do Brasil e realizar a compra, mas lembrando de que para esse tipo o pagamento deve ser feito em espécie, ou seja, em dinheiro.

Por Fernanda de Godoi

Moedas comemorativas dos Jogos Olímpicos

Foto: Divulgação


Na última terça- feira, 10 de fevereiro de 2015, foi divulgada a pesquisa do Banco Central que informa a situação do Brasil no que se refere à liberação de recursos tanto para pessoa física quanto para pessoa jurídica.

Conforme o BC, o início de 2015 está sendo marcado por uma maior restrição na liberação de créditos. A pesquisa foi feita em 46 instituições financeiras em todo o país no período entre 8 e 19 de dezembro de 2014. A divulgação dos dados ficou por conta do Chefe do Departamento Econômico do IBGE, Tulio Maciel.

De acordo com as informações contidas no relatório redigido pelo Banco Central (o Boletim Regional Trimestral), foi percebido um decréscimo nas possibilidades de liberação de créditos para os meses de janeiro, fevereiro e março (primeiro trimestre do ano) ao comparar o resultado obtido neste primeiro trimestre do ano com os números alcançados no mesmo período de 2014. Dos quatro segmentos analisados, a deterioração ocorreu em três deles.

No caso de pessoas jurídicas, empresas de micro, pequeno e de médio porte o poder de liberação de crédito passou dos 0,18% negativos para -0,56%. Já para as grandes empresas o indicador passou doa 0,08% para -0,29%.

Já para pessoas físicas, o crédito habitacional passou de 0,22% no último trimestre de 2014 para -0,22% neste trimestre de 2015. Para o crédito ao consumo houve uma leve melhora de -0,18% passou para -0,09%. Por mais que tenha havido uma exceção para as pessoas físicas, a expectativa é que a restrição à liberação de crédito continue.

Nesta pesquisa realizada pelo Banco Central, que tem como objetivo informar sobre a capacidade de liberação de recursos no país, o indicador varia de menos duas concessões a mais duas concessões.

Como pode-se perceber quase todos os setores registraram um quadro de dificuldade na captação de créditos para pessoas físicas e jurídicas.

Por Melina Menezes

Restri??o na libera??o de cr?dito


Segundo Carlos Hamilton Araújo, o Banco Central deve continuar sua politica monetária de metas de inflação. Carlos é diretor de Política Econômica do Banco Central. Ele afirma que as metas de inflação são um compromisso do BC com a estabilidade dos preços dos produtos no Brasil.

Em seu discurso no IV Fórum Banco Central de Inclusão Financeira, o diretor do BC informou que sem o compromisso com as metas de inflação, as demais ações da instituição perderia sua eficiência econômica. Ele afirmou ainda que sem as metas de inflação não teria sido possível realizar a grande expansão da carteira de crédito no país como vem ocorrendo nos últimos dois anos.

Hamilton avalia que em treze anos de adoção de metas de inflação com um cumprimento das metas nos últimos oito anos, o sistema financeiro brasileiro se consolidou e ganhou estabilidade. Com a avaliação positiva da política do BC a respeito, ele confirma que a instituição irá continuar a seguir uma condução da política monetária focada na estabilidade dos preços. Ele avaliou ainda que o índice inflacionário medido pelo IPCA deve ficar dentro da meta para o ano de 2013, alcançando um valor de 4,5 por cento.

Por Matheus Camargo


De acordo com os dados do Banco Central, a balança cambial brasileira está no negativo nesse mês de outubro. Os dados apresentados pela instituição demonstram que a saída de dólares do país esta em 748 milhões superior do que a entrada da moeda americana no Brasil.

Até 26 de outubro haviam entrado no Brasil cerca de 2,363 bilhões de dólares em operações financeiras neste mês. Entretanto, as operações de comércio exterior responderam por uma saida de 3,112 bilhões de dólares o que deixou a balança cambia com o resultado negativo.

O valor total do fluxo de movimentação cambial em outubro de 2012 registra uma entrada de 21,707 bilhões de dólares, desse cerca de 14,209 bilhões entraram por meio de operações comerciais. Outros 7,497 bilhões entraram em operações financeiras no país incluindo os investimentos estrangeiros diretos.

Os dados da balança cambial brasileira flutuam acompanhando de perto o desempenho do comércio exterior no país. Outro fator que influencia os resultados da balança cambial fortemente é o fluxo de remessas de investimentos estrangeiros no país que tem crescido muito nos últimos meses, devido as obras de infra-estrutura para a Copa do Mundo.

Por Matheus Camargo


Em setembro, segundo o Banco Central, o déficit das transações em contas correntes no Brasil diminuiu em relação ao mesmo período de 2011. Informou Tulio Maciel, do Departamento Econômico do BC, nessa terça-feira, 23 de outubro.

O resultado do mês ficou em 2,596 bilhões de dólares de deficit, com esse número alcançou-se o resultado mais baixo para o mês de setembro desde o ano de 2009. Segundo Maciel, "Isso reflete moderação da atividade econômica" e seria também o resultado da " evolução do câmbio, pois as remessas ficam mais caras com esse câmbio". Ele afirmou ainda que isso é um aspecto positivo para as contas externa hoje em dia.

A moderação da atividade econômica do país, segundo o diretor do Departamento Econômico, é marcada pela a diminuição com gastos em viagens e redução de lucros e dividendos este ano. O BC prevê que o déficit em movimentações de contas correntes em outubro fique em 4,9 bilhões de dólares. O que significa que mais dinheiro esta sendo mandado para fora do país do que esta sendo enviado para o Brasil.

Por Matheus Camargo





CONTINUE NAVEGANDO: