No mês de agosto, o preço da cesta básica subiu em 15 das 17 capitais que foram avaliadas pela Pesquisa Nacional da Cesta Básica que foi divulgada nesta terça (04), pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Segundo o departamento, as maiores altas foram registradas nas cidades de Florianópolis (10,92%), Curitiba (4,69%) e Rio de Janeiro (4,09%).

As cidades que apresentaram recuo foram Natal (1,64%) e Belo Horizonte (0,66%).  No segundo mês consecutivo, a cidade de Porto Alegre apresentou o maior valor para a cesta básica, com o preço de R$ 308,27, seguido de São Paulo (R$ 306,02) e Rio de Janeiro (R$ 302,52).

Para os menores valores médios, eles foram observados nas cidades de Aracaju (R$ 212,99), Salvador (R$ 225,23) e João Pessoa (R$ 233,36).

No mês de julho, o preço da cesta básica em Porto Alegre já tinha apresentado um maior valor em centavos do registrado em São Paulo.

A capital paulistana deixou de ter o maior valor para os produtos de primeira necessidade em julho pela primeira vez desde o mês de novembro de 2011.


De acordo com o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), a inflação teve aumento em seis de sete capitais no fechamento do mês de agosto.

As informações foram divulgadas nesta terça (04), pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). O indicador apontou uma aceleração em São Paulo, de 0,24% na terceira semana, para 0,28%, dados da última semana do mês de agosto.

A inflação também se elevou no Rio de Janeiro (de 0,51% para 0,55%); Porto Alegre (de 0,42% para 0,64%); Recife (0,28% para 0,42%); Belo Horizonte (0,14% para 0,27%); e Brasília (0,28% para 0,48%).

Somente em Salvador que a taxa de inflação medida pelo IPC-S cedeu de 0,46% para 0,44%, no mesmo período em questão.

Ainda de acordo com a FGV, na véspera, o conjunto das sete capitais pesquisadas, o índice subiu 0,44% no fechamento para o mês de agosto. Na terceira semana do mês passado o número era de 0,34%.

No encerramento do mês de julho, o indicador apontava avanço de 0,22%.


Dólar Ptax tem queda nesta sexta.

O Dólar Ptax, que é a taxa que serve de referência para a liquidação de vários contratos cambiais, fechou nesta sexta (31) a R$ 2,0372, uma queda de 0,69% sobre a cotação apresentada na quinta, que tinha fechado em R$ 2,0513.

Nesta semana, o Ptax apresentou uma alta acumulada de 0,58%. Com relação ao acumulado do mês de agosto, a taxa caiu 0,62%. Já no ano, a Ptax teve um ganho de 7,98%.

Com a definição da Ptax, os negócios seguem normalmente para os mercados à vista e futuro. Por volta das 13h11, o dólar comercial caía 0,48%, com a cotação de R$ 2,037 na venda.

Já na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), o dólar para o mês de setembro apresentava perda de 0,60%, a R$ 2,0375, e o dólar para o mês de outubro estava com um recuo de 0,70%, a R$ 2,040.

O cálculo da Ptax é feito pelo Banco Central (BC) como uma média aritmética e terá como base quatro consultas feitas aos dealers do mercado de câmbio entre as 10 e 13 horas.


Bolsas europeias fecharam, em seu maioria, em alta.

Nesta sexta, dia 31 de agosto, as principais bolsas da Europa fecharam hoje em alta, com um ganho de mais de 3% em Madri depois da divulgação de uma reforma bancária.

Isso acontece no mesmo dia de um discurso do presidente do Federal Reserve (Banco central dos EUA), considerado animador.

Com relação a Bolsa de Frankfurt, o índice Dax 30 dos principais valores apresentou alta de 1,09%, aos 6.970,79 pontos. O fato teve estímulo dos anúncios do Fed de que estaria disposto a aumentar o seu apoio frente a economia dos Estados Unidos.

Na França, em Paris, o seletivo CAC 40 terminou com uma alta de 1%, aos 3.413,07 pontos. Já na Bolsa de Londres, o índice FTSE 100 operou o seu fechamento em queda de 0,14%, aos 5.711,48 pontos.

No mercado de Madri, o Ibex 35 finalizou o dia em alta de 3,13%, a 7.420,50 pontos, com o estímulo da aprovação de uma nova reforma bancária, o que pode vir a sanear o setor por definitivo.


Bovespa opera em queda.

Depois de operar em alta na manhã desta sexta (31), a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) mudou o seu rumo e já opera em baixa no dia de hoje.

Isso ocorreu depois do discurso do presidente do Federal Reserve (banco central dos EUA), Bem Bernanke.

Com relação a cena doméstica, o mercado estava avaliando o desempenho da economia brasileira no segundo trimestre, apresentando um crescimento de 0,4% frente ao primeiro trimestre.

Por volta das 13h56, o Ibovespa, que é o principal índice da bolsa paulistana, tinha uma baixa de 0,10%, a 57.198 pontos.

Hoje, Bem Bernanke comentou que o avanço para a redução do desemprego no país ainda é muito lento e que o banco central poderá agir conforme o necessário para o fortalecimento a recuperação econômica.

Bernanke disse que o mercado de trabalho dos Estados Unidos representa hoje uma grande preocupação.

Nesta quinta, 30 de agosto, o Bovespa encerrou os negócios com queda pelo segundo dia seguido, o que reflete o mau humor dos mercados externos, trazendo investidores cautelosos frente as incertezas sobre possíveis novas medidas de estímulo pelo Fed.

O Ibovespa apresentou queda de 0,20%, a 57.256 pontos. O giro financeiro do pregão foi de R$ 5,79 bilhões, o que é abaixo da média diária.


Dólar fecha em alta ante ao real.

No final da manhã desta terça (28), o dólar acelerou os ganhos apontados frente ao real depois de abrir o pregão em alta.

Isso acontece em meio ao acirramento da disputa pela formação da taxa de referência do Banco Central (Ptax) dias antes do vencimento do montante de US$ 4,5 bilhões em contratos de swap cambial tradicional.

O fato aconteceu antes também do discurso do presidente do Federal Reserve, Bem Bernanke, na sexta (31), que poderá apontar uma terceira rodada de afrouxamento monetário (QE3).

Segundo especialistas de operações de câmbio, o dólar, neste momento, não apresenta motivos para ter uma queda antes de tais eventos.

Por volta das 11 horas, o dólar à vista negociado no balão se encontrava na máxima, a R$ 20,41, uma alta de 0,44%, de uma mínima ao valor de R$ 2,0330, com leve alta de 0,05%.

A BM&F Bovespa, neste mesmo horário, apresentava que o contrato futuro do dólar para o mês de setembro subia 0,34%, com R$ 2,0440, com a cotação mais alta do dia.

Com relação ao “Dólar BC”, ele subia 0,60%, no valor de R$ 2,0414, depois da primeira coleta desta manhã, por volta das 10h15, a R$ 2,0375.


Economia.

Nesta segunda (27), os preços dos contratos futuros do petróleo finalizaram o dia em queda em Nova York.

O mercado se apresentava mais calmo frente ao impacto da tormenta tropical Isaac na infraestrutura petroleira do golfo do México.

De acordo com os dados, o barril de West Texas Intermediate para a entrega no mês de outubro teve queda de 0,7%, ou em US$ 0,68, para US$ 95,74, no New York Mercantile Exchange (Nymex).

Tal resultado teve influência pelo fechamento de refinarias do Gol do México devido a aproximação da tempestade Isaac na costa americana.

No mercado de Londres, o comércio esteve fechado com o feriado que acontecia na região.

Com relação as operações eletrônicas, o barril de Brent do mar do Norte que é negociado no Intercontinental Exchange (ICE) para a entrega no mês de outubro teve queda de US$ 1,25 frente ao fechamento de sexta, que tinha cotação a US$ 112,26.


Bovespa.

Nesta terça (28) a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) está operando com valorização. Por volta das 13h04, o Ibovespa, que é o principal índice da bolsa paulistana, apresentava valorização de 0,76, aos 58.555 pontos.

Nesta segunda (27), o indicador tinha fechado em queda pelo terceiro pregão seguido, apresentando investidores cautelosos frente aos crescentes sinais de desaceleração da China e também pela espera de novas medidas dos bancos centrais para a estimulação da recuperação global.

Com isso, o Ibovespa encerrou em queda de 0,54%, com 58.111 pontos. Com relação ao giro financeiro da bolsa, ele foi de R$ 4,7 bilhões, o que foi abaixo da média de 2012 que era de R$ 7,2 bilhões.

Neste ano, a bolsa apresentava uma alta acumulada de 2,39%, sendo que no mês de agosto, o número foi de R$ 3,59%.


Cotação Dólar.

De acordo com operadores de câmbio, a volatilidade da moeda americana caiu ao nível mais baixo em um ano.

Eles apontam que isso ocorre devido ao fato de que o Brasil apresenta hoje uma banda informal para a flutuação da moeda americana, com um piso de R$ 2,00 e teto de R$ 2,10.

Desde o mês de julho de 2012, o dólar comercial apresenta oscilação baixa, entre R$ 2,02 a R$ 20,1, tendo pico de R$ 2,04 em 01 de agosto.

Para as corretoras de câmbio, encontramos um indicador de volatilidade que apresenta tal calmaria em comparação às oscilações da moeda dos EUA.

Tal indicador, que calcula os números tendo base nas opções de compra e venda de dólar para 30 dias à frente, dá conta que os investidores esperam uma oscilação de somente 0,6% ao dia.

No segundo semestre de 2011, a oscilação que era esperada batia aos 2,2% por dia.


IPC-S.

No item hortaliças e legumes, o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), apresentou uma desaceleração de preços na terceira quadrissemana de agosto.

Porém, o item continuou a pressionar por uma alta no índice, que marcou 0,34% frente a variação de 0,39 na leitura passada, do dia 15 de agosto.

O custo das hortaliças e legumes subiram 13,16% frente a alta de 19,17% que foi apontada na segunda quadrissemana do mês. Tal item foi o grande destaque do grupo Alimentação, que foi de 1,27% para 1,07% no período.

Educação, Leitura e Recreação foram outras classes que apresentaram decréscimo nas suas taxas de variação da terceira quadrissemana de agosto frente a segunda. Os itens passaram de 0,71% para 0,47% no período em questão, com o destaque para show musical que foi de 3,42% para 0,93%; e também para Vestuário com uma variação negativa de 0,70% frente a -0,49% apontada na leitura do dia 15.

Itens que apresentaram aceleração nos preços foram Habitação (0,20% para 0,32%) e Comunicação (0,19% para 0,29%). Já Saúde e Cuidados Pessoais (0,46%), Despesas Diversas (0,24%) e Transportes (-0,34%) tiveram suas taxas de variação estáveis na terceira quadrissemana frente a anterior.


Dólar encerrou o dia em alta

Após encerrar três dias consecutivos em baixa, a moeda norte-americana fechou esta segunda-feira (20/08) com uma tímida alta.

A valorização do dólar comercial foi de 0,05%, cotado a R$ 2,016 na venda.

De acordo com um economista de banco estrangeiro, o governo conseguiu “encaixotar” o câmbio de maneira sólida e o mercado não tem incentivo para avaliar os limites da banda de flutuação estimados entre R$ 2,00 e R$ 2,10.

Os investidores permanecem na expectativa de estímulos na zona do euro.


Ibovespa fechou com leve alta nesta segunda-feira

A Bovespa encerrou o dia de hoje (20/08) com leve alta, após as negociações terem ficado sem direção definida por boa parte do dia. O mercado ainda está à espera de medidas de ajuda à zona do euro.

O Ibovespa encerrou em alta de 0,34%, a 59.283 pontos. O giro financeiro do pregão foi de R$ 9,917 bilhões. No acumulado mensal a alta é de 5,68%, e no anual, 4,46%.

O dia também foi marcado pelo vencimento de opções sobre ações. Segundo a BM&FBovespa, o exercício de contratos de opções sobre ações movimentou R$ 3,97 bilhões, sendo R$ 944,92 milhões em opções de venda e R$ 3,03 bilhões em opções de compra.

Os investidores também estão ansiosos com os eventos que serão realizados nesta semana, como os encontros do premiê grego, Antonis Samaras, com o presidente do Eurogrupp, Jean-Claude Juncker, na quinta-feira, dia 22; com a chanceler alemã, Ângela Merkel, na sexta-feira, dia 24; e com o presidente francês, François Hollande, no sábado, dia 25.


IPC registrou alta de 0,16% na 1ª quadrissemana de agosto

O indicador que mede a inflação da cidade de São Paulo, IPC (Índice de Preços ao Consumidor), registrou alta de 0,16% na primeira prévia de agosto deste ano, em comparação ao mês de julho, que apresentou 0,13%. Porém, segundo a Fipe, em relação à taxa de 0,19% da primeira prévia de julho, o índice teve uma desaceleração.

O grupo habitação registrou variação positiva no período analisado, ficando em 0,16% ante 0,09% visto em julho. Já, o grupo alimentação registrou queda, indo de 0,53% em julho para 0,36% na 1ª semana de agosto.

O grupo transporte permaneceu na escala negativa, saindo da deflação de 0,36% em julho para uma deflação de 0,32% na 1ª quadrissemana deste mês.

Despesas pessoais apresentou aceleração, passando de 0,33% visto em julho para 0,52% na prévia de agosto. O item saúde também subiu, de 0,39% (julho) para 0,54% (1ª prévia deste mês).

O grupo educação teve baixa, indo de 0,31% (julho) para 0,26% (1ª semana de agosto). Por fim, o item vestuário permaneceu em deflação, de 0,63% (julho) para 0,33% (1ª parcial deste mês).


Ibovespa opera em queda no dia de hoje

O principal índice da Bovespa opera em queda nesta sexta-feira (17/08), indo em sentido oposto da véspera, quando encerrou o dia em alta de 2,16%.

Às 11h20, o Ibovespa registrou queda de 0,36%, a 59.229 pontos.

Outra influência no pregão de hoje, foi a divulgação do resultado do IBC-Br, que revelou alta da atividade econômica do Brasil no mês de junho.

Ontem, o índice encerrou em alta de 2,16%, a 59.445 pontos, influenciado pelos bons números da economia doméstica, e pelos dados das vendas no varejo, que mostraram crescimento de 1,50% no mês de junho em relação a maio.


Dólar registra queda nesta sexta-feira

A moeda norte-americana opera em queda no início do dia de hoje (17/08), acompanhando a movimentação externa.

Por volta das 09h45, o dólar apresentava queda de 0,08%, cotado a R$ 2,0171 na venda.

Os investidores continuam na expectativa de novas ações dos bancos centrais para estimular a economia mundial.

Ontem, a moeda fechou o dia com pouca oscilação, ficando em queda de 0,21%, a R$ 2,0188 na venda.


Ibovespa fechou o dia em alta de 2,16%

A Bovespa terminou o dia em alta nesta quinta-feira (16/08).

O resultado positivo foi impulsionado pelas ações da Vale, que voltaram a ganhar valorização no mercado externo, e pela rodada de bons números na economia nacional.

Portanto, o Ibovespa fechou em alta de 2,16%, a 59.445 pontos, registrando o maior índice desde 11 de maio. O giro financeiro do pregão foi de R$ 6,577 bilhões.

Além dos fatores que influenciaram a valorização da bolsa citados acima, a notícia de ontem sobre o projeto de concessões de ferrovias e rodovias também repercutiu positivamente no mercado.

O setor da construção civil também aparece otimista, e disparou na bolsa hoje, liderado pela PDG Realty, que encerrou o dia em alta de 10,29%, a R$ 3,75.


Dólar encerrou o dia em queda de 0,21%

A moeda norte-americana teve mais um dia estável ante o real no dia de hoje (16/08) e encerrou em queda.

Os investidores continuam aguardando estímulos dos bancos centrais para poder ocorrer uma recuperação da economia global, e sondaram os dados dos Estados Unidos, atentos à possibilidade do Fed adotar novas medidas.

Portanto, o dólar fechou em queda de 0,21%, cotado a R$ 2,0188 na venda.


Hortaliças e legumes: preços caíram nas 2ª prévia de agosto

O IPC-S (Índice de Preços ao Consumidor – Semanal) da segunda prévia de agosto teve uma variação de 0,39%, com taxa de 0,01 ponto percentual abaixo da registrada na última análise.

Segundo a FGV (Fundação Getúlio Vargas), das 8 classes de despesa que fazem parte do índice, 3 registraram queda, ficando o destaque para o grupo alimentação (de 1,62% para 1,27%). Os preços das hortaliças e legumes foram os que mais desaceleraram nesse grupo (de 26,26% para 19,17%).

A queda também foi vista nos grupos comunicação (de 0,29% para 0,19%) e despesas diversas (de 0,42% para 0,24%). Os destaques foram para as tarifas de telefone residencial (de 0,87% para 0,61%) e postais (de 2,68% para 0,72%).

Por outro lado, as altas foram registradas nas taxas de habitação (de 0,14% para 0,20%), vestuário (de -0,66% para -0,49), educação, leitura e recreação (de 0,40% para 0,71%), saúde e cuidados pessoais (de 0,38% para 0,46%), e transportes (de -0,48% para -0,34%).


Ibovespa registra alta nesta quinta-feira

O principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo opera em alta no dia de hoje (16/08), impulsionado pelos ativos da Petrobras e da Vale, e com os investidores analisando o bom resultado (melhor do que o esperado) das vendas no varejo brasileiro de junho deste ano.

Por volta das 13h53, o Ibovespa registrava alta de 1,12%, a 58.848 pontos.

Ontem, o índice fechou em alta de 0,18%, a 58.189 pontos.


Dólar registra queda nesta quinta-feira

Em mais um dia de pouca variação, a moeda norte-americana apresenta-se estável ante o real nesta quinta-feira (16/08).

Aproximadamente às 13h35, o dólar registrava queda de 0,11%, cotado a R$ 2,0208 na venda.

Os investidores continuam aguardando medidas concretas dos bancos centrais para estimular a recuperação econômica mundial. Eles também avaliam os dados dos Estados Unidos, com a expectativa de uma nova rodada de estímulos do Fed (Federal Reserve, banco central americano).

As atenções estão voltadas para o índice da atividade manufatureira do Fed da Filadélfia do mês de agosto, que pode fazer parte da lista de indicadores que diminuem as esperanças de uma nova medida de liquidez do banco central.


Dólar encerrou esta quarta-feira em queda de 0,20%

Mantendo a tendência dos últimos dias, a moeda norte-americana encerrou o dia de hoje (15/08) em leve baixa, não apresentando grandes oscilações ante o real e diante dos dados da produção industrial nos Estados Unidos.

O dólar fechou em queda de 0,20%, cotado a R$ 2,023 na venda. O giro estimado para o interbancário ficou perto de US$ 1 bilhão, podendo ser considerado baixo.

Os investidores seguem cautelosos, aguardando ações concretas de combate à crise da zona do euro.


Ibovespa encerrou o dia em alta de 0,18%

O principal índice da Bovespa encerrou esta quarta-feira (15/08) em leve alta, depois de passar o dia com oscilações negativas e positivas.

O Ibovespa fechou em alta de 0,18%, a 58.189 pontos. O giro financeiro da sessão foi de R$ 21,056 bilhões.

A bolsa teve grande influência dos vencimentos de índice e dos resultados corporativos, que estão sendo revelados desde terça-feira, fazendo com que as ações tenham bastante movimentação.

A mínima do índice de hoje foi de -0,78%, e a máxima, de 0,50%.


Bovespa registra desvalorização nesta quarta-feira

No início do dia de hoje (15/08) a Bovespa apresentava valorização, porém no decorrer do pregão passou a operar em queda.

Às 15h20, o Ibovespa registrava desvalorização de 0,16%, a 57.989 pontos.

Ontem, o índice encerrou em queda, após uma sessão carregada de resultados corporativos e às vésperas do vencimento de opções sobre índice futuro e opções sobre índice.


Dólar opera em queda nesta quarta-feira

A moeda norte-americana continua estável ante o real nesta quarta-feira (15/08), seguindo a tendência dos últimos dias.

Os investidores ainda permanecem cautelosos, aguardando estímulos de combate à crise da zona do euro.

Aproximadamente às 14h30, o dólar estava operando em queda de 0,23%, cotado a R$ 2,0220 na venda.


Bovespa encerrou o dia em queda de 1,76%

Após operar sem uma tendência definida na maior parte do dia, o principal índice da Bovespa encerrou esta terça-feira (14/08) em queda, acompanhando um movimento de realização de lucros após os ganhos recentes.

A queda ocorreu em uma sessão de resultados corporativos e às vésperas do vencimento de opções sobre índice e opções sobre índice futuro.

A baixa do Ibovespa foi de 1,76%, a 58.082 pontos, e o giro financeiro foi de R$ 6,730 bilhões.

Os papéis preferenciais da Gol registraram a maior baixa no índice, com queda de 12,86%, a R$ 9,55.


Dólar encerrou em alta de 0,28% nesta terça-feira

A moeda norte-americana encerrou o dia de hoje (14/08) em alta pelo segundo dia seguido, impulsionada pelos números positivos das vendas varejistas nos Estados Unidos.

O dólar fechou com valorização de 0,28%, cotado a R$ 2,0266 na venda. Com isso, o acumulado mensal da moeda é de queda de 1,1%, e no anual, é de alta de 8,46%.

Ontem, o dólar fechou em alta de 0,36%, a R$ 2,0209 na venda.


Dólar está estável ante o real nesta terça-feira

Depois de interromper uma sequência de quatro quedas consecutivas, o dólar encerrou o dia de ontem em alta, acompanhando a movimentação do mercado exterior, e nesta terça-feira (14/08) apresenta estabilidade ante o real.

Aproximadamente às 13h, a moeda norte-americana registrava alta de 0,23%, cotada a R$ 2,0256 na venda, alavancada pelos dados positivos das vendas varejistas nos Estados Unidos, que subiram 0,8% em julho ante o mês anterior, sendo a primeira alta em quatro meses. Há esperanças de que no terceiro trimestre ocorra no país um crescimento econômico mais rápido e com resultados positivos.


Ibovespa registra leve alta nesta terça-feira

A Bovespa opera em leve alta nesta terça-feira (14/08), acompanhando as bolsas externas, após informações que indicaram uma contração da zona do euro no 2º trimestre deste ano, reforçando as expectativas de que BCE possa tomar alguma atitude para conter a crise da região.

Às 11h21, o Ibovespa subia 0,13%, a 59.197 pontos.

No cenário doméstico, o destaque fica para a agenda carregada de resultados corporativos e o vencimento de opções sobre o índice na quarta-feira, que podem influenciar o pregão, adicionando volatilidade.


Preço do etanol subiu 0,11% na semana encerrada em 11 de agosto

No Estado de São Paulo o preço do etanol é o mais barato do Brasil. De acordo com a ANP, o valor médio do combustível no Estado citado é de R$ 1,755 por litro, sendo mais vantajoso que a gasolina, que custa em torno de R$ 2,628 por litro, com base nos dados analisados na semana encerrada no dia 11 de agosto.

Além de São Paulo, a vantagem permanece em mais dois Estados brasileiros apenas: Goiás, com o etanol custando R$ 1,840 e a gasolina, R$ 2,735, e Mato Grosso, com o valor do etanol em R$ 1,887 e o da gasolina em R$ 2,975.

Nesse contexto, a proporção etanol/gasolina ficou em 66,78% em São Paulo, 67,28% em Goiás, e 63,43% em Mato Grosso. Com isso, abastecer com etanol é mais econômico nesses Estados, pois, se a proporção ficar menor que 70% a vantagem é abastecer com etanol, caso ultrapasse essa porcentagem, a vantagem fica com a gasolina.

No geral, o valor do etanol aumentou 0,11% na última semana, indo de R$ 1,894 para R$ 1,896. O maior preço do combustível foi encontrado no Acre (R$ 2,532).


Ibovespa fechou em leve queda nesta segunda-feira

O principal índice da Bovespa encerrou esta segunda-feira (13/08) em leve queda de 0,27%, a 59.122 pontos. O giro financeiro da bolsa foi de R$ 5,22 bilhões.

Os investidores permanecem cautelosos e com pouca atração por ativos de risco, preocupados com andamento da economia mundial.

No acumulado mensal, a Bovespa registra valorização de 5,39%, e no anual, a elevação é de 4,17%.


Dólar encerrou o dia em alta de 0,36%

O dólar fechou em alta ante o real no dia de hoje (13/08). O avanço foi de 0,36%, cotado a R$ 2,0209 na venda.

Essa pequena alta deve-se à influência que a moeda sofreu após as revelações de que o Japão cresceu apenas 0,3% no segundo trimestre deste ano, fato que aumentou os temores sobre o crescimento global.

Na semana passada, a moeda norte-americana perdeu 0,70% em relação ao real, diante de expectativas de que o BCE fosse anunciar novas medidas para tentar conter a crise da dívida da zona do euro.

Além disso, os investidores ainda continuam preocupados com a lenta recuperação da economia dos Estados Unidos, e esperam que o Federal Reserve tome alguma atitude para estimular o crescimento do país.


Balança comercial brasileira: superávit de US$ 1,098 bi na 2ª semana de agosto

O superávit (exportações menos importações) da balança comercial brasileira apresentou US$ 1,098 bilhão na 2ª semana de agosto, segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Esse resultado é 60% menor do que o visto no mesmo período do ano passado, quando o saldo ficou em US$ 3,893 bilhões.

Entre os dias 6 e 12 deste mês o Brasil exportou US$ 5,027 bilhões e importou US$ 3,929 bilhões. Comparando com o mesmo período de 2011, as exportações caíram 13,8% e as importações, 18,9%.

No acumulado mensal, as importações somam US$ 6,284 bilhões, e as exportações, US$ 7,840. Com isso, o superávit fica em US$ 1,556 bilhão. Já, neste ano, até a segunda semana de agosto, o saldo está positivo em US$ 11,501 bilhões, porém, este valor está 34,3% inferior ante o mesmo período de 2011.

O fator que influencia na queda do saldo comercial brasileiro é a nova situação da crise financeira internacional, pois com o pequeno crescimento da economia mundial as exportações para outros países diminuem. Essa crise também intensifica a competição internacional por mercados compradores, como o Brasil, e dificulta as vendas externas brasileiras em outros países.


Dólar registra alta nesta segunda-feira

Após o Japão divulgar que seu crescimento foi de apenas 0,3% no 2º trimestre deste ano, alimentando temores sobre o crescimento mundial, a moeda norte-americana reagiu aos quatro dias de queda e vem registrando alta nesta segunda-feira (13/08).

Por volta das 13h25, o dólar crescia 0,73%, cotado a R$ 2,0285 na venda.

Esse movimento de alta também vem sendo observado ante outras moedas emergentes. Vale lembrar que o piso defendido pelo governo brasileiro para o dólar é de R$ 2,00, caso ele chegue a esse patamar algumas medidas poderão ser tomadas para evitar maiores problemas à economia brasileira.


Ibovespa opera em queda nesta segunda-feira

Diante das preocupações com a recuperação global, a Bovespa vem acompanhando o mercado externo nesta segunda-feira (13/08) e segue em queda.

Às 14h10, o Ibovespa registrava baixa de 0,10%, a 59.223 pontos.

Outro fator que vem influenciando esta queda é a nova piora nas expectativas para o desempenho da economia do Brasil neste ano, pois a perspectiva para o crescimento do PIB brasileiro foi reduzida para 1,81% ante 1,85% de antes.


Dólar encerrou em queda nesta sexta-feira

Influenciada pelos dados ruins do superávit da China, a moeda norte-americana encerrou o dia de hoje (10/08) em queda ante o real.

Os investidores estão evitando apostas de risco, incentivando novos temores sobre a recuperação do crescimento mundial.

Por um lado, esses temores puxaram uma tendência de alta para o dólar. Por outro, a aproximação dos R$ 2 e as entradas pontuais de fluxo evitaram maiores ganhos da moeda norte-americana.

Portanto, no fechamento do dia, o dólar registrou queda de 0,14%, cotado a R$ 2,0137 na venda. No acumulado anual, a valorização da moeda é de 7,77%, e no semanal houve queda de 0,7%.


Dólar opera em leve alta nesta sexta-feira

A moeda norte-americana registra leve alta nesta sexta-feira (10/08), influenciada pelas notícias da queda do superávit chinês que indica novos temores sobre a recuperação do crescimento global.

Por volta das 15h10 o dólar estava cotado a R$ 2,017 na venda, com alta de 0,04%.

O Banco Central poderá voltar a intervir no mercado de câmbio caso a moeda chegue aos R$ 2, e isso também vem influenciando o movimento da sessão de hoje.


Ibovespa fechou em queda nesta quinta-feira

O principal índice da Bovespa encerrou o dia de hoje (09/08) com leve queda, após quase se aproximar dos 59 mil pontos no fechamento de ontem. Com isso, quebrou a sequência de quatro altas consecutivas.

O Ibovespa registrou baixa de 0,26%, a 58.797 pontos. O giro financeiro foi o menor deste mês, com R$ 5,733 bilhões. No acumulado anual, a valorização é de 3,6%. Já, na semana a alta acumulada é de 2,69%, e no mês, é de 4,84%.

De acordo com os operadores de mercado, os investidores estavam otimistas e ao mesmo tempo cautelosos diante da falta de notícias dos mercados externos.


Dólar encerrou o dia em queda

Após iniciar o dia em alta, o dólar fechou em queda nesta quinta-feira (09/09), com os operadores indicando uma entrada pontual da moeda norte-americana no Brasil, e com a expectativa persistente de que os Bancos Centrais intervenham para conter a crise econômica.

O dólar encerrou em queda de 0,28%, cotado a R$ 2,0165 na venda.

Os operadores acreditam que a moeda ainda poderá se aproximar dos R$ 2, mesmo com o volume fraco de negociações do mercado e com as oscilações pequenas que a moeda vem apresentando. Porém, se o dólar chegar a esse patamar, o Banco Central poderá realizar medidas para evitar que isso aconteça.


Dólar está operando em alta nesta quinta-feira

A moeda norte-americana está operando em alta no dia de hoje (09/08), refletindo a baixa do otimismo dos investidores de que o Banco Central Europeu poderá intervir para combater a crise na zona do euro.

Às 09h18, o dólar apresentava alta de 0,15%, cotado a R$ 2,0253 na venda.

No entanto, os fracos índices da economia chinesa podem impulsionar novamente as expectativas de um novo estímulo monetário para alavancar o crescimento da China, influenciando na cotação do dólar.


Dólar registrou leve queda nesta quarta-feira

Nesta quarta-feira (08/08), a moeda norte-americana encerrou o dia em leve queda ante o real. A sessão foi de fraco volume de negócios, com os investidores ainda à espera de uma ação do BCE em relação à zona do euro.

A formação do preço acompanhou o comportamento das moedas emergentes, como o dólar australiano e o peso mexicano, que ganharam da moeda norte-americana.

A cotação do dólar ficou em R$ 2,022 na venda, com queda de 0,28%. Com isso, neste mês a moeda registra desvalorização de 1,31% ante o real.

O mercado segue tentando se equilibrar, pois ainda há a percepção de que o Banco Central e o governo não querem que o dólar fique abaixo dos R$ 2. Portanto, quando a cotação chega próximo ao piso, como os R$ 2,02 registrados, os compradores começam a aparecer.


Ibovespa fechou em alta de 2,12% nesta quarta-feira

A Bovespa reagiu no dia de hoje (08/08) e fechou em alta, impulsionada pela valorização dos papéis da Petrobras. As ações da estatal subiram após as afirmações do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, de que há possibilidade do preço da gasolina aumentar neste ano.

O Ibovespa apresentou alta de 2,12%, a 58.950 pontos. Sendo assim, a bolsa acumula alta de 5,09% neste mês, e crescimento de 3,87% no ano. O volume financeiro ficou em R$ 7,122 bilhões, um pouco acima da média dos últimos dias.


Bovespa opera em alta nesta quarta-feira

O principal índice da Bovespa opera em alta no dia de hoje (08/08) impulsionado pelos bons ganhos das ações da Petrobras, depois da notícia de que o governo estaria revendo um novo aumento nos preços dos combustíveis.

Às 13h34, a alta registrada foi de 1,83%, a 58.782 pontos. Por volta desse mesmo horário, as ações ordinárias da Petrobras apresentavam alta de 5,29%, cotadas a R$ 22,11.


Dólar apresenta oscilação nesta quarta-feira

A moeda norte-americana apresenta oscilações nesta quarta-feira (08/08). Depois das notícias de que a Alemanha apresentou uma fraca produção industrial e o Banco da Inglaterra não deu indicações de novas medidas monetárias, o dólar acompanhou o movimento da moeda no exterior e registrava alta. Porém, aproximadamente às 12h50, começou a cair, registrando queda 0,19%, indo para R$ 2,0240 na venda.

Ontem, o dólar encerrou o dia praticamente estável pelo segundo dia seguido, cotado a R$ 2,0279 na venda.


Dólar encerrou esta terça-feira em queda

Fechando o dia de hoje com leve queda, o dólar sofreu variações discretas nesta terça-feira.

A moeda norte-americana encerrou o dia com uma desvalorização de 0,07%, a R$ 2,0279 na venda.

O mercado externo influencia os investidores, que continuam esperando novas medidas de estímulo por parte do Banco Central Europeu, ainda mais depois que o presidente da instituição, Mario Draghi, indicou que o BCE poderia retomar seu programa de compra de bônus.


Ibovespa encerrou esta terça-feira em queda

Após dois dias de alta a Bovespa encerrou esta terça-feira em queda, ficando do lado oposto dos mercados externos, influenciada pelos setores de siderurgia e construção.

O Ibovespa registrou queda de 1,06%, a 57.725 pontos. O giro financeiro do pregão foi de R$ 7,27 bilhões.

No acumulado anual a bolsa está em alta de 1,7%, e no mensal, 2,9%. Já, nesta semana a alta acumulada está em 0,82%.

A queda de hoje foi limitada pelo avanço dos papéis da Petrobras, que fecharam em alta.


Dólar opera em leve queda nesta terça-feira

A moeda norte-americana opera em leve queda nesta terça-feira (07/08), com pequenas oscilações ante o real.

Às 09h54 o dólar registrava pequena queda de 0,07%, cotado a R$ 2,0278 na venda.

Os investidores ainda apresentam expectativas de novas medidas de estímulo do BCE para ajudar a zona do euro, diminuindo os altos custos do empréstimo da Itália e Espanha, aumentado a vontade pelo risco.


Ibovespa registra alta nesta terça-feira

O principal índice da Bovespa iniciou o dia de hoje (07/08) em alta, acompanhando as bolsas internacionais.

Às 11h34, o Ibovespa registrava alta de 0,91%, a 58.876 pontos.

Os investidores estão otimistas, sendo favorecidos pela agenda esvaziada. Segundo o BB Investimentos, a trajetória para o longo do dia é boa e parece se favorável, mas dependerá do comportamento do Dow Jones.

Apesar disso, esta semana ainda está cheia de indicadores econômicos da China, com números de inflação nesta quarta-feira, produção industrial e vendas a varejo na quinta-feira, e a balança comercial na sexta-feira.

No exterior, as expectativas de novas medidas de estímulo monetário na zona do euro e nos Estados Unidos ainda continuam influenciando em todos os mercados.


Consulta ao 3º lote de restituição do IR 2012 será liberada amanhã

Será liberada amanhã (08/08), às 09h, a consulta ao 3º lote de restituições do IRPF 2012. Nele também constará as restituições que caíram na malha fina em 2011, 2010, 2009 e 2008. O dinheiro será depositado nas contas dos contribuintes no dia 15 de agosto.

No total, serão depositados R$ 2,2 bilhões, sendo que R$ 2,134 bilhões referem-se ao exercício de 2012. Ou seja, 2.286.395 contribuintes receberão, com correção de 3,06%, referente a este ano. Para o exercício de 2011, 16.051 pessoas receberão com correção de 13,81%. Do exercício de 2010, 7.664 contribuintes terão o direito de receber com a correção de 23,96%. Do lote de 2009, serão depositadas as restituições para 5.427 contribuintes, com correção de 32,42%. E, por fim, para o lote do ano de 2008 a correção será de 44,49%, paga para 2.582 contribuintes.

Para conferir se a declaração foi liberada, o contribuinte poderá ligar para o Receitafone (146), ou acessar o site da Receita Federal.

Caso a restituição não seja creditada na data informada, o contribuinte poderá entrar em contato com qualquer agência do Banco do Brasil ou ligar para a Central de Atendimento, através dos telefones 4004-0001 (capitais), 0800 729 0001 (demais localidades) ou 0800 729 0088 (deficientes auditivos), para agendar o depósito em conta-corrente ou poupança, no nome do contribuinte, em qualquer banco.


Dólar fica praticamente estável em 06 de agosto

Com a fraca movimentação de negociações e pela cautela dos investidores, que ainda aguardam uma providência do BCE para conter as crise da zona do euro, a moeda norte-americana encerrou o dia de hoje (06/08) praticamente estável ante o real.

O dólar fechou em alta de 0,07%, cotado a R$ 2,0293 na venda.

No acumulado anual a moeda acumula valorização de 8,61%, e no mensal acumula queda de 0,96%.


Ibovespa encerrou o dia em alta de 1,90%

O principal índice da Bovespa encerrou em alta nesta segunda-feira (06/08), após as notícias de melhora no cenário externo e pela valorização das ações da Petrobras.

O Ibovespa fechou em alta de 1,90%, a 58.344 pontos. No acumulado mensal a bolsa tem valorização de 4,01%, e no anual, 2,8%.

A virada dos papéis da Petrobras influenciou diretamente na Bovespa, pois no início do dia apresentaram queda de até 5%, e acabaram encerrando o dia com valorização.

A Bovespa registrou hoje a maior pontuação final diária desde o dia 11 de maio, quando encerrou o dia nos 59.445 pontos.


Dólar encerrou o dia 02 de agosto em alta de 0,30%

A moeda norte-americana encerrou o dia de hoje (02/08) em alta de 0,30%, cotada a R$ 2,051 na venda. No acumulado semanal o dólar apresenta valorização de 1,35%.

Esta alta deve-se ao resultado da reunião do BCE (Banco Central Europeu), onde não foram apresentadas medidas muito significativas pelo presidente da instituição, Mario Draghi, para a recuperação da zona do euro. Com isso os investidores ficaram desapontados, pois esperavam que fossem adotadas medidas imediatas visando diminuir os custos de empréstimo da Itália e da Espanha.


Bovespa: queda de 1,37%

O principal índice da Bovespa encerrou o dia de hoje (02/08) em queda de 1,37%, a 55.520 pontos.

A grande influência para a baixa de hoje foi o discurso feito pelo presidente do BCE, Mario Draghi, que não apresentou novidades para a recuperação econômica da zona do euro.

Dentre as ações que apresentaram valorização, destaca-se as da TIM, que começaram a subir depois das informações de que a Anatel liberaria as vendas de chips que tinham sido suspensas. A alta dos papéis da TIM foi de 4,26%, a R$ 9,06.


Bovespa opera em queda após discurso de Mario Draghi (BCE)

Após o presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, afirmar que a instituição poderá efetuar operações diretas no mercado aberto para estabilizar os custos da dívida de países da zona do euro, mas que para definir essas medidas levaria algumas semanas, a Bovespa vem operando em queda nesta quinta-feira (02/08).

Com os investidores decepcionados com as decisões do BCE, o Ibovespa apresentou queda de 1,33%, a 55.543 pontos, às 14h26.

O mercado aguardava com grande expectativa pelo discurso de Draghi, que não trouxe muitas novidades e mudanças, limitando-se apenas a dizer que o conselho da autoridade monetária poderá adotar medidas não convencionais, e que os governos devem estar preparados para ativar os fundos de resgate da zona do euro no mercado de títulos.


Dólar opera em alta após discurso de Mario Draghi

O dólar iniciou o dia de hoje (02/08) em queda ante o real, mas mudou de rumo após as declarações feitas pelo presidente do BCE, Mario Draghi.

Às 11h50 a moeda norte-americana estava apresentou alta de 0,19%, cotada a R$ 2,0485 na venda.

A grande influência para essa alta foi a notícia de que a taxa de juros da zona do euro continuará em 0,75%, decepcionando os investidores, que esperavam mais após o discurso de Draghi na semana passada.


Dólar: queda de 0,21%, cotado a R$ 2,0446

A moeda norte-americana fechou em baixa nesta quarta-feira (1º/08). No início do dia ela estava com valorização, porém, começou a cair depois que o Bacen optou por não fazer a rolagem dos R$ 4,570 bilhões em contratos de swap tradicional, diminuindo a liquidez do mercado de câmbio e elevando a moeda.

O dólar encerrou com queda de 0,21%, cotado a R$ 2,0446 na venda.

Os investidores aguardam ansiosos a reunião do Banco Central Europeu, que será amanhã, para verificar os possíveis estímulos que poderão ser feitos na zona do euro, já que o Fed não trouxe novas notícias hoje, desapontando quem esperava por mudanças significativas.

Caso sejam anunciadas novas medidas de estímulo monetário pelos bancos centrais, os fluxos irão se dirigir para os mercados emergentes, como o Brasil, influenciando na queda do dólar.


Ibovespa fechou em alta de 0,35%

O principal índice da Bovespa encerrou o dia de hoje (1º/08) com leve alta, após a notícia de que o Fed não irá oferecer novos estímulos à economia.

Os investidores continuam cautelosos, esperando alguma definição da reunião do BCE que ocorrerá amanhã.

O Ibovespa fechou em alta de 0,35%, a 56.292 pontos. O giro financeiro do pregão foi de R$ 5,98 bilhões.


Impostômetro registrará R$ 900 bilhões em tributos – 02/08

Amanhã (02/08), às 12h, o Impostômetro atingirá a marca de R$ 900 bilhões arrecadados em tributos pagos pelos brasileiros desde o dia 1º de janeiro, segundo informações da ACSP (Associação Comercial de São Paulo).

No ano passado, esse valor foi registrado 16 dias depois (18 de agosto) do que o previsto para este ano. A contagem é feita considerando os tributos estaduais, federais e municipais.

Segundo o presidente da ACSP, Rogério Amato, mesmo com a queda do PIB, a arrecadação tributária bate recorde novamente. Isso faz com que o governo fique em alerta e tenha mais atenção com seus gastos de custeio, para evitar que ocorra uma alta do déficit público, principalmente por causa do atual momento da economia mundial.

Para conferir os valores do Impostômetro, basta acessar o site www.impostometro.com.br.


Dólar está em queda nesta quarta-feira

Depois de abrir o dia de hoje (1º/08) em alta, o dólar comercial opera em queda nesta manhã.

Às 09h40, a moeda norte-americana registrava baixa de 0,04%, cotada a R$ 2,049 na venda.

A grande expectativa está voltada para a decisão de política monetária do Fed, que será revelada hoje. Para o dólar, a influência ocorre porque caso uma nova rodada de compra de ativos aconteça, a moeda poderá ser pressionada para baixo em todo o planeta, e consequentemente impactaria a taxa de câmbio também no Brasil.

Outro fator de influência no dólar é a não rolagem dos R$ 4,57 bilhões em swaps tradicionais que vencem hoje.


Ibovespa apresenta queda nesta quarta-feira

O principal índice da Bovespa está operando em queda nesta quarta-feira, 1º de agosto, pois os investidores estão ansiosos para saber o resultado da reunião do Fed, que será divulgado hoje, e do Banco Central Europeu, que será revelado amanhã (02/08).

Às 10h56, o Ibovespa registrava queda de 0,73%, a 55.688 pontos.

Ontem, a Bovespa fechou o dia em queda, mas apresentou a primeira alta mensal desde fevereiro. Porém, no acumulado do mês ficou com alta de 3,2%, e do ano, com queda de 1,16%.





CONTINUE NAVEGANDO: