Ansiedade pode ser principal fator para desistência em curso de inglês on-line



São Paulo, SP 25/6/2021 – É possível superar as travas e aprender inglês rápido e fácil? Para duas especialistas consultadas, sim.

É possível superar o medo da conversação com as técnicas certas, de acordo com especialistas



A história é antiga conhecida dos professores. Muitas pessoas se matriculam em uma escola de inglês motivadas a finalmente destravar seu aprendizado, mas acabam abandonando o curso pelo meio. Segundo o último censo realizado pela Associação Brasileira de Ensino a Distância, em 2015, a maioria das instituições que oferecem cursos totalmente on-line apresentaram taxas de evasão de até 50%. Nos cursos semipresenciais e presenciais, esse número chegou a 25%. Ainda segundo o censo, as principais razões que levam os alunos a desistir são questões financeiras, falta de tempo e dificuldade para se adaptar ao curso, sejam elas de natureza prática ou emocional.

Segundo uma pesquisa realizada por Koul, em 2009, “a ansiedade é apontada como o fator afetivo que mais intensamente obstrui o processo de aprendizagem”, levando à desistência de um curso. Ela está associada a “sentimentos negativos como agitação, frustração, dúvida, apreensão e tensão”. O termo “ansiedade de situação específica” foi cunhado para nomear a ansiedade no aprendizado e uso da língua estrangeira em particular, segundo E. Horwitz num estudo chamado Modern Language Learning (“A aprendizagem moderna de idiomas”).



Desse modo, muitos alunos, por ansiedade excessiva e não sendo capazes de enxergar evolução no seu aprendizado, acreditam que trocando de método irão vencer o bloqueio de aprender inglês e finalmente “deslanchar” no idioma. O que acaba acontecendo, porém, é que terminam desperdiçando tempo, esforços e dinheiro. Em vez de fazerem um curso completo de inglês, do início ao final, saltam de uma escola para a outra sem jamais saírem do nível básico. Com o passar dos anos, isso pode acabar gerando bloqueios difíceis de superar, pois as pessoas acabam acreditando que o problema é com elas – e não com a estratégia adotada. Mas, afinal, é possível superar as travas e aprender inglês rápido e fácil? Para duas especialistas consultadas, sim.

Leia também:  Marcelo Tostes Advogados anuncia parceria estratégica com Stradigi AI para avançar na adoção de IA em organizações jurídicas

Buscar pessoas de mesmos interesses e um ambiente de pouco julgamento

Jussara Murini, professora de inglês há mais de dez anos, diz: “Converse com pessoas que gostam das mesmas coisas que você. Eu destravei no inglês conversando em fóruns sobre séries.” Jussara afirma que, por aquele ser um ambiente informal, em que ela podia conversar dos mais diversos assuntos sem compromisso de acertar, pôde praticar sem medo. “Eu tinha verdadeiro pavor de falar em inglês e a pessoa fazer cara de interrogação, gelava mesmo”, diz ela, que se dizia travada antes dessa experiência. “Como ali isso não acontecia, eu fui me soltando, a ponto de não ter mais medo de interações cara a cara também.”

Os fóruns de que ela participava reuniam pessoas do mundo todo. “Apesar de toda a comunicação se dar apenas por escrito, saber que todos conseguiam me entender me deu a confiança de que eu precisava para finalmente reconhecer que eu sabia, sim, falar inglês”, diz Jussara.

Aproveitar todas as chances de praticar a conversação

A professora Ana Carvalho concorda e afirma que, além disso, é fundamental aproveitar todas as chances de praticar a conversação. “A exposição ao idioma e a abertura aos erros são fundamentais”, diz ela.

“Não importa se você está fazendo um curso regular ou à distância (EAD), se faz aulas com professor particular ou numa escola convencional. É preciso colocar em prática aquilo que sabe”. Ana ressalta ainda que ler e ouvir – por meio de filmes, canções, vídeos e podcasts – são fundamentais para perder o medo de falar.

Imersão

“Uma língua não é uma teoria, é uma habilidade que deve ser treinada – se possível todos os dias”, diz Ana, entusiasta dos cursos de imersão em inglês. Para ela, a evolução se dá com de modo muito mais rápido nessa modalidade do que na tradicional, de duas vezes por semana. “Além disso”, ela enfatiza, “é mais difícil desistir quando se tem de enfrentar diariamente o seu medo. Por isso recomendo as escolas onde seja possível praticar por ao menos 15 horas por semana. Hoje já existem diversas opções on-line com preço acessível, de modo que dar desculpas se torna mais difícil”, ri.

Leia também:  Crescimento do mercado pet com a pandemia

Para saber mais sobre cursos de inglês por imersão
EAC Personnalité
www.eacprime.com

Ansiedade pode ser principal fator para desistência em curso de inglês on-line

Website: http://www.eacprime.com

Outros Conteúdos Interessantes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *