O silêncio dos pagadores desempregados



A dívida é uma questão de reflexão. O credor paga com dificuldade, deixa de pagar por estar desempregado ou por má fé. O recebedor acredita ser a vitima, afinal foi quem arcou com o prejuízo e na ânsia de receber ao invés de facilitar, dificulta, cobrando mais juros.

E nesta situação já bem complicada, entra uma terceira pessoa para mediar o acordo. Certamente, receberá pelo serviço e o valor da divida, que nem foi paga, aumenta mais um pouco. Sem sucesso na mediação, vão se agregando a situação insultos e difamações entre as partes. Por fim, chega ao judiciário, que decreta a sentença e encerra-se o caso.



E no caso dos políticos? Como será esta reflexão? Se nem a própria dívida que, muitas vezes, se dá pela posse indevida de dinheiro público, como cogita a hipótese de determinar se uma empresa ao contratar um trabalhador poderá, legalmente, consultar se este possui ou não restrições ao crédito?

Por Patricia Gujev



 

Post Anterior

Não há mais posts

Outros Conteúdos Interessantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *