Confira aqui algumas dicas para diminuir as despesas com o Carro.

No atual momento pelo qual o país está passando em termos econômicos e juntando-se a isso o crescimento do desemprego, um dos principais objetivos das pessoas tem sido realizar o maior corte de gastos possíveis. Se o cidadão possuir um carro próprio deve parar um pouco e pensar no fato de que seu veículo pode estar sendo um dos grandes vilões do orçamento doméstico.

Márcia Dessen, que atualmente ocupa o cargo de diretora do Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros, destaca que muitas pessoas já tiraram seus filhos de escolas privadas, cortaram gastos com o plano de saúde, mas ainda assim continuam com o carro. O pior é que a maioria nem percebe que ele é um grande peso para o orçamento.

Em uma simulação breve feita por Dessen os gastos mensais com o veículo podem ultrapassar os R$1.200,00. Isso se ainda não contarmos as parcelas de um possível financiamento e o fato de que quanto mais caro o carro mais pesado são os impostos.

Mesmo assim se a pessoa não estiver mesmo em condições de abrir mão do carro, há algumas medidas que podem ser tomadas para tornar os gastos menores. Abaixo selecionamos algumas dicas para você. Confira.

Realizar Manutenção

Alguns especialistas apontam para o fato de que o brasileiro criou o hábito de trocar de carro com frequência. Com isso ele acaba perdendo muito dinheiro. Isso pelo simples fato de que cada carro que sai da concessionária perde entre 15% e 20% de seu valor. Fazer a manutenção do carro pode estender seu tempo de uso para um período de cinco anos. O que na realidade é um tempo mínimo podendo até durar mais.

Optar por Modelos Menores

Quem possuir um carro grande o melhor é que faça a troca por um menor. Isso é bem simples de se entender o motivo: Quando maior o carro maiores serão também os gastos. Uma boa saída é dar uma olhada na tabela do Inmetro e verificar se o veículo é econômico ou não. Você poderá ver essas informações no link: http://zip.net/bhtnrJ.

Não deixe de Pegar Carona

Uma boa idéia para diminuir as despesas no transporte é dividir as mesmas. Para isso vale de tudo: Carona com colegas do trabalho, rodízio para levar as crianças para a escola e por aí vai.

Use o táxi ou o Uber

Pode parecer que não, mas em grande parte dos casos os gastos com esses tipos de transporte saem mais baratos no final do mês para quem os usa em comparação com quem prefere circular pela cidade com veículo próprio.

Essas são apenas algumas dicas. Optar pela bicicleta, compartilhar o carro e até mesmo alugar um também pode contribuir para a economia no final das contas.

Por Denisson Soares


Com a crise econômica afetando todos os setores do País, as pessoas estão evitando gastos desnecessários e economizando com roupas, lazer e alimentação.

O brasileiro em 2015 está enfrentando uma inflação com índices exorbitantes, reflexo do aumento das taxas de juros no país e a má gestão, contribuiu para que se ocorressem os aumentos dos preços, atingindo todos os setores da economia. O salário não acompanha os índices de aumento e as pessoas precisam saber poupar e evitar supérfluos, pois há os constantes aumentos e para driblar a inflação é preciso economizar e cortar custos. 

É preciso reinventar, criar condições para enxugar o orçamento e manter as contas em dia, assim as pessoas acabam comprando menos e poupando mais, para que o dinheiro dure até o fim do mês e consigam sobreviver frente à crise. 

A agência Hello Research pesquisou 2.002 pessoas no Brasil em torno de 70 cidades e verificou que elas estão procurando gastar menos e economizar com roupas, lazer e alimentação. Esse indicador mostra que o povo brasileiro está sentindo no bolso, e fazer economia é a melhor saída, pois o salário continua o mesmo, e as contas precisam fechar. 

A pesquisa fez um levantamento por região no país mostrando os índices de diminuição dos gastos. Regiões como norte-sul, centro-oeste, sudeste, nordeste, tiveram respectivamente o percentual de 91%, 91%, 92%, 82%, e 80%. Em setembro a inflação foi em torno do demonstrativo de 9,5%, levando em conta 12 meses, o que revelou a maior alta dos últimos tempos. 

Esse índice da pesquisa revela a crise que o país atravessa e os reflexos se fazem sentir, e para manter a equação: salário x gastos é preciso muitas vezes se sacrificar e as famílias são as que mais sofrem. Apelar para o bom senso é a melhor saída, e o brasileiro é criativo, inovador e perspicaz, e quando se trata de economizar as saídas sempre aparecem. 

O governo precisa viabilizar melhores fórmulas para engrenar o país, sem sacrificar o bolso do trabalhador. 

Por Marisa Torres

Cortando gastos


Paulistanos podem economizar até R$ 1.700 no ano se pesquisarem os preços em mercados.

A maior e mais populosa capital do Brasil, conhecida por ser uma cidade que nunca dorme, pois tem diversos ramos da economia durante todo o dia em funcionamento, também tem vivido sua má fase na geração de emprego e renda.

Em tempos como esse, o estado de São Paulo não tem vivido seus dias de glória econômica e, com isso, os paulistanos amargam também a decisão de fazer ajustes nas contas. Então, a palavra de ordem é economizar.

Claro que em uma cidade tão agitada como São Paulo, fazer economias usando o método de pesquisas de preço não é uma missão nada fácil. No entanto, para quem não deseja entrar na forca das dívidas, essa é uma alternativa bem eficaz.  

Como a vilã da inflação tem estado em torno de 8,5%, essa taxa tem colocado as garras principalmente em produtos alimentícios, o que explica a alta no preço de itens básicos da cesta básica como feijão, arroz, macarrão, frango e carne – até os produtos mais supérfluos como iogurtes, biscoitos e outros itens de lanches. Tudo está com o preço elevado e os paulistanos precisam se levantar da cadeira, pegar o caderninho de notas e fazer uma visita em mercados e atacados da sua região. A finalidade? Saber onde se pode comprar comida mais barata.  

Uma atitude como essa pode trazer para o trabalhador paulistano uma economia anual de R$ 1.700,00. Isso é o que afirma a Proteste Associação de Consumidores, que fez uma pesquisa e descobriu que, de um estabelecimento com a distância de poucos metros um do outro, pode-se comprar biscoitos da mesma marca e peso com a diferença de até 134%, traduzindo isso em números, significa que um pacote de biscoito pode custar de R$ 2,09 a R$ 4,90. O frango nosso de cada dia, muito comprado em épocas que carne vira iguaria de luxo, pode chegar a custar por 1 Kg o preço de R$ 7,35; enquanto em outro mercado chega a R$ 15,97.  

Claro que se leva em consideração a região onde está localizado o mercado ou atacado – quanto mais em área nobre estiver situado, mais caro tende a ficar suas compras no local. Porém, é importante entender que mesmo localizados na mesma região em São Paulo – seja ela norte, sul, leste ou oeste – sempre vai existir quem venda mais caro e mais barato.  

Atitudes como essa, de fazer um simples conhecimento de preços, pode gerar para o paulistano a média de R$ 1.700,00 de economia ao ano. Agora, imagine que, com esse valor, dá para se pagar duas parcelas do financiamento do seu carro popular, ou quem sabe custear os primeiros meses de uma pós-graduação a distância ou quem sabe até mesmo poupar para fazer uma viagem em um fim de semana.

Pense nisso! Em tempos de arrocho financeiro, pesquisar é uma medida sábia, que dá retorno e pode ajudar você a manter suas contas sempre em dia.

Por Michelle de Oliveira

Economizar no mercado


O principal objetivo do horário de verão brasileiro é proporcionar economia de energia para o país. De acordo com dados preliminares do Ministério de Minas e Energia (MME), o horário de verão, que acabou na meia-noite de sábado (21/02), resultou em uma economia de energia de 4,5% nas horas mais influenciadas pela mudança nos relógios das regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste, entre 18h e 21h.  

Se for considerado todo o consumo dessas regiões desde 19 de outubro, a economia foi de 0,5%.

Segundo o MME, o horário também contribuiu para poupar os reservatórios das usinas hidrelétricas. De acordo com comunicado da pasta, a estimativa de redução no subsistema Sudeste/Centro-Oeste pode ter chegado a até 1.970 megawatts (MW) no horário de ponta. Isso equivale ao dobro da demanda de Brasília entre 18h e 21h. Já no subsistema Sul, a economia pode ter chegado a 625 MW.  

A redução de consumo de energia no Sudeste brasileiro e no Centro-Oeste, considerando todo período de vigência do horário de verão, foi de quase 195 MW médios, suficiente para iluminar a capital do país por um mês. Já no Sul, a economia total foi de 55 MW médios, o equivalente ao consumo mensal da capital catarinense, Florianópolis. Somados, esses 250 MW médios representam 0,5% do total da energia gasta nos estados que adotaram o horário diferenciado.  

O horário brasileiro e verão ainda proporcionou um ganho de armazenamento de energia nas hidrelétricas de 0,4% no sistema Sudeste/Centro-Oeste e de 1,1% na região Sul, segundo dados do MME.  

O governo chegou a cogitar a prorrogação do horário de verão por mais um mês, até o dia 22 de março, devido a atual crise energética. Mas, segundo cálculos, a medida não valeria a pena, pois acarretaria em pouca economia adicional de energia para as regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste.   

Por William Nascimento

Economia de energia el?trica


Quando chega o final de ano logo pensamos em comemorações, festas e diversões. É justamente por causa dessas comemorações e festividades todas que às vezes acabamos por nos entregar aos gastos que elas proporcionam.

São festas por todos os lados, viagens, além de presentes e enfeites de natal por toda a parte. Se você está entre um desses atributos, preste atenção nas dicas a seguir e aprenda como não gastar muito dinheiro no final de ano:

– Presentes:

Os presentes são os maiores causadores de gastos nessa época. Para evitar isso, procure fazer uma lista de presentes, ou de pessoas que você pretende presentear. Organize pelas quais você conhece mais e tem mais afinidades. Comece primeiro pelos filhos, se você tiver, depois pela esposa, depois pelos parentes e por último colegas ou amigos mais íntimos. Prefira as lembrancinhas do que os presentes mais caros. É claro que pode haver exceções, desde que você as tenham planejado durante o ano, como, por exemplo, aquele carrinho de brinquedo que seu filho tanto quer ou aquela surpresa que você vinha planejando há tempos para sua esposa ou marido.

– Festas:

Depois dos presentes, as festas com certeza são uma das maiores causadoras de gastos nessa época. É a sogra que te chama pra passar o natal na casa dela, são os amigos que vão fazer aquele churrasco e te convidam, etc. E numa dessas, você acaba indo ao supermercado só para não aparecer na festa de mãos vazias. É aí que mora o perigo. Caso decida levar alguma coisa para contribuir com a festa, verifique junto à pessoa que te convidou e veja a possibilidade de levar algo que esteja ao seu alcance. Se for comida, faça algo em casa. Uma receita simples, mas bem caprichosa. Caso você tiver que levar bebida, opte pela mais barata ou rache com mais alguma pessoa que também vai à festa.

Por Daniela Almeida da Silva


É de conhecimento geral que todos os trabalhadores trabalham a vida toda e sonham no final da sua carreira ter uma aposentaria que seja muito confortável e que dê para cobrir todas as despesas pessoais, além de sobrar dinheiro para luxos como viagens, um bom carro e porque não uma boa casa.

Contudo, para aqueles desconhecem, conforme a previsão do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), as tendências com relação à aposentadoria dos brasileiros vão totalmente de encontro a esses anseios dos trabalhadores de ter uma aposentadoria farta, uma vez que segundo os estudos dessa instituição até o ano de 2060 a população, no Brasil, acima de 65 anos deve superar os atuais 14,9 milhões chegando a, aproximadamente, 65 milhões de idosos. Fato este que irá impactar sobremaneira o sistema previdenciário do país, devido ao grande número de idosos aposentados que teremos nessa ocasião.

Uma excelente opção para o trabalhador ainda continuar sonhando com uma aposentadoria farta é a previdência privada, uma vez que ela permite que o trabalhador faça uma reserva, em vida, para que em um momento de necessidade ou na velhice retire um bom valor para ter um pouco mais de conforto.

Então que tal se aposentar com R$ 1 milhão em mãos?

Vamos dar algumas sugestões que irão demonstrar como esse sonho pode virar realidade muito fácil na vida de muito brasileiros, basta um pouco de controle e planejamento das finanças.

Para se ter R$ 1 milhão em 40 anos, por exemplo, se uma pessoa a partir dos 20 anos de idade juntar R$ 520,00 aos 60 anos ela terá R$ 1 milhão.

Uma outra possibilidade é se com os mesmos 20 anos a pessoa juntar, apenas R$ 254 por mês e com uma ajuda de R$ 50.000 aos 60 anos ela também alcançará a sua meta.

Outra alternativa seria para os pais que pensam no futuro dos filhos, haja vista que se a partir de um ano de idade os pais começarem a poupar R$ 160,00, aos 40 anos o filho já terá R$ 1 milhão em mãos.

Então fica a dica, no momento de incerteza em que estamos vivendo atualmente, vale a pena procurar uma instituição financeira e simular como será o seu futuro financeiro.

Por Adriano Oliveira

Aposentadoria


Final de ano chegou e já tem muitos pais preocupados com o material escolar dos filhos, já que a inflação está de volta e os preços estão lá nas alturas. Quem tem filho em idade escolar sabe que vai ser preciso pesquisar muito para conseguir economizar, então o jeito é começar desde agora a verificar o preço do material escolar nas mais diversas lojas, físicas e virtuais.

A previsão é que os artigos escolares sofram um reajuste de pelo menos 8%, de acordo com a Associação Brasileira dos Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares.

Mas dicas simples e eficientes poderão ajudar você a economizar nas compras do material escolar para 2015, confira!

– Comprar em conjunto:

Esta prática vem se popularizando e agora é hora dos pais também se unirem. Se os pais fizerem compras coletivas do material escolar, os preços ficarão muito mais em conta. A economia é grande.
Porém, tudo deve ser muito bem organizado e o pagamento deve ser feito corretamente por todos, nada de alguém deixar para pagar depois.

– Reciclar:

Aproveitar o material deste ano é uma ótima forma de economizar e contribuir com o meio ambiente. Faça em casa um levantamento completo de todo o material escolar disponível, o que poderá ser reutilizado e assim já poderá riscar vários itens da lista.

– Cuidado com as promoções:

Muitas pessoas compram pela internet por causa do menor preço, mas esquecem que é cobrado o frete! Leve isto em consideração. Prejuízo maior é para quem faz suas compras em lojas virtuais desconhecidas que nunca entregam os produtos! Tenha cuidado com as promoções, com as lojas virtuais e até com a qualidade do material vendido.

– Cuidado com a lista:

Muitas escolas pedem materiais que não poderiam ser solicitados aos pais, por isso, fique atento à lista! Material coletivo não pode ser exigido pela escola, por exemplo, giz, material de limpeza, entre outros.

E não deixe a escola ficar responsável pela compra do material. Faça uma pesquisa e compare qual é o menor preço encontrado, o seu ou o da escola e aí sim, escolha aquele que lhe garanta maior economia.

Por Russel


Organização pessoal, financeira e profissional são fundamentais para construir uma base na carreira.

Você sabe como organizar a sua vida financeira? Muitas pessoas têm dificuldade em lidar com as finanças, porque gastam mais do que ganham e, por isso, acabam se endividando. A parte financeira organizada reflete em outros setores da vida. Por isso, é imprescindível saber como gastar o dinheiro da forma correta.  

Que tal conferir algumas dicas?

– Faça um planejamento!

É fundamental planejar as suas finanças, definir metas, para saber como alcançar os seus objetivos. Mantenha o foco e selecione as prioridades. Assim, você vai evitar gastos desnecessários. Estabeleça prazos para as suas metas e não dê passos maiores que as pernas. Ou seja, não sacrifique o seu dinheiro, por uma coisa que pode provocar um arrependimento depois.

– Faça um orçamento:

Faça um pequeno orçamento da sua vida e comece a contabilizar as coisas. Anote quanto tem gastado, ou seja, tenha a percepção de que até as pequenas coisas doem no seu bolso. Além disso, reserve dinheiro para os imprevistos, que podem surgir durante o mês. A partir do momento que você contabilizar os seus gastos, até os pequenos, verá como tudo pesa no seu bolso.

– Você tem dívidas?

Se você tem dívidas acumuladas é preciso mudar o comportamento financeiro. Quais gastos você pode regular? Em que precisa mudar? Selecione as prioridades na sua vida e ajuste as mudanças que devem ser feitas. Busque formas de aumentar a sua receita e quitar os débitos. Fique atento aos seus gastos, para manter as finanças em ordem.

– Parcelamento:

Evite parcelar as suas compras, porque elas podem provocar uma dor de cabeça lá na frente. Não abuse do cartão de crédito. Desta forma, procure pagar a fatura do seu cartão totalmente, sem parcelar.

– Poupe!

Separe uma parte do seu orçamento para poupar. Quanto mais poupar, melhor. Tenha uma reserva sempre para emergência, você não sabe o dia de amanhã.

Por Babi

Dinheiro


O que é economia de dinheiro para você? Muitas pessoas passam a vida inteira trabalhando para viver bem depois com seu dinheiro guardado e economizado nesse tempo todo, sem ao menos fazer um planejamento de vida e econômico. A maioria delas, quando precisa usar seu dinheiro para realizar um grande sonho ou comprar algo por necessidade, para e pensa muito antes de fazê-lo. Em seguida, seja por medo ou opressão, opta por não fazê-lo. Ora, o que seria da vida sem os prazeres que ela nos proporciona? É o que muitas pessoas pensam quando passam parte da vida trabalhando para guardar dinheiro, e no fim, nunca conseguem aproveitar.

Na verdade, a única coisa que devemos aprender e carregar como prioridade é que o dinheiro tem que ser tratado com muito carinho, independente de sua proporção. Quem não tem esse princípio, acaba sendo abandonado pelo dinheiro. Infelizmente, a cultura consumista não valoriza esse pensamento e não age dessa forma. Eles acreditam que ter é melhor que ser, e não dão importância aos valores morais atribuídos a esse meio.

Às vezes, o fato de economizar não condiz apenas com o dinheiro físico, mas também com tudo o que o envolve. Por exemplo, apagar as luzes ao sair de um cômodo de sua casa, não demorar muito debaixo do chuveiro, falar pouco ao telefone, usar pouco papel, não desperdiçar comida, entre outros tipos de economia também estão atreladas ao dinheiro. Saiba que uma boa iniciativa como essas irá reverter em economia de dinheiro, e você poderá desfrutar de outros prazeres da vida sem ficar muito preocupado com as contas no final do mês.

Tenha em mente também que economizar é função de todos que compõem o seu ambiente, e não somente você. São critérios e raciocínios de uma pessoa inteligente e que age em conjunto. Enfim, o dinheiro que não estará sendo gasto desnecessário no que é necessário, ficará mais fácil de mantê-lo no bolso.

Pense nisso!

Por Daniela Almeida da Silva


Algumas pessoas não sabem, mas o dinheiro tem que ser levado muito a sério e tratado com muito carinho. Ele deve ser considerado como um meio de troca muito importante, uma moeda que materializa as coisas. Na verdade, quem não tem costume de tratar bem o dinheiro acaba, por fim, de ser abandonado por ele mesmo.

Infelizmente a nossa cultura do consumismo não privilegia aqueles que têm cuidado com o dinheiro, mas com aqueles que fazem parte do sistema de consumo de bens no mundo, pois a intenção da sociedade é estar sempre ganhando e gastando, gastando e ganhando, e assim, permanecer nessa esfera viciosa e conseguir um bom status. Tem aqueles que o fazem no bom sentido, mas mesmo assim não têm um equilíbrio, um limite adequado. Mas não são apenas essas pessoas que agem assim. Não é só a classe da burguesia que atua assim, há também a classe trabalhadora que gasta até mais que pessoas burguesas. Esse desequilíbrio social nos mostra de forma clara, a que ponto nossa sociedade chegou.

Damos prioridade para coisas descartáveis, e são milhares de pessoas que deixam se levarem pela maré do consumo, fazendo despesas totalmente desnecessárias. Essas pessoas exageram tanto nos gastos que no fim do mês acabam passando necessidade, pois já não têm nenhum dinheiro para comprar o necessário.

Economizar é a função dos inteligentes, pois eles sabem que mais vale saborear os gastos num tempo bom e propício para isso do que cair na armadilha do consumismo imediato, deliberado, demasiado e não planejado. Para saber economizar, você só precisa parar e refletir se esse desejo de comprar algo que você tanto quer tem a ver com suas necessidades básicas do momento ou não. Normalmente, consideramos necessidades básicas coisas essenciais para nossa sobrevivência de forma digna no dia a dia, como comida, água, pagamento de dívidas, e outros meios para sobreviver de uma forma tranquila.

Por Daniela Almeida da Silva

Dinheiro

Foto: Divulgação


Guardar dinheiroé um fator essencial para quem pretende liderar sua carreira e ter liberdade financeira. Afinal, quem não consegue ter fôlego de sobreviver por pelo menos um ou dois meses sem trabalhar,  acaba não usufruindo de liberdade para tomar suas próprias decisões, como pedir demissão no futuro ou tomar uma atitude com ousadia,  sem perder o sono, com receio de ser demitido.

Fazer uma reserva pode ser mais fácil quando você possui um objetivo definido. O primeiro passo para começar é separar uma parte que deve ser investida, sem pensar nas suas despesas. Para quem ganha uma remuneração bruta de R$ 1,5 mil por mês, por exemplo, a dica é começar a economizar R$ 300 por mês, valor razoável, e que não exige grandes sacrifícios para poupar, podendo chegar a uma boa reserva depois de algum tempo. Quer tentar? Veja alguns exemplos abaixo:

– Guardar R$ 300 por mês:

Quem ganha R$ 1,5 mil por mês de remuneração bruta, pode juntar seus primeiros R$ 100 mil em até 13 anos se souber guardar 20% do seu salário todos os meses. 

– Ganhar R$ 50 mil reais:

Quem quer alcançar os primeiros R$ 50 mil, a dica é trabalhar com fundos de investimento ou poupança. Agora, a poupança se tornou um bom caminho, pois está alcançando rendimentos de 0,5%. Se a taxa de juros estiver baixa, o rendimento da poupança será equivalente ao do fundo fixo. Quando a taxa de juros subir, a poupança virará um mau negócio.

– Guardar de R$ 51 mil a R$ 100 mil:

Após juntar seus primeiros R$ 50 mil, você pode começar a investir a segunda parte deste dinheiro em fundo de ações, por exemplo. Esses investimentos devem ser de longo prazo, ou seja, acima de cinco anos, pois a Bolsa de Valores é uma opção muito interessante e atraente. Só não é bom começar a investir em ações por conta própria. Para pessoas leigas essa pode não ser uma boa opção.

Por Daniela Almeida da Silva


Todo mundo quer ter um dinheiro extra, mas poucos são os que sabem ou guardam dinheiro para os sonhos e as coisas mais importantes da vida. Aqui, para que você fique melhor, iremos listar algumas dicas relevantes para juntar um dinheirinho e poder fazer suas coisas como comprar uma casa, um carro ou ter uma boa aposentadoria.

1.    Não tenha dívidas

Pague todas as suas contas, fique com seu nome limpo e junte a grana que seria para pagar esses débitos para que você possa comprar outras coisas. Essa é, sem sombra de dúvida, a melhor forma de economizar dinheiro.

2.    Tente comprar à vista com desconto, sempre que possível

Tente manter suas contas no mínimo valor possível, negociando bons descontos à vista, tendo assim espaço para juntar seu dinheiro e ter uma boa economia para atividades futuras.

3.    Organização

Sim, é de suma relevância registrar tudo que você gasta. Faça uma planilha de todos os seus gastos e tenha noção de como você está usando seu dinheiro. Veja o que é fútil e passe a economizar mais.  Não estamos pedindo para você deixar de fazer o que gosta, apenas pedimos que seus gastos sejam pesados.

4.    Dificultar a retiradas

Isso mesmo, guarde seu dinheiro num canto que não seja tão fácil de sacar ou retirar, procure alternativas que façam seu dinheiro investir e não ser desperdiçado. Pense nas vantagens desse ato.

5.    Pense nas despesas do carro

Veja o quanto você está gastando com seu automóvel. A vida, muitas vezes, é mais fácil sem eles. Porém, se o carro é fundamental, repense sobre os gastos e tente poupar o máximo que for possível.

6.    Tenha objetivos

Trace seus planos e objetivos. Pense na geladeira ou sofá novo que você quer e, com esse pensamento, procure juntar seu dinheiro para realizar esse sonho.

7.    Guarde o dinheiro inesperado

Às vezes, pois, recebemos algum dinheiro inesperado. Seja uma bonificação do trabalho ou a restituição do imposto de renda, o fato é que o melhor a fazer com esse dinheiro é economizar, juntar, e não gastar rapidamente.


Chegaram os últimos meses do ano e com ele o tão esperado 13° salário. Em tempos de promoções e festas como Natal e Ano Novo, parece que em todo espaço de mídia existem chamarizes para gastarmos nosso dinheiro tão difícil de ganhar. Por isso, resolvemos elencar algumas dicas úteis:

  • Evite fazer as compras dos alimentos da ceia de Natal e Final de Ano com fome. Sério! Um estudo realizado pela Cornell University, no ano de 2013, revelou que se uma pessoa ficar 5 horas sem se alimentar e for ao supermercado fazer as compras, a tendência será a de comprar mais do que realmente necessita. Para piorar, a pessoa irá procurar subconscientemente por alimentos de maior teor calórico.
  • Separe uma parte do 13° salário e faça um investimento cuja facilidade de saque não seja muito grande. Explico: muitas pessoas depositam até mesmo o valor integral do abono de fim de ano em uma poupança, apenas para sacar alguns dias depois para comprar o presente dos filhos. Essa prática faz com que o valor tenha um rendimento baixo e gera um sentimento de incapacidade em relação à capacidade de economia. Aplicações em médio prazo podem ser mais indicadas para, pelo menos, não cair em tentações.
  • Em relação aos presentes, use da criatividade. Ao invés do videogame, podemos ter um livro, que será muito mais útil a evolução da criança. No lugar da roupa de grife, busque opções populares que não saiam do estilo do ente querido a ser presenteado. O carinho e principalmente o presente de acordo com o estilo da pessoa pode fazer mais sucesso do que a marca ou a tecnologia.

Estas simples dicas podem não somente fazer com que você economize o seu 13º salário, mas também ajudam a reinventar a maneira como você enxerga as festas de final de ano. Afinal, festejar nunca foi sinônimo de gastos e sim de alegria compartilhada!

Por Donizeti Nunes


Encerrar o mês com dinheiro em conta é para poucos. Estudos apontam que parte da população possui dificuldades em administrar seu salário para que ele compreenda todo um período. Controlar os gastos, sobretudo em meio às novas medidas do governo federal, é praticamente um desafio.

Quem possui iPhone já conta com um aplicativo capaz de colaborar para o intento. Denominado ‘Finanças Iradas’, baseado na coleção de livros “Meninas Iradas”, de Mara Luquet e Andrea Assef, ambas jornalistas, o software promete assessorar o usuário no controle de gastos, melhor organização financeira e, por fim, como investir na Bolsa de Valores.

A ferramenta, segundo Flávia Bravin, diretora-editorial da Editora Saraiva, permite ao brasileiro administrar suas receitas e despesas, inclusive assinalando em qual área é possível economizar e tornar o dinheiro mais rentável. O aplicativo possui um jogo integrado que mostra ao usuário mais informações sobre o mercado de ações.

O ‘Finanças Iradas’, desenvolvido para iPhone 3GS ou 4 e iPods touch da 2ª a 4ª geração está disponível na Apple Store por apenas US$ 3,99.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Assessoria de Imprensa


As compras de final do ano geram grandes dívidas aos cidadãos, o que não significa, necessariamente, iniciar janeiro com contas no vermelho. É possível associar o temo “dívida” a compras parceladas, embora parte das pessoas relacionem a palavra ao seu sentido mais negativo.

Depois desse período de compras, surge novo obstáculo às contas particulares: pagamento de impostos, tais como IPVA e IPTU. Recentemente, dados divulgados pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio) assinalaram que o número de famílias endividadas avançou 12% entre dezembro do ano passado e janeiro de 2011.

Para Dora Ramos, diretora da Fharos Assessoria Empresarial, esse índice compreende o maior acesso dos consumidores ao crédito e o bom nível do otimismo. Em sua visão, o poder de compra incitado pelo 13º salário algumas vezes ilude as pessoas, que deixam de lado as contas de início de ano para dar vazão ao consumo. Para evitar essa recorrência, lista dicas que, se aplicadas, podem melhorar a vida financeira.

A definição de prioridades é o primeiro ponto a ser visto. Se há possibilidades de parcelamento, opte, mas é necessário estar em dia com as contas que só podem ser pagas à vista. Mesmo assim, como segunda dica, é bom evitar o tal parcelamento.

Além dessas duas dicas, Dora ressalta atenção quanto aos pagamentos realizados exatamente na data do vencimento. Qualquer esquecimento pode ser letal, pois pode fazer com que os juros incidentes desestabilizem as finanças.

O dinheiro de plástico (cartão de crédito) só deve ser utilizado quando necessário, e fazer uso do débito é algo mais viável, sempre dentro do saldo em conta. A última dica, uma das mais indicadas por especialistas, é poupar dinheiro, mesmo tendo dívidas e outras contas para pagar.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Assessoria de Imprensa


Para começar investir não é muito fácil, é necessário programar-se para fazê-lo.

O primeiro passo é separar as despesas mensais e a quantia o qual você deseja investir seja em ações ou poupança.

Este planejamento deve ser feito minuciosamente para obter uma boa rentabilização durante o mês sobre o valor que foi investido.

Feito todo o planejamento o valor investido futuramente poderá ser utilizado para começar a formar o seu patrimônio, mas atenção é necessária muita disciplina.

Após toda essa análise de gastos mensal e quanto você poderá poupar, é muito mais fácil saber como alcançar os seus objetivos.

Por Paula Ribeiro

Fonte: Ágora


Sempre que possível algumas pessoas de todo o mundo procuram tirar férias pelo menos uma vez ao ano para viajar com suas famílias, outros preferem fazer uma reeducação nos seus gastos, eliminando o que seria de menos importância.

Isso se dá porque algumas pessoas respeitam o seu salário, estabelecendo assim, uma boa relação com ele, fazendo com que ele se torne um amigo e não um inimigo.

Sendo assim é possível estabelecer metas ou sonhos na nossa vida, e com o tempo realizá-los sem muitos esforços.

 Mas para quem tem ou deseja ter uma família grande, é bom contar com a ajuda de todos.

Por Sulamita Filisbelo


Muita gente que quer investir seu rico dinheirinho deve estar cheio de dúvidas em qual seria o melhor investimento.

Tentando encontrar uma resposta para esta questão o UOL preparou uma matéria buscando ajudar quem tem dúvidas no que fazer para investir o seu dinheiro.

O vídeo traz dicas bacanas de como poupar o seu dinheiro e de qual investimento é melhor para você que busca um retorno a curto ou longo prazo.

Confira a matéria abaixo:


Para aquelas pessoas que estão endividadas e encontram dificuldades para liquidar de vez com as dívidas, confira aqui algumas dicas do que fazer para acabar com as dívidas.

A palavra chave para se livrar das dívidas é Planejamento Pessoal. Primeiramente identificar onde estão os seus gastos e levantar quanto você esta gastando além do que recebe. Após isso verificar como e no que você esta gastando este dinheiro. A partir dai, você consegue estabelecer quais são os seus gastos prioritários e assim poderá realizar um planejamento e corte de alguns gastos para sair das dívidas.

Confira no vídeo abaixo mais algumas dicas de como sair das dívidas e o que não fazer quando se está endividado:


Confira aqui algumas dicas para você conseguir economizar melhor o seu dinheiro.

Economizar…a palavra pode até parecer simples, porém o ato em sí é algo bem complicado de se conseguir. Quem é que nunca quis poupar o seu rico dinheirinho porém não encontrou dificuldades?

Sabendo disso, posto aqui um vídeo com algumas dicas de como economizar dentro de casa (dicas feitas pelo consultor financeiro Augusto Saboia).


Você gasta mais do que ganha? Será que é você que ganha pouco, ou você não está sabendo como administrar o dinheiro?

Já diria o bom poupador: “Mais vale ganhar R$ 2 mil / mês e economizar R$ 200, do que ganhar R$ 5 mil e não economizar nada”.

Muitas vezes o problema em não economizar está justamente nas pequenas despesas, as quais você não dá tanto valor. São aquelas despesas que não constam em sua planilha de gastos, mas que no final do mês acabam tendo grande representatividade.

As pessoas tendem a analisar apenas as despesas de supermercado, alimentação, internet, tv a cabo, água, energia, etc., porém, esquecem de que aquela compra diária de supérfluos pode impactar fortemente no orçamento doméstico.

É fácil hoje encontrar pessoas com bons salários (R$ 6 mil ou acima), e que no final do mês esquentam a cabeça com dívidas de cartão de crédito, compras parceladas, e outros transtornos mil. Não siga esses maus hábitos! Crie uma fórmula para controlar o que você gasta.





CONTINUE NAVEGANDO: