Saiba aqui como usar o site do Serasa para renegociar suas dívidas.

Atire a primeira pedra quem nunca esqueceu de quitar uma conta ou, ainda, não fez o cálculo exato do dinheiro do mês e acabou deixando vencer um boleto bancário. Se você já passou por qualquer uma dessas situações, deve saber que, em alguns casos, a companhia para a qual você está devendo irá incluir o seu CPF na lista de inadimplentes, como o Serasa. Esses locais são muito utilizados posteriormente como uma referência das instituições ou dos bancos para a garantia de boas qualificações, seja para oferecer empréstimos ou créditos, por exemplo. Então, se o seu nome consta na lista de devedores, é bem possível que você tenha vários problemas na hora de financiar imóveis, obter crédito ou, ainda, solicitar cartões de lojas específicas.

Nome sujo. E agora? Apesar de ser uma situação no mínimo incômoda, “limpar” o seu nome não exige medidas tão drásticas como se imagina, sendo inclusive muito fácil de fazer. Isso porque o próprio Serasa já criou uma ferramenta que possui o nome de “Serasa Limpa Nome”, que ajuda na resolução de tal problema na modalidade online. Sendo assim, a ideia é de que os usuários possam consultar de forma muito prática os seus possíveis débitos que estejam no seu CPF, de forma a renegociar também as suas dívidas com alguns descontos e com o pagamento parcelado.

Porém, é muito importante lembrar que ainda são poucas empresas que estão participando desse sistema. Todavia, sabe-se que esse já abrange boa parte das prestadoras de serviços voltados para as telecomunicações, bancos, companhias de cartão de crédito e instituições de educação. Podem-se citar entre elas as seguintes participantes: Itaú, Santander, Vivo, Porto Seguro Cartões, Recovery, Net/Claro/Embratel, Tricard, CredSystem e Ipanema Credit Management.

Então, se você ficou curioso e quer saber como fazer para limpar o seu nome, fique ligado nas dicas que nós te daremos a seguir. Vamos a elas.

Como faço para “limpar” o meu nome?

Para limpar o nome é muito simples. Se você tiver qualquer dívida, basta se cadastrar na plataforma do Serasa, disponível no site do órgão no endereço eletrônico https://www.serasaconsumidor.com.br/limpa-nome-online/. Nesse link, é possível consultar o seu número de CPF e, também, se cadastrar na plataforma. Para a última opção, é só clicar em “Cadastre-se”. É possível vincular também à plataforma por meio de uma conta particular no Facebook ou no Google.

Feito o cadastro na ferramenta, o usuário precisa clicar em “Listagem de Ofertas”. Por esse local é possível fazer a checagem das propostas para a renegociação de uma dívida para um determinado CPF. Somente estarão disponíveis tais detalhes se as empresas se dispuserem a renegociar.

No local intitulado “Meus Acordos, ainda é possível consultar pelas dívidas que já foram renegociadas e imprimir os boletos para os pagamentos dos eventuais parcelamentos dos débitos que serão renegociados.

Sem proposta de renegociação: o que fazer? E, além de tudo que já foi citado, no mesmo portal ainda é possível verificar se ainda há dívidas que estão ativas no seu CPF e que ainda não tenham tido quaisquer propostas para renegociação por meio da plataforma “Limpa Nome”. Para visualizar essa opção, basta clicar em “Serasa Consumidor”.

No caso dos débitos sem uma proposta para o seu pagamento, é indicado que o devedor entre diretamente em contato com a própria empresa para que seja feita a renegociação da dívida. Isso porque muitas organizações ainda não estão cadastradas na plataforma, utilizando de outros meios para entrar em contato com o consumidor. Porém, a tendência é de que sempre mais empresas acabem se cadastrando para esse sistema. Com isso, o futuro nesse sentido é tanto o de facilitar a vida de quem tem as contas a receber, como de garantir praticidade para aqueles que possuem as dívidas pendentes de pagamento.

Kellen Kunz


Confira aqui algumas dicas para melhorar a organização de suas contas.

O final de ano se aproxima e isso é sinônimo de aumento de gastos para a maioria dos Brasileiros. Nessa época do ano, as pessoas começam a se preparar para as festas, compram presentes para amigos e familiares, roupas para usar no Natal e Ano Novo, investem na reforma da casa, entre outros gastos. Em muitos casos, esses gastos excedentes acabam indo parar na fatura do cartão de crédito, ou pior, novos empréstimos são contratados, o limite do cheque especial vira opção ou dívidas importantes são deixadas de lado.

Para não cair nas armadilhas de final de ano e acabar gastando mais do que ganha, é preciso ter muita cautela. Ainda mais quando o comércio se organiza para atrair a atenção de potenciais compradores, oferecendo vantagens, promoções e liquidações que podem fazer o consumidor perder o foco e o controle das finanças. Se você quer saber como se organizar de forma a começar 2019 no azul, acompanhe nossas dicas e veja como manter o orçamento na palma das mãos.

Organizando a vida financeira

Não é muito difícil encontrar pessoas que não têm ideia de quanto gastam por mês. A água e chocolate comprados no trajeto de casa para o trabalho, a cerveja ou refrigerante com os amigos no fim do expediente e a pizza com a família aos finais de semana compõem a lista de despesas não contabilizadas durante o mês. A maioria das pessoas costuma anotar apenas as despesas mais básicas, como a conta de luz, água e internet, por exemplo. Esse costume configura erro, pois, os pequenos gastos podem se transformar em valores exorbitantes quando calculados.

A solução para manter tudo em ordem é colocar na planilha todos os gastos, pequenos ou grandes. Após somados, eles precisam ser debitados da quantia líquida arrecadada por mês e o saldo final precisa ser positivo. Se ao contabilizar você perceber que só conseguirá pagar o valor mínimo das compras com o cartão de crédito, deixando parte da dívida para o mês seguinte, sentimos informar que seu orçamento não fecha e, talvez, a solução seja deixar de fazer compra com essa modalidade de pagamento. Na dúvida prefira pagamentos em dinheiro, mas somente se estiver sobrando. Tentar não cair na ilusão do cheque especial é outra dica importante.

Cartão de crédito não significa mais dinheiro

Algumas pessoas entendem o cartão de crédito como complemento de renda. É essa mentalidade que leva o consumidor a ir ao supermercado e utilizar o crédito como forma de pagamento, por exemplo. É preciso entender que os gastos com alimentos se repetirão todos os meses, portanto, se houver necessidade de usar a modalidade de crédito, evite parcelar, deixando parte da dívida para o mês seguinte.

Segundo especialistas, cerca de 40% da renda mensal é gasta com a compra de alimentos e esse valor deve estar incluso no orçamento mensal. Se o valor destinado às compras de mês não for suficiente, o ideal é rever a lista de compras e evitar o que for dispensável. Refrigerantes, salgadinhos e aperitivos podem ser deixados de lado, nesse caso. Se houver a possibilidade de mudar para uma marca mais barata, mas com qualidade similar, não hesite em mudar. Outra opção é ir atrás das promoções agendadas que alguns mercados fazem e, quem sabe, ir em mais de um supermercado ou ir também no dia das promoções mais vantajosas.

Imponha limite ao orçamento

Como já ressaltamos, a planilha de gastos é a única forma de saber se seu salário cobre todas as despesas. Feito isso, você poderá saber onde você pode reduzir gastos ou em que área você pode investir mais dinheiro.
Se você planeja viajar no final do ano, determine previamente um valor para gastar enquanto estiver viajando. Isso evitará surpresas e aperto financeiro ao retornar. Além disso, você precisa estar ciente que a chegada de um novo ano é sinal de reajuste. Aumento na mensalidade do colégio ou da faculdade e até mesmo reajuste nos serviços prestados por companhias de água e luz precisam ser previstos antes de gastar demais no passeio.

Não há nada de errado com as lembrancinhas

Se você já anotou, somou e debitou todas as despesas do salário e descobriu que precisa mesmo economizar, comece a cortar despesas imediatamente. Se a intenção é presentear os entes queridos nas festas de final de ano, considere dar apenas lembranças ao invés de presentes muito caros. No entanto, se você está com o orçamento estourado, o ideal é descartar os mimos esse ano.

Boas marcas também entram em liquidação. Através do site da sua loja preferida você pode pesquisar as opções de roupas e montar um look para o fim de ano gastando menos. Ir à loja tendo em mente o que procura ajuda a evitar o excesso na hora da compra. Dá para se vestir bem gastando pouco e a internet pode ser sua aliada nesse momento.

Tome medidas radicais

Se é tempo de radicalizar, radicalize. Ruas e edifícios comerciais são uma tentação nessa época. Esses locais estão sempre tumultuados e repletos de promoções irresistíveis. Portanto, se houver a possibilidade de trocar o trajeto, mude. Você pode guardar uma pequena quantia em dinheiro na carteira somente para emergências, evitando carregar muitos cartões e se tornar presa fácil na hora da tentação.

Em tempos de crise, o consumidor precisa policiar as finanças rigorosamente. O ideal é tentar pagar todas as dívidas ou boa parte dela. Renegocie, se houver essa possibilidade. Reserve uma parte da renda para possíveis despesas, compra de remédios, por exemplo, e pense no décimo terceiro salário como um dinheiro extra e não como parte do orçamento, mas, se precisar, use para quitar as dívidas e começar 2019 no azul.

Por Nanny Cunha


Evento irá até o final do mês de novembro de 2017.

A grande maioria das pessoas passa por dificuldades financeiras em algum momento da vida e com isso não conseguem arcar com seus compromissos financeiros. Devido a isso, acabam deixando de fazer pagamentos a certas instituições e com isso a suas despesas e dívidas só vão aumentando. Uma forma de solucionar essa falta de pagamento que dos credores é a renegociação da dívida. Muitas empresas fazem esse procedimento nos dias atuais, usando recursos como: diminuir os juros, parcelando em mais vezes o valor total da conta, dentre outros. Muitas organizações fazem essa renegociação através do Serasa. Já que de tempos em tempos, a empresa de negociação realiza o seu tradicional feirão de renegociação de dívidas. Popularmente conhecido como “feirão limpa nome”, tem previsão de início no próximo dia 06 de novembro de 2017.

A edição deste ano vai começar no dia 06 de novembro, como dito acima, e vai durar até o último dia do mês de novembro, ou seja, dia 30. Os consumidores que possuem dívidas e querem renegociar suas contas, através desta iniciativa promovida pelo Serasa, precisam seguir este passo a passo:

– Primeiramente, eles precisam consultar a instituição em que existe o débito, se eles vão participar do feirão.

– Caso a resposta seja positiva, o consumidor deve acessar o seguinte endereço eletrônico: https://www.serasaconsumidor.com.br/feirao/. No site, o consumidor deve informar o número de seu Cadastro de Pessoa Física, o CPF e através dessa plataforma vai se ter o início a renegociação com a supervisão do Serasa. Para que tanto o consumidor quanto a empresa consigam um acordo em que nenhuma das partes saíam prejudicadas.

Nesta edição, o número de empresas está maior ainda. Visto que as organizações estão vendo que essa pode ser uma solução mais rápida e menos burocrática do que entrar com uma ação judicial contra o cliente, por exemplo. Já que pendências como essa podem levar anos na justiça nacional.

Nesta edição, vão participar entidades de diferentes setores, como: bancos, lojas, empresas de telefonia, dentre outras. Além disso, uma outra vantagem desse “feirão limpa nome” é que todo o procedimento de renegociação da dívida é feito através da internet. Então, você consumidor, não precisa nem sair de casa. Tudo é feito com a maior segurança, protegendo os seus dados. E também, segundo o Serasa, os descontos neste ano podem chegar até 90%.

As empresas também estão dispostas a renegociar prazos, valores, a conversa pode ser feita ainda por telefone, chat ou até por troca de mensagens eletrônicas, os e-mails.

Para facilitar ainda mais a vida do consumidor, algumas empresas já saíram na frente e já disponibilizaram exemplos de acordo e até os boletos de pagamento, que o consumidor pode imprimir em casa e pagar em casas loterias ou instituições bancárias. Para se ter uma ideia do sucesso dessa iniciativa, no feirão do ano de 2016, mais de 300 mil pessoas conseguiram tirar os seus nomes na lista de credores inadimplentes no Brasil e puderam voltar a comprar normalmente, sem nenhum problema. Pessoas que não possuem dívidas, mas querem consultar como está a situação de seu nome, também podem informar o número do CPF na plataforma.

Para a edição deste ano, estima-se que o número de participantes do “Feirão Limpa Nome da Serasa” deve ser maior ainda. Visto que o número de pessoas com dívidas cresceu, em relação ao ano passado. Hoje, no Brasil existem mais de 60 milhões de pessoas que possuem algum débito em aberto. A dívida dessas pessoas chega ao montante de mais de R$ 200 bilhões de reais. Esse tipo de serviço prestado pelo Serasa se mostra bastante eficiente. Você que possui alguma dívida, faça os seus cálculos, pense quanto do seu orçamento familiar você pode destinar para pagar suas contas sem fazer com que você e sua família passem por grandes dificuldades. Boa sorte!

Isabela Castro.


Evento para renegociar dívidas acontece de 27 de março a 2 de abril de 2017.

O Serasa Experian, por meio do Serasa Consumidor, estará promovendo entre os dias 27 de março e 02 de abril, o Liquida Dívidas. Vai ser uma oportunidade para que pessoas que estejam em situação inadimplente possam renegociar suas dívidas e ter a possibilidade de limpar o nome.

De acordo com a entidade, serão oferecidos descontos que poderão variar conforme o credor e a situação da dívida. Mas, a depender do caso, eles poderão chegar até 90%.

A campanha Liquida Dívidas irá possibilitar ao consumidor, além de fazer a renegociação dos valores, de efetuar o pagamento das contas vencidas no site da entidade ou até mesmo pessoalmente naquelas empresas que estiverem participando do projeto. Ainda para este fim, serão colocados a disposição 20 mil postos e canais exclusivos de atendimentos.

Quem quiser consultar os endereços e horários de funcionamento poderá verificar essas informações no site www.liquidadividas.com.br.

O número de inadimplentes no Brasil

De acordo com estudo realizado pela Serasa Experian, em janeiro deste ano, o recorde de inadimplência foi batido. Os números apontam para 59,7 milhões de pessoas com as contas atrasadas em todo o Brasil. Para se ter uma ideia mais ampla da gravidade da situação, basta dizer que 40% dos adultos estão com problemas para quitar suas contas.

Para regularizar tudo e voltar a ter o nome limpo o consumidor deverá fazer uma consulta no site www.liquidadividas.com.br. Isso para saber se a empresa para a qual deve está participando do projeto.

Outra orientação para o inadimplente é revisar as contas antes de acessar o serviço. Ou seja, analisar tudo com atenção para saber o quanto dispõe para o pagamento das contas sem que o orçamento fique ainda mais comprometido.

No espaço de tempo que compreende a realização do evento, aquelas empresas que estiverem participando irão apresentar propostas exclusivas para os seus clientes que estão com as contas atrasadas.

Algumas das empresas que estão participando do Liquida Dívidas são as seguintes: Pernambucanas, Portocred, Cemig, Kredilig, Bemol, Compesa, Koerich, Calcard, Tricard, Qualicorp, BV Financeira, TIM, SKY, Banco Honda, Enel, Oi, Caixa Econômica Federal, AES Eletropaulo, Unibanco, Recovery e Banco Itaú.

Lembrando aos interessados que as renegociações das dívidas poderão ser feitas diretamente com cada credor que irá oferecer opções de atendimento pessoal nas lojas, por chat ou por telefone.

Para saber mais acesse o site do serviço: www.liquidadividas.com.br.

Por Denisson Soares


Confira aqui algumas dicas de como renegociar dívidas com o banco.

A cada ano o índice de inadimplência de brasileiros aumenta de forma considerável. Número que aumentou ainda mais em 2016, em decorrência da forte crise econômica pela qual o país vem atravessando.

A maioria dos inadimplentes brasileiros possuem dívidas com instituições bancárias, cujos juros são altos e assim a cada ano a dívida vai se tornando maior e mais difícil de ser quitada.

E com a chegada de um novo ano, a maioria dos bancos procuram seus devedores para propor uma negociação da dívida. O que pode ser uma boa oportunidade para quem deseja pagar e tirar o nome do cadastro negativo.

Se você faz parte do grupo de brasileiros que possuem alguma dívida com algum banco ou instituição credora e deseja fazer um acordo para pagar o que deve e tirar seu nome do cadastro de inadimplentes, veja aqui as dicas de como fazer um bom acordo:

– Antes de procurar a instituição a qual você possui débitos faça uma lista com todos os seus gastos mensais e essenciais e veja o que sobra. Com base nesse valor estipule um valor que você possa pagar sem comprometer as dívidas fixas e essenciais. Dessa forma, já leve esse valor anotado e o apresente.

– Antes de fechar o acordo procure se informar sobre as taxas de juros. Se as taxas estiverem muito altas, não assine o novo contrato. Há bancos que tentam se aproveitar nesse quesito. Por isso pesquise. Para realizar essa pesquisa, consulte em http://www.bcb.gov.br/pt-br/#!/c/TXJUROS/ ou peça ajuda a alguém que entenda melhor. Se caso as taxas estejam realmente abusivas, faça outra proposta e se a instituição credora se negar a baixar os valores, faça uma denúncia ao Banco Central ou ao PROCON. Nesse caso, os bancos acabam cedendo.

Depois de assinado o acordo, comprometa-se a pagá-la. Para não ficar enrolado, procure cortar os gastos supérfluos. E sempre que aparecer um dinheiro extra, como o 13º, por exemplo, use-o para abater no valor da dívida, assim você termina de pagá-la mais rápido e se livra da dívida e dos juros mais cedo.

Em tempos de crise, uma dica importante é evitar os financiamentos a longo prazo.

Sirlene Montes


Evento busca negociar dívidas dos consumidores e limpar o nome no Serasa.

Para quem deseja retirar o nome do Serasa e deixar de ter restrições de crédito, está previsto para o período que vai do dia 08 até o dia 26 deste mês, o Super Feirão Limpa Nome, serviço que será disponibilizado para pessoas de todo o Brasil, através do site www.serasaconsumidor.com.br/feirao, oferecendo propostas de negociação de dívidas.

Ao negociar suas dívidas em atraso, o cidadão pode contar com condições de pagamento favoráveis e ainda descontos acordados diretamente com os seus credores.

Em uma pesquisa realizada pelo Serasa Experian, o equivalente a 59,3 milhões de pessoas se encontram com dívidas atrasadas, o que significa que 40% da população brasileira faz parte do quadro de inadimplentes.

O Super Feirão em sua versão online possui parceria com muitas empresas credoras, que estarão à disposição de quem quiser negociar suas dívidas. O site funcionará 24 horas por dia, para assim facilitar o contato e o acordo entre as partes, sem cobrar nada pelo serviço.

Para fazer uma negociação é muito simples, basta acessar o link www.serasaconsumidor.com.br/feirao e preencher um cadastro com seus dados pessoais. O sistema realizará uma busca no Serasa onde aparecerá as dívidas constantes em seu nome e estabelecerá uma conexão com as empresas credoras, deixando a disposição telefone, e-mail e chat, para que ocorra a negociação.

Dessa forma, o cidadão devedor e seus credores estarão em contato direto e podem chegar a um acordo, sendo que nesses casos as empresas oferecem descontos relevantes e formas diferenciadas de pagamento, facilitando ao consumidor a quitação da dívida e a remoção do nome na lista do Serasa. E em alguns casos todo o processo da negociação pode ser feito pela internet, até mesmo a emissão dos boletos já com os descontos.

O Super Feirão Limpa Nome se configura em uma forma inteligente de negócio, que beneficia todas as partes envolvidas no processo, pois com o nome “limpo” o consumidor não passa mais a ter restrição de crédito, podendo realizar novas aquisições ou negociações em bancos. Já as empresas credoras, por sua vez, não ficam com o prejuízo financeiro.

Se você está com o seu nome negativado no Serasa Experian, não perca a oportunidade de limpar o seu nome. Acesse e site e saiba mais informações.

Sirlene Montes


Manter as contas em dia depois de perder o emprego requer disciplina e cuidados. Confira aqui algumas dicas do que fazer nesta situação.

A economia brasileira vive uma fase muito delicada, o desemprego já alcançou sua maior taxa em oito anos e a previsão de inflação para os próximos meses é iminente, então se você já sente os efeitos da atual recessão econômica, leia esta matéria e confira dicas preciosas para manter o seu orçamento em dia, mesmo estando fora do mercado de trabalho.

Faça uma avaliação minuciosa de sua atual situação financeira:

Depois do choque de ficar sem emprego, é necessário reunir a família e fincar os pés no chão. Aceitar a nova realidade e se unir com as pessoas que convivem com você. Faça uma reunião familiar e descreva todas as suas despesas. Estabeleça suas despesas fixas (despesas de sobrevivências como: água, luz, alimentação, etc.) e despesas variáveis (telefone, tv a cabo, combustível, etc.). Calcule os valores e tenha em mente o montante necessário mensal para você sobreviver com sua família.

Defina o novo padrão de vida:

Estabeleça a quantia mensal ideal para você viver mensalmente com sua família. É importante ter em mente a quantia mensal que deverá ser desembolsada para que você mantenha o seu padrão de vida a partir da nova realidade. Você deverá cortar despesas, vai ser um momento difícil, porém, acredite que será temporário e que essas atitudes serão necessárias para a manutenção da saúde financeira da família.

Defina a sua reserva de emergência:

Não é aconselhável utilizar os valores recebidos na quitação para o pagamento de dívidas contraídas quando se estava empregado. O ideal é manter um montante guardado de no mínimo seis meses, que garanta o sustento de sua família durante o período em que estiver sem receber receita de nenhuma fonte.

Não utilize cartão de crédito e nem cheque especial:

Utilizar cheque especial e cartão de crédito são atitudes muito arriscadas em tempos de crise. Praticamente se torna inviável, pois os juros são os maiores do mercado, principalmente o do cheque especial. Prefira pagar tudo no dinheiro vivo e evite contrair dívidas com coisas supérfluas que não agregam valor em sua vida nesse momento tão delicado.

Além das dicas acima, não se desespere, encare a realidade com serenidade e acredite que será passageiro. A união da família nesse momento é muito importante, então economize e busque formas alternativas de contrair novas receitas, faça pesquisa na internet, assista vídeos, se matricule em cursos e converse com pessoas que possam oferecer oportunidades de trabalho.

Por Rodrigo da Silva Monteiro


Confira aqui algumas dicas de como renegociar a sua dívida e limpar seu nome no comércio.

Contas atrasadas. Quantas pessoas que você conhece dentro da sua família e no seu círculo de amizades que não contam com esse problema? Bom, uma notícia boa é que você tem chance de fazer uma renegociação para que o pagamento seja feito da melhor forma para o seu bolso.

Pesquisa:

O primeiro de tudo é verificar os seus débitos que não estão em dia. Caso necessite de um auxílio, peça a alguém de confiança para ajudar nessa tarefa. Você deverá separar as dívidas que contam com maior valor ou aquelas que apresentam os juros mais elevados.

Depois deste primeiro passo, o indivíduo deverá fazer as contas para observar o quanto de dinheiro dispõe para que pague essas contas que serão renegociadas. Vale ressaltar que você deve considerar as despesas que já são fixas no seu mês.

A proposta:

Quando você vai renegociar uma dívida, a calma é uma das coisas mais importantes. Não se deve aceitar, caso não seja bom para você, a primeira proposta que o seu credor oferece. A pessoa deverá expor qual a condição financeira do momento para que uma solução seja encontrada.  

Se você observar que a conta nova não será possível arcar com o dinheiro que recebe atualmente, não assuma essa renegociação.

O fator primordial depois de uma renegociação é que você cumpra os prazos até o último pagamento desta nova dívida.

O planejamento:

Para que seu nome seja retirado do cadastro de pessoas inadimplentes, a legislação do Brasil dá conta que isso deverá ser feito em até cinco dias úteis depois que o pagamento da dívida aconteceu, ou então, da primeira parcela da sua renegociação.

Seu nome agora pode estar limpo, porém, isso não deve ser tido como um incentivo para que uma nova dívida seja feita, pelo contrário. Faça tudo com muita atenção e evite comprar parcelado.

Feirão Limpa Nome de Novembro:

São mais de 57 milhões de pessoas que contam com dívidas em atraso no Brasil e que poderão renegociar as suas dívidas. O evento do Serasa Consumidor acontecerá em São Paulo de 24 a 28 de novembro e no Rio de Janeiro de 03 a 07 deste mês


É cada vez maior o número de brasileiros que não conseguem manter suas contas em dia, e o atual momento econômico do país tem contribuído bastante para este fato.

De acordo com informações do Banco Central (BC), hoje no Brasil 45,88% da renda anual das famílias está comprometida para a quitação de suas dívidas. Deste percentual, 11% da população possui débitos em atrasados com o cheque especial e cerca de 39% dos consumidores têm dívidas com o crédito rotativo do cartão de crédito.

Estas dívidas em atraso, tanto com o cheque especial quanto no cartão de crédito, acabam se tornando verdadeiras bolas de neve, pois os juros praticados pelos bancos e administradoras de cartões de crédito são extremamente elevados e os consumidores não conseguem se livrar destes débitos facilmente.

No mês de novembro 2014, o Serviço de Proteção ao Crédito – SPC registrou uma elevação nos índices de inadimplência entre os consumidores. Esta alta representa um percentual 3,37% maior que em novembro de 2013.

Atualmente, são 55 milhões de consumidores brasileiros que estão com contas em atraso, segundo fontes do SPC Brasil.

Para a economista chefe da entidade, as causas que mais contribuem para o avanço da inadimplência no Brasil estão ligadas à alta na taxa de juros, a alta da inflação, o fraco desempenho econômico que assola o país e a falta de confiança da população na economia.

E um dos fatores que podem contribuir para a diminuição das taxas de inadimplência em médio prazo é, exatamente, a falta de confiança que os consumidores estão sentindo em relação à economia hoje, pois, desta forma, a população está reduzindo seus gastos e têm optado por não fazerem parcelamentos de longo prazo, devido a este cenário de insegurança gerado pela economia.

Em uma pesquisa realizada com 2 mil pessoas pelo Boston Consulting Group – BCG, que foi baseada em dados do último Censo realizado pelo IBGE, percebe-se que, além da desconfiança com a economia, os consumidores estão mais dispostos a quitarem suas dívidas e que pretendem diminuir suas despesas em 2015, pois, mesmo com o aumento salarial que acontecerá a partir de janeiro desse ano, estes entrevistados creem que o valor dos seus salários não terá a mesma capacidade de aquisição de antes.

A pesquisa do BCG mostrou também que os entrevistados estão com uma consciência maior sobre a importância de se economizar neste momento, tanto para se prevenirem contra crises econômicas ainda maiores que as enfrentadas atualmente, quanto para fugirem das altas taxas de juros dos financiamentos e dos crediários.

Esta mudança na conduta dos consumidores já foi sentida no comércio neste final de ano com relação às compras de natal, onde o nível das vendas foi o menor registrado dos últimos 11 anos.

Por André F.C.

Foto: divulgação


Por mais que você não goste muito de falar sobre dinheiro e finanças e que esse assunto não faça parte da sua realidade, saiba que a tranquilidade financeira (ou a falta dela) é um fator muito impactante na carreira profissional e na vida pessoal.

Alguns padrões de consumo dos jovens ainda não estão completamente estabelecidos e bem resolvidos em suas vidas. O entendimento de processos financeiros está longe de ser uma preocupação desse público, que sempre costuma se ocupar mais com gastos do que com investimento de dinheiro.

O mau uso do dinheiro provoca um estrago na carreira e na vida pessoal, e isso costuma ser maior do que se imagina. Pessoas financeiramente insatisfeitas não encontram motivação nenhuma no trabalho e acham saída em uma situação econômica menos irregular. A pessoa vive em um estado de ansiedade e muitas vezes as dívidas só tendem a aumentar. Há um imediatismo muito grande por conta do êxtase permanente, tornando o indivíduo um escravo da privação e da frustação. 

De acordo com uma pesquisa realizada recentemente pela Cia de Talentos com 35 mil jovens, verificou-se que os que estão iniciando agora no mercado de trabalho estão melhorando a forma de como encarar o dinheiro. 

Antes era comum vermos jovens gastando seu dinheiro em compras, festas ou viagens, bem como também vestindo roupas novas e caras semanalmente e gastando mais de R$ 100,00 quando saem para diversão noturna.

De alguma maneira, isto não está errado, desde que não se torne um problema e traga noites mal dormidas de grande preocupação. Existe ainda a falta de interesse em investir em educação e cultura, por exemplo, pois não sabem o valor de investir em um capital intelectual, como cursos ou estudo de idiomas, pois experiências internacionais são fatores que podem propiciar estabilidade financeira no futuro.

A melhor dica, com certeza, é consumir de forma consciente, dosar os gastos excessivos e planejar o futuro.

Foto: Getty Images

Por Daniela Almeida da Silva


Para atingir as suas metas e realizar tudo aquilo que planeja, é essencial que as pessoas diminuam os gastos com itens desnecessários. Essa não é uma tarefa nada fácil e para isso sugerimos algumas dicas para que você controle suas finanças e consiga alcançar aquilo que espera.

  1. Entenda os seus gastos: Entender os motivos que faz com que você gaste mais é um bom passo para iniciar a resolução do problema. Analise os principais gastos, se são consumos relacionados ao prazer emocional ou se são realmente necessários.
  2. Controle seus gastos: Realizar anotações sobre as suas compras podem facilitar o controle total dos seus rendimentos, por isso, anote tudo que compre.
  3. Considere as parcelas como um gasto único: Contabilize em suas anotações o gasto total no mês referente à compra, para não ter sustos posteriores.
  4. Compreenda que os lucros virão depois: Entender que precisa economizar agora para atingir as suas metas futuras é um dos principais pontos para não gastar demais.
  5. Não gaste nada agora: Pesquisar e economizar podem gerar excelentes compras se o planejamento for feito de maneira adequada.
  6. Guarde o dinheiro no início do mês: Para que você não tenha surpresas até o próximo pagamento, é interessante segurar um pouco o dinheiro no início do mês e gastar apenas com as prioridades.

Seguindo estes poucos passos é possível que sua vida financeira se estabilize em breve e os gastos demasiados não sejam tão recorrentes, para isso, um bom planejamento e dedicação às finanças pessoais podem gerar boas expectativas no final de tudo.

Por Jeana Barreiro


A empresa Vagas Tecnologia anunciou uma pesquisa que aponta quem um em cada quatro trabalhadores busca um emprego temporário para pagar dívidas. Os dados são sobre os currículos cadastrados em sua base de dados.

De acordo com a pesquisa, cerca de 59% dos trabalhadores que buscam empregos temporários já tem outra fonte de renda fixa. Estes profissionais estariam à procura de uma renda extra para conseguir quitar dívidas acumuladas.

Esses dados estão em consonância com as análises sobre o grau de endividamento das famílias brasileiras. De acordo como informações do Banco Central, cerca de 22,44% das famílias no Brasil estão comprometidas com o pagamento de dívidas. Entre julho e setembro, o grau de inadimplência dos contratos de empréstimo realizados no país ficou em 7,9%.

Fernanda Diez, da Vagas Tecnologia, afirma que houve uma mudança no perfil dos candidatos aos empregos temporários. Segundo ela, anteriormente essas vagas de trabalho eram buscadas por pessoas que não tinham uma renda fixa, ou seja, estavam desempregas e buscavam obter alguma renda com as oportunidades de trabalho no final do ano. Agora, os candidatos estão mais interessados em arrumar uma complementação em sua renda já existente.

Esses candidatos que já possuem renda fixa geralmente tendem a buscar empregos temporários em setores com horários flexíveis de trabalho, como no setor de comércio e de serviços.

Fonte: O Estado de São Paulo

Por Matheus Camargo


Segundo informações publicadas pelo Banco Central nesta terça-feira, dia 30 de outubro, a dívida líquida do setor público ficou estável em 35,3% do Produto Interno Bruto no mês de setembro deste ano. As dívidas líquidas do Governo Federal, dos Municípios e dos Estados Brasileiros, ficaram em R$ 1,534 trilhões.

Na comparação com a dívida líquida do ano de 2011, esse resultado apresenta uma redução de um ponto percentual do produto interno bruto. Ainda de acordo com as informações do Banco Central, a redução da dívida líquida do setor público foi ajudada pela realização do superávit primário no período. O superávit das contas do governo é o montante de dinheiro economizado pela administração pública frente sua arrecadação fiscal e o conjunto de seus gastos. O Banco Central notificou ainda que a trajetória de queda da taxa cambial em 8,3% neste ano contribuiu ainda para redução do montante da dívida.

De acordo com a nota do BC, a dívida bruta total da União (que conta com o Governo Federal, Estados e Municípios) está em R$ 2,542 trilhões. Este valor representa um percentual de 58,5% do Produto Interno Bruto brasileiro.

Fonte: Diário do Grande ABC

Por Matheus Camargo


Segundo dados apresentados pelo Banco Central nessa segunda-feira, dia 22 de outubro, a Dívida Pública Federal suportou em setembro um aporte de R$ 21,1 bilhões ao Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal. O dinheiro saiu dos cofres do Tesouro Nacional e foi realizado com a compra de título públicos. A Caixa recebeu R$ 13 bilhões e o Banco do Brasil ficou com R$ 8,1 bilhões.

O objetivo da operação teria sido a disponibilização de mais recursos aos bancos para aumentar sua oferta de crédito. O Tesouro realizou em setembro a emissão de R$ 23,68 bilhões, acumulando um resgate líquido de R$ 115,11 bilhões no ano de 2012.

A participação de investimento estrangeiro na Dívida Pública Mobiliária Federal, com a compra de títulos públicos, aumentou em 0,8% entre agosto e setembro desse ano, alcançado a fatia de 13,42% de participação. As instituições financeiras aumentaram sua participação também, agora contam com 30,08%. Essas instituições tinham uma participação na Divida Pública Federal de 28,85% em agosto.

O Governo Federal diminuiu a sua participação nos títulos da dívida pública e agora detém 7,97% do total contra 8,08% em agosto. Na mesma tendência, os fundos de investimento deixaram sua participação de 25,24% para 24,28% em setembro.

Fonte: Estado de Minas

Por Matheus Camargo


De acordo com uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), em parceira com o SPC Brasil, o número de consumidores inadimplentes apresentou a segunda alta consecutiva. O aumento chegou a 0,97%, quando comparado os meses de fevereiro de 2012 e 2011.

Segundo a Confederação, a pesquisa revela uma situação persistente de endividamento por parte da população nesses primeiros meses do ano.

Ainda segundo a instituição, duas variantes contribuíram para essa situação. A primeira variante corresponde à combinação das altas taxadas de juros e da retirada de incentivos para o consumidor, essa medida estava em vigor até meados do ano de 2011. A outra variante aconteceu no segundo semestre do ano passado, quando o crescimento econômico do país foi considerado abaixo do esperado devido à crise que atinge países europeus, ou seja, o agravamento da crise econômica mundial.

Outro ponto abordado pelo estudo foi com relação às vendas a prazo, que apresentaram uma queda superior a 5%, quando comparados os meses de fevereiro e janeiro desse ano.

Uma boa notícia para o setor foram os números referentes aos cancelamentos de registros, esse índice mede o crédito e sua recuperação no segmento de varejo. De acordo com o estudo, esse número foi positivo e fechou o mês com alta de 0,27%.

Por Joyce Silva


Nesta terça-feira, 16 de novembro, o Procon de São Paulo está lançando um programa para auxiliar os consumidores que estão com superendividamento.

As pessoas que se enquadram no caso poderão ir até um dos postos de atendimento do órgão, onde receberão preparação psicoeducacional para audiências coletivas, as quais serão realizadas pelo Tribunal de Justiça, através do setor de conciliação.

O projeto piloto para ajudar os superendividados na renegociação de suas dívidas junto aos credores terá uma duração de total de cinco meses, e uma capacidade de atender cerca de trezentos consumidores. A previsão de início de atendimento é para o mês de dezembro deste ano.

Por Elizabeth Preático


A dívida é uma questão de reflexão. O credor paga com dificuldade, deixa de pagar por estar desempregado ou por má fé. O recebedor acredita ser a vitima, afinal foi quem arcou com o prejuízo e na ânsia de receber ao invés de facilitar, dificulta, cobrando mais juros.

E nesta situação já bem complicada, entra uma terceira pessoa para mediar o acordo. Certamente, receberá pelo serviço e o valor da divida, que nem foi paga, aumenta mais um pouco. Sem sucesso na mediação, vão se agregando a situação insultos e difamações entre as partes. Por fim, chega ao judiciário, que decreta a sentença e encerra-se o caso.

E no caso dos políticos? Como será esta reflexão? Se nem a própria dívida que, muitas vezes, se dá pela posse indevida de dinheiro público, como cogita a hipótese de determinar se uma empresa ao contratar um trabalhador poderá, legalmente, consultar se este possui ou não restrições ao crédito?

Por Patricia Gujev

 





CONTINUE NAVEGANDO: