Confira dicas do que pode fazer para ganhar dinheiro pela internet em 2019.

Ganhar dinheiro online é um fato. O erro está em achar que isso é uma tarefa fácil e que, do dia para a noite, rios de dinheiro surgirão na sua conta bancária. Se você tem disposição para trabalhar duro e paciência para ganhar seus primeiros reais, neste post mostraremos as formas mais viáveis de ganhar dinheiro online em 2019.

Ganhe dinheiro com blog

A forma mais comum de ganhar dinheiro na internet em 2019 é criando e administrando blogs. Trabalhar com blog pode ser muito prazeroso, mas é um emprego como qualquer outro e exige muita dedicação e trabalho duro. Para quem está começando do zero, o caminho até que o blog conquiste o gosto do público é longo. Além disso, o retorno também não é imediato, pois o blogueiro precisa alcançar uma grande quantidade de acessos. Para isso, o primeiro passo é apresentar um conteúdo de qualidade, algo que desperte o interesse e a fidelidade do público-alvo.

Após escolher sobre o que vai escrever, o blogueiro precisa decidir qual a plataforma utilizar para criar o seu diário virtual. A plataforma mais usada atualmente pelos blogueiros é o WordPress, que além de ser gratuita, é muito fácil de ser manuseada.

O último passo é crucial para transformar um blog em um empreendimento. Depois de dar "vida" ao blog, é hora de monetizar e começar a ganhar dinheiro de verdade. A melhor maneira de gerar receita para um blog é através de publicidade. Isso mesmo! As empresas pagam pela exposição de seus anúncios em blogs com grande tráfego de usuários. Para quem está começando e ainda não tem autonomia para oferecer espaço publicitário diretamente, o Google Adsense é uma ótima opção.

O Google Adsense funciona de um jeito bem simples. As empresas pagam um valor para o Google e este, por sua vez, repassa um percentual desse valor aos blogueiros que optaram por usar anúncios do Google Adsense em suas páginas. Para utilizar o Google Adsense em seu blog, basta criar uma conta e configurar os anúncios de preferência. Depois, copie e cole o link das propagandas nos espaços onde deseja que apareçam. Você receberá pelos cliques que os usuários fizeram nesses anúncios a partir de seu blog.

Aposte na venda de e-books

Os infoprodutos estão ganhando muita popularidade na internet. Com a correria diária, as pessoas estão buscando por novos meios de aprendizagem. Se você tem um bom nível de conhecimento em determinado assunto, você pode transformar isso em uma forma de ganhar dinheiro na internet em 2019. Porém, a criação de um curso virtual demanda muita técnica e pode exigir muito tempo. Além disso, não basta se tornar um expert em uma área específica, é essencial saber repassar esse conhecimento de forma clara, objetiva e de maneira que prenda a atenção do seu expectador.

Seja um redator freelancer

Ser um redator home-office é outra possiblidade de ganhar dinheiro na internet em 2019. Esse é um modo interessante de trabalhar porque você não precisa ter um blog próprio. Além de fazer seu próprio horário e escrever somente sobre assuntos de seu interesse, ser um redator também fará você ganhar dinheiro na internet em 2019. No entanto, se você quiser viver de freela terá que trabalhar muito. Vale lembrar que, para ser um bom redator, é imprescindível ter alguma noção de SEO. A boa notícia é que existem muitos cursos online, alguns até concedem certificado e são de graça.

Trabalhe duro

O único jeito de ganhar dinheiro na internet em 2019 é trabalhando muito. Ganhar dinheiro online, de forma fácil, pode até ser possível em alguns casos, mas a busca por esses meios é o que faz muita gente cair em ciladas. Desconfie de promessas vantajosas e que exijam pouco de você. Lembre-se que a dedicação e a paciência são elementos primordiais para quem deseja se destacar e ganhar dinheiro na internet em 2019.

Por Katia da Silva

Internet


Confira aqui algumas dicas para melhorar a organização de suas contas.

O final de ano se aproxima e isso é sinônimo de aumento de gastos para a maioria dos Brasileiros. Nessa época do ano, as pessoas começam a se preparar para as festas, compram presentes para amigos e familiares, roupas para usar no Natal e Ano Novo, investem na reforma da casa, entre outros gastos. Em muitos casos, esses gastos excedentes acabam indo parar na fatura do cartão de crédito, ou pior, novos empréstimos são contratados, o limite do cheque especial vira opção ou dívidas importantes são deixadas de lado.

Para não cair nas armadilhas de final de ano e acabar gastando mais do que ganha, é preciso ter muita cautela. Ainda mais quando o comércio se organiza para atrair a atenção de potenciais compradores, oferecendo vantagens, promoções e liquidações que podem fazer o consumidor perder o foco e o controle das finanças. Se você quer saber como se organizar de forma a começar 2019 no azul, acompanhe nossas dicas e veja como manter o orçamento na palma das mãos.

Organizando a vida financeira

Não é muito difícil encontrar pessoas que não têm ideia de quanto gastam por mês. A água e chocolate comprados no trajeto de casa para o trabalho, a cerveja ou refrigerante com os amigos no fim do expediente e a pizza com a família aos finais de semana compõem a lista de despesas não contabilizadas durante o mês. A maioria das pessoas costuma anotar apenas as despesas mais básicas, como a conta de luz, água e internet, por exemplo. Esse costume configura erro, pois, os pequenos gastos podem se transformar em valores exorbitantes quando calculados.

A solução para manter tudo em ordem é colocar na planilha todos os gastos, pequenos ou grandes. Após somados, eles precisam ser debitados da quantia líquida arrecadada por mês e o saldo final precisa ser positivo. Se ao contabilizar você perceber que só conseguirá pagar o valor mínimo das compras com o cartão de crédito, deixando parte da dívida para o mês seguinte, sentimos informar que seu orçamento não fecha e, talvez, a solução seja deixar de fazer compra com essa modalidade de pagamento. Na dúvida prefira pagamentos em dinheiro, mas somente se estiver sobrando. Tentar não cair na ilusão do cheque especial é outra dica importante.

Cartão de crédito não significa mais dinheiro

Algumas pessoas entendem o cartão de crédito como complemento de renda. É essa mentalidade que leva o consumidor a ir ao supermercado e utilizar o crédito como forma de pagamento, por exemplo. É preciso entender que os gastos com alimentos se repetirão todos os meses, portanto, se houver necessidade de usar a modalidade de crédito, evite parcelar, deixando parte da dívida para o mês seguinte.

Segundo especialistas, cerca de 40% da renda mensal é gasta com a compra de alimentos e esse valor deve estar incluso no orçamento mensal. Se o valor destinado às compras de mês não for suficiente, o ideal é rever a lista de compras e evitar o que for dispensável. Refrigerantes, salgadinhos e aperitivos podem ser deixados de lado, nesse caso. Se houver a possibilidade de mudar para uma marca mais barata, mas com qualidade similar, não hesite em mudar. Outra opção é ir atrás das promoções agendadas que alguns mercados fazem e, quem sabe, ir em mais de um supermercado ou ir também no dia das promoções mais vantajosas.

Imponha limite ao orçamento

Como já ressaltamos, a planilha de gastos é a única forma de saber se seu salário cobre todas as despesas. Feito isso, você poderá saber onde você pode reduzir gastos ou em que área você pode investir mais dinheiro.
Se você planeja viajar no final do ano, determine previamente um valor para gastar enquanto estiver viajando. Isso evitará surpresas e aperto financeiro ao retornar. Além disso, você precisa estar ciente que a chegada de um novo ano é sinal de reajuste. Aumento na mensalidade do colégio ou da faculdade e até mesmo reajuste nos serviços prestados por companhias de água e luz precisam ser previstos antes de gastar demais no passeio.

Não há nada de errado com as lembrancinhas

Se você já anotou, somou e debitou todas as despesas do salário e descobriu que precisa mesmo economizar, comece a cortar despesas imediatamente. Se a intenção é presentear os entes queridos nas festas de final de ano, considere dar apenas lembranças ao invés de presentes muito caros. No entanto, se você está com o orçamento estourado, o ideal é descartar os mimos esse ano.

Boas marcas também entram em liquidação. Através do site da sua loja preferida você pode pesquisar as opções de roupas e montar um look para o fim de ano gastando menos. Ir à loja tendo em mente o que procura ajuda a evitar o excesso na hora da compra. Dá para se vestir bem gastando pouco e a internet pode ser sua aliada nesse momento.

Tome medidas radicais

Se é tempo de radicalizar, radicalize. Ruas e edifícios comerciais são uma tentação nessa época. Esses locais estão sempre tumultuados e repletos de promoções irresistíveis. Portanto, se houver a possibilidade de trocar o trajeto, mude. Você pode guardar uma pequena quantia em dinheiro na carteira somente para emergências, evitando carregar muitos cartões e se tornar presa fácil na hora da tentação.

Em tempos de crise, o consumidor precisa policiar as finanças rigorosamente. O ideal é tentar pagar todas as dívidas ou boa parte dela. Renegocie, se houver essa possibilidade. Reserve uma parte da renda para possíveis despesas, compra de remédios, por exemplo, e pense no décimo terceiro salário como um dinheiro extra e não como parte do orçamento, mas, se precisar, use para quitar as dívidas e começar 2019 no azul.

Por Nanny Cunha


Se o funcionário pediu demissão, chegando a fechar um acordo com a empresa onde trabalhava, ele terá direito a sacar parte do FGTS, que é de 80% do valor que consta na conta.

Antigamente, quem pedia demissão do emprego perdia muitos benefícios, entre eles o direito de sacar o FGTS, mas os anos foram passando, as leis foram mudando e hoje a realidade é um pouco diferente. Os trabalhadores precisam sempre acompanhar estas mudanças, para não deixarem para trás alguns de seus direitos.

Pela nova lei trabalhista, 13.467/2017, se o funcionário pediu demissão depois de 11 de novembro de 2017, chegando a fechar um acordo com a empresa onde trabalhava, ele terá direito a sacar parte do FGTS, que é de 80% do valor que consta na conta. Importante ressaltar que esse 80% é referente ao valor do Fundo de Garantia na data do débito, tendo direito ainda a 20% da multa do FGTS. Como muitos trabalhadores ainda não sabem disso, a demissão acaba se tornando bem mais complicada do que deveria.

Não existe mais aquela regra de que, quem pede demissão nunca mais poderá sacar o FGTS, hoje em dia não é bem assim. Em várias situações é permitido o saque do valor, por exemplo, na aposentadoria e até mesmo quando o cidadão decide comprar a casa própria. Outra situação onde o FGTS pode ser sacado é quando o trabalhador é diagnosticado com câncer ou Aids.

Outra situação onde o trabalhador ainda pode retirar o valor que tem depositado em seu FGTS, é quando ele está afastado do mercado de trabalho há pelo menos 3 anos consecutivos, neste caso ele poderá retirar o dinheiro. Será preciso ter em mãos a Carteira de Trabalho, uma cópia das folhas de rosto e verso, além da página do contrato comprovando que realmente houve o desligamento da empresa e também cópia de todas as páginas onde está comprovando a inexistência de um vínculo por 3 anos seguidos. Também é preciso apresentar documento de identificação, comprovante do PIS/PASEP e também a inscrição de contribuinte individual junto ao INSS, caso seja empregado doméstico e não cadastrado no PIS.

Importante detalhar que se o funcionário pedir demissão, mas não fizer nenhum tipo de acordo com a empresa, então não poderá efetuar o saque. Havendo o acordo, poderá sacar 80% do valor depositado no FGTS, mais 20% da multa e ainda tem direito a metade do aviso prévio, porém, não poderá dar entrada no Seguro-Desemprego.

No caso do trabalhador ser demitido sem justa causa, tudo continua como antes, ou seja, ele tem direito a sacar 100% do valor depositado no FGTS, a multa de 40% do valor do Fundo de Garantia, recebendo ainda o aviso prévio e o Seguro-Desemprego.

Veja os documentos que devem ser apresentados, no caso do trabalhador que fechou um acordo com o patrão a partir de 11 de novembro do ano passado:

  • Carteira de Trabalho.
  • Carteira de Identidade ou outro documento de identificação.
  • Número de Inscrição no PIS/PASEP.
  • Carteira de trabalho original e cópia comprovando a data da rescisão, que obrigatoriamente deve ter sido após 11/11/2017.
  • Além de cópias autenticadas das atas das assembleias onde estão comprovadas a eleição, reconduções e também fim do mandato, para os casos de diretor não empregado.

O objetivo do Fundo de Garantia do tempo de Serviço é proteger todo trabalhador que seja demitido sem justa causa, sendo que a conta para depósito é aberta de forma vinculada ao contrato de trabalho. Os empregadores devem, sempre no início de cada mês, depositar o valor correto nas contas da Caixa Econômica Federal, sendo que o valor é 8% referentes ao salário do trabalhador.

Estes depósitos mensais vão formando o FGTS e o dinheiro pertence ao trabalhador, mas há regras para o saque, total ou parcial, por isso é tão importante ficar por dentro de todas as mudanças ocorridas na lei. O trabalhador precisa ficar atento para que ao ser demitido, por justa causa ou não, saiba quais são os seus direitos.

Por Russel

FGTS


Veja algumas dicas de como trabalhar em casa, trabalhando com internet.

Estamos chegando ao fim de mais um ano e nessa época é comum as pessoas começarem a se planejar para o próximo ano. Muitos podem ser os planos para o ano novo, mas muita gente planeja arrumar um trabalho novo para ser a sua fonte de renda ou uma renda complementar.

Uma modalidade de trabalho que é nova, mas que já envolve um grande número de pessoas no mundo inteiro e vem crescendo a cada ano é o trabalho pela internet. Afinal, quem não gostaria de trabalhar em casa, sem precisar sair, enfrentar o trânsito muitas vezes caótico, sem um chefe e no conforto de seu lar?

Há pessoas que pensam que este tipo de trabalho não existe, mas elas estão enganadas, em países do exterior, por exemplo, uma grande parcela dos trabalhadores já realizam suas atividades em suas residências, como freelances e o número dessa classe de trabalhadores tem aumentado consideravelmente.

Nesse sentido, se você está querendo uma atividade que lhe dê uma boa renda, o trabalho pela internet é o que você realmente procura.

Veja abaixo algumas dicas de como ganhar dinheiro pela internet:

Venda de produtos novos ou usados: a internet hoje é uma porta aberta para vendas. Os produtos para venda podem ser roupas, calçados, produtos eletrônicos, cosméticos e tudo o que você achar que alguém poderá se interessar. Até mesmo produtos usados têm uma boa saída nesse comércio, desde que estejam em um bom estado de conservação. Uma dica para quem vai começar é utilizar as páginas de suas redes sociais para apresentar seus produtos. Outra página muito visitada é o Mercado Livre que cobra uma pequena comissão pelas vendas feitas e oferece uma grande exposição. Assim, se você ver o que o seu negócio está indo bem, você poderá montar o seu próprio site.

Ser redator para blogs e portais: Se você habilidade para escrever textos uma opção é se tornar um freelancer para blogs e portais, que geralmente oferecem esse tipo de serviço. Existem alguns sites muito conhecidos que contratam freelances para redação e texto de variados assuntos, como a Blogolândia, Prolancer, Busca e Freelas. Encontre um que publique assuntos que você possui interesse e se cadastre. Há também sites que contratam freelances para outros trabalhos como tradução e textos, marketing e vendas, além e outras áreas. Se você se interessou por esse tipo de atividade faça uma pesquisa na internet para buscar pelos sites que oferecem esse tipo de trabalho.

Realizar Testes e Avaliações de produtos: Como o comércio de produtos e serviços é um mercado muito forte, a maioria das empresas contratam pessoas para serem avaliadores de seus produtos. Um site muito conhecido nessa área é o Eu Testei, em que o contratado recebe um produto, testa e revela a sua opinião, sendo recompensado por isso, seja em dinheiro ou por meio de vale-compras como na empresa Carrefour. Se você se interessou acesse o site e faça o seu cadastro.

Youtuber: o Youtube tem se tornado uma grande fonte de dinheiro. Mas para se tornar um youtuber de sucesso é preciso possuir um perfil bem comunicativo, com ideias criativas que chamem a atenção do público. Para ganhar dinheiro com essa atividade seus vídeos devem possuir uma boa quantidade de visualizações e diversos anúncios. Não é um caminho fácil, mas se seus vídeos caem no gosto de uma boa quantidade de internautas você poderá ganhar muito dinheiro. Pesquise no próprio Youtube dicas para ser um youtuber de sucesso.

Enfim, a Internet é uma terra onde todos podem conquistar um espaço e se dar muito bem. Mas antes de qualquer coisa é preciso estar focado em uma atividade e se inteirar sobre tudo o que a envolve a atividade que você deseja seguir. Planeje-se e boa sorte.

Por Sirlene Montes

Ganhar dinheiro na internet


Terão direito ao ressarcimento aqueles poupadores que já integram as ações movidas na justiça, sejam elas individuais ou coletivas dos planos Bresser (1987), Verão (1989), Collor 1 (1990); e Collor 2 (1991).

A questão referente aos poupadores que tiveram perdas consideráveis como resultado dos planos econômicos nas décadas de 80 e 90 pode ser resolvida em breve. Foi feito um acordo com os bancos de modo a encerrar as mais de um milhão de ações judiciais ligadas aos casos. Vale destacar que o valor das indenizações deve superar a casa dos R$ 10 bilhões.

Essa batalha judicial entre bancos e poupadores de cadernetas já acontece há mais de vinte anos. O principal objetivo das ações movidas na justiça é quanto ao questionamento das perdas no rendimento das cadernetas como resultado de quatro planos econômicos entre as décadas de 80 e 90: Plano Bresser (1987), Plano Verão (1989), Plano Collor 1 (1990); e Plano Collor 2 (1991).

Com essa notícia, muitas pessoas foram pegas de surpresa e muitas dúvidas surgiram quanto à resolução desse entrave. A principal dúvida em questão é quanto aos poupadores que terão direito ao ressarcimento. O acordo prevê que só terão direito aqueles poupadores que já integram as ações movidas na justiça, sejam elas individuais ou coletivas. Além disso, os herdeiros dos poupadores que já faleceram e que entraram com processos na justiça também poderão optar por aderir ao acordo com os bancos.

Com isso, fica eliminada a possibilidade de participar do acordo aqueles que não entraram com processos na justiça. A explicação para isso é que o direito de entrar na justiça já prescreveu.

Como será efetuado o pagamento?

Os valores referentes ao acordo serão pagos levando em consideração um cronograma, que ainda está sendo realizado, diretamente ao titulares de ações individuais ou aqueles que participam de ações coletivas.

Ficou acordado que valores pequenos deverão ser pagos de forma imediata. Em contrapartida, os maiores montantes serão parcelados. Também ainda está em negociação o período de parcelamento, sendo que a expectativa é que o mesmo fique entre dois e três anos.

Qual foi o plano que impactou negativamente os meus rendimentos?

O primeiro dos planos, o Plano Bresser, foi laçado ainda no primeiro trimestre de 1987. O mesmo estabeleceu o congelamento por 90 dias, seguido de flexibilização e liberação de salários e preços. O plano também foi responsável por estabelecer o reajuste da poupança com base na Obrigação do Tesouro Nacional (OTN), que estava ligada à inflação oficial. Dessa forma, terão direito a revisão das perdas de rendimentos os brasileiros com poupança e aniversário entre o período de 01 a 15 de junho de 1987.

Anunciado em janeiro de 1989, o Plano Verão determinou o congelamento de preços, criação do cruzado novo além da extinção da ONT e da Unidade de Referência de Preços. Portanto, a atualização do saldo da poupança ficou sob a responsabilidade da Letra Financeira do Tesouro no mês de fevereiro. A perda poderá ser ressarcida por aqueles com poupança com aniversário entre 01 e 15 de janeiro. Vale destacar que este é o plano com mais valores envolvidos nas ações.

O terceiro plano envolvido foi o Plano Collor 1, de 15 de março de 1990. Além fazer do cruzeiro a moeda nacional novamente, esse plano também foi responsável pelo confisco por um período total de 18 meses de valores da poupança e de contas correntes com mais de 50 mil cruzeiros. As ações de ressarcimento levam em consideração os meses de abril e maio de 1990.

O último dos planos, Plano Collor 2, lançado em 01 de fevereiro de 1991, determinou a extinção do mecanismo de indexação da economia bem como o Bônus do Tesouro Nacional.

A expectativa é que o acordo final esteja pronto na segunda-feira, 04 de dezembro de 2017. Com isso, o mesmo será homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e passa a se tornar oficial.

Por Por Bruno Henrique

Poupança


O saque do Pis-Pasep referente ao ano-base 2015 tem o prazo final o dia 28 do mês de dezembro.

Atenção trabalhador brasileiro. Se você trabalhou no ano de 2015 com carteira profissional assinada e ainda não fez o saque do seu PIS/Pasep, fique atento porque o prazo termina no próximo mês de dezembro. Verifique se você possui direito ao benefício e não perca o benefício.

Na última terça-feira, dia 28 do mês de novembro, foi anunciado pelo Ministério do Trabalho o último prazo para sacar o benefício do PIS/Pasep do ano-base 2015.

De acordo com essa informação os trabalhadores que possuem o direito a esse abono salarial cujo ano – base é 2015, têm até o dia 28 do mês de dezembro para comparecerem a uma agencia bancária e realizar o saque do benefício.

Ou seja, restam menos de trinta dias para a retirada do benefício, sendo que quem não sacar seu saldo até esta data não terá mais a oportunidade de fazê-lo, perdendo assim seu benefício, pois o governo já anunciou que não haverá mais nenhum prazo de prorrogação para saques.

De acordo com informações do Ministério do Trabalho, cerca de 1,42 milhão de trabalhadores brasileiros ainda não sacaram seu saldo, o que representa um número bastante alto.

Dessa forma, encontram-se ainda nos cofres públicos um total de R$ 990 milhões para o pagamento do benefício do PIS/PASEP 2015. Os saques serão de valores entre R$79 e R$937, o que é determinado pelo tempo em que o cidadão exerceu atividades em empresa privada ou no setor público.

Desse montante ainda disponível para saque, metade será disponibilizada para a região Sudeste do país, sendo os estados que têm mais saques a fazer, o Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais.

Assim, se você no ano de 2015 trabalhou na iniciativa privada e ainda não realizou o saque de seu benefício, compareça a uma agência da Caixa Econômica Federal ou vá a uma casa lotérica. Agora se você no ano de 2015 trabalhou como servidor público, seu benefício poderá ser sacado em uma agência do Banco do Brasil.

Para sacar seu benefício é preciso estar com um documento de identificação, o cartão cidadão e sua respectiva senha.

Se você ainda tem dúvidas se possui ou não o direito ao abono salarial do PIS/Pasep ano-base 2015, veja se você se enquadra em alguns quesitos.

– É preciso ter prestado serviços com a carteira profissional devidamente registrada pelo período mínimo de 30 dias no ano de 2015;

– No período em que trabalhou formalmente é preciso ter recebido uma remuneração mensal de no máximo dois salários mínimos vigentes;

– O trabalhador também precisa possuir inscrição no PIS, que é o Programa de Integração Social, ou no Pasep que é Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público, pelo período mínimo de cinco anos.

Se sua situação atende aos requisitos citados acima consulte a sua situação no site do Ministério do trabalho no endereço http://verificasd.mtb.gov.br/abono. Para a realização da consulta é necessário preencher um campo com a data do seu nascimento e número de CPF ou de Inscrição no PIS/Pasep.

Também é possível fazer esta consulta através do número do Alô Trabalho, que é 158 ou pessoalmente em um agencia bancária.

A caixa também disponibiliza um número de telefone para que os beneficiários possam obter informações sobre o PIS, basta ligar para 0800-726 02 07.

Já o Banco do Brasil disponibiliza o número 0800-729 00 para os beneficiários do Pasep.

Verifique a sua situação e se possuir direito ao abono salarial do PIS/Pasep não deixe de procurar uma agência bancária e realizar o seu saque. O benefício do PIS/Pasep é um direito do trabalhador, por isso faça valer o seu direito e garanta um extra para o final do ano. Fique atento ao prazo.

Por Sirlene Montes

PIS


O benefício do PIS já pode ser sacado pelos nascidos em novembro.

Está chegando o dia do pagamento do benefício do PIS para quem nasceu no mês de novembro. E muitas pessoas têm dúvidas de quem pode sacar e como proceder para conseguir retirar o valor disponível. Logo abaixo estarão todas as formas de verificar se tem algum valor a receber e quanto será o valor pago:

Quem tem direito de receber o PIS de novembro?

Tem direito a receber o benefício os trabalhadores que são escritos no PIS por pelo menos 5 anos, e que tenham trabalhado por pelo menos 30 dias seguidos no ano passado e que o valor recebido tenha sido de até dois salários mínimos e que tenham nascido no mês de novembro.

Como fazer a consulta e ver se tem direito ao PIS?

Existem 3 formas de consultar se tem direito a sacar o valor do PIS. O primeiro é acessar o site www.caixa.gov.br, lá o trabalhador tem acesso a todas as informações ao PIS e se ele possui algum valor a ser retirado.

A outra forma é ligando para a central de atendimento no seguinte telefone 0800 726 0207 e falar com algum atendente para saber se tem direito a receber o benefício.

Ou pode ir diretamente a alguma agência da Caixa e pedir informação no caixa, é preciso levar os documentos pessoais, principalmente o número do PIS.

Quem é o responsável por pagar o PIS?

Muitas pessoas têm dúvidas de quem é o responsável por fazer o pagamento do PIS todos os anos. O FAT (fundo de amparo ao trabalhador) é o responsável por pagar todos os anos esse benefício aos trabalhadores brasileiros que tem direito ao benefício.

Boa notícia para quem é correntista da Caixa Econômica

Quem tem conta na Caixa Econômica terá o valor do PIS creditado direto em sua conta a partir do dia 14/11. E poderá sacar o valor em alguma casa lotérica, o que torna o processo ainda mais fácil. Para receber o benefício na casa lotérica e preciso ter o cartão cidadão.

Qual será o valor pago no PIS?

O valor do PIS vai variar de R$ 79 a R$ 973 e para saber o valor exato é preciso fazer o cálculo correto. O cálculo é feito da seguinte forma, você vai dividir o salário mínimo por 12 e multiplicar pela quantidade de meses que trabalhou e assim chegar no valor exato que será recebido. Caso tenha alguma dúvida referente a essa conta, você pode ir diretamente em uma agência da Caixa Econômica e pedir que o atendente faça essa simulação para você. Porém, já podemos adiantar que o valor pago pelo PIS nunca será maior que um salário mínimo.

Veja o calendário do PIS

O calendário do PIS se baseia basicamente na data de nascimento do trabalhador, por esse motivo os pagamentos do abono serão feitos até o meio do ano de 2018, com base no ano de 2016.

Como ficará o pagamento do PIS futuramente no Brasil?

Essa preocupação já assombra muitos trabalhadores brasileiros há algum tempo, e a explicação para isso é a grande crise que vem acontecendo no Brasil e as diversas mudanças que vem acontecendo.

O que podemos esperar em relação a esse abono, é que ele tenha um futuro muito promissor e com segurança para os trabalhadores brasileiros. Pois os saldos das contas inativas do FGTS têm uma enorme possibilidade de serem anuais e se isso se tornar uma realidade, os dois benefícios, FGTS e PIS, podem ser pagos ao mesmo tempo, facilitando ainda mais a vida dos trabalhadores e tornando esse pagamento mais simples para a Caixa Econômica.

Agora é só fazer a consulta do PIS e ver se tem algum valor disponível para saque!

Por Cristiane Amaral

PIS


O Governo baixou novamente o valor do salário mínimo para 2018. Antes o estipulado estava em R$ 969, agora está em R$ 965.

Na última segunda-feira, dia 30 de outubro, o Ministério do Planejamento informou publicamente que o governo baixou novamente o valor do salário mínimo previsto para o ano de 2018. Com a decisão, o valor que estava estipulado em R$ 969 passará para R$ 965.

Essa estimativa consta na mensagem modificada relacionada à proposta do orçamento do próximo ano, sendo que essa ainda será enviada para o Congresso Nacional. Na mensagem, o governo informará também a previsão de gastos, sendo essa de R$ 44,5 bilhões.

Salário mínimo no Brasil

Atualmente, cerca de 45 milhões de pessoas recebem o salário mínimo, sendo essa distribuição realizada entre pensionistas e aposentados, cujos benefícios são, em grande parte, pagos pelo próprio governo federal. Sendo assim, uma vez que o salário mínimo será menor, o governo conseguirá economizar em suas despesas com a realização do pagamento dos benefícios.

Como expectativa e com a revisão do salário mínimo, o Ministério do Planejamento prevê uma economia aproximada em R$ 1,2 bilhão.

Como é definido o salário mínimo?

O reajuste do salário mínimo não é feito aleatoriamente, mas sim levando em conta uma fórmula que soma diversos fatores importantes. Sendo assim, a primeira variação é o Índice Nacional de Preços ao Consumidor, o INPC, do ano anterior, calculado esse pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE. Ainda, outro fator é o resultado de dois anos anteriores do Produto Interno Bruto, o PIB.

Com isso, no caso do ano de 2018, será somado o resultado obtido no PIB de 2016, que teve queda de 3,6%, com o INPC do ano de 2017. Esse último somente será conhecido oficialmente no início do próximo ano.

É importante ressaltar que, uma vez que o PIB teve uma retração em 2016, sabe-se que a correção do mínimo do próximo ano somente levará em conta a variação do INPC deste ano. Porém, entende-se que o governo já está prevendo uma variação do INPC menor que aquela estimada anteriormente. Por esse motivo, a correção do salário mínimo no próximo ano deve ser igualmente menor.

O que diz o governo sobre isso

Até o momento do anúncio feito essa semana, o governo fazia uma estimativa de que o INPC teria uma significativa alta neste ano, ficando em 3,5%. Porém, na mensagem modificada feita no orçamento, foi feita uma previsão menor de aumento, sendo essa de 3,1% para 2017. Porém, esse valor ainda poderá mudar nos próximos e últimos meses, conforme a variação do próprio INPC.

Para o Ministro do Planejamento Dyogo Oliveira, esse valor somente poderá ser considerado definitivo no mês de janeiro do ano que vem, quando esse será publicado oficialmente. O mesmo ressalta ainda que as definições que envolvem salário mínimo não estão sendo definidas pelo governo, uma vez que esse não possui qualquer liberdade para fazê-lo, mas sim para previsão de fins orçamentários.

Segunda redução

Sobre a estimativa do salário mínimo para o próximo ano, é importante lembrar que o valor já havia sido reduzido no mês de agosto de 2017, quando o governo baixou a previsão para 2018 de R$ 979 para R$ 969. Na ocasião, a economia estipulada era de cerca de R$ 3 bilhões em gastos.

Outro fato levantado na ocasião foi relacionado à disparidade entre o valor do salário mínimo proposto e o valor considerado necessário, conforme um cálculo gerado pelo Departamento Intersindical de Estatística e de Estudos Socioeconômicos, o Dieese.

De acordo com o órgão, para suprir todas as despesas básicas de uma família composta por quatro pessoas, como saúde, alimentação, moradia, educação, higiene, vestuário, lazer, transporte e previdência, o valor do salário mínimo deveria ser, em julho, de R$ 3.810,36. Porém, esse fato não reflete a realidade, uma vez que o salário mínimo no Brasil é, atualmente, de R$ 937.

Por Kellen Kunz

Dinheiro


Pagamento do PIS para pessoas com mais de 70 anos de idade iniciou em 19 de outubro.

Desde o dia 19 de outubro (quinta-feira), o Governo Federal liberou os recursos do Programa de Integração Social (PIS) ou o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PASEP). Se você quer saber quem tem o direito de realizar o saque e outras informações, confira os detalhes a seguir:

Quem pode sacar?

A antecipação do calendário de saque visa beneficiar os idosos. Aqueles com mais de 70 anos de idade têm prioridade para receber a verba. Eles já podem efetuar o saque desde o dia 19 de outubro.

Os aposentados em geral serão contemplados a partir do dia 17 de novembro (sexta-feira). Já homens acima de 65 anos e mulheres com mais de 62 poderão sacar o montante do PIS/ PASEP a partir de 14 de dezembro (quinta-feira).

Quem possui saldo para resgate?

Apenas são beneficiários aqueles que contribuíram com um dos dois programas, enquanto trabalhavam de carteira assinada, seja em instituições públicas, seja de organização privada, até o dia 4 de outubro do ano de 1988, pois quem passou a contribuir após esse período, não há mais saldo a ser resgatado.

Outro requisito é que os contribuintes com esses fundos não tenham resgatado todo o saldo da conta.

Saque do PIS

Quem possui algum montante do PIS para sacar, deve se dirigir a uma agência da Caixa Econômica Federal. Há 4 formas de retirada:

1) Nos caixas eletrônicos e sem o cartão do banco- para pagamentos de, no máximo, R$ 1,5 mil. É fundamental que o beneficiário digite a senha do cidadão. Caso não lembre da senha, você deve acessar o site da Caixa (servicossociais.caixa.gov.br/internet.do?segmento=CIDADAO01) e clicar "esqueci a senha" e, em seguida, preencher as suas informações pessoais.

2) Nos caixas eletrônicos com Cartão Cidadão ou – para valores até R$ 3 mil. É necessário digitar a senha do cidadão.

3) Nas lotéricas e correspondentes bancários – além de apresentar o cartão cidadão, o cliente deve digitar a senha cidadão e, além disso, apresentar algum documento oficial de identificação com foto.

4) Em alguma agência da Caixa – para valores superiores a R$ 3 mil, o beneficiário deve levar um documento com foto.

Se você é cliente do Banco Caixa, poderá receber o depósito automaticamente na sua conta corrente. Também é possível realizar transferência, sem custos, para quer for cliente de outros bancos. Para isso, é necessário que a conta esteja no nome do beneficiário.

Saque do PASEP

O saque do PASEP deve ser realizado no Banco do Brasil. Aqueles que são correntistas receberam o dinheiro automaticamente em sua conta corrente.

Quem tem até R$ 2,5 mil para sacar, mas não possui conta nesse banco, pode realizar uma transferência para qualquer outra instituição bancária, desde que a conta esteja em seu nome. Essa operação pode ser realizada pela internet (www.bb.com.br/pbb/pagina-inicial/setor-publico/governo-federal/gestao/gestao-de-recursos/pagamento-de-ordens-bancarias,-salarios-e-beneficios/pasep#/) ou nos pontos de autoatendimento.

No caso de correntistas com saldo acima de R$ 2,5 mil, deve ir até uma agência do Banco do Brasil para efetuar o saque.

Mais detalhes

O Governo Federal informa que não há data limite para os saques. O calendário estabelece apenas a data de início da liberação.

Quem for herdeiro de cotistas falecidos pode efetuar o saque do dinheiro a qualquer tempo.

Caso você tenha alguma dúvida que queira esclarecer, pode entrar em contato com o Banco do Brasil ou com a Caixa.

Se você, durante a vida laboral, migrou entre uma instituição pública e outra privada, não precisa ir nas duas instituições bancárias. Com frequência, os bancos atualizam seus dados cadastrais e transferem os montantes do PIS e PASEP, em caso de ter havido essa migração de serviços públicos e privados.

Aquelas pessoas que contribuíram depois de 1988 não possuem mais direito ao saque, uma vez que a Constituição Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Essa verba serve para realizar o pagamento do seguro-desemprego e do abono salarial. Além disso, outra parte desse montante é direcionada ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Por Melisse V.

Pis idosos


Saque antecipado começa no dia 19 de outubro de 2017.

O Programa de Integração Social (PIS) e o Programa de Formação de Patrimônio do Servidor Público (Pasep) são projetos de complementação monetária do governo e estão ativos desde 1988. Esses programas são contribuições sociais que as empresas pagam ao governo federal mensalmente. Uma porcentagem desse valor é retirada da remuneração do trabalhador, com o objetivo de custear benefícios como seguro-desemprego, Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e abonos.

Os trabalhadores que pagaram o PIS/Pasep até 4 de outubro de 1988 e que não retiraram todo o montante tem direito a resgatar o saldo restante, chamado de cota. É possível verificar se existe saldo em seu nome no site do banco responsável. Acesse www.caixa.gov.br/cotaspis se você tem direito ao PIS, ou www.bb.com.br/pasep se você tem direito ao Pasep. As Cotas do PIS podem ser retiradas em casos específicos, como doenças graves, invalidez, aposentadoria ou morte do participante.

Todos os anos o valor do PIS pode ser recolhido pelo trabalhador, desde que este obedeça aos requisitos exigidos, em datas estabelecidas pelo governo. No dia 28 de setembro foram publicadas informações sobre o calendário de saque do PIS/Pasep 2017, que terá início dia 19 de outubro. Esse ano o dinheiro será liberado antecipadamente para beneficiar os idosos. Aproximadamente 7,8 milhões de pessoas terão acesso aos R$ 15,9 bilhões autorizados pelo governo.

Quem tem direito

Terão direito ao benefício homens com idade igual ou maior 65 anos, e mulheres com 62 anos ou mais. Caso o participante tenha falecido, os herdeiros passam a ter direito sobre o montante.

Calendário

De acordo com o calendário disponibilizado no dia 28 de setembro, a partir do dia 19 de outubro poderão realizar os saques homens e mulheres com 70 anos ou mais. No dia 17 de novembro será a vez de homens e mulheres aposentados retirarem seu benefício. Por fim, no dia 14 de dezembro, homens com 65 anos ou mais, e mulheres com 62 anos ou mais já poderão sacar o PIS.

Esse ano, o dinheiro não terá data limite de recolhimento. Depois que for disponibilizado, o benefício continuará disponível para saque e o contribuinte poderá retirá-lo no dia que achar melhor.

Na última edição do PIS, em junho de 2016, o valor médio por participante era de R$ 1.187. Grande parte dos beneficiários tinha direito a pelo menos R$ 750.

Como sacar o PIS/Pasep

O PIS, atribuído aos trabalhadores de empresas privadas, é administrado pela Caixa Econômica Federal. Para sacar o dinheiro ou obter mais informações, os participantes devem se dirigir até esse banco. No caso do Pasep, destinado aos servidores públicos, o gerenciamento é feito pelo Banco do Brasil. Para informações ou saques, o servidor deve comparecer ao banco.

Os beneficiários que possuem conta corrente na Caixa, que tenham direito ao PIS, e os correntistas do Banco do Brasil, que tenham direito ao Pasep, terão os depósitos realizados direto na conta corrente, dois dias antes da liberação oficial do calendário.

Para retirar o dinheiro, o cidadão deve comparecer ao banco com cartão e senha cadastrada, podendo realizar o saque no terminal de autoatendimento ou lotéricas. Caso não possua o cartão para esse fim, é preciso apresentar no banco responsável algum documento de identificação válido, como RG, carteira de habilitação na validade, identidade militar ou passaporte.

Os dois bancos irão realizar transferências bancárias sem cobranças para correntistas de outros bancos. Os participantes que não possuírem conta corrente em nenhum banco deverá solicitar a transferência pessoalmente, pelo caixa eletrônico ou via internet. O dinheiro poderá ser transferido para outra conta individual, com movimentação e saldo, como conta fácil ou poupança, desde que tenha o mesmo CPF do participante.

Para outras informações sobre o PIS/Pasep acesse www.caixa.gov.br ou www.bb.com.br.

Fabio Santos


Governo libera R$ 16 bilhões para saque do PIS Pasep para Idosos 2017.

Após liberar os saques inativos do FGTS, o Governo Federal anunciou que vai liberar o saque do PIS/PASEP para aposentados maiores de 60 anos. A intenção do governo é de injetar na economia mais dinheiro para aumentar a arrecadação de impostos. Quem tiver direito e tiver falecido, pode sacar este fundo por meio de dependentes, gerando assim uma injeção financeira na economia. A medida foi anunciada recentemente pelo governo federal. Pelas regras anteriores, somente pessoas acima de 70 anos poderiam sacar o fundo PIS/PASEP, agora com esta novidade do governo pessoas com 65 anos também vão poder sacar os valores deste fundo que funcionava até o ano de 1988, mediante a contribuição dos empresários e das empresas na época.

Então, se você trabalhou antes de 1988 e tem mais de 65 anos, poderá fazer o saque do dinheiro acumulado ou não deste fundo que foi constituído naquele ano, podendo inclusive fazer uso do dinheiro, para sacar este fundo será preciso e necessário que o trabalhador se dirija até uma agência da Caixa Econômica Federal com documentos e faça o pedido do saque destes valores. Caso o beneficiário deste fundo tenha falecido, então quem tem direito a este fundo é o dependente do trabalhador em questão, os saques vão ser liberados a partir de Outubro de 2017, então já vá se preparando para fazer o saque de sua conta PIS/PASEP. O governo federal estima liberar 16 bilhões de reais que serão injetados na economia brasileira.

E quem trabalhou após o ano de 1988?

Após o ano de 1988, os trabalhadores deixaram de ter contas individuais do PIS/PASEP e os recursos passaram a serem utilizados para o pagamento de despesas com seguro-desemprego, por meio do FAT (Fundo de Amparo do Trabalhador), portanto, quem trabalhou depois de 1988, não tem direito aos ganhos com o fundo PIS/PASEP, sendo que esta medida não se aplica ao caso deste trabalhador de forma específica, então se você trabalhou depois de 1988, então não tem nenhum direito sobre estes valores, a menos que você seja dependente de algum trabalhador que trabalhou antes de 1988, neste caso sim você terá direito e sim você pode sacar estes valores, desde que este trabalhador tenha falecido, caso esteja vivo não tem nenhum direito.

Até aqui, somente em alguns casos como, por exemplo, aposentadoria e morte, a pessoa ter mais de 70 anos é que se podia fazer o saque desta conta, outro caso também que era permitido era para o caso de pessoas com câncer ou mesmo portadores do vírus HIV e em caso de benefícios concedidos por meio de LOAS, somente para estes casos é que ainda é permitido que se faça uso deste beneficio, mas a partir de Outubro você poderá sacar os seus benefícios estando inclusive com mais de 65 anos, além destes casos que foram citados.

Devo ir na agência?

Por enquanto, a única informação que se tem, é que o governo anunciou esta medida, mas ainda não liberou estes valores, pois precisa ser liberado o cronograma de pagamentos, como foi feito no caso de contas inativas do FGTS, assim também será feito em casos de contas inativas do PIS/PASEP, portanto, de nada adianta você ir agora na Caixa Econômica Federal, pois ainda não tem nada liberado, o que existe é o anúncio do governo federal de liberar estes valores em Outubro de 2017, mas sem data estimada.

Uma dica importante é que você providencie os documentos para fazer o saque dos valores desde já, pois se deixar para última hora você pode enfrentar dificuldades, além de ter que arcar com diversas questões, então recomenda-se que se providencie, desde já, a documentação necessária para que você possa fazer seu saque de forma mais tranquila possível, outra dica é que você busque por fazer tudo sem ajuda, não peça ajuda a nenhum estranho ou desconhecido.

Andre Luis de Jesus Fonseca


Saiba aqui o que é e as principais diferenças entre o Depósito DOC e TED.

Com o avanço da tecnologia nas últimas décadas, algumas tarefas como, por exemplo, transações financeiras, se tornaram cada vez mais comuns e simples. Dessa forma, é bastante comum hoje em dia usuários em todo o mundo optarem pela Transferência Eletrônica Disponível (TED) ou Documento de Ordem de Crédito (DOC) quando o assunto é transferir dinheiro de sua conta para outra conta que pertence a um banco diferente do seu. Apesar de ser algo presente na vida das pessoas, muita gente ainda não sabe diferenciar exatamente estes dois tipos de operações.

A Transferência Eletrônica Disponível, ou simplesmente TED, permite com que o cliente do banco possa fazer transferências para contas de outros bancos sem nenhum limite de valor pré-estabelecido. Vale destacar que antes de janeiro de 2016, quando entrou em vigor a nova regra, os usuários que optavam pelo TED deveriam fazer transações entre R$ 250,00 e R$ 30.000,00.

Dentre as principais vantagens do TED, não podemos deixar de destacar o fato de o dinheiro ser depositado na conta destinada minutos depois de a operação ser confirmada. Isso ocorrerá desde que a transferência seja realizada antes das 17h00. Caso contrário, o agendamento do TED implicará no depósito do valor na conta apenas no dia seguinte.

O Documento de Ordem de Crédito, ou DOC, é uma transação financeira com limite superior pré-estabelecido: R$ 4.999,99. Assim como o TED, o DOC é destinado aos usuários que desejam depositar ou transferir dinheiro para uma conta pertencente a um banco diferente do seu. Sendo restrito apenas para instituições devidamente autorizadas pelo Banco Central, o DOC é depositado na conta do destinatário no dia útil seguinte a operação, caso a transação em questão tenha sido confirmada até às 21h59. Do contrário, o valor será depositado apenas no segundo dia útil ao da realização da transação.

Diferença entre as duas operações

A grande diferença entre o DOC e o TED é de fato o tempo para que o dinheiro seja depositado na conta desejada. Além disso, como destacados nos parágrafos acima, o valor a ser depositado também diferencia as duas operações: o DOC é restrito a transações de valores até R$ 4.999,99, sendo que o TED, depois de passar por mudanças, não dispõe de valores mínimos ou máximos para que a operação seja efetuada.

Onde as transações via DOC e TED podem ser realizadas?

Outro detalhe bastante interessante quanto a esses dois serviços é que ambos podem ser feitos através de agências presenciais ou virtuais. Dessa forma, o usuário pode efetuar o DOC ou o TED através de sua agência física, utilizando o serviço internet banking, postos eletrônicos de autoatendimento ou por meio do aplicativo de seu banco.

A opção por meio do aplicativo do banco ou através do internet banking vem se tornando bastante popular. Além da praticidade e maior rapidez na conclusão do serviço, as taxas cobradas pelo serviço costumam cair pela metade quando o mesmo é realizado pela internet.

Melhores horários para realizar o TED

Se efetuado num determinado horário, o TED será depositado na conta desejada no mesmo dia da transação, em questão de minutos. Por isso, é importante saber os melhores horários para realizar tal transação. Vale destacar que o horário varia bastante de acordo com o banco do usuário. Confira aqui os principais bancos e seus respectivos horários para o TED seja concluído no mesmo dia:

  • Caixa Econômica Federal: Das 7h00 às 17h00;
  • Banco Santander: Das 8h00 às 17h00;
  • Banco do Brasil: Das 7h30 às 17h00;
  • HSBC: Das 8h00 às 16h30;
  • Banco Itaú: Das 8h00 às 17h00.

Tarifas cobradas pelos principais bancos

Ao realizar uma das operações aqui destacada, o usuário estará sujeito à cobrança de taxas pelo serviço. Tal taxa pode variar de acordo com o seu banco. Confira abaixo os valores praticados atualmente:

  • Banco Itaú: R$ 15,50 (modalidade presencial) ou R$ 8,50 (autoatendimento, internet e meios eletrônicos).
  • Banco Santander: R$ 16,30 (modalidade presencial) ou R$ 8,80 (autoatendimento, internet e meios eletrônicos).
  • Caixa Econômica Federal: R$ 15,50 (modalidade presencial) ou R$ 8,65 (autoatendimento, internet e meios eletrônicos).
  • Banco Bradesco: R$ 16,30 (modalidade presencial) ou R$ 8,80 (autoatendimento, internet e meios eletrônicos).
  • Banco do Brasil do Brasil: R$ 18,70 (modalidade presencial) ou R$ 8,80 (autoatendimento, internet e meio eletrônicos).

Por Bruno Henrique


Confira como calcular o lucro do FGTS de Contas Inativas.

Todo trabalhador exerce sua profissão em vista de um bem, um bem social, próprio e ao lucro. O FGTS é o fundo mais precioso que qualquer trabalhador possa almejar como fruto de seus serviços prestados, por isso, quando o mesmo tem a chance de poder verificar passo a passo aquilo a que tem direito de receber, isso pode torná-lo mais seguro de si.

FGTS – Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, é uma garantia em dinheiro que é depositada no início de cada mês pelos patrões, empregadores, em contas pertencentes à Caixa Econômica Federal, com seus funcionários, empregados, como titulares, atrelada ao contrato de trabalho e o valor é de 8% que corresponde ao salário de todo empregado. Porém, o cálculo não é tão simples e nem todo mundo tem tempo para aprender noções de contabilidade. Assim, o site da Exame está disponibilizando informações e instruções sobre o próximo cálculo de FGTS, cujo depósito pela Caixa está prevista para os dias 28 e 31 de agosto. Esse cálculo se refere ao saldo em contas inativas ou ativas, referentes ao fundo do dia 31 de dezembro do ano passado, 2016.

Os procedimentos oferecidos para que o trabalhador possa calcular são simples, pois ele deve começar verificando o saldo anterior, que tinha no fundo no dia 31 de dezembro de 2016, e o site oferece dois links para acessar o aplicativo. Portanto, ele deve consultar esse saldo antigo e multiplicar por 0,0193, o qual corresponde a uma porcentagem de renda que é distribuída a cotistas. Há uma tabela com as escalas de valores em proporções.

Os lucros líquidos registrados pelo FGTS chegaram a 14,55 bilhões de reais até o final do ano passado, dos quais 7,28 bilhões de reais serão depositados para creditarem mais de 88 milhões de empregados, cujos valores médios vão girar em torno de 29,62 reais. Esta distribuição de lucros é garantida pela Lei 13.446/2017, que prevê tal situação, elevando a rentabilidade por meio do FGTS e foi sancionada este mesmo ano, em maio.

O dinheiro, porém, será depositado apenas nos casos em que o beneficiado tinha saldo positivo nas contas do fundo – contas inativas do FGTS – até o dia 31 de dezembro. Para aqueles que já tinham saldo positivo em FGTS, no ano passado, e também realizaram saque antes do término do ano, não terão direito ao lucro proporcionado pela distribuição. O saldo atual em questão se refere ao do dia 31 de dezembro do ano passado, mesmo que os trabalhadores já tenham efetuado saques a partir de contas inativas do FGTS, já que o saldo atual deve, com certeza, cair sobre o mesmo valor, portanto, não há problema se saques foram efetuados posteriormente a esta data, pois o que realmente vai valer para ser calculado pelo empregado será o saldo do dia 31 de dezembro de 2016. E esta meta será realizada todos os anos a partir do que foi promulgado em lei. Assim, todo fim de ano, nesta mesma data, em dezembro, rendas de FGTS serão depositadas pela Caixa, relativas ao ano de 2017 e assim por diante. O site da Caixa Econômica Federal irá lançar um site para esta finalidade.

Entretanto, existem normas que deverão ser respeitadas para se poder retirar o dinheiro. Como a Lei 13.446/2017 não prescreve que saques poderão ser efetuados, todo trabalhador deverá proceder conforme estabelece a Lei 8.036/90, em que são explicitados casos de demissão sem justa causa, aposentadoria compulsória ou término de contrato de natureza determinada e outros casos.

No site da Exame está disponibilizada uma tabela que demonstra em que hipóteses os saques são permitidos. Portanto, cabe ao trabalhador informar-se para estar ciente de seus direitos e deveres dentro da lei e dos serviços que presta. Para mais informações acessar o site: http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/como-calcular-quanto-voce-ira-receber-de-lucro-do-fgts-neste-mes/, no qual estão disponibilizados outros links específicos a respeito de cada detalhe do método de cálculo entre outras informações importantes.

Por Paulo Henrique dos Santos

Dinheiro


Trabalhador que comprovar dificuldade para ir sacar o dinheiro poderá ter prazo de saque extendido até o dia 31 de dezembro de 2018.

O governo tem boa notícia para os trabalhadores que tiverem direito ao saque das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, FGTS.

Isso porque, aquele colaborador que conseguir comprovar que não teve, até a data limite de segunda-feira, dia 31 de julho, a viabilidade de ir a uma agência da Caixa Econômica Federal para realizar o saque, terá prazo estendido para realizá-lo. Sendo assim, o vencimento da data será em 31 de dezembro de 2018.

A decisão, que foi publicada por meio de decreto na última quarta-feira, dia 26 de julho, não traz, todavia, maiores detalhes sobre o que é considerado como impedimento para a ida à agência. Além disso, não se sabe ainda o que poderá ser usado como comprovante.

Porém, o parágrafo principal relacionado ao assunto diz que se comprovada a impossibilidade de comparecimento do titular da conta que está vinculada ao FGTS para a solicitação de movimentação dos valores, o novo cronograma para atendimento não poderá exceder o limite do novo vencimento.

Quem possui direito ao FGTS?

Possui direito ao saque do FGTS todo trabalhador que possui carteira assinada e que pediu a demissão ou que foi demitido em justa causa até a data final de 31 de dezembro de 2015. Sendo assim, desde março, as pessoas têm tido os seus recursos liberados por ordem de mês de nascimento do beneficiado.

Quem não retirou o seu saque no período em que foi chamado, ainda poderá fazê-lo até o prazo final, normalmente. No total, conforme o último balanço realizado pela Caixa Econômica, até o último dia 19, pelo menos 5 milhões de trabalhadores ainda não sacaram o seu dinheiro.

Como posso receber o dinheiro?

Quem quer receber o valor de sua conta inativa do FGTS pode fazê-lo de diversas formas. Entre elas, destacam-se: o crédito em conta depositado automaticamente; em caixas eletrônicos; em agências lotéricas ou correspondentes; e, por fim, em agências da própria Caixa Econômica Federal.

Porém, a Caixa orienta que o colaborador consulte, antes de escolher por uma das alternativas, qual a melhor opção para a realização do seu pagamento. Por isso, o banco disponibiliza seus canais de comunicação para sanar as suas dúvidas.

Sendo assim, o site da instituição está disponível no http://www.caixa.gov.br/contasinativas. Ainda, é possível ligar para a central de informações no telefone 0800-726-2017 e falar com um dos atendentes.

Kellen Kunz


Saiba o que é criptomoeda e para que serve.

Criptomoeda é uma espécie de moeda virtual que faz uso de criptografia para se manter seguro. Da mesma forma que a moeda impressa tem listras ocultas na parte interna e números de série para que se evitem falsificações, a moeda virtual faz uso de códigos difíceis de quebrar.

Para que serve?

Assim como outros tipos de dinheiro, a moeda virtual é usada para fazer o intercâmbio de serviços e bens. As empresas grandes como Tesla e DELL já estão permitindo o pagamento na criptomoeda Bitcoin, que é considerada a maior no mercado. Além dessas, há outras que também aceitam Bitcoin para compra de serviços, como por exemplo, o Soundcloud e o WordPress.

As moedas virtuais também são usadas para realizar transferência de dinheiro na Internet sem pagar tarifas cobradas por bancos ou instituições financeiras.

Onde consigo criptomoedas?

É possível conseguir Bitcoins no mercado brasileiro de Criptomoedas, fazendo conversão de moeda física para moeda digital (compra) ou então minerando, ou seja, ajudando no processamento da mesma através de seu computador, porém, é necessário que ele seja potente.

Por que usar criptomoeda?

Uma vez adquiridas, é muito difícil de que alguém te roube e não precisa de um caixa forte para protegê-la. É segura e privada. Não sofre com a inflação e não há intervenção de qualquer tipo de instituição reguladora.

Ela também tem segurança maior do que cartões de crédito. Utilizar a criptomoeda não exige que se preencha formulário informando seus dados pessoais para cada compra, pois a mesma funciona no anonimato. Pelo contrário, elas fazem uso de criptografia assimétrica, sendo uma chave privada e uma pública.

Há um motivo pelo qual não deveria utilizar criptomoeda?

Esta modalidade de dinheiro ainda é muito nova. É impossível prever exatamente o futuro dela e se continuará funcionando como hoje. Estudos sobre o quão anônimas são as transferências são realizados, além de analisar estabilidade e segurança da moeda. Nenhum governo ou instituição monitora o Bitcoin, por isso, a mesma pode ser utilizada também para atividades ilegais. Alguns governos já tem estudado o fato de taxar ou regular a mesma, embora seja difícil, ainda deixa o futuro da moeda indefinido.

FILIPE R SILVA


Renda fixa e variável, Fundos de investimento e Ações são bons investimentos para os diferentes perfis neste ano.

Em época de crise, é importante investir dinheiro em um negócio seguro e com boa rentabilidade. Mas fica a dúvida, aonde investir?

O investimento mais recomendado ainda é a renda fixa. No ano de 2017, a previsão é que a taxa de juros real permaneça em torno de 6%, considerado um bom índice.

Para aquele investidor com um perfil mais conservador, o indicado é que ele invista em títulos de renda fixa, com ativos pós-fixados. Para investimentos de curto prazo, os melhores títulos são os CDBs (certificado de depósito bancário) e LCIs (Letras de Crédito Imobiliário). A vantagem das CDB e das Letras é que elas são isentas de imposto de renda para pessoas físicas. Mas, devem ser verificados os prazos de resgate e as taxas.

Ainda para o investidor conservador, outra escolha boa são os Fundos de investimento. É importante verificar as taxas de cada um e as modalidades, pois alguns fundos são de risco alto.

Já para os mais arrojados vale fazer investimentos de renda variável, como em ouro e commodities.

Vale ressaltar que neste ano de 2017, a safra agrícola foi muito boa e investir em commodities agrícolas é um bom negócio. A negociação delas ocorre na Bolsa de Mercadorias (BM&FBovespa). Esse tipo de investimento é de renda variável e tem um risco maior do que os investimentos em renda fixa.

E também para os investidores aventureiros, há a opção de se investir em ações em bolsas de valores.

A terceira opção válida para investimento é sobre a moeda americana: Dólar.

Todavia, devido a volatilidade das moedas, é difícil para a pessoa física trabalhar neste mercado, pois ele não tem acesso fácil as cotações do dólar comercial e acaba investindo nas cotações do dólar turismo. Isso faz com que o investidor perca muito dinheiro devido às variações cambiais imprevisíveis. Mesmo os investidores com perfil arriscado, não gostam muito de operar neste mercado devido a sua grande flutuação. Todavia, as flutuações podem ser bem lucrativas também, sendo um investimento a ser considerado após uma análise bem detalhada do mercado.

É bom procurar boas corretoras para fazer uma análise dos melhores mercados para aplicar o dinheiro. A expectativa é que a economia melhore aos poucos e o PIB tenha um crescimento discreto.

Por Anneliese Gobbes Faria

Melhor investimento


O pagamento do abono salarial do ano base de 2015 será realizado até o dia 30 de junho.

Se você é trabalhador e tem direito a receber o abono salarial referente ao PIS, Programa de Integração Social, ou se você possui direito para receber o abono salarial referente ao Pasep, que é o Patrimônio do Servidor Público, e ainda não sacou o seu saldo referente ao ano base de 2015, não espere mais, pois a data limite para realizar o saque é o dia 30 do mês de junho.

O valor que o trabalhador irá sacar depende do tempo em que desempenhou atividades trabalhistas com carteira assinada no ano de 2015. Dessa forma os valores podem partir de R$ 78 chegando a R$ 937, para quem trabalhou o ano todo.

De acordo com o Ministério do Trabalho, a recomendação é de que os trabalhadores compareçam às agências bancárias dentro do período determinado, pois passado o dia 30 do mês de junho, todo o saldo restante destinado ao pagamento de PIS e Pasep será transferido para o FAT, Fundo de Amparo ao Trabalhador, para que assim seja utilizado no pagamento de outros benefícios que os trabalhadores possuem.

Ainda de acordo com o Ministério do Trabalho até a data de 31 do mês de maio o equivalente a 7,56% dos trabalhadores que possuem o direito ao abono ainda não haviam realizado o saque.

Para quem ainda possui dúvidas em relação ao benefício, o abono do PIS/Pasep é para pessoas que trabalharam no ano de 2015 por um período igual ou maior que 30 dias, com carteira de trabalho registrada, com inscrição em um dos programas e que tenham tido como salário mensal valor inferior a dois salários mínimos vigente.

Se alguém ainda tem dúvida se possui ou não o direito, ainda há tempo para saber. Basta acessar verificasd.mtb.gov.br/abono, informando o número do CPF ou da inscrição no programa do PIS/Pasep.

A central de atendimento Alô Trabalho do Ministério do Trabalho, que atende pelo número 158, também tem informações sobre o PIS/Pasep.

O benefício tem validade tanto para trabalhadores da rede privada, quanto para servidores públicos. Para receber o seu saldo procure uma agência da Caixa ou do Banco do Brasil, levando o cartão cidadão e um documento de identificação.

Por Sirlene Montes

Pis 2015


Algumas corretoras citam ações da Petrobras e do Itaú Unibanco como as melhores para se investir em junho de 2017.

Segundo pesquisa feita pela EXAME.com, os papéis da Petrobras foram indicados ainda mantendo a liderança no mês de junho de 2017, considerando a opinião de 13 corretoras.

Em segundo lugar, figuram as ações do Itaú Unibanco (ITUB4). Já os papéis da Klabin (KLBN11) e da B3 (BVMF3), completam as primeiras colocações, com 7 indicações cada, para o mês de junho.

Melhores indicações

Conforme a corretora Planner, as ações da Petrobras foram mantidas em sua carteira devido a acreditarem que a queda das ações no mês de maio ocorreu devido ao cenário político do país, não tendo portanto, neste momento, nenhuma correlação com as operações da empresa.

A preferida da Planner é a ação do Itaú Unibanco, quando da questão “setor bancário”. Historicamente a ação do banco tende a superar as expectativas do mercado.

Ainda com relação à indicação do Itaú Unibanco, pelos analistas da Planner, os mesmos indicam em relatório que: mesmo com os resultados de fora do Brasil, no caso da América Latina, que estão abaixo do esperado pelo mercado, a visão deles será mantida, tendo em vista que o posicionamento nos mercados estrangeiros, tem a tendência de contribuir de forma muito positiva para o banco.

Eles também esperam que uma melhoria na situação da atividade econômica brasileira, bem como um ciclo de baixa na taxa de juros, venha a melhorar o cenário, tendo em vista o setor dos bancos no país.

Conforme relatório do Bradesco, o processo de incorporação da Cetip irá trazer ganhos em potencial para atratividade e sinergia da B3. Por outro lado, os analistas da Guide acreditam que a tendência de elevação do dólar, por tendência, beneficiará a operação da Klabin, que possui facilidade na exportação do excedente de produção da celulose.

Veja as melhores indicações, segundo a Planner:

· BB Seguridade (BBSE3)

· Itaúsa (ITSA4)

· Klabin (KLBN1)

· Lojas Americanas (LAME4)

· Multiplan (MULT3)

· Odontoprev (ODPV3)

· Petrobras (PETR4)

· Taesa (TAEE11)

· Telefônica Brasil (VIVT4)

· TUPY (TUPY3)

E segundo o Bradesco:

· B3 (BVMF3)

· Banco do Brasil (BBAS3)

· BRF (BRFS3)

· Cesp (CESP6)

· Itaú Unibanco (ITUB4)

· Petrobras (PETR4)

· Renner (LREN3)

· Rumo (RAIL3)

· Suzano (SUZB5)

· Usiminas (USIM5)

Por Silvano Andriotti

Ações


Consumidores podem realizar a pesquisa gratuita através do site da empresa.

Para os consumidores que andam preocupados com o seu nome sujo na praça, a Boa Vista SCPC oferece mais um serviço online para os consumidores que desejam ter um bom nome na tentativa de obter um bom crédito para realizar a suas transações financeiras.

A partir de agora, qualquer pessoa poderá saber quais são as suas chances de conseguir um empréstimo junto a qualquer instituição financeira. A Boa Vista lança o serviço de consulta de pontuação de qualquer pessoa (scores), que é utilizado de forma rotineira pelas empresas e instituições bancárias que trabalham com a oferta de crédito a seus clientes.

Para ter acesso ao serviço, o consumidor deverá se cadastrar no site https://www.boavistaservicos.com.br/ e seguir todos os passos para que possa ter o nome consultado junto a uma plataforma de avaliação que engloba a participação de várias instituições financeiras. Para cada consulta é atribuído uma pontuação que pode ir de zero a mil. Quanto mais próximo de atingir os mil pontos, maiores são as chances dos consumidores poderem conseguir um bom empréstimo.

Quais são os critérios para que os consumidores possam atingir uma boa pontuação ?

Pelo atual sistema oferecido pela Boa Vista SCPC, para que o consumidor possa ter uma boa performance de pontos (scores), ela precisa prestar atenção em alguns detalhes de sua vida financeira:

1 – Ter uma vida financeira organizada, ou seja, conseguir pagar os seus compromissos financeiros em dia;

2 – Não ter o nome negativado;

3 – Para quem está pagando empréstimos junto a instituições financeiras ou financiamentos, é bom sempre estar sempre em dia com seus compromissos;

4 – Manter sempre os seus dados como o CPF em dia, ou seja, sempre estar consultando o seu cadastro a fim de verificar se não há nenhuma operação ilícita ou não autorizada que envolva o seu nome.

5 – Cuidado com a quantidade de empréstimos feitos nos últimos tempos. A avaliação da plataforma leva em consideração a quantidade e a frequência de vezes que um consumidor pediu dinheiro emprestado na praça e isto pode levar a um rebaixamento de sua quantidade de pontos.

Enfim, o novo serviço oferecido pela Boa Vista visa favorecer os bons pagadores e regular as operações de crédito junto às instituições financeiras para que possam ter menos prejuízo.

A plataforma utilizada atualmente opera com cerca de 300 milhões de cadastros de consumidores em todo o país e recebe uma média superior a seis milhões de pedidos de análise de dados de clientes diariamente.

Emmanoel Gomes


Saiba aqui o que fazer para comprar e vender Bitcoin no Brasil.

O Bitcoin, conhecido como a “moeda da internet”, veio para causar uma revolução nas formas de negociação online. Foi inventado no ano de 2009 por um programador conhecido pelo pseudônimo de Satoshi Nakamoto, entretanto, ninguém sabe sua real identidade.

O Bitcoin obteve sucesso no mundo inteiro, inclusive no Brasil, onde cada vez mais pessoas querem comprar e vender através da moeda obtida com mineração de dados online. Porém, muitas pessoas não sabem realmente como funciona o sistema de compra e venda via bitcoin e como funciona seu processo de dados.

Afinal, o que é Bitcoin?

O Bitcoin trata-se de uma moeda virtual sem vínculo com nenhuma instituição financeira, o que possibilita que nesta forma de pagamento a compra e venda seja mais rápida, barata e com garantia de anonimato. Além disso, o Bitcoin é a primeira rede de pagamento descentralizada, ou seja, os usuários não necessitam de intermédio de autoridades superiores ou um banco central.

Como o bitcoin é “criado”?

Podemos comparar o processo de entrada dos bitcoins no mercado com o que ocorre com o ouro, que é raro e caro. Tal comparação se deve ao fato de que tanto o bitcoin como o ouro são obtidos através de “mineração”, ou seja, para se conseguir bitcoins é preciso um poderoso computador conectado a um conjunto de redes e outros computadores. Para se agregar valor ao bitcoin se exige investimento e um nível elevado de dificuldade.

Sites confiáveis e segurança na internet

É fundamental alertar para se ter cuidado redobrado na hora de utilizar de serviços na Internet que envolvam dados e dinheiro. Há casos de muitas carteiras virtuais que sofreram golpes e falhas de segurança e a maioria dos serviços envolvendo a moeda bitcoin ainda não proporciona aos seus usuários a segurança ideal. Entretanto, sites como: Bitcoin Bitgo, GreenAddress, Armony, Core, mSIGNA e Bitcoin Wallet são recomendados e conhecidos pela sua segurança nos serviços com a moeda virtual.

Como comprar créditos e trocar por Bitcoins

O primeiro passo é fazer seu cadastro no site do Mercado Bitcoin, na página oficial: (mercadobitcoin.com.br) e clicar no canto superior direito, em “Cadastre-se”. Feito isso é só preencher o restante dos dados pessoais.

Bitcoin: O que você precisa saber para comprar e vender

Para comprar Bitcoins você deve possuir algum saldo em reais, após finalizar seu cadastro vá na página de depósitos e prossiga seguindo as instruções. Em instantes seu crédito estará em conta, na forma de bitcoins. Você deve informar o banco no qual fará o depósito sobre o valor da moeda local (no caso do Brasil, em reais).

Valorização da moeda Bitcoin

Assim como qualquer moeda, o bitcoin possui uma valorização que é instável e segue as leis de mercado, portanto, quanto maior a procura pela moeda maior sua cotação. Acompanhar a flutuação do bitcoins é essencial para quem deseja fazer negociações com tal moeda, no início deste ano (2017) a valorização do bitcoin chegou a ultrapassar a do ouro!

E os riscos?

As negociações através de bitcoins apresentam riscos, assim como qualquer investimento. Porém, na internet a compra e venda via bitcoins garante anonimato, o que possui vantagens e desvantagens em relação à segurança (principalmente a de quem está comprando). Na internet há invasores, pessoas com más intenções e malwares, se quiser fazer negócio via bitcoins procure sempre utilizar sites recomendados e seguros para efetuar compra e venda.


Valores dos serviços aumentaram 7,5%.

Para quem é um usuário assíduo dos serviços prestados pelos Correios no Brasil pode ir preparando o bolso, pois as tarifas da instituição ficaram mais caras a partir desta segunda-feira , dia 08, em todo o país.

O ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) autorizou um reajuste de mais de 7,40% nos preços dos serviços de postagens cobrados pelo órgão e que deverá abranger tanto as tarifas cobradas para postagens nacionais quanto as internacionais.

Com isto, os brasileiros vão pagar o valor de R$ 1,23 para enviar uma simples carta comercial de até 20 gramas para qualquer parte do país. Antes o preço cobrado era de R$ 1,15. Outros serviços oferecidos pela instituição como o telegrama, que pode ser escrito a partir da internet, teve seu valor reajustado de R$ 7,07 para R$ 7,60 por cada página a ser redigida.

A medida faz parte do reajuste anual de tarifas feitas pelos Correios e ficou bem abaixo do mesmo aumento dado em 2016, que foi de 10,7%.

O aumento é resultado do chamado Índice de Serviço Postal (ISP), que é calculado tendo-se por base outros índices econômicos como o IPCA, INPC, o IGP-M, o IPCA Transporte e o IPCA Saúde. O primeiro parâmetro é aplicado exclusivamente para as instituições que funcionam em âmbito nacional e que fazem parte do monopólio exercido pela instituição para com os serviços de postagem que operam em território brasileiro.

A elevação das tarifas pelos Correios tenta minimizar os efeitos de uma crise econômica que atingiu esta instituição brasileira, cujos resultados financeiros vêm despencando o seu faturamento desde de 2014.

No ano de 2015, os Correios chegaram a amargar um prejuízo de R$ 2,1 bilhões e de R$ 2 bilhões em 2016.

Com a crise econômica batendo na porta da instituição, cerca de 250 agências foram encerradas em todo o território brasileiro.

Na tentativa de recuperação econômica, a instituição optou por implantar um programa de demissão voluntária, ainda o final do ano de 2015, além da modernização de seus serviços para que pudessem operar em todo o país.

A expectativa do governo é que a empresa possa recuperar a sua atual situação econômica para assim evitar uma possível privatização, já preconizada pelo atual ministro das Telecomunicações, Gilberto Kassab.

Emmanoel Gomes


Saiba como funciona a inflação e quais os seus tipos.

Muito ouvimos falar sobre inflação. A palavra está presente em diversos lugares, como jornais, noticiários, revistas e conversas de pessoas da área econômica ou comercial. O que poucos sabem é o que essa palavra realmente representa em nossas vidas ou qual a influência dela nas nossas rendas.

Ao contrário do que se pensa, entender um processo inflacionário não é nada complicado. Inclusive, é mais simples do que parece. A inflação nada mais é do que um aumento geral nos preços de mercadorias, produtos e serviços.

Quanto maior a inflação, maiores serão os preços. Significa uma espécie de “inchaço” ou sobrecarga. Quando há muito dinheiro circulando, a moeda torna-se menos valiosa, portanto o poder de compra do dinheiro diminui, ou seja: compra-se menos com a mesma quantidade de dinheiro, isso significa, em suma, uma desvalorização da moeda. Esse quadro é um tanto quanto nocivo para economia do país, pois tira da mão dos trabalhadores o poder de compra.

Tipos de inflação:

Existem alguns fatores que podem desencadear um alto índice de inflação. Vamos a eles:

Inflação de demanda: isso acontece quando há o aumento do consumo e a procura por produtos ou serviços não é suprida pela produção do país ou região. Ou seja: há muito dinheiro para consumir uma tal demanda, mas não há demanda suficiente.

Inflação de custos: esse tipo de inflação acontece quando o custo da produção aumenta muito, não sendo compensado pelo preço aferido pela produção. Ou seja: Não há dinheiro suficiente para custear a produção.

Outro fator que pode elevar a inflação é a emissão descontrolada e exagerada de dinheiro. Essa ação está nas mãos do governo.

Existem vários índices que fazem a medição da inflação. No Brasil, um dos principais é o Índice Geral de Preços (IGP), cujo cálculo é de responsabilidade da Fundação Getúlio Vargas, juntamente com o Índice de Preços Ao Consumidor (IFPE), medido pela FIPE e ainda outros índices calculados pelo IBGE.

Segundo o que entende-se diante desses conceitos, quando a inflação chega a 0, acontece uma estabilidade ou equilíbrio nos preços dos produtos e serviços em relação ao poder de compra dos consumidores.

Por Carolina B.

Inflação


Rendimento da poupança poderá ser maior com a Selic a 9% ao ano, podendo superar a renda fixa.

Os juros básicos estão previstos para baterem a marca de 9% ao ano ou até menos no final de 2017 e isso pode fazer com que a caderneta de poupança seja ressuscitada.

Hoje, com a Selic nos 12,25% ao ano, as cadernetas perdem ainda para os fundos mais conservadores, os antigos Curto Prazo ou DI, que possui uma taxa de administração de no máximo 3% para períodos maiores, onde o imposto é um pouco menor, e para todos os prazos de 2%, visando um retorno de cerca de 7,4% líquidos no ano.

Entretanto, caso o juros abaixe realmente para os 9% esperado por vários analistas e bancos, apenas fundos que possuem taxa de administração inferior ou igual a 1% irão ganhar das cadernetas de poupança por qualquer prazo. Os que possuem 1,5% de taxa irão superar a poupança para períodos maiores que 2 anos, onde é mais baixo o imposto.

O fato é que quanto mais baixa for a taxa de juros, o impacto da taxa será maior sobre seu rendimento. Tal taxa de administração cobrada pelo banco incide sobre o valor total e não apenas sobre o quanto rende.

Desta forma, possui um efeito maior no momento que a taxa de juros for menor. Por exemplo, com os juros a 9%, num fundo que cobra 3% no ano, a instituição ficará com 1/3 da rentabilidade da aplicação, deixando para o investidor 6% ao ano, que ainda terá de pagar imposto sobre tal rendimento.

Haverá também casos onde a instituição financeira irá ganhar mais que o próprio aplicador, por exemplo, nas carteiras que possuem taxas nos valores de 5%, 5,5% e 4,5% ao ano.

O investidor também tem seu ganho diminuído pelo imposto de renda, o qual pode variar entre 22,5% para período de seis meses, de seis meses a um ano 20%, 17,5% para um período entre um e dois anos e acima disso, 15%. Quanto menor for o período, o imposto será maior e rendimento menor.

Entretanto as cadernetas contam com a vantagem de um rendimento mínimo ao ano de 6,17% sem IR, somando ainda a taxa referencial.

Por Filipe Silva

Poupança


Confira aqui como fazer o saque do FGTS de Contas Inativas.

Os saques do FGTS de contas inativas já começaram a ser feitos no último dia 10 deste mês de março, quando os beneficiados nascidos nos meses de janeiro, fevereiro e março tiveram seus saldos liberados. Nesse sentido, nos próximos meses até o mês de julho, mais precisamente no dia 31 de julho, os beneficiados com datas de nascimento de abril até dezembro terão esse saldo liberado de forma gradativa.

Se você verificou e tem o direito ao saque do saldo de contas inativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, fique atento ao mês em que o dinheiro poderá ser sacado.

Dessa forma, procure uma agência da Caixa Econômica Federal caso o valor exceda a R$1.500,00, levando seus documentos pessoais. Agora se o valor que você precisa sacar for inferior a R$1.500, você poderá realizar seu saque em casas lotéricas e caixas eletrônicos da Caixa, mas para isso é preciso de um documento de identificação mais o cartão cidadão e sua senha já registrada.

A Caixa Econômica Federal alerta aos brasileiros que possuem o direito ao saque de valores de contas inativas do FGTS que não deixem para a última hora e nem se esqueçam de realizar o saque, pois diferente do que ocorre com o PIS, que possui um calendário de vencimentos de um ano, com o FGTS inativo o calendário termina no mês de julho.

Se a pessoa que possuir o direito ao saque não realizá-lo até a data de 31 de julho de 2017, esse saldo será recolhido e transferido para o Fundo de Amparo ao Trabalhador.

Para quem ainda não sabe, podem possuir saldo de contas inativas do FGTS pessoas que trabalharam com carteira registrada e que pediram demissão ou foram demitidas por justa causa, até a data do dia 31 de dezembro de 2015. As contas inativas são aquelas que recebiam depósitos mensais e deixaram de receber quando o vínculo empregatício foi rompido e essas contas ficaram paradas, porém com o dinheiro oriundo desses depósitos que seriam repassados ao trabalhador em caso de demissão sem justa causa.

A liberação desses saldos de contas inativas do FGTS foi uma medida extraordinária do governo federal para auxiliar os brasileiros neste ano de crise da economia e injetar valores na economia do país.

Silene Montes


Entenda aqui o que aconteceu para que alguns trabalhadores aparecessem com as contas inativas zeradas.

O saque das contas inativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) começa nesta sexta-feira (10). Quem tem direito ao recebimento destes valores a partir desta data são os trabalhadores nascidas em janeiro e fevereiro. No entanto, até momento, os saldos das contas aparecem zerados, tanto no aplicativo do FGTS quanto no site da Caixa Econômica Federal.

Segundo o diretor-executivo de FGTS da Caixa, Valter Nunes, em entrevista à Revista Veja, informou que os beneficiários não precisam se preocupar com essa questão das contas zeradas. Pois os valares já foram repassados ao banco logo após o Carnaval. Portanto, as agências deverão liberar os saldos nesta sexta (Informação dada pelo executivo em entrevista à Revista Veja, no dia 8).

Funcionamento da Caixa

A Caixa Econômica vai funcionar em horários especiais nesta sexta (10), segunda (13) e terça-feira (14), das 8h às 16h, além de abertura no sábado, das 9h às 15h, em quase duas mil agências, para atender esta demanda.

De acordo com as estimativas da Caixa, mais de 30 milhões de trabalhadores têm direto ao benefício, um total de 43,6 bilhões de reais. A orientação do órgão é que os trabalhadores que forem sacar nas agências levem a Carteira de Trabalho para agilizar na confirmação dos dados.

Quem pode sacar ?

Os trabalhadores de Carteira Assinada que tiverem sido demitidos por justa causa até 31 de dezembro de 2015. Isso porque o FGTS é concedido a todo empregado vinculado à Consolidação das Leis do trabalho (CLT), que são demitidos ou que pediram demissão por justa causa.

Porém, o benefício fica bloqueado para retirar somente em situações especiais no futuro. Nos casos das contas inativas, até o período informado, os valores serão liberados pelo governo a fim de aquecer a economia brasileira. A Medida Provisória 763/16, que autoriza a liberação das contas inativas do FGTS.

Situações especiais de liberação imediata do FGTS: aposentadorias, compra da casa própria, casos de doenças crônicas e outros.

Mais informações

Os trabalhadores poderão tirar dúvidas nas Agências da Caixa Econômica Federal ou ligar na Central de Atendimento, no 0800 726 2017. O saque poderá ser realizado até no máximo 31 de julho de 2017, nas agências da Caixa Econômica.

Confira abaixo o cronograma de liberação do dinheiro de acordo com as datas de aniversário dos beneficiários.

  • Nascidos em Janeiro e Fevereiro: Liberação em 10 de março/2017
  • Nascidos em Março, Abril e Maio: Liberação em 10 de abril/2017
  • Nascidos em Junho, Julho e Agosto: Liberação em 12 de maio/2017
  • Nascidos em Setembro, Outubro e Novembro: Liberação em 16 de junho/2017
  • Nascidos em Dezembro: Liberação em 14 de julho/2017

Daniella Dutra


Saiba aqui mais informações sobre o aplicativo da Caixa para consulta do saldo do FGTS.

A Caixa Econômica Federal criou um aplicativo que será muito útil para todas as pessoas que usam celular e que trabalham de carteira assinada. A novidade vai ajudar o trabalhador a ter acesso a sua conta de Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) com total praticidade e rapidez, desde que o usuário tenha um aparelho compatível e que tenha uma boa velocidade de conexão.

Com o app FGTS Trabalhador, o cidadão poderá consultar todos os depósitos feitos em sua conta FGTS, atualizar os dados cadastrais como endereço, telefone ou e-mail, além de ter acesso a todos os endereços das agências mais próximas. Tudo pode ser feito a qualquer hora do dia ou da noite com toda comodidade que a Caixa oferece para seus clientes. Além da praticidade já mencionada, a economia de papel pode ser considerada uma outra vantagem, contribuindo para a sustentabilidade do planeta. O trabalhador, além de visualizar o extrato do FGTS na tela do celular, pode salvar em formato pdf ou enviar o documento por e-mail.

O aplicativo está disponível para Android na Google Play, para iPhone na Apple Store e para o sistema operacional Windows, na Windows Store. Basta fazer o cadastro no site da Caixa Econômica Federal: www.caixa.gov.br.

Pode-se acessar também o site www.fgts.gov.br e seguir os seguintes passos: Na tela incial, deve-se ir até o final da página na área de Seviços Online. Depois clicar em Saldo do FGTS via celular e o programa encaminhará o usuário para o site da Caixa sobre o FGTS.

Vale lembrar que o usuário deve ter em mãos o número do PIS/PASEP e dos documentos pessoais, pois será necessário fazer um breve cadastro no sistema. Depois dessa etapa, será preciso cadastrar uma senha de acesso e recomenda-se anotar em um local seguro para acessos posteriores, além de poder escolher os serviços no menu e cadastrar o número de celular para receber as informações, que são confidenciais.

A Caixa também disponibiliza a opção de receber todas as informações sobre o FGTS, bem como juros e as devidas correções monetárias. Depois de todo o processo concluído, o usuário receberá um SMS de confirmação que o cadastro foi concluído e pronto! Todo o processo está finalizado e é só desfrutar do serviço oferecido pela Caixa Econômica Federal.

Rodrigo Souza de Jesus


Saiba aqui como funcionará o saque do FGTS Inativo por dependentes de trabalhadores falecidos.

Com a notícia de que o governo deverá começar a liberar o saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) dos trabalhadores que não movimentam a sua conta por mais de três anos, uma verdadeira enxurrada de trabalhadores deverá se dirigir às agências da Caixa Econômica Federal em todo o país.

O pagamento, que deverá se iniciar agora neste mês de março para os nascidos no mês de janeiro, prosseguirá até o mês de junho deste ano, fechando o cronograma de pagamento para quem nasceu no mês de dezembro.

Além de ter conta inativa do fundo desde dezembro de 2015 como condição essencial para se te direito ao saque, os casos especiais de trabalhadores que tem direito ao benefício, conforme a medida provisória publicada pelo governo, começam a aparecer. São aqueles contribuintes que vieram a falecer antes da divulgação de tal decisão.

Para os casos de trabalhadores falecidos, o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) recomenda que cada caso seja analisado separadamente. Nos casos mais simples, basta que o responsável pelo saque se dirija até a agência da Caixa mais próxima, munido de documento de identidade e portando a carteira de trabalho do empregado falecido. Com estes documentos em mãos, ele poderá solicitar o saque do benefício nas conta inativas.

Em outra situação, o INSS poderá levar em conta quais as pessoas que poderão ter direito ao saque da conta do titular. A princípio, o órgão considera que os herdeiros naturais com filhos e o cônjuge deverão ser os primeiros beneficiados. Feito isto, a instituição deverá solicitar de ambos um inventário feito ainda em vida pelo falecido, caso ele tenha feito, sobre as divisões dos bens, entre todos. Em caso negativo, os mesmos poderão se dirigir até mesma e solicitar uma declaração de dependência. Neste caso, há a elaboração e emissão de uma certidão que deverá indicar quais são os membros do grupo familiar que têm direito a receber uma pensão e quais os seus valores respectivos.

Após todo o processo, o INSS deverá determinar que, no caso dos dependentes menores de idade, o dinheiro depositado na conta inativa do titular seja transferido para uma caderneta de poupança em nome dos mesmos e que só poderá ser movimentada quando estes atingirem 18 anos de idade.

Emmanoel Gomes


Saiba aqui como fazer para sacar o FGTS Inativo no exterior.

A partir do próximo dia 10 do mês de março, as pessoas que têm direito ao saldo de contas inativas do FGTS, já podem começar a realizar o saque do benefício. A Caixa Econômica Federal, que é a agência que se responsabiliza pelo Fundo Garantidor por Tempo de Serviço, desenvolveu um calendário com as datas dos vencimentos, considerando a data de aniversários dos beneficiados. Os saques poderão ser efetuados em agências da Caixa, postos de autoatendimento e casas lotéricas.

Contudo, as pessoas que possuírem esse direito e que atualmente residam fora do país terão formas distintas de realizar o saque, o que será determinado pelo fato de a pessoa possuir ou não conta corrente na Caixa Econômica Federal.

Dessa forma, a Caixa informa que as pessoas que possuírem Conta Corrente na Caixa e que estiverem residindo no exterior, podem obter o dinheiro por meio de transferência bancária de forma automática. Essa operação pode ser feita por meio de Poupança ou Conta Corrente. Assim não é preciso procurar o Consulado.

Já as pessoas que possuem o direito de receber o FGTS inativo, mas não são correntistas da Caixa Econômica Federal e também não possuem Poupança, devem entrar no site da Caixa e procurar pelo formulário na guia “Solicitação de Saque FGTS”. Com este formulário em mãos os beneficiados devem então procurar o Consulado Brasileiro presente na localidade em que residem e apresentarem este formulário já preenchido, além de apresentar também uma documentação (cópias e originais) que comprove que existe o direito de receber esse FGTS inativo.

Para saber quais são os consulados que estão autorizados para fazer o recebimento dos pedidos de saque acesse http://www.caixa.gov.br/.

No Consulado o solicitante deve assinar na presença do representante consular a solicitação do saque. Depois de cerca de 15 dias da entrada dos documentos no consulado brasileiro, o valor será creditado em uma conta bancária que esteja no nome do beneficiado.

Têm direito ao saque de FGTS inativo pessoas que tenham trabalhado com carteira assinada até o ano de 2015 e tenham pedido demissão ou que tenham sido demitidos por justa causa.

Nesse sentido, para verificar acesse o site da Caixa Econômica Federal e não perca esse direito. A data limite para os saques será no dia 31 do mês de julho de 2017.

Sirlene Montes


Pessoas com 70 anos ou mais que possuem direito de sacar o FGTS de contas inativas podem retirar o dinheiro a qualquer momento, sem precisar atender os requisitos do calendário estabelecido.

Nos últimos dias muito tem se falado sobre o FGTS de contas inativas, devido ao fato de que em uma medida extraordinária o presidente da república, Michel Temer liberou a partir do mês de março o saque desse saldo de FGTS Inativo, com o intuito de auxiliar os milhões de brasileiros que possuíam esse saldo e que vem enfrentando a crise da economia que se instalou no país.

O saldo gerado pelas contas inativas do Fundo Garantia por Tempo de Serviço geralmente é pago aos seus nominais quando estes se aposentam ou quando pretendem realizar a compra da casa própria e em casos de doenças graves.

Nesse sentido, o saque do FGTS de contas inativas também está liberado para as pessoas que possuem idade maior que 70 anos, o que já era um direito garantido por lei para os idosos.

Contudo, com o saque liberado para essas pessoas, a única diferença que existe é no fato de que os idosos podem realizar o saque sem ter que considerar o calendário que determina as datas para realização dos saques, que leva em conta a data de aniversário dos beneficiados.

Dessa forma, pessoas acima de 70 anos que tenham trabalhado com carteira registrada e que tenham pedido demissão ou que tenham sido demitidas com justa causa têm o direito de realizar o saque do saldo das contas inativas.

Como essas pessoas não terão que seguir o calendário que estipula as datas para saque, o recebimento do benefício poderá ser feito em qualquer data a contar do dia 10 do mês de março, sendo que a data limite para o saque é o dia 31 do mês de julho de 2017.

A Caixa Econômica Federal, que é a responsável pelos pagamentos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, pretende nos dias liberados para os saques, abrir suas agencias duas horas mais cedo, além de planejar também atendimentos aos sábados e domingos.

Tudo para que as pessoas consigam receber o dinheiro até a data limite, pois após o dia 31 de julho, quem não tiver feito a retirada do dinheiro perderá o seu direito.

Informe-se e faça valer o seu direito!

Por Sirlene Montes

FGTS para idosos


Confira as informações principais sobre o saque do FGTS inativo.

No último dia 22, o presidente Michel Temer anunciou que os trabalhadores poderão fazer o saque de todo o saldo das contas do FGTS – Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. Os saques podem ser feitos de contas que ficaram inativas até a data do dia 31 de dezembro de 2017.

As chamadas contas inativas do FGTS são criadas a partir do momento em que o trabalhador deixa o emprego. De acordo com a legislação em vigor o trabalhador só poderia sacar esse dinheiro ao se aposentar, no caso de querer comprar a casa própria ou se estiver a três anos desempregado.

O calendário do saque já foi divulgado e leva em consideração da data de nascimento do trabalhador. Para ter acesso ao calendário acesse o site www.dinheironaconta.com/2017/02/16/contas-inativas-fgts-tira-duvidas.

– O que preciso saber?

É necessário saber o número do PIS/Pasep ou ainda do NIT, o Número de Identificação do Trabalhador. O NIT trata-se de um código de identificação que é fornecido pela Previdência no caso da pessoa não possuir a inscrição do PIS ou no Pasep (como, por exemplo, os trabalhadores domésticos).

Esses números podem ser encontrados na carteira de trabalho ou no cartão do PIS/Pasep.

– Onde Pesquisar se tem saldo na conta?

* Agências da Caixa: O trabalhador pode se dirigir pessoalmente a alguma das agências da Caixa, portando os documentos de identificação, carteira de trabalho e n° do NIT, Pis ou Pasep.

* Pela Internet: Quem preferir pode tirar o extrato via internet no site da Caixa. É preciso os números apontados anteriormente. O site da Caixa é www.caixa.gov.br.

Outra opção é fazer a consulta do FGTS por meio do aplicativo para celular que já está disponível para download em dispositivos de qualquer sistema operacional.

– Quem não tem cartão de cidadão deve fazer o que?

No caso da pessoa não ter ou não saber a senha ela pode se cadastrar ou se recadastrar para obter uma nova senha. Isso pode ser feito por meio do telefone 0800-7260-207. O atendimento pode ser concluído em qualquer casa lotérica. As agências também oferecem o serviço.

– Quem perder a data limite dos saques pode sacar depois?

Não. O prazo termina mesmo em 31 de julho. Depois dessa data não há nenhuma maneira para se retirar o dinheiro.

Saiba mais no site www.dinheironaconta.com/2017/02/16/contas-inativas-fgts-tira-duvidas.

Por Denisson Soares

Dinheiro FGTS


Confira dicas de como usar da melhor maneira o dinheiro que irá sacar das contas inativas do FGTS. A cautela é principal delas.

Para quem estava na espera, a partir do dia 10 de março os saques do FGTS de Contas Inativas começam. Diante disso, muita gente ainda não sabe o que fazer com esse dinheiro. Os especialistas em economia recomendam cautela com o uso de FGTS inativo, é preciso analisar seu melhor uso.

Veja algumas dicas de como usar o dinheiro do FGTS de contas inativas:

A recomendação número 1 é de que se você possui dívidas, não adianta sacar o dinheiro e gastá-lo com outras coisas. O ideal é que nestes casos as dívidas acumuladas sejam pagas e assim evitam-se os juros, principalmente as dívidas de cartão que são como “bolas de neve”.

Outra dica é para quem está com o nome negativado devido ao não pagamento de prestações. Neste caso procure seus credores e negocie a dívida e “limpe seu nome”.

Já para aqueles que devem parcelas, por exemplo, de automóvel, mas estão em dia, a dica é para que esse valor seja abatido, o que deve dar um bom desconto nos juros.

Agora, se você como milhões de brasileiros encontra-se desempregado, guarde o dinheiro para gastos como supermercado, farmácia, água e energia.

Se você não se encontra em nenhuma dessas situações e R$ 5 mil, a recomendação é de que faça a aplicação deste dinheiro na poupança, uma forma de guardar sem perder nada com tarifas, impostos e ainda rende.

Para aqueles que vão sacar mais de R$5 mil, converse com o gerente do banco e encontre algum fundo de investimento que renda e que tenha menos descontos. Pesquise em mais duas agências antes de decidir.

Para quem está desempregado investir esse dinheiro em algum empreendimento também pode ser vantajoso. Faça uma pesquisa de mercado e pense em um negócio próprio embora pequeno, mas que possa gerar alguma renda, como carrinho de cachorro quente, churrasco, equipamentos de cabelereiro, manicure, barbaria, microfranquias, ou até mesmo um bom curso de capacitação profissional.

Observe todas as dicas e veja qual é a sua situação atual. Lembre-se que a liberação do saldo das contas inativas do FGTS é uma medida emergencial criada para auxiliar os brasileiros nesse momento de crise na economia.

Por Sirlene Montes

Dinheiro


Confira aqui o que é, quem tem direito, como consultar o saldo e sacar os valores do FGTS Inativo.

Nos últimos dias muito tem se comentado sobre o FGTS de contas inativas, cujos saques para quem tem o direito começam no próximo dia 10 do mês de março. Contudo, muitas pessoas ainda estão com muitas dúvidas em relação a isso. Se você se inclui nesse grupo de pessoas, continue lendo este artigo e saiba tudo sobre o FGTS de contas inativas.

O que é FGTS?

É o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, que é um fundo criado para que o trabalhador que é registrado, quando for demitido sem justa causa, tenha acesso a um dinheiro que lhe auxiliará após a perda do emprego. Esse dinheiro é a soma de depósitos mensais realizados pelo seu empregador e que corresponde a 8% do valor do salário registrado na carteira profissional.

O que é FGTS de Contas Inativas?

Quando o trabalhador pede demissão ou é demitido com justa causa, ele perde o direito do FGTS, de modo que esse dinheiro fica retido em uma conta em seu nome na Caixa Econômica Federal, mas que passa a não receber mais depósitos mensais, se tornando assim inativa. Contudo, o governo ou a Caixa não ficam com esse dinheiro, ao contrário, quando este trabalhador se aposenta esse valor é repassado a ele. Mas como o Brasil está em um momento de crise, o governo achou por bem liberar os saques.

Quem tem o direito ao FGTS inativo?

Pessoas que prestaram serviços com carteira registrada e que pediram demissão ou que foram demitidos com justa causa até o dia 31 do mês de dezembro de 2015.

Como consultar e saber a data para saque?

A Caixa criou um site onde as pessoas podem esclarecer todas as dúvidas em relação ao saque do FGTS de contas inativas que é o www.caixa.gov.br/contasinativas.

Por telefone celular também é possível receber informações?

Sim. Basta acessar http://www.caixa.gov.br/atendimento/aplicativos/fgts/Paginas/default.aspx e baixar o aplicativo para manter-se atualizado sobre o FGTS.

Se o endereço estiver errado é possível atualizá-lo?

Sim. Para isso acesse e informe o número do NIS (PIS/ PASEP) e a senha do cartão cidadão. Assim você terá acesso aos seus dados e poderá modifica-los se necessário.

Como posso sacar?

Dirija-se a uma agência da Caixa Econômica Federal levando um documento com foto, a carteira de trabalho e o cartão cidadão.

Calendário de Saque do FGTS Inativo:

Não deixe passar o prazo de sacar o seu dinheiro, esse é mais um direito seu.

Sirlene Montes


Saiba aqui como sacar o dinheiro do FGTS no Exterior.

O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, ou simplesmente FGTS, é um benefício criado com o intuito de amparar o trabalhador demitido sem justa causa. Dessa forma, é criada uma conta diretamente vinculada ao contrato de trabalho do mesmo, garantindo assim que o mesmo tenha um auxílio financeiro. Sendo assim, o empregador é o responsável por depositar o equivalente a 8% do salário do seu funcionário em contas abertas na Caixa, em nome do empregado, no início de cada mês.

Uma dúvida bastante frequente entre os brasileiros que moram no exterior é justamente como efetuar o saque deste benefício morando em outro país. Saiba que será preciso reunir alguns documentos e atender a um dos pré-requisitos para que tal saque seja efetuado. Confira mais detalhes na continuação desta matéria.

Procurando facilitar a vida do trabalhador, a Caixa permite o saque do FGTS no exterior desde que o interessado se encontre em uma das seguintes condições: extinção normal do contrato de trabalho a termo; contrato de trabalho cancelado pelo empregador, sem justa causa; caso o trabalhador tenha permanecido durante três anos no regime do FGTS, sem interrupções; aposentadoria liberada pela Previdência Social; além da permanência da conta vinculada por três anos, sem interrupções, com ausência de crédito de depósito, levando em consideração afastamentos ocorridos até 03/07/1990.

Caso o trabalhador esteja dentro de uma das situações citadas acima, o mesmo estará apto a solicitar o saque de seu benefício. Portanto, o mesmo deverá obter o formulário de Solicitação de Saque do FGTS, que pode ser encontrado através do portal oficial da Caixa Econômica (http://www.caixa.gov.br). Após isso, é preciso se dirigir a um consulado do Governo Brasileiro e apresentar tal formulário devidamente preenchido. Além disso, é preciso estar portando os documentos necessários, original e cópia, que confirma o direito à movimentação da conta vinculada.

Os documentos básicos exigidos são: Carteira de Trabalho, documento de identificação com foto e número de inscrição no PIS/PASEP. Além disso, será exigida uma documentação extra que varia de acordo com o enquadramento do trabalhador, seja a demissão sem justa causa ou o término de contrato a termo. A documentação específica para cada um dos casos se encontra disponível AQUI.

Depois de concluída e aprovada a solicitação, os valores serão devidamente creditados em uma conta bancária na Caixa ou até mesmo em outro banco no Brasil, desde que a titularidade dessa conta seja do solicitante. Caso não tenha uma conta bancária no Brasil, também é possível informar a conta de alguém de sua confiança.

Por Bruno Henrique


No dia 16 de fevereiro será liberado o pagamento do benefício do abono salarial referente ao ano de 2015 para os nascidos nos meses de março e abril.

Em tempos de crise toda ajuda é bem-vinda, ou melhor, todo abono salarial, principalmente para quem tem dívidas para pagar ou deseja fazer um pequeno reparo em casa, ou simplesmente ganhar um pouco para eventuais necessidades. Muitas vezes essa é a finalidade que muitos brasileiros dão ao abono salarial do PIS/PASEP.

E por falar em PIS, nesta quinta-feira, dia 16 de fevereiro, já estará liberado o pagamento do benefício referente ao ano de 2015, esse mês será a vez dos nascidos nos meses de março e abril.

O anúncio da liberação do pagamento do abono partiu do próprio Ministério do Trabalho que nesta mesma data também libera o pagamento do abono para os inscritos no PASEP, que contempla os servidores públicos do país. Neste mês serão contemplados os servidores que possuem como número final da inscrição os números 6 ou 7. O MT informada que estes servidores devem realizar os saques em agências do Banco do Brasil.

Da mesma forma o MT informa aos trabalhadores do setor privado que realizem os saques em agências da Caixa Econômica Federal, em comércios que possuem o serviço de atendimento “Caixa Aqui”, ou em casas lotéricas. Para poder sacar o dinheiro é preciso do Cartão Cidadão e da senha já registrada.

Segundo informações da Caixa, os saldos referentes ao pagamento dos beneficiados dos meses de março e abril estarão disponíveis para saque até a data limite de 30 do mês de junho. Se até essa data o trabalhador não retirar seu dinheiro ele será transferido para o FAT, Fundo de Amparo ao Trabalhador, e assim o trabalhador perde o abono.

O valor a ser sacado tanto para os trabalhadores da rede privada quanto para servidores públicos é de R$937,00, valor de um salário mínimo brasileiro atual.

Possuem o direito do abono do PIS/Pasep cidadãos que estejam inscritos no programa há pelo menos cinco anos, que tenham trabalhado no ano-base (2015) por no mínimo 30 dias com registro na carteira profissional, cuja remuneração não ultrapassasse dois salários mínimos. Contudo para receber o valor integral é preciso ter prestado serviços pelo tempo de 12 meses. Em casos que o trabalhador tenha prestado serviços por menos de 12 meses, ele terá direito a um valor equivalente.

Por Sirlene Montes

PIS


Veja aqui o calendário de saque do FGTS de Contas Inativas.

Desde o mês de dezembro de 2016, após um pronunciamento do presidente da república Michel Temer, que milhões de brasileiros estão na expectativa da divulgação do Calendário do FGTS de Contas Inativas.

É que em uma medida inédita do governo federal, o saldo acumulado em contas inativas de trabalhadores será liberado para saque. Essa foi uma forma de o governo auxiliar os milhões de brasileiros que sofrem com a intensa crise que se instalou no Brasil desde o ano passado.

Segundo informações da Caixa Econômica Federal, que é a responsável pelo Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, serão mais de 41 bilhões de reais a serem injetados na economia brasileira até o meio do ano.

Nesse sentido está agendado para esta terça-feira dia 14 do mês de fevereiro, a divulgação oficial do Calendário que determina as datas para a realização dos saques do FGTS inativo.

Além do calendário, que deve funcionar no mesmo modelo do Calendário do Pis, em que as datas de vencimentos são baseadas nas datas de aniversário daqueles que possuem o direito, para esta terça-feira também espera-se que um site seja divulgado para que as pessoas possam se inteirar mais sobre o FGTS de contas inativas e realizarem consultas, o que otimizaria o processo, já que os vencimentos estão programados para até o meio desse ano.

Dessa forma, o Calendário com os vencimentos para saque dos saldos de Contas Inativas do Fundo Garantidor por Tempo de Serviço prevê que a partir do mês de março os saques comecem a ser realizados, neste mês por aqueles que nasceram nos meses de janeiro e fevereiro.

Nesse sentido, o Calendário funcionará da seguinte forma:

  • Nascidos no mês de JANEIRO: Saque em MARÇO;
  • Nascidos no mês de FEVEREIRO: Saque em MARÇO;
  • Nascidos no mês de MARÇO: Saque em ABRIL:
  • Nascidos no mês de ABRIL: Saque em ABRIL;
  • Nascidos no mês de MAIO: Saque em ABRIL;
  • Nascidos no mês de JUNHO: Saque em MAIO;
  • Nascidos no mês de JULHO: Saque em MAIO;
  • Nascidos no mês de AGOSTO: Saque em MAIO;
  • Nascidos no mês de SETEMBRO: Saque em JUNHO;
  • Nascidos no mês de OUTUBRO: Saque em JUNHO;
  • Nascidos no mês de NOVEMBRO: Saque em JUNHO;
  • Nascidos no mês de DEZEMBRO: Saque em JULHO.

Sirlene Montes


Banco poderá realizar a transferência automática dos valores para as contas correntes de seus correntistas.

Os clientes da Caixa Econômica Federal poderão ter a opção de transferência automática para sua conta-corrente do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) proveniente dos saldos de contas inativas.

Nesta terça-feira (14), o calendário para o saque das contas inativas do FGTS deve ser divulgado. Essas contas são aquelas em que os trabalhadores deixaram de receber depósitos após a rescisão do contrato entre trabalhador e a empresa.

A retirada dos recursos será feita de acordo com o mês de aniversário do trabalhador e o dinheiro sacado poderá ser utilizado para qualquer finalidade.

Como a Caixa Econômica Federal administra as contas do FGTS, a instituição poderá fazer a transferência dos valores das contas inativas para as contas de quem é correntista do banco. No entanto, o correntista poderá optar entre manter os recursos na conta inativa.

De acordo com as informações da Caixa Econômica, a medida servirá para reduzir as filas nas agências bancárias durante o período que será realizado o saque (entre março e julho deste ano).

O Governo estima que com essa medida, 10 milhões de trabalhadores serão poupados das filas. Para ajudar ainda mais os trabalhadores, a Caixa estuda a possibilidade de abrir algumas agências no fim de semana. Porém, isso ainda não foi definido pelo banco.

Saque de Contas Inativas do FGTS

Em dezembro do ano passado, o presidente Michel Temer anunciou a liberação do saldo das contas inativas. Segundo ele, a medida é uma tentativa de reaquecer a economia do país.

Com essa iniciativa, o Governo Federal espera injetar cerca de R$ 34 bilhões na economia. Para a equipe econômica do presidente, o saque não prejudica o FGTS, já que hoje o Fundo tem um patrimônio líquido de R$130 bilhões.

Estimativa

O Governo Federal estima que mais de 30 milhões de brasileiros têm contas inativas do FGTS. Desse montante, cerca de 10 milhões possuem conta-corrente na Caixa Econômica.

Já em relação a estimativa do governo para o saldo das contas inativas, ele acredita que é de R$ 41 bilhões para R$ 43,6 bilhões. Isso significa que a expectativa de recursos a serem sacados passou a ser de R$ 34 bilhões.

Serrana Filetti


Dicas de como investir o dinheiro e obter bons rendimentos neste ano de 2017.

Para o ano de 2017, tanto os pequenos investidores quanto os de maiores portes deverão estar bastante atentos na hora de investir o seu dinheiro nas aplicações disponíveis no mercado. Esta expectativa foi criada desde novembro de 2016 quando a chamada taxa Selic passou a cair em virtude da mudança da política econômica implantada pelo governo atual.

Atrelada à queda da Selic, o mercado financeiro também se prepara para uma queda gradativa na taxa básica de juros, o que pode influenciar no mercado financeiro e consequentemente no panorama das aplicações bancárias do país.

A partir das avaliações feitas pelos órgãos de controle da economia no país como o Comitê de Política Monetária do Banco Central (COPOM), a expectativa gerada com a queda das taxas de juros pode não ser prejudicial assim. A avalição da principal instituição financeira do país, o Banco Central (BC) aposta na manutenção da taxa de juros em dois dígitos, o que favorece algumas aplicações.

Diante deste panorama, o mercado financeiro deverá focar sua atenção em algumas aplicações para este ano de 2017. São elas: a renda fixa, os títulos pós-fixados ligados à variação da taxa Selic e a CDI, as aplicações no Tesouro Direto, os CDBs, os LCs, os LCAs e LCIs. Além disso, para quem é mais conservador e apenas que ter um rendimento mínimo, para não deixar o dinheiro parado no banco e sem correr riscos, a poupança ainda é uma opção, apesar de ser a última para quem pretende ganhar dinheiro com as correções monetárias.

Uma das aplicações que deverá continuar a despontar em 2017 será a compra dos chamados títulos públicos. Ou seja, o pequeno investidor, a partir de uma pequena quantia que não chega nem a R$ 50,00 poderá adquiri-los na sua agência bancária ou nas corretoras de valores de sua confiança. A vantagem desta aplicação é a sua correção atrelada à variação da Selic, entretanto, o ganho ocorre em proporção inversa. Ou seja, quando esta cair de valor, a taxa de juros deverá manter elevada, favorecendo a quem tem dinheiro investido neste tipo de investimento.

Outro tipo de aplicação que deverá se sobressair em 2017 serão as chamadas LCIs e LCAs. A primeira são as chamadas Letras de Crédito Imobiliário e a segunda, as Letras de Crédito do Agronegócio. As LCIs são voltadas para o financiamento do setor do agronegócio no país e as LCAs relacionam-se ao capital investido para a realização do financiamento de imóveis. A vantagem deste tipo de investimento é a total isenção de pagamento de imposto de renda. Por outro lado, o investidor que deseja ter este tipo de aplicação em sua carteira de investimento deverá desembolsar uma fatia maior de dinheiro na compra, além de ter que esperar um longo prazo para desfrutar de seus rendimentos.

Uma boa opção, principalmente para quem não tem uma grande capital para investir são as já tradicionais CDBs e LC (Letras de Câmbio). Com um rendimento um pouco superior a poupança, elas são uma alternativa à velha caderneta de poupança. A vantagem é que os juros são pós-fixados e seguem a variação do CDI, o que pode garantir taxas maiores de lucratividade.

Para 2017, o investidor deve ficar bastante atento, pois, caso se confirme a tendência de queda da Selic, os rendimentos poderão ser afetados por esta volatilidade.

Por Emmanoel Gomes

Investimentos


Caixa Econômica Federal confirma divulgação do calendário ainda neste mês de fevereiro de 2017.

Desde o final do ano passado, quando o Presidente da República fez um pronunciamento afirmando que no ano de 2017 os trabalhadores brasileiros que possuíssem saldo de contas de FGTS inativas poderiam sacar o dinheiro, milhões de brasileiros aguardam pelo momento de fazer o saque de um benefício que será muito utilizado neste momento tão delicado pelo qual a economia brasileira vem passando.

Nesse sentido, em janeiro a Caixa Econômica Federal, que é responsável pelo Fundo Garantidor por Tempo de Trabalho, divulgou que o calendário dos vencimentos do FGTS inativo seria divulgado no mês de fevereiro, mesmo mês em que iriam se iniciar os saques considerando a data de nascimento dos beneficiados.

Dessa forma, o mês de fevereiro acaba de chegar e tem muita gente na expectativa da publicação desse calendário. Contudo, informações obtidas na Caixa afirmam que o Calendário do FGTS de contas Inativas deverá ser publicado nesta primeira quinzena de fevereiro, quando os vencimentos começarão a ser liberados.

O Presidente da República Michel Temer anunciou a liberação do pagamento desse saldo resultante de contas inativas de FGTS na intenção de ajudar os brasileiros, considerando que 2016 foi um ano economicamente difícil, com um grande número de desempregados, o que torna a vida de milhões de brasileiros mais complicada.

Segundo informações da Caixa Econômica Federal, a maioria dos trabalhadores que terão direito a esse benefício receberá em torno de um salário mínimo, R$ 937,00. Valor com o qual os beneficiados poderão quitar dívidas ou fazer compra de algo necessário para casa.

Para quem não sabe, o FGTS inativo é um saldo resultante de contas que o trabalhador possuiu ao longo de sua vida, que quando empregado com registro de carteira recebiam depósitos mensais e que ficaram inativos quando os contratos de trabalho foram rescindidos, fazendo com que essas contas ficassem paradas com um saldo que com os anos rende juros e que era devolvido ao trabalhador quando este se aposentava.

Contudo, só será contabilizado o FGTS inativo no período que vai até o dia 31 do mês de dezembro de 2015.

Verifique no site da Caixa seu extrato no FGTS e saiba se você tem direito a esse benefício. E se tiver, aguarde pelo Calendário de Pagamento que deve ser publicado nos próximos dias.

Sirlene Montes


Em janeiro o pagamento foi realizado de maneira escalonada. Os valores tiveram um reajuste de quase 7%.

Todos sabem que o seguro-desemprego é um direito garantido pelo Ministério do Trabalho àqueles que trabalham com carteira registrada. Tudo funciona quando empregado perde o emprego, mas recebe da empresa onde trabalha um valor auxiliar até que o trabalhador possa procurar um novo emprego e refazer a sua vida. Contudo, há regras para o recebimento desse benefício. A exemplo disso resolveu-se que a dívida do seguro-desemprego poderá ser quitada em pagamentos que podem variar entre três e cinco parcelas.

Dessa forma, também foi atualizado em 2017 o valor mínimo das parcelas que agora está de acordo com o novo salário mínimo que gira em torno de R$ 940.

No início do mês de janeiro, a realização do pagamento será feita através do escalonamento. Foi anunciado que os valores vão vir com um reajuste de quase 7%. Isso porque o ministério prevê a realização de muitos pagamentos previstos a datas muito próximas.

É direito do trabalhador pedir o seguro-desemprego quando este foi demitido sem justa causa, não possui nenhum negócio que possa dar uma renda própria e também não está cadastrado como um beneficiário da Previdência Social, tirando como exceção se houver algum acidente ou recebimento de pensão. Também não se pode receber aqueles que receberam salários de pessoas jurídicas.

Além das pessoas citadas acima, outras que podem receber o auxílio são pescadores artesanais durante o período que não se pode pescar, trabalhadores de casa de família que forem dispensados sem justa causa e por fim, trabalhadores que se igualam ao trabalho escravo.

Sabe-se que o pagamento pode ser feito em três a cinco parcelas e aquele que possui o direito de recebê-lo pode pedir que seja feito até três vezes.

O trabalhador possui o direito de receber cerca de três parcelas para quem trabalhou entre 5 a 11 meses e fez o terceiro pedido.

Já quatro parcelas para quem trabalhou por mais de um ano, completando quase dois anos.

E, por fim, cinco parcelas para aqueles que trabalharam por mais de dois no mesmo local.

Aos interessados, mais informações serão encontradas no site do Ministério do Trabalho no seguinte link. http://trabalho.gov.br.

É muito importante estar a par de todas as novidades envolvendo o seguro-desemprego, pois é um direito do trabalhador que pode ser extremamente útil para quem recebe.

Por Sirlene Montes

Seguro-Desemprego


Saiba quais os documentos necessários e o prazo para dar entrada no Seguro-Desemprego.

O seguro-desemprego é um benefício do governo que visa ao auxílio momentâneo que pode durar de três a cinco meses, para todos os trabalhadores com carteira assinada que foram dispensados sem justa causa.

Para ter direito a esse benefício é necessária a comprovação, por parte do trabalhador, do recebimento de no mínimo doze salários consecutivos anteriores a data da demissão, ter sido funcionário de qualquer pessoa jurídica ou física desde que tenha registro na carteira de trabalho, não estar recebendo nenhum benefício do INSS, exceto o auxílio doença e pensão por morte e não ter renda própria que seja suficiente para sustento dos familiares.

O prazo para dar entrada no seguro desemprego é de 7 a 120 dias a partir da data da demissão do trabalhador e para aquelas pessoas que exercem trabalho doméstico, o prazo ainda é menor, ou seja, de 7 a 90 dias. Caso o trabalhador deixe passar esse prazo, o mesmo perderá o benefício, automaticamente.

A documentação exigida para dar entrada no seguro desemprego é a carteira de trabalho, cartão do PIS ou cartão cidadão, requerimento do seguro desemprego expedido pelo empresa em duas vias, termo de rescisão do contrato de trabalho, RG, os 3 últimos contracheques anteriores a demissão e devidamente assinados e comprovante de saque do FGTS ou extrato atualizado.

Pode-se fazer o agendamento pela internet no site do Ministério do Trabalho para facilitar o processo. Depois de escolher o dia é só imprimir o protocolo de agendamento e se encaminhar às unidades de atendimento para dar entrada no benefício. Dependendo da duração do último contrato de trabalho, o trabalhador tem direito de três a cinco parcelas e os valores podem variar de acordo com o salário.

Vale lembrar que se o trabalhador tiver alguma empresa registrada em seu nome, mesmo que esteja sem movimento ou inativa, o mesmo não terá direito ao seguro-desemprego, em nenhuma hipótese, e caso o trabalhador comece a trabalhar novamente com carteira assinada, o benefício é suspenso automaticamente.

Fique atento ao prazo para dar entrada no benefício e separe toda a documentação antes.

Por Rodrigo Souza de Jesus

Seguro-Desemprego


Confira aqui algumas dicas de como ter renda extra e cortar gastos.

A crise que começou como uma pequena marola em 2008 chegou ao Brasil em cheio. Ao que tudo indica, os motivos não estão relacionados com um momento global de recessão, mas sim ao fato de nosso país ter mantido durante anos um esquema de corrupção que sugava o dinheiro dos cofres públicos. Todavia, como sabemos, não é possível “chorar” o leite derramado, a partir de agora precisamos votar com mais consciência, manter uma organização para vigiar os atos de nossos políticos e cobrar punições aos que usurparam nosso dinheiro público.

Além de uma mudança na consciência civil e social do povo brasileiro, algumas coisinhas também podem ser feitas para manter as contas em dia dentro da casa e passar por cima desse momento de crise. A primeira é a de praxe: cortar gastos.

Para cortar os gastos é preciso fazer anotações sistemáticas, ou seja, anotar tudo que entra e sai de receita. Com esses dados, é possível fazer uma análise estratégica de onde os gastos poderão ser cortados. Não é muito eficiente sair cortando gastos para todo o lado, isso pode aumentar seu stress e ainda retirar coisas da sua rotina que não eram influentes nos gastos mensais.

Outra estratégia para manter as contas em dia é tirar aquelas roupas velhas do guarda-roupa e partir para negociação. Isso mesmo, existem muitas plataformas de venda online que possibilitam negociações de itens usados de sua casa. Pode parecer que não fará muita diferença, no entanto, é possível tirar uma boa grana extra só vendendo aquilo que está acumulando pó em sua casa.

Também, ao invés de você fazer compras de produtos novos, é possível realizar negociações com os outros usuários desses sites.

Um exemplo de plataforma que trabalha com a venda de produtos usados é a Enjoei.com (link para acesso aqui). Além da plataforma Enjoei você pode visitar o OLX (link para acesso aqui) e o Mercado Livre (link para acesso aqui). Lembre-se de procurar grupos de compra e venda no Facebook, eles também são uma ótima alternativa para vender suas coisas que estão em desuso.

A crise é um momento difícil, mas também, é um momento de aprendizado, de criatividade e de resiliência. Passar por momentos de dificuldade sem entrar em desespero é uma das características mais valiosas que alguém pode ter.

Matheus Griebeler


Vários trabalhos podem ser realizados nesta época do ano e garantir uma renda extra.

As festas de fim de ano geram diversas oportunidades para conseguir aumentar ou complementar a renda. E as pessoas se reinventam e empreendem diversos tipos de negócios, seja vendas de algum produto ou de prestação de serviço.

Porém, muita gente nesta época está chegando com a corda no pescoço com as dívidas acumuladas durante todo o ano. E busca alguma forma para ampliar a receita e diminuir os gastos que foram adquiridos.

Neste post, vamos apresentar algumas maneiras de ganhar um dinheirinho extra para iniciar um novo ano bem da vida.

Redes Sociais:

A internet oferece as pessoas um mar de oportunidades e se você tem algum produto e serviço para oferecer existem diversos grupos dentro das redes sociais que são destinadas a este tipo de trabalho. São vários segmentos, desde alimentação até a reforma de uma casa.

Se você tem algum conhecimento, talento, experiência, o momento é agora. Abaixo listamos alguns serviços que podem ser oferecidos:

Artesanato:

Esta é uma modalidade que está sempre em alta com as mulheres ou para quem se identifica com a transformação das coisas. Para quem tem algum tipo de habilidade para confeccionar presentes, brindes e outros objetos, é possível oferecer para empresas, pessoas que queiram ou gostem de artesanato.

Ajudante de Papai Noel:

Quem gosta de crianças e tem muita paciência, os shoppings, algumas lojas oferecem oportunidades para assistentes do Papai Noel, busque em sua cidade, normalmente sempre há vagas.

Ceia de Natal:

É um serviço bem requisitado para quem não tem tempo ou não quer se preocupar em preparar a ceia de Natal. Nem todas as pessoas têm uma habilidade para cozinhar e ficar horas preparando a ceia para muita gente. Se você sabe preparar uma sobremesa, um peru, ofereça seus serviços e prepare as encomendas.

Cuidados com a beleza:

As mulheres, principalmente nesta época, querem se produzir para sair bem na foto, atualmente, nas selfies. E como querem ficar mais bonitas e produzidas, os serviços de unhas, cabeleireiro, maquiagem e outros segmentos de beleza são muito solicitados. Se tem habilidade neste setor, ofereça seus serviços.

Cuidadores de Pets:

As viagens são constantes nesta época e muitos hotéis e hospedagens não aceitam animais e nessa hora muitas pessoas precisam deixar seus pets em algum lugar. Se você gosta de animais, tem um espaço para se dedicar e cuidar deles, aproveite o momento e ganhe uma renda extra.

São alguns tipos de serviços que podem ser oferecidos no fim do ano e com certeza a renda está garantida.

Por Marcio Ferraz


Único sortudo é da cidade de Varginha, Minas Gerais, e levou sozinho o prêmio de R$ 75 milhões.

Tratando-se de jogos, todos já sabem que a Mega-Sena é a que oferece a maior premiação. Para se ter uma ideia, o maior valor pago pela loteria chegou a mais de R$200 milhões. Com isso, os brasileiros não querem ficar de fora dos sorteios. Na semana passada, o jogo acumulou e ofereceu o prêmio de R$ 75 milhões.

O sorteio dessa quantia ocorreu no sábado (29) e presenteou um indivíduo de Varginha, no estado de Minas Gerais. Segundo a Caixa Econômica, o concurso 1871 foi o segundo maior valor pago neste ano. Ainda com informações da entidade, o concurso da mega sena 1871 premiou ainda a quadra e a quina.

Sorteio da Mega-Sena 1871

Na lista de premiados da loteria federal entrou mais 15.560 sortudos, acertando 4 números (quadra) e mais 275 apostas abocanhando a quina. Abaixo, você pode conferir os números sorteados:

03 – 11 – 17 – 33 – 52 – 58

Os maiores prêmios da Mega-Sena

Sabemos que ganhar na mega-sena é uma tarefa complicada. Contudo, em meio à dificuldade muitos já conseguiram o tão sonhado prêmio da noite para o dia. A seguir, vamos recordar as maiores premiações pagas pela Caixa Econômica Federal.

O concurso 1764, realizado no dia 25/11/2015, sorteou uma única aposta e presenteou o valor de R$ 205.329.753,89. No mês seguinte, o concurso 1772, realizado no dia 22/12/2015, sorteou 2 apostas, onde o prêmio, que foi dividido, era no valor de R$ 197.377.949,52.

Em 2014, o concurso 1655 chegou ao valor de R$ 135.315.118,96, onde seu sorteio ocorreu no dia 22 de novembro, sorteando 2 apostas. Quatro anos atrás, em 2010, o concurso 1220, realizado no dia 6 de outubro, estava avaliado em R$ 119.142.144,27 e saiu para um sortudo.

Em 19 de fevereiro de 2014 saiu o quinto maior prêmio da mega-sena, quando o concurso 1575, no valor de R$ 111.503.902,49, sorteou uma única aposta. O concurso 1211, no valor de R$ 92.522.954,23, realizado dia 4/9/2010, sorteou 7 indivíduos. Por fim, o concurso 1810, realizado no dia 20/4/2016, trouxe a felicidade para uma única aposta, oferecendo o valor de R$ 92.303.225,84.

Até hoje, os vencedores da mega não sabem como abocanharam tantos milhões. Enquanto alguns contavam com a sorte, outros preferiam apostar na fé.

E você conta com a ajuda de quem: Fé ou Sorte?

Por Fábio Santos

Mega-Sena 1871


O prazo final para que os trabalhadores façam o saque do abono salarial será esta quinta-feira, dia 30 de junho de 2016.

Nesta última segunda-feira, dia 27 de junho de 2016, o Ministério do Trabalho divulgou uma nota oficial, a fim de alertar os trabalhadores quanto ao prazo para sacar o PIS/Pasep. Segundo as estimativas do órgão, mais de 1,38 milhão de trabalhadores, até a data mencionada acima, ainda não tinham feito o saque do benefício PIS/Pasep. O prazo para que os trabalhadores façam o saque do referido benefício será esta quinta-feira, dia 30 de junho de 2016.

De acordo com a última mensuração do Ministério do Trabalho mais de 22,2 milhões de trabalhadores já sacaram o benefício, sendo que este montante representa um percentual de 94,14% dos trabalhadores que tem direito e que o valor gasto com o pagamento deste benefício está estimado em R$ 18,4 bilhões.

Os trabalhadores que fazem jus ao recebimento do benefício são aqueles que estão devidamente cadastrados no PIS/Pasep há um período mínimo de cinco anos, receberam remuneração mensal média no limite de até dois salários mínimos no ano de 2014, exerceram atividade remunerada pelo período mínimo de 30 dias no ano de 2014. Convém ressaltar que além dessas exigências para fazer jus ao benefício o trabalhador tem que ter os seus dados atualizados pelo empregador por meio da Relação Anual de Informações Sociais.

Para ter acesso ao valor do benefício, os trabalhadores que preenchem os requisitos mencionados acima deverão primeiramente verificar se o valor não foi creditado na sua conta corrente, caso o valor não tenha sido creditado, o trabalhador deverá comparecer ao autoatendimento das agências da Caixa Econômica Federal ou qualquer Casa Lotérica de posse do Cartão Cidadão. Já os trabalhadores que não possuem o Cartão Cidadão, devem comparecer a qualquer agência da Caixa Econômica Federal e apresentar um documento oficial de identificação.

Os trabalhadores que fizerem jus ao recebimento do PASEP irão receber o benefício pelo Banco do Brasil, sendo que primeiramente devem verificar se o valor não foi creditado na conta corrente, caso contrário, deverão comparecer em uma das agências do Banco do Brasil e apresentar um documento oficial de identificação.

Para os trabalhadores que possuem dúvida a respeito do direito ao benefício, tanto a Caixa Econômica, quanto o Banco do Brasil, disponibilizaram dois números telefônicos para obtenção de informações, sendo estes: 0800-7260207 Caixa Econômica Federal e 0800-7290001 Banco do Brasil.

O valor devido aos beneficiários é equivalente a um salário mínimo, ou seja, R$ 880. Os quantitativos que não forem sacados pelos trabalhadores irão retornar para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

Por Adriano Oliveira

Abono salarial


Confira aqui algumas dicas de como conseguir um dinheiro extra em épocas de crise.

Muitas famílias se encontram com problemas financeiros devido a crise que o nosso país se acomete. Porém, há algumas maneiras até simples de ajudar no caixa no final do mês. Confira algumas opções!

Freelancers:

Também chamados de “bicos”, os freelancers podem ajudar nas horas vagas para possibilitar uma renda extra. Verifique a sua rede de contatos e ofereça para os mesmos serviços de ordem temporária. São exemplos, aulas particulares, prestação de consultoria ou qualquer outro tipo que tenha afinidade com o seu talento.

Vendas de Produtos Usados:

Você pode ter livros, roupas e outros acessórios que ficam parados na sua casa. Eles podem ser uma alternativa para ganhar um dinheiro a mais no final do mês. Você pode vendê-los em sebos e brechós, ou então, aquelas plataformas online que existem em larga escala na internet. São comunidades virtuais para a compra e a venda de produtos. Até o Facebook pode ser uma boa opção nesse momento.

Alugue algo que não usa tanto:

Não é somente imóveis e automóveis que podem ser alugados. Roupas sociais e até ferramentas também pode ser objetivos que você poderá “emprestar” através da internet com outras pessoas. Há aplicativos como o Armário Compartilhado e o Dress Go que são voltados para o aluguel de vestidos de festas.

O aluguel de um quarto não utilizado:

Você pode apresentar espaços em sua casa que não utiliza. Muitas pessoas chegam à sua cidade para estudo ou algum trabalho temporário, sendo que o aluguel de um espaço pode ser uma maneira de obter uma renda extra. Na internet você encontra o site Airbnb que ajuda a encontrar locatários e inquilinos. Outra opção são grupos do Facebook que você pode anunciar as vagas.

"Aluguel" do seu Carro:

Na verdade você pode alugar o carro para um amigo ou vizinho. Outra opção é oferecer carona para os mesmos em troca de uma quantia. Eles ajudarão com certa quantia de dinheiro ou na gasolina, o que já é algo caro nos dias atuais. Há o aplicativo Fleety, onde o usuário aluga o seu carro para outras pessoas por dia, semana ou até hora.

As opções para você obter uma renda extra nesse momento de crise estão aí. Agora, basta você selecionar alguma delas ou criar outra com a sua criatividade.


Equação leva em conta o mercado norte-americano e nele o valor do imóvel não pode ultrapassar a soma de 15 anos de aluguel mensal.

Será que vale mais a pena comprar ou alugar um imóvel? Essa pergunta é comum e especialistas da área de investimentos contam com opiniões distintas. Para Erik Brynjolfsson, que é economista do MIT, a melhor opção é comprar se fizer uma observação no ponto de vista de dívidas. Outros já apontam que é uma má ideia investir na compra.

Os dois lados apresentam bons argumentos. No mercado brasileiro de imóveis, os especialistas dão conta que há de se ter um cuidado no momento que fará o investimento em um imóvel. O autor do livro "How Millenials Can Get Rich Slowly", William Bernstein, aponta que há uma equação para esse tipo de pensamento antes de colocar dinheiro no investimento. A equação foi retratada em uma das edições do New York Times.

A publicação apresenta que a pessoa não deverá gastar na compra de um imóvel um valor que supera os 15 anos do aluguel mensal. O motivo para isso seria que um comprador que invista mais que esse tempo citado de aluguel poderia fazer uso melhor desse dinheiro com no mercado imobiliário (sempre observando o custo de uma casa própria).

Em um apartamento que tem o custo do aluguel mensal em quatro mil dólares, por exemplo, a pessoa não deveria, segundo a equação de Bernstein, pagar um valor maior que 720 mil dólares em uma propriedade equivalente.

A reportagem do New York Times aponta que o cálculo a ser feito é: 180 vezes o preço do aluguel mensal do imóvel que será igual ao preço máximo da compra. Esse cálculo é bom ressaltar, é feito com base nos valores do mercado dos Estados Unidos. A dica dos especialistas nesse caso é procurar por investimentos que façam sentindo frente ao seu perfil e realizar uma análise da rentabilidade dos mesmos em 180 meses.

Especialistas do mercado brasileiro apontam que um cálculo destes é complicado de se fazer para a nossa realidade. Isso acontece pois os prazos de financiamento, exigência da comprovação de renda, taxas do financiamento, entre outros detalhes, são distintos no Brasil em relação aos Estados Unidos.

No mercado norte-americano, por exemplo, não existe um custo alto do cartório, o que já apresenta uma grande parte dos ganhos em uma operação de imóveis.


STJ afirma que FGTS recebido durante o período do casamento deve entrar na partilha quando houver separação.

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) determinou neste dia 10 de março que os recursos oriundos do Fundo de Garantia de Tempo de Serviço, o FGTS, os quais foram recebidos no período de casamento vão integrar o patrimônio comum destas pessoas. Desta maneira, os recursos entrarão na partilha de bens caso aconteça uma separação.

Esse novo viés vai valer caso tenha ou não sido feitos saques dos valores do FGTS no período do casamento e também para as relações feitas com regime de comunhão parcial dos bens. A definição foi feita durante uma análise da segunda seção do supremo. Porém, ainda caberá recurso desta decisão.  Foram cinco votos contra quatro que apontaram a favor para essa nova determinação.

Caso aconteça o divórcio, haverá alguns mecanismos para que a Justiça faça um requerimento frente à Caixa Econômica Federal solicitando a divisão do fundo do trabalhador com referência ao percentual do seu cônjuge, tendo em vista o tempo do casamento. De acordo com o entendimento, quando acontece a hipótese legal ao saque (doença ou compra de imóvel, por exemplo) o cônjuge vai passar a ter o direito a esses valores.

Os ministros mantiveram a decisão do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, que apontou para a partilha proporcional do fundo que foi utilizado pelo casal na compra de um imóvel no período do casamento. O Tribunal do Rio Grande do Sul afastou também da partilha em caso de separação os valores que foram porventura doados pelo pai da ex-esposa para uma eventual compra de imóvel.

O que é o FGTS?

O Fundo de Garantia por Tempo de Serviço trata-se de um depósito feito mensalmente que se refere a 8% da remuneração do empregado. Com isso, o empregador terá a obrigação para fazer o depósito em alguma conta bancária em nome do profissional que deverá ser aberta na Caixa.

O intuito do FGTS é dar auxílio para o trabalhador no momento em que esse for demitido ou em uma hipótese de finalização da relação de emprego, sendo ela por motivo de alguma doença grave ou catástrofe natural. O fundo não vai ser descontado do salário do profissional, mas é uma obrigação do empregador. 


Confira aqui mais detalhes sobre o Fundo PIS/Pasep.

Muitos trabalhadores, às vezes por falta de informação, não sabem que podem ter um saldo a receber do Fundo PIS/Pasep.

Mas o que realmente é o Fundo PIS/Pasep? Até o ano de 1988, tanto empresas privadas como órgãos públicos em geral depositavam dinheiro no Fundo PIS/Pasep em nome dos funcionários (no caso de empresas) e servidores públicos correspondentes (no caso de órgãos públicos) assim que eram contratados. Cada trabalhador era um cotista deste Fundo, ou seja, ele era parte de uma despesa provinda dessas contratantes.

Quem pode receber? Apenas quem estava devidamente contratado por uma empresa ou um órgão público antes do ano de 1988 e não efetuou saque do fundo ainda.

Quanto e como receberei deste Fundo? Quem tem direito ao Fundo PIS/Pasep recebe na verdade uma quantia de sua parte todos os anos. Vale lembrar que é diferente do abono salarial do PIS, no qual o trabalhador recebe um fundo do Ministério do Trabalho e Emprego, caso ele tenha trabalhado um mês ou mais registrado durante o ano. Os trabalhadores com direito de receber do Fundo PIS/Pasep poderão efetuar o saque do valor total, mas somente quando se aposentarem ou caso se vitimarem de alguma doença grave, ou ainda quando completam 70 anos de idade. No caso de óbito, quem recebe o dinheiro são os dependentes comprovados pelo beneficiado, como filhos, esposa ou esposo, etc.

Como posso ver se tenho direito ou não? Se você trabalhou registrado em uma empresa privada antes de 1988, procure imediatamente uma agência da Caixa Econômica Federal mais próxima. Se você trabalhou como servidor público, então procure uma agência do Banco do Brasil para colher maiores detalhes sobre o benefício. Em ambos os casos esteja munido de documento com foto (como o RG ou a carteira de trabalho) e o número do PIS (se não tiver ou não souber, é só informar o número do CPF que o atendente procura no sistema).

De acordo com a CGU, essas informações deverão ser cada vez mais divulgadas, pois o Órgão realizou uma auditoria do Fundo recentemente. Entre o período de julho de 2013 e julho de 2014, o Fundo tinha a participação ativa de mais de 31 milhões de trabalhadores cadastrados, sobre o número de 37,5 milhões de trabalhadores no total. Deste número total de trabalhadores, 26 milhões tinham sido registrados em empresas privadas e cadastrados também no PIS (Programa de Integração Social). Outros 5 milhões foram servidores públicos e registrados no Pasep (Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público).

A CGU afirma que mais de 15,5 milhões de cotistas ainda não sabem que têm direito aos Fundos do PIS/Pasep. É por esse motivo que o TCU (Tribunal de Contas da União) tem a intenção de promover o assunto cada vez mais, para que todos os trabalhadores possam ter acesso ao benefício. Quem quiser saber mais informações é só acessar o site oficial do Tesouro Nacional, no seguinte endereço eletrônico: http://zip.net/blsNBG.

Por Daniela Almeida da Silva


Fazer algumas adaptações pode garantir um final de ano mais tranquilo em relação às finanças.

As férias de final de ano chegaram, mas muitas pessoas sofrem com a crise econômica do país. Com isso, o dinheiro falta e a dificuldade de ter fundos para as despesas que dezembro e janeiro trazem se mostra um grande problema.

Confira algumas dicas para ter um bom final de ano com pouco dinheiro:

Presentes para o Natal:

Geralmente, as crianças são as mais difíceis para fazer entender que presentes mais simples também são bons. Essa pode ser uma oportunidade para que os pais ensinem aos pequenos, questões envolvidas às finanças.

Uma opção é deixar para fazer as compras de Natal é esperar alguns dias depois das festas. Isso pode favorecer a encontrar preços mais em conta. Dê livros para seus filhos para que já tenham esses hábitos culturais. Em sebos, você encontrará vários livros por preços mais baixos.

Para os presentes aos mais grandinhos, uma sugestão é a troca das coisas tradicionais para bebidas, chocolates e pequenas lembranças como chaveiros. Outra dica é questionar a pessoa sobre algo que seja mais simples, mas que ela possa estar precisando como roupas íntimas e outros acessórios.

Vamos sair para as férias:

Viajar no final de ano é, na maioria das vezes, um ato bem caro. Mas algumas dicas podem fazer com que isso seja menos doloroso para o seu bolso. Uma dica é buscar passagens em horários alternativos. De acordo com o SerasaConsumidor, esse ano pode ter uma falta de demanda e isso pode ocasionar em promoções de última hora das empresas.

Caso o seu destino não seja tão longe e o seu carro tenha um razoável consumo de gasolina, viajar com o automóvel pode ser uma opção viável. No carro você levará cinco pessoas e elas poderão também ajudar com o combustível.

Hospedagem é algo que também exige uma quantia razoável. Casas de amigos e parentes pode ser uma opção para quem tem essa possibilidade. Campings em praias e hostels também podem ser alternativas com um custo menor.

E a ceia de Natal e Ano Novo?

A melhor saída, caso os fundos não sejam os necessários para se comer fora, é comprar os alimentos e você mesmo preparar a ceia com a ajuda da família. Vai ser muito mais barato. Não tenha medo de tirar o peru e colocar um frango no lugar ou uma pescada substituindo o bacalhau. 

Economizar dinheiro


A opção de quitação ou abatimento do valor do IPVA utilizando a Nota Fiscal Paulista tem prazo de até o dia 31 de outubro.

O Programa Nota Fiscal Paulista tem o apoio e é estimulado pelo Governo do Estado de São Paulo, para que as empresas ou pessoa jurídica emitam nota fiscal eletrônica ou manual. Dessa forma, as empresas têm um incentivo, pois haverá renúncia tributária de até 30% do dinheiro recolhido para fins de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

Já a importância da Nota Fiscal Paulista para o consumidor é que é possível a devolução de até 20% desse valor efetivamente recolhido pelo estabelecimento ao cliente ou comprador. Para que isso ocorra, basta que o consumidor exija no ato da compra esse documento fiscal e informe o seu CPF ou, se for o caso, CNPJ para receber os créditos e também participar e concorrer a prêmios em dinheiro.

Esse dinheiro restituído ao consumidor pode ser utilizado de várias formas. No próprio site de consulta ao saldo da Nota Fiscal Paulista www.nfp.fazenda.sp.gov.br a pessoa insere o CPF ou CNPJ e verifica se prefere que o saldo informado seja depositado em sua conta (basta informar os dados corretos) ou então pode também, para quem preferir, ser usado para pagamento do IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores). Nesse último caso, é somente escolher a opção de quitação ou abatimento no valor do IPVA e o site irá pedir  o número do Renavam do veículo.

A escolha do consumidor de realizar o pagamento do IPVA 2016 por meio da Nota Fiscal Paulista poderá ser feita até o dia 31 de outubro deste ano. Essa preferência não poderá ser desfeita ainda que o automóvel seja vendido.

Vale destacar que somente será possível utilizar o saldo da Nota Fiscal Paulista vinculado ao CPF do proprietário do automóvel, não existindo outra maneira de ser usado.

Segundo informações anunciadas pela Secretaria da Fazenda do Estado, neste mês de outubro entre os dias 1º e 21 foram contabilizados R$ 16.684.812,50 com finalidade de pagamento do IPVA 2016.

Por Paula Barretto Guerra

NFP


Custo de vida dos idosos ficou acima do IPC-BR, que registrou alta de 1,17% no 3º trimestre.

Foi divulgado pelo Instituto Brasileiro de Economia, Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV) na ultima terça-feira, dia 13, o resultado da pesquisa do Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i) que a inflação entre os idosos subiu 1,23% no terceiro trimestre de 2015. De acordo com a FGV, a taxa acumulada entre julho e setembro foi de 1,23%, contra aumento de 2,46% no segundo trimestre deste ano.

Segundo os dados apurados, o custo de vida dos idosos ficou acima do Índice de Preços ao Consumidor – Brasil (IPC-BR), que mede a inflação em todas as faixas etárias e que subiu 1,17% no terceiro trimestre do ano. Ao todo, o IPC-BR ficou em 9,65%, enquanto o IPC-3i acumulou 10,21% no mesmo período.

Esse índice de preços ficou acima da inflação oficial, de 9,49%, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). O índice está bem superior ao teto da meta de inflação do Banco Central, que é de 6,5%.

Apesar da alta, a FGV apurou que na passagem do segundo para o terceiro trimestre de 2015, a taxa do IPC-3i registrou decréscimo de 1,23 ponto percentual, ao passar de 2,46% para 1,23%. Ainda conforme a pesquisa alguns itens contribuíram para a deflação, ou seja, subiram menos na passagem de um trimestre para o outro, os principais foram os alimentos  que saíram de uma alta de 2,34% para 0,54%, sobretudo as hortaliças deram um resultado maior, com deflação de 16,33% no terceiro trimestre depois de aumento de 11,85%. 

Ao todo, foram sete das oito classes de despesa que compõem o índice que registraram variação menor. Dentre elas estão os grupos saúde e cuidados pessoais (3,47% para 1,82%), despesas diversas (9,31% para 0,67%), habitação (2,53% para 1,97%), educação, leitura e recreação (2,73% para 0,94%), vestuário (1,98% para 0,24%) e transportes (0,69% para 0,35%).

Por Lilian de Oliveira

Inflação entre idosos

Foto: Divulgação


Taxa de juros do cheque especial registrada em setembro foi a maior desde setembro de 1995.

A taxa dos juros do cheque especial é de 12,28% neste mês de outubro, de acordo com a pesquisa do Procon de SP, é o maior índice registrado desde setembro de 1995.

As pesquisas foram realizadas com sete instituições financeiras e foi verificado que cinco bancos aumentaram a taxa do cheque especial e o aumento superou o mês de setembro que foi em torno de 11,90%.

A CEF (Caixa Econômica Federal) passou de 10,35% para 11,38% ao mês, o Santander de 4,21% em relação a setembro, o Banco do Brasil, 3,69%, o Itaú 2,58%, o Bradesco 2,4%. O empréstimo pessoal obteve alta de 6,27% am na média bancária. 

O Banco Bradesco apresentou a maior alta de 6,57% para 6,61% e as demais instituições financeiras permaneceram estáveis, sem alterações.

De acordo com os economistas, as altas taxas de juros acabam prejudicando o crédito no Brasil e impedem a retomada do crescimento da economia, reflexo da taxa Selic. Outra taxa que sofreu aumento foi a do cartão de crédito rotativo que atingiu 345,8% ao ano

As altas taxas de juros comprometem o crédito e vários ramos são afetados dentro da economia como, por exemplo: a produção, as vendas, a antecipação de pagamentos das contas, e, com isso, não se gera uma rotatividade no comércio. O consumidor passa a ter receio na hora de adquirir um empréstimo, um financiamento, pois os juros em caso de atrasos aumentarão a conta, e o consumidor fica mais previnido na hora de contratar um serviço financeiro. 

Com a restrição do crédito o consumidor passa a comprar menos, pois os altos juros consomem as finanças, e faz com que haja o aumento da inadimplência e do calote, e esses índices de aumento das instituições bancárias é uma forma de prevenção e precaução a esses fatores. 

O governo, visando arrecadar mais, aumentou as taxas para que arrecadem mais e possam cumprir com os gastos, mas ao mesmo tempo coloca o consumidor em uma situação difícil, pois o mesmo não poderá continuar consumindo muito, e passa a ficar restrito e à mercê das taxas abusivas dos juros. 

Por Marisa Torres

Dinheiro


Com a alta do dólar, os brasileiros estão gastando menos no exterior. Queda registrada no mês de agosto ficou em torno de 46,2%.

É sabido que estamos em uma enorme crise política no Brasil, face às séries de acontecimentos que abalaram a credibilidade e a confiança de investidores internacionais em nosso País.

Os reflexos da crise econômica que estamos passando têm afetado todos os brasileiros, independente da classe social que pertence. Um dos aspectos que tem contribuído para esse problema é a disparada no preço do dólar. Com essa alta, a moeda americana nos últimos dias vem alcançando patamares estrondosos, chegando a fechar nas bolsas de valores acima dos R$ 4,00. Esses valores estão deixando os brasileiros bastante assustados, pois é considerado um dos mais altos já registrados pelas bolsas de valores nos últimos anos. Só para se ter uma ideia, no primeiro semestre de 2015, o dólar obteve alta de, aproximadamente, 36,42%.

Segundo dados do próprio Banco Central, divulgados na última terça, dia 22, a redução nos gastos, representou só no mês de agosto, uma queda em torno de 46,2%. Com essa alta crescente da moeda americana, os brasileiros estão muito receosos quanto a gastos que realizam fora do Brasil.

Vale registrar ainda que essa redução de gastos no exterior pelos brasileiros, ocorre em um período crítico, pois as consequências da alta no preço do dólar geram reflexos em cascata nos preços de diversos produtos como: alta nos preços/custos de produtos importados, nas viagens internacionais, nas passagens aéreas, diárias em hotéis e ainda, o pior de todos, que é a alta dos juros no uso dos cartões de crédito bem como de débito quando usados no exterior.

Ressalta-se que esse momento é propício para aqueles que querem ganhar um dinheirinho extra, usando do momento para investir na compra e venda de dólares.

Concluindo, antes de sair por aí gastando, faça uma consulta quanto à cotação da moeda, para verificar se é viável ou não, pois as consequências serão elevadas.

Fique atento!

Por Valter Falinácio

Gastos no exterior

Foto: Divulgação


Tesouro Direto é um ótimo investimento para aqueles que possuem um perfil conservador e não querem aplicar o dinheiro na poupança.

Para quem possui um perfil mais conservador e não arrisca em investimentos mais arriscados como os papéis da Bolsa de Valores, o Tesouro Direto sempre foi um dos investimentos mais visados. O Tesouro Direto é um programa de compra e venda de títulos do Governo Federal. Os títulos públicos são bem mais seguros que a maioria dos outros investimentos e trazem um bom retorno ao investidor. E as notícias são excelentes para quem escolheu esse papel: na última segunda-feira (dia 21), os títulos que são oferecidos pelo Tesouro Direto e que tem vencimento previsto para o ano de 2025 apresentaram uma rentabilidade de 16,08%.

Segundo Daniel Zamboni, assessor de investimentos da BR Investe, é um bom momento para aplicar nesse título. Ele aconselha os investidores a escolherem esse papel para seus investimentos pessoais.

Os títulos do Tesouro Direto são pré-fixados e caso a inflação recue num futuro próximo, o Banco Central deverá optar pela redução das taxas de juros do país e isso irá favorecer quem tiver um maior investimento nesse tipo de papel.

Porém, mesmo que o investimento seja empolgante, o especialista diz que o investidor precisa ter cautela. Como muitas pessoas não conhecem bem a marcação de mercado, vender o título antes que ele vença pode significar um bom ganho ou um prejuízo. Segundo ele, o melhor a se fazer é ir investindo nesses fundos com cuidado, aumentando gradualmente o valor do investimento, de acordo com queda da taxa de juros. Caso haja uma grande queda, quem se garantiu com uma taxa prefixada terá um bom lucro.

Assim como o tesouro Direto, o Tesouro IPCA+ pode render até 7,7% de forma real. Uma taxa excelente, mas assim como nos prefixados, é preciso estar atento às oscilações do mercado.

E em épocas de crise, o especialista afirma que o Tesouro Direto é a aplicação mais segura do país no momento (e também uma das melhores em rentabilidade). Segundo ele, o Tesouro Nacional é o melhor credor atualmente no país.

Por Patrícia Generoso


Para analistas é só questão de tempo para o dólar chegar a R$ 4,50 no Brasil.

As redes sociais gostam muito de fazer brincadeiras com a fatídica crise brasileira que assola o Brasil. Uma dessas brincadeiras é que o Brasil quer se tornar tão chique a ponto de colocar o dólar no mesmo patamar do euro. No entanto, com brincadeiras à parte, especialistas afirmam que nunca se chegou tão perto de apenas U$$ 1 chegar a equivaler R$ 4, algo até então nunca visto na economia do Brasil desde que o plano real foi criado, em fevereiro de 1994.  

Quem opina sobre isso são especialistas em economia e mercado financeiro, que vivem nos Estados Unidos, mas sempre estão observando o sobe e desce quando o assunto é comparar o real com o dólar. Por exemplo, na opinião com um leve toque de otimismo do estrategista cambial, Christian Lawrence, o Brasil vai experimentar uma sensível melhora em seu câmbio, mas, tão curta, que logo o dólar será elevado para o custo de R$ 4. A explicação para isso está na iminência do ministro da Fazenda, Joaquim Levy deixar o cargo. As especulações não param. De acordo com Win Thin, chefe global de estratégia de mercados emergentes, o dólar pode chegar a R$ 4,50. Como pode isso? Você se pergunta. E o especialista responde que bastam as notícias de que a economia brasileira está um trem desgovernado para que isso ocorra.

Quer outra informação assustadora? O dólar a R$ 4,50 pode ser uma questão só de meses para ser uma realidade.  

Ainda tendo de amargar o rebaixamento como um país pouco confiável para se fazer negócios, o Brasil encontra-se na corda bamba entre agradar os investidores estrangeiros – fazendo investimentos de logísticas e estruturais para isso – ou seguir aos trancos e barrancos investindo no social, na saúde e educação, o que tem assimilado tão poucos recursos para tal que justifica a baixa popularidade da presidenta Dilma Rousseff.  

Somente os próximos meses irão apresentar a cotação do dólar. Numa economia mundialmente integrada, onde tudo muda de forma constante, seria precipitado cravar um valor exato sobre a cotação do dólar. O que resta é torcer e esperar para que a moeda recue. Agora, o que o cidadão comum tem a ver com isso? Simplesmente tudo. Afinal, o trigo (matéria-prima do pão de cada dia) é comprado em dólar. Está explicada agora a razão dele está cada vez mais difícil de ser encontrado à mesa? 

Por Michelle de Oliveira

Dólar e Real


Mais da metade dos consumidores brasileiros estão mudando seus hábitos para conseguirem reduzir gastos nesta época de crise econômica.

A crise já fez com que mais da metade dos brasileiros mudassem seus hábitos na hora do consumo e este número tende a aumentar ainda mais neste final de ano. E a principal mudança está justamente na hora da compra, ainda mais quando se trata de produtos mais caros, mas também já se notam mudanças nas compras mais baratas, estas do dia a dia.

Se o brasileiro já era conhecido por pesquisar muito antes de comprar, agora ainda mais, pois o consumidor tem se dado ao trabalho de pesquisar em um número maior de estabelecimentos antes concluir a compra.

E outra mudança importante está na mudança de local das compras, pois aquele antigo costume das pessoas de se habituarem a fazer suas compras em  um mesmo lugar está acabando. O brasileiro está deixando a preguiça de lado e buscando novos fornecedores para conseguir menores preços.

Todos estes dados fazem parte da pesquisa realizada pela CNI – Confederação Nacional da Indústria, que entrevistou 2.002 pessoas de várias partes do Brasil no intuito de saber como a população tem se comportado diante da crise. Pessoas de 141 cidades foram ouvidas no mês de junho e os dados revelam mudanças no perfil do consumidor brasileiro.

A pesquisa mostra atitudes que sempre foram comuns entre os brasileiros só que agora estão sendo adotadas por um número muito maior de pessoas. Os brasileiros estão fazendo de tudo que podem para reduzir custos e não só trocam o local das compras, como estão reduzindo as compras, cortando gastos em casa, compram produtos similares que custam menos, adiaram a compra de algum produto mais caro e até a escola dos filhos está sendo trocada em busca de mais economia.

A pesquisa aponta que as principais economias feitas pelos brasileiros estão ligadas ao lazer,restaurantes e também ao consumo de carne vermelha.

E um fato curioso é que 16% dos entrevistados revelaram que até trocaram de residência para conseguirem reduzir os gastos. Este perfil de consumidor geralmente faz parte do grupo que paga aluguel e quando o contrato vence, ao invés de renová-lo, busca por um imóvel com valor mais baixo, mesmo que seja uma residência mais simples ou em um ponto mais afastado.

A pesquisa ainda deixou claro o medo do brasileiro em relação ao faturo, por isso o consumidor não só vem cortando gastos como também vem adiando compras mais caras, para evitar surpresas desagradáveis nos próximos meses, já que a crise não tem dado sinais de que vai melhorar tão cedo.

Por Russel

Gastar menos


Pesquisa revelou que ter dinheiro investido em ações ou investimentos traz mais felicidade para as pessoas do que possuir bens. Outra observação é que as pessoas preferem gastar dinheiro com viagens do que comprar coisas materiais.

Será que dinheiro traz felicidade? Tudo indica que sim, devido a um estudo britânico que foi realizado no Reino Unido. Segundo a pesquisa, o dinheiro não só aumenta a felicidade, mas como também reduz a ansiedade das pessoas. Uma das conclusões mostra que quanto maior é a riqueza da pessoa, maior é o nível de satisfação com a vida e também com a felicidade pessoal. Além disso, sentimentos como a ansiedade é menor nos indivíduos.

Outro indicativo do estudo mostrou que a riqueza financeira presente nos bancos, ações ou investimentos tende a trazer mais felicidade para a vida do indivíduo do que bens como, por exemplo, imóveis ou carros.

Os dados do estudo são de 2011 e 2012, mas a pesquisa foi divulgada recentemente. Esta pesquisa foi realizada pelo escritório de estatísticas nacionais do Reino Unido, o Office for Nacional Statistics (ONS).

A felicidade mostrada pelo estudo foi analisada tendo como base as seguintes perguntas:

  • Quão satisfeito está com a sua vida pessoalmente?
  • Até quanto sente que as coisas que faz em sua vida valem a pena?
  • Quão feliz se sentiu ontem?
  • Quão ansioso se sentiu ontem?

Durante a entrevista, os candidatos deram uma nota que corresponde de 1 a 10 para cada pergunta feita.

Outra pesquisa realizada mostrou que é melhor gastar dinheiro com viagens do que comprando coisas materiais. O estudo foi realizado pela Universidade de Cornell, em Nova York, sendo divulgado pela FastCo.

Para fazer o estudo, os participantes fizeram um relato da própria felicidade listando seus principais bens materiais em comparação com experiências realizadas como, por exemplo, viagens. A conclusão é que ao longo do tempo a satisfação com os objetos comprados diminuiu, mas com as experiências aumentou. Desta forma, segundo a pesquisa, vale mais a pena gastar com viagens para adquirir experiências, do que comprando bens materiais.

Gostou de conhecer sobre estes estudos? Você acha que dinheiro traz felicidade? Prefere gastar viajando ou comprando? Compartilhe a sua opinião!

Por Babi

Dinheiro traz felicidade


No 1º semestre deste ano a retirada dos recursos da poupança superou as aplicações em aproximadamente R$ 48,49 bilhões.

A crise econômica tem atingido também a caderneta de poupança. A alta do desemprego, dos tributos, da inflação e o consequente endividamento das famílias, tem feito com que as retiradas da caderneta de poupança aumentem a cada dia.

Somente no primeiro semestre deste ano, a retirada dos recursos da caderneta superou as suas aplicações em aproximadamente R$ 48,49 bilhões, segundo o divulgado pelo Banco Central, no último dia 4.

No mês passado, as retiradas foram R$ 7,5 bilhões mais altas do que os depósitos. O mês foi o oitavo seguido em que se registrou evasão dos recursos da caderneta.

O atraso na antecipação do 13º salário também pode ter sido uma das causas da grande retirada da poupança.

Saldo em recuo:

Com o grande número de retiradas na caderneta de poupança no acumulado do primeiro semestre deste ano, seu saldo sofreu um recuo. No final do ano passado, os recursos totalizavam R$ 622,7 bilhões e no mês de julho caíram para R$ 648 bilhões. No mês de agosto, a queda continuou, e os recursos fecharam o mês em R$ 645 bilhões.

Os motivos:

Dentre os principais motivos que fizeram com que a população retirasse fundos da poupança está a alta de tributos, o que fez com que a renda da população diminuísse. Além disso, limitações em benefícios sociais, como o auxílio-doença, seguro-desemprego, abono salarial e pensão por morte, além da alta no desemprego (8,3%, o maior desde o começo da série histórica, em 2013), fizeram com que o brasileiro tivesse dificuldade em pagar suas contas, recorrendo ao crédito na poupança para tentar honrar seus compromissos.

Baixa rentabilidade:

Para complementar o quadro que favoreceu as retiradas da poupança neste ano, sua rentabilidade não está das melhores. A caderneta tem ficado muito atrás em retorno, frente a outros investimentos, o que incentiva a população a retirar o dinheiro aplicado, em busca de novas alternativas. Dinheiro aplicado na poupança atualmente fica praticamente “parado”, com um rendimento de apenas 6,17% ao ano, mais TR. Bem pouco, se comparado a outros investimentos seguros, como o tesouro direto, cada vez mais popularizado entre os menores investidores.

Os especialistas recomendam que a caderneta pode ser ainda uma boa opção para quem tem pouco dinheiro investido, para quem deseja uma aplicação de curto prazo, ou para quem deseja somente um fundo de reserva econômica para eventuais emergências. Como a poupança não cobra Imposto de Renda, nem tem um tempo mínimo de resgate, ela ainda é muito utilizada pelo seu alto poder de rotatividade.

Nada mais natural do que numa época em que o crédito está cada vez mais difícil, e as reservas econômicas cada dia mais escassas, que o brasileiro abra mão de sua reserva na caderneta, para cumprir com seus compromissos. Resta a esperança de que tempos melhores cheguem e que a poupança volte a ser novamente um “colchão de segurança” para os brasileiros.

Por Patrícia Generoso

Dinheiro da poupança


Dependendo da situação econômica do aposentado, a 1ª parcela do 13º salário pode ser usada para quitar as dívidas ou ser colocada em algum investimento.

O Governo havia ameaçado não pagar a primeira parcela integral do 13º salário dos aposentados e pensionistas, pagando somente 25% agora, os outros 25% mais adiante e só no final do ano os 50%, indo contra uma tradição de mais de 9 anos. Porém, o Governo recuou diante da pressão e os aposentados irão receber a primeira parcela do 13º salário como nos outros anos. Agora que essa questão foi resolvida, o importante é que os aposentados decidam-se sobre o que fazer com a primeira parcela recebida.

Há uma polêmica muito grande sobre o que fazer com o dinheiro extra que vai entrar, que é a primeira parcela do 13º. Para alguns, os aposentados devem quitar suas dívidas, que roubam o seu dinheiro através dos altos juros cobrados. Mas para outros, o dinheiro extra deve ser poupado para a realização de um sonho, por exemplo, uma viagem mais diante, uma televisão nova, um veículo, ou qualquer outro sonho que o aposentado tenha.

Na verdade, não existe uma regra que traga a "melhor dica", pois cada caso merece uma atenção especial. O importante é que o aposentado analise com muita cautela sua situação financeira e defina, desde agora, o que fazer com esta primeira parcela.

Para os aposentados que conseguiram chegar até esta segunda metade do ano sem dívidas, então o melhor a ser feito agora é realmente economizar. Deixar o dinheiro na poupança ou aplicá-lo, dependendo do valor, em algum investimento seguro que renda ao menos um pouco mais que a poupança. Assim, quando o aposentado receber a 2ª parcela do 13º salário, poderá juntar o montante e comprar algo que esteja querendo muito, ou então, realizar a viagem dos seus sonhos, ou ainda, deixar o 13º salário todo aplicado, até o ano que vem, assim, quando receber o 13º em 2016, poderá juntá-lo com o valor recebido este ano e terá o dobro do valor para fazer o que desejar.

No caso dos aposentados que, infelizmente, estão com dívidas, pode-se utilizar a primeira parcela do benefício para quitar a dívida, pois nenhum rendimento bancário será maior que os juros cobrados, por isso, a dica é sempre quitar as dívidas primeiro, mas fique muito atento à negociação, pois tendo o dinheiro em mãos, você pode exigir que a empresa lhe ofereça um bom desconto, para que assim você possa quitar sua dívida ou, ao menos, boa parte dela.

Por Russel

13° salário dos aposentados

Foto: Divulgação


Foi iniciado o pagamento do abono salarial para os nascidos no mês de agosto. Este é o 2 lote do benefício liberado. O pagamento a todos os que têm direito será feito até março de 2016

A agenda de pagamentos do abono salarial deste ano sofreu um atraso, consequência da crise econômica que o Brasil vem enfrentando. O abono é um benefício de um salário mínimo, pago a todos os trabalhadores que receberam até dois salários mínimos no ano passado e trabalharam pelo menos 30 dias ininterruptos durante o ano. Agora, os nascidos no mês de agosto já podem retirar o seu benefício. Este é o segundo lote de benefícios liberado. O Governo começou a pagar os lotes no mês passado.

Desde quinta-feira (dia 20), os trabalhadores nascidos em agosto e que não são correntistas da Caixa, podem se dirigir a uma agência do banco para sacar o seu benefício. É preciso levar um documento com foto. Ainda é possível sacar o abono em um dos caixas eletrônicos ou lotéricas, utilizando o seu cartão cidadão. Os correntistas da Caixa já tiveram seus benefícios liberados desde a última terça-feira (dia 18), o crédito de seus abonos é depositado diretamente na sua conta corrente. Os servidores públicos também recebem o abono diretamente em suas contas, se tiverem conta corrente no Banco do Brasil. Quem não tiver conta no BB pode sacar o benefício em uma de suas agências. O calendário é o mesmo para os não correntistas da Caixa.

O valor do benefício é equivalente a um salário mínimo, atualmente fixado no valor de R$ 788. É importante que os trabalhadores nascidos no segundo semestre do ano estejam atentos à liberação dos lotes. Segue a agenda dos próximos lotes:

– Nascidos em julho:

Não correntistas da Caixa/BB: Já liberado – a partir do dia 22/07/2015.

Correntistas da Caixa: Já liberado – a partir do dia 14/07/2015.

– Nascidos em agosto:

Não correntistas da Caixa/BB: Já liberado – a partir do dia 20/08/2015.

Correntistas da Caixa: Já liberado – a partir do dia 18/08/2015.

– Nascidos em setembro:

Não correntistas da Caixa/BB: A partir de 17/09/2015.

Correntistas da Caixa: A partir de 15/09/2015.

– Nascidos em outubro:

Não correntistas da Caixa/BB: A partir de 15/10/2015.

Correntistas da Caixa: A partir de 14/10/2015.

– Nascidos em novembro:

Não correntistas da Caixa/BB: A partir de 19/11/2015.

Correntistas da Caixa: A partir de 17/11/2015.

– Nascidos em dezembro:

Não correntistas da Caixa/BB: A partir de 17/12/2015.

Correntistas da Caixa: A partir de 15/12/2015.

– Nascidos em janeiro e fevereiro:

Não correntistas da Caixa/BB: A partir de 14/01/2016.

Correntistas da Caixa: A partir de 12/01/2016.

– Nascidos em março e abril:

Não correntistas da Caixa/BB: A partir de 16/02/2016.

Correntistas da Caixa: A partir de 11/02/2016.

– Nascidos em maio e junho:

Não correntistas da Caixa/BB: A partir de 17/03/2016.

Correntistas da Caixa: A partir de 15/03/2016.

Uma das críticas ao calendário deste ano é que boa parte dos trabalhadores só irá receber o benefício no próximo ano, o que pode prejudicar alguns trabalhadores, que poderiam já estar contando com o crédito. No ano passado o benefício foi pago em quatro datas entre os meses de julho e outubro. Este ano o abono será pago em mais parcelas, são nove ao total.

Por Patrícia Generoso

Abono salarial


Correção do FGTS foi equiparada ao rendimento da poupança.

Nesta última terça-feira (18), a Câmara dos Deputados, realizou uma votação simbólica onde foi aprovado um projeto de lei que regulariza o aumento para a correção do FGTS – Fundo de Garantia por Tempo de Serviço – que agora é equiparado ao rendimento da poupança.

Esta proposta estava entre os itens da "pauta bomba" que tanto vem sendo criticado pelo Planalto e um dos motivos é que estes projetos têm um impacto muito grande nos cofres públicos e o Governo está com muitas dívidas, arrecadando menos e não acha certo que estes projetos sejam aprovados no meio de uma crise.

O rendimento do FGTS hoje, é de 3% acrescido da TR – Taxa Referencial, que tem ficado em 0%. Agora, com a aprovação deste novo projeto, a remuneração do FGTS vai aumentar de forma gradual até alcançar a marca de 6% e isso fará com que o dinheiro do trabalhar tenha um rendimento maior.

Nos 12 primeiros meses, a correção do FGTS será de 4% acrescido da TR. No segundo ano, o rendimento do fundo, será de 4,75% mais a TR. Já no terceiro ano, o rendimento passa para 5,5% mais a TR e já no quarto ano, o rendimento do FGTS passa a contar com as mesmas regras válidas para a poupança.

Esta nova taxa para o FGTS ainda precisa ser aprovada pelo Senado e se for aprovada, passa a valer para os depósitos que forem realizados a partir do próximo ano.

Antes deste novo projeto ser aprovado, várias propostas de mudanças foram apresentadas, mas acabaram sendo excluídas. Uma questão mencionava que toda operação que estivesse relacionada a empréstimo do BNDES deveria ser impedida, mas acabou sendo rejeitada.

Para o Executivo, esta proposta não deve ser aprovada pelo Senado, pois compromete vários programas habitacionais que hoje são bancados pelo FGTS, entre eles o "Minha Casa, Minha Vida".

O Governo poderá vetar partes do projeto, pois tem uma proposta diferente para o projeto, onde o escalonamento seria realizado em 8 anos e não apenas em 4, pois assim conseguiria minimizar o impacto das correções do FGTS.

Por Russel

FGTS


Desde quando foi lançada, a moeda desvalorizou bastante. Na época, o poder de compra de uma nota de R$ 100 era de apenas R$ 19,90.

Já é de conhecimento de todo brasileiro, que o Real não anda muito bem das pernas. Desde que foi lançado em1994, a moeda já se desvalorizou bastante. Na época, um real valia exatamente um dólar e a nova moeda era motivo de orgulho para os brasileiros. Coisa que já não acontece atualmente.

Com a crescente desvalorização da moeda (402,4% de inflação acumulada desde 1994), uma nota de cem reais atualmente tem o mesmo poder de compra do valor de R$ 19,90 na época de seu lançamento, uma queda de 80,1% de seu poder de compra. Em resumo, o valor total do real foi reduzido em 1/5 nos últimos 21 anos.

Mas nem tudo são derrotas no plano real. De acordo com alguns matemáticos, a moeda ainda tem poder de compra, mesmo com essa alta desvalorização. Segundo eles, o Plano Real tem feito muito bem seu papel de controlar a hiperinflação. Para comprovar suas afirmações, eles citam a inflação acumulada somente no primeiro trimestre do ano de 1990, onde os índices foram maiores do que o registrado durante todo o Plano Real, algo em torno de 437,02% em apenas três meses!

Isso quer dizer que na época, uma nota que tivesse o valor de R$ 100, apenas um ano depois já estaria valendo somente R$ 1,44, perdendo 98,6% de seu valor total (talvez isso explique as constantes trocas de moeda nessa época). Enquanto isso, em 21 anos de sua existência, o Real ainda preserva valor de compra.

Protegendo-se contra a inflação:

Quem deseja rentabilizar seu dinheiro em época de desvalorização da moeda e de inflação em alta, deve escolher papéis que aproveitem essa alta dos juros, como títulos públicos como Tesouro IPCA+, que acompanha a inflação vigente, mais 1%. A poupança definitivamente não é um bom negócio, já que com baixos rendimentos seu dinheiro acabará perdendo o valor de compra.

Segundo os especialistas, um pouco de inflação é saudável para a economia e é um cenário bem melhor do que a deflação (queda geral de preços).

Por Patrícia Generoso

Real


A poupança é o pior investimento deste ano. Os melhores investimentos são Tesouro Direto, Dólar e CDB.

É hora de ser conservador nos investimentos, dizem os especialistas. Como as taxas de juros estão altas, assim como o desemprego, que atingiu o maior índice desde o ano de 2010 e a inflação chegando a 9,25% no período de 12 meses, quem possui dinheiro para investir deve procurar soluções de renda fixa.

Segundo os especialistas em investimentos, os melhores papéis são o do Tesouro IPCA+ e o Tesouro Selic, pois o primeiro protege quanto às altas da inflação e o Tesouro Selic segue a alta dos juros para rentabilizar seus investidores.

Poupança está em baixa:

Além de pagar um rendimento muito baixo (0,5% ao mês, mais TR) a poupança não aproveita a alta dos juros para rentabilizar para seus investidores, o que faz com que perca a competitividade perante seus concorrentes que utilizam as alterações dos juros para remunerar o rendimento aos clientes. Mesmo os fundos que cobram altas taxas de administração (acima de 1%, por exemplo) são uma excelente opção para o investidor nesse momento econômico do país.

Como se não bastasse todos esses pontos negativos, no primeiro semestre deste ano, a poupança foi considerada a pior aplicação do ano, pois rendeu menos que a inflação por sete meses seguidos. Portanto, é hora de retirar o dinheiro da poupança, onde ele ficaria parado e investir em um fundo com maior rendimento e com segurança parecida.

Se a poupança não é um bom investimento, confira os principais fundos em alta:

Tesouro Direto – Acompanha a alta dos juros e não sofre grandes variações diariamente. É preciso estar atento ao vencimento do papel, para não tirar o dinheiro antes e perder rendimentos.

Dólar – Com o dólar em alta o investidor pode optar pelo fundo cambial. Quem precisa planejar gastos futuros, como viagens e estudo, pode aproveitar as variações para comprar a moeda aos poucos, sem maiores prejuízos.

CDB – Não tem taxa de administração, mas desconta Imposto de Renda. É um investimento a médio ou longo prazo: quanto mais tempo com dinheiro investido, mais se ganha. E quanto menor o banco, maior o rendimento também. E o investidor ainda conta com uma segurança a mais: a proteção do Fundo Garantidor de Créditos no limite de até R$ 250 mil por cada CPF.

Por Patrícia Generoso

Investimentos


Alta registrada foi de 8,5% comparado ao mês de junho de 2015.

Mesmo com as incertezas e fraquezas econômicas, que influenciam a confiança dos brasileiros na economia, a procura por crédito cresceu no último mês de julho, segundo uma pesquisa realizada pelo Serasa e publicada na última terça-feira (dia 11). A alta registrada foi de 8,5% se comparado com o mês anterior e de 7% quando comparado ao mesmo período no ano de 2014. No percentual acumulado do ano, a procura por crédito registrou alta de 5,1% se comparado ao primeiro semestre do ano de 2014.

Segundo a pesquisa, a demanda teria crescido em todas as faixas salariais, com destaque para a faixa mais baixa: quem recebe entre R$ 500 e R$ 1.000 teve uma alta de 9% da demanda por crédito. E os que ganham entre R$ 5.000 e 10.000 a procura por crédito teve alta de 7,5%.

Todas as regiões também registraram alta segundo o informado pela pesquisa: o maior índice foi o registrado no Centro-Oeste, com 9,4% de alta do crédito, seguido de perto pelo Sul do país, com índice de 9%, em seguida vem o Nordeste, com 8,3% de aumento, Sudeste também com 8,3% e o Norte, que registrou o menor aumento: 8%.

A entidade, no entanto, acredita que a alta pode ter sido influenciada pela quantidade a mais de dias úteis no mês de julho, que além de possuir 31 dias, não tem nenhum feriado (são 23 dias em julho, contra 21 em julho). Se o ajuste dos dias úteis for feito, os números serão mais pessimistas: uma queda de 0,9% na passagem de junho para julho deste ano, o que reflete com mais realidade o cenário econômico do país.

A entidade acredita que a comparação entre os meses acaba sendo irreal, pelo aumento da quantidade de dias úteis, da mesma forma que a Copa do Mundo do Brasil, encerrada no dia 13 de julho de 2014, também mudou o cenário e enfraqueceu a comparação real dos meses e das relações anuais de crédito.

Por Patrícia Generoso

Busca por crédito

Foto: Divulgação


Conjunto é composto por 9 moedas que mostram as atividades que envolvem o Programa Numismático dos Jogos Olímpicos e também Paralímpicos Rio 2016 e os pontos turísticos da cidade.

Em comemoração aos Jogos Olímpicos e também Paraolímpicos que serão realizados nos próximos anos no território brasileiro, o Bacen (Banco Central do Brasil) colocou em circulação mais uma coleção de moedas comemorativas para celebrar esses eventos.

O lançamento oficial aconteceu na última quinta-feira, dia 06/08, no Rio de Janeiro e essa é a terceira vez que moedas desse tipo são disponibilizadas para a população. Esse conjunto é composto de nove moedas que mostram de um lado em evidência as atividades que envolvem o Programa Numismático dos Jogos Olímpicos e também Paralímpicos Rio 2016, mais os pontos turísticos do próprio Rio de Janeiro, onde temos:

  • Uma moeda de ouro que homenageia de um lado o Cristo Redentor, símbolo máximo da cidade do Rio de Janeiro e mundialmente conhecido, e do outro mostra a Luta Olímpica, um esporte representado pelo lema olímpico Citius, Altius, Fortius, que significa mais rápido, mais alto, mais forte;
  • Quatro moedas de prata que mostram as paisagens da cidade e as atividades esportivas de remo, corrida, ciclismo e vôlei de praia, onde no reverso tem imagens ligadas com a cultura e fauna brasileira, onde podemos destacar o mico-leão-dourado, a orquídea, o sambódromo e o forró;
  • Por último, o conjunto tem quatro moedas de circulação comum no valor de R$ 1,00 que mostram os esportes onde o Brasil obteve mais medalhas nesses eventos, que são o futebol, o voleibol, o judô e o atletismo paraolímpico. Nesse caso, essas moedas já começam a circular na rede bancária e podem ser encontradas em embalagens especiais.

Outra informação que o Bacen divulgou é que serão comercializadas três cartelas diferentes contendo conjuntos de quatro moedas do tipo de circulação comum. Nesse tipo de cartela a população vai ter acesso às moedas de cada um dos três lançamentos que já foram realizados.

Para aqueles que ficaram com vontade de adquirir podem acessar o site do Banco do Brasil e realizar a compra através de boleto bancário ou senão para os que são correntistas podem optar por débito em conta. Já para quem não tem acesso à Internet, pode ir diretamente a uma agência do Banco do Brasil e realizar a compra, mas lembrando de que para esse tipo o pagamento deve ser feito em espécie, ou seja, em dinheiro.

Por Fernanda de Godoi

Moedas comemorativas dos Jogos Olímpicos

Foto: Divulgação


Com a constante alta dos juros, os brasileiros tendem a utilizar o cheque especial ou o cartão de crédito, e isso faz com que o risco de ficarem endividados aumente.

Com a taxa Selic chegando novamente a níveis exorbitantes, a ideia de utilizar opções como o cheque especial ou o crédito rotativo do cartão de crédito é uma péssima opção para o consumidor. O Copom elevou a taxa de juros em 0,5% ao mês, podendo chegar a 13,75% ao ano, o que fez com que os juros médios cheguem ao patamar de 11,49% ao mês somente durante o mês de julho. Isso quer dizer que quem pegou R$ 100 no cheque especial no começo do mês, parará R$ 111,49 ao virar do mês.

É importante a conscientização do consumidor quanto aos riscos do ciclo do endividamento durante épocas de alta nos juros. Geralmente a dívida tende a crescer cada dia mais, como uma “bola de neve”, o que compromete não só a vida econômica, mas também setores, como a vida familiar, profissional e até mesmo a área da saúde.

O consumidor brasileiro tem a cultura do consumismo, onde armadilhas financeiras, como o crédito do cheque especial ou do cartão de crédito, são usadas indiscriminadamente, fazendo com que as dívidas cresçam em uma proporção assustadora. Funciona mais ou menos assim: se falta dinheiro para pagar uma conta, o consumidor utiliza o cartão de crédito ou o cheque especial, como uma forma de “complementar a renda”. Só que no próximo mês, o dinheiro gasto para o pagamento das dívidas do mês anterior fará falta para os compromissos do mês vigente, fazendo com que outras linhas de crédito sejam acionadas, o que gera um ciclo vicioso sem fim. Quando se dá conta, o consumidor está sem saída para quitar suas dívidas.

Para evitar o ciclo do endividamento é necessária uma série de medidas, como fazer um levantamento de todas as dívidas, dando prioridade as que têm juros maiores e, portanto, crescem com mais rapidez, aliado ao pagamento das contas, o consumidor deve fazer uma reeducação financeira, cortando gastos desnecessários e aprendendo a viver com o que tem.

Para quem deseja sair do ciclo do endividamento, ou mesmo não entrar neste, algumas financeiras oferecem cursos de educação financeira. Uma das iniciativas mais famosas são os cursos oferecidos gratuitamente pela BM&FBovespa, na modalidade presencial e a distância. Investir seu tempo em um desses cursos pode ser o diferencial para uma vida financeira mais saudável.

Por Patrícia Generoso

Dívidas


É preciso muita determinação e organização para conseguir se livrar das dívidas neste momento de crise econômica.

Com a atual crise, tem muito brasileiro endividado e que não está conseguindo se livrar de vez das dívidas adquiridas. Se você se encaixa neste perfil, saiba que é possível eliminar as dívidas, porém, você terá que ser determinado e muito organizado.

Não adianta ler as dicas, achar interessante, mas não colocá-las em prática, isso não vai ajudar em nada. Então vamos ver o que você precisa começar a fazer agora para se livrar das suas dívidas.

O primeiro passo é saber exatamente quanto você deve, para quem você deve, quando a dívida deverá ser paga e de quanto é o juro cobrado. O endividado que faz este controle já está com meio caminho andado para se ver livre das dívidas, porque é muito importante que você tenha este controle, pois só com ele você conseguirá se livrar das dívidas.

Feito isso, é hora de organizar o orçamento, porque você só vai se livrar de suas dívidas depois que pagá-las e quanto mais rápido fizer isso, melhor.

Tendo a relação de tudo que deve, você vai procurar negociar juros menores, prazos maiores se for preciso, mas não adianta a pessoa ficar do lado de lá querendo te ajudar, se do lado de cá você não está cortando gastos para sobrar dinheiro para você pagar as dívidas.

Então é hora de termos um outro controle, onde você irá anotar o seu rendimento mensal e todos os seus gastos, porque a primeira coisa a ser feita, é fazer com que você gaste menos do que ganha, pois esta é a primeira forma de conseguir com que sobre dinheiro para ir quitando as dívidas. O segundo passo é verificar em seu orçamento, quais os gastos podem ser eliminados de vez e quais os que podem ao menos ser reduzidos.

Isto não significa que você terá que deixar que sair com os amigos, deixar de ir ao cinema ou se divertir, mas até quitar as dívidas, sacrifícios serão necessários, então veja o que você poderá fazer para reduzir os gastos e anote tudo!

Não deixe de anotar, porque você vai ter que se cobrar no final de cada semana, analisando a semana que passou e vendo se você conseguiu atingir todas as metas. E sabendo quanto está economizando a cada semana, poderá calcular o tempo que vai demorar para pagar as dívidas.

Como foi dito no início, você terá que ser determinado e muito organizado, mas no final verá que valeu a pena todo o sacrifício, ao se ver livre de todas as dívidas.

Por Russel

Quitar as dívidas


Em junho de 2015, o total de retiradas da poupança foi de R$ 6,26 bilhões, o pior resultado obtido nos últimos 20 anos.

Durante o mês de junho a caderneta de poupança registrou uma das maiores saídas de recursos para esse mês, desde que os valores começaram a ser registrados, no ano de 1995. O Banco Central divulgou os dados na última segunda-feira (dia 6).  O total da saída foi de R$ 6,26 bilhões. O pior resultado havia sido registrado no ano de 1999 quando as saídas registradas foram de R$ 1,4 bilhão. No mês de maio desse mesmo ano, as saídas foram ainda piores, com valores de R$ 11,438 bilhões.

Os números para o primeiro semestre também foram os mais altos desde o começo da série histórica do BC. As retiradas realizadas tiveram seu valor líquido de R$ 38,451 bilhões. Com essa alta retirada no mês de junho, o saldo total da poupança dos brasileiros fechou em R$ 645,56 bi o primeiro semestre do ano. O valor é o menor desde setembro do último ano, quando os saldos das poupanças alcançavam R$ 643,4 bilhões.

A grande saída da poupança, considerada um dos fundos de investimentos mais populares entre os brasileiros é facilmente explicada pela alta dos juros e da inflação, pelo endividamento das famílias e também pela perda da rentabilidade da poupança se comparada a outros investimentos acessíveis.

Embora a poupança esteja menos atrativa pelo menor rendimento, os especialistas afirmam que ela ainda é uma boa opção de investimento em alguns casos. Pequenos poupadores, pessoas que querem um investimento a curto prazo, ou mesmo as que querem apenas um fundo de reserva para emergência. A poupança também pode ser atrativa para quem deseja se livrar dos impostos, pois mesmo os fundos mais simples, como o tesouro direto, por exemplo, possuem cobrança de Imposto de Renda. Em alguns investimentos o valor cobrado pelo IR é menor de acordo com o tempo de investimento. O que não acontece com a poupança, já que esta não cobra impostos. 

Por Patrícia Generoso

Dinheiro


É preciso estipular e seguir algumas regras para atingir a sua meta de enriquecer.

Se você, de fato, quer se enriquecer, saiba que não adianta ficar contando com a sorte, é preciso estar focado neste objetivo e seguir algumas regras que certamente vão lhe ajudar a atingir este objetivo.
E por incrível que pareça, a primeira regra é fazer um levantamento e determinar de quanto você irá precisar para se considerar realmente rico. Não tem como chegar a um lugar se não soubermos quando chegaremos lá. Veja o que é ser rico para você e estipule um valor que deverá ser a sua meta.

A segunda regra é fazer uma modificação total no seu modo de ver as coisas! O consumismo deverá ser deixado de lado e muitos sacrifícios deverão ser feitos. Será que você realmente está preparado para isso? Tem muita gente querendo enriquecer, mas poucas de fato estão dispostas a enfrentar as dificuldades e os obstáculos.

Esqueça aquela velha mania de ficar comprando produtos supérfluos, você deverá estar sempre focado em sua meta de enriquecer.

A terceira regra é tomar cuidado com os bens que você adquirir. Uma casa bonita, grande, confortável em um bairro classe alta além de custar mais caro também gera mais despesas, seja para manutenção, segurança, IPTU, entre outros gastos.

O mesmo vale para um automóvel, imagine que você compre um carro 0km, um modelo top de linha. Vai gastar muito dinheiro com seguro, IPVA, etc.

Cuidado com o que comprar nesta fase em que está buscando o enriquecimento!

O importante agora é comprar bens que vão lhe dar retorno financeiro, por exemplo, um veículo de aluguel, um imóvel que possa ser alugado, etc.

A quarta regra também é importantíssima para quem deseja enriquecer, que é ter um controle total do seu dinheiro. Tem pessoas que não sabem o quanto ganham e o quanto gastam por mês e isso não sendo rico, então imagine como seria esta pessoa com uma fortuna. Ela perderia tudo em pouco tempo.
É de fundamental importância que você saiba qual é a sua renda, quais são os seus gastos, planejar quanto irá ganhar e gastar nos próximos meses, saber o que pode economizar, enfim, é preciso aprender, desde já, a saber lidar diariamente com este controle.

E à medida que for aumentando seus bens ou sua renda, inclua tudo neste controle, veja o que está lhe dando mais retorno e o que tem lhe dado prejuízo, pois desta forma você estará sempre trabalhando em cima daquilo que mais lhe ajuda a enriquecer, deixando de lado as práticas que não rendem tanto ou que até mesmo, lhe traz prejuízo.

Por Russel

Ter dinheiro

Foto: Divulgação


Brasil tem uma das maiores cargas tributárias do mundo e não consegue melhorar seu índice de retorno dos impostos para os cidadãos em forma de serviços públicos.

Pelo quinto ano consecutivo o Brasil conseguiu registrar uma marca bastante desagradável para os seus cidadãos: é o último, de uma lista contendendo 30 países, quando o assunto é o retorno de impostos levando em consideração os serviços públicos de qualidade voltados à população. A comparação é feita com o valor total pago em impostos pelo contribuinte e o que acaba voltando em forma de serviços públicos. O estudo aqui destacado foi feito pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário e divulgado na segunda-feira, 1º de junho.

É importante ressaltar que este estudo foi realizado com os 30 países com as maiores cargas tributárias do mundo. Dessa forma, o estudo analisou a arrecadação de tributos de uma forma geral, ou seja, em escalas federal, estadual e municipal. O mesmo teve como base o resultado do Produto Interno Bruto de 2013, bem como o Índice de Desenvolvimento Humano da ONU.

O primeiro lugar da lista foi da Austrália, seguida da Coreia do Sul e dos Estados Unidos. Portanto, esses são os países que mais proporcionam retorno no Índice de Retorno de Bem Estar à Sociedade, o IRBES.  Vale destacar que o estudo anterior tinha os Estados Unidos como primeiro lugar e Austrália em segundo.

A última posição do Brasil mostra que o país não está conseguindo melhorar o seu índice de retorno de carga tributária para os cidadãos brasileiros em forma de serviços públicos. Haja vista os cinco anos consecutivos na última posição da lista, depreende-se que os tributos aumentam, no entanto, o retorno não segue o mesmo ritmo. O país ficou atrás de países como, por exemplo, Uruguai (11º), Argentina (19º) e Grécia (16º), sendo que os dois últimos citados passam por crise financeira.

Vale destacar que o ano de 2015, por exemplo, já registra a grande quantia de R$ 800 bilhões arrecadados em forma de tributos. Dessa forma, mesmo com os seguidos recordes de arrecadação o retorno em forma de qualidade do ensino público, saúde pública, segurança, saneamento básico e etc. ainda não são suficientes.

Por Bruno Henrique

Retorno de impostos


Inflação de março é a maior desde fevereiro de 2003

A atual situação econômica do Brasil traz diversas consequências negativas para a vida do consumidor. A primeira delas é o aumento da inflação. Um grande exemplo disso foi a inflação oficial do país no mês de março que ficou em 1,32%, mais um aumento se comparado a fevereiro que registrou 1,22%. Com isso, essa taxa do mês de março passa a ser a maior desde fevereiro de 2003. Na ocasião a taxa havia alcançado 1,57%. A inflação oficial do país é medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo, o IPCA.

Além disso, é importante destacar que em 12 meses o indicador está com alta acumulada de 8,13% que é a maior desde dezembro de 2003. Esse é um cenário bastante desagradável, haja vista o mais recente boletim Focus, do Banco Central, apontar que os economistas do mercado financeiro esperavam que o IPCA atingisse 8,2% no final deste ano. Além disso, o atual valor da taxa já está bastante acima do teto da inflação para 2015 (6,5%).

Um dos principais influenciadores da taxa da inflação de 2015 foi, sem sombra de dúvidas, a energia elétrica. Saiba que a energia elétrica representou nada menos que 50% do índice geral. Um dos principais motivos para a energia elétrica estar entre os destaques da inflação de março foram os aumentos extras.

Apesar disso, é importante destacar que o IBGE já esperava tal resultado. O órgão já havia informado que o reajuste das tarifas de energia elétrica de várias concessionárias do país, bem como o aumento na taxa extra das bandeiras tarifárias, poderia ter um impacto significativo na inflação oficial.

Caso não saiba, a energia elétrica está dentro do chamado grupo de gastos com habitação. Portanto, a variação de preços do grupo foi a maior entre todos os outros, pois foi guiado pelo aumento de tarifas extras da energia elétrica.

Logo após a energia elétrica estão as despesas com alimentação e bebidas. Os preços deste grupo registram subida de 1,17% em março após outro aumento em fevereiro (0,81%).

O registrou desaceleração na alta de preços, saindo de 2,20% para 0,46%.

Por Bruno Henrique

Inflação


No acumulado do 1º trimestre deste ano o valor das retiradas atingiu R$ 23,230 bilhões

No mês de março foi registrado o pior comportamento da poupança, isso aconteceu devido à cotação do dólar que tem deixado mais atraentes outros investimentos e também por conta da alta dos juros. Outro dado preocupante para a economia brasileira é que o valor dos resgates do mês passado foi bem acima do que a quantia negativa de um ano inteiro, R$ 11,438 bilhões.

O contraste da quantia resgatada em março é assustador ao comparar com os valores retirados durante o ano de 1999 e 2000, R$ 8,769 bi e R$7,541 bi, respectivamente.

Entre os dias 9 e 13 de março foram resgatados R$ 7,552 bilhões, este dado foi divulgado pelo Banco Central. O saldo total da poupança foi de R$ 650,290 bilhões em março, incluindo nessa quantia os rendimentos do período R$ 3,538 bilhões. As retiradas somaram quantias muito mais altas, enquanto a quantia retirada foi de R$ 171,098 bilhões, o valor depositado nas contas poupança foi de R$ 159,660 bilhões.

Segundo os dados informados pelo governo, depois uma pesquisa secundária conferindo os dados desde o ano de 1995, até março de 2015, o mês com maior valor de retiradas tinha sido fevereiro de 2014, contabilizando R$ 6,236 bilhões. Já o panorama deste ano foi bem superior, no primeiro trimestre deste ano, o valor das retiradas somou R$ 23,230 bilhões.

O Ministério da Fazenda divulgou em fevereiro que os rumores de confisco da poupança ou de quaisquer outras aplicações não seria verdade. Ainda sobre o assunto, o Ministério divulgou que a informação seria falsa e que iria contra a política de governo adotada e que não condizia com a real intenção do mesmo ao elevar a taxa da poupança. Sendo assim, a população pode ficar tranquila que o dinheiro continuará rendendo mensalmente e você poderá dispor da sua reserva quando precisar.

Por Melina Menezes

Resgate da poupanca

Foto: Divulgação


Os apps podem ser baixados para smartphones com Android, iOS e Windows Phone

Se você é do tipo de pessoa que fica todo enrolado na hora de controlar a sua receita mensal, não se preocupe, assim como você, muitas pessoas sofrem na hora de gerenciar os seus ganhos e os seus gastos. O principal motivo desta dificuldade é a falta de planejamento, já que a maior parte da população prefere "vivem mês-a-mês" do que pensar no futuro mais distante.

Uma das principais causas da pouca organização financeira é que muita gente coloca à disposição tudo o que ganha, comprometendo todo o salário em contas, deixando pouco ou nenhum valor guardado para posteriores necessidades.

Com os adventos da tecnologia, o controle dos gastos está muito mais fácil e acessivel. Atualmente, diversos softwares e aplicativos permitem que as pessoas tenham em consideração as suas dívidas e possam gerenciar melhor o seu dinheiro.  

Alguns dos aplicativos mais conhecidos nesse sentido são o GuiaBolso, Moni, Wally+, Finance Organizze, Zero Paper, Minhas Economias, Finance Plus, Orçamento Inteligente 2.  

O Guiabolso permite que o usuário sincronize as despesas. Há versões para sistema operacional Android e iOS e ele pode ser usado também por meio dos navegadores. O app realiza a a classificação das despesas através do uso de categorias.

No ano passado, este aplicativo foi considerado a melhor startup no INFO Start. 

Sendo considerado um dos mais rápidos e simples aplicativos do tipo, o Moni pode ser usado por aparelhos iOS. Ele requer que o interessado em utilizá-lo cadastre todas as informações de forma manual.

O Wally+ é um app curioso, ele permite saber se o usuário está gastando mais dinheiro com família, vida social, trabalho, etc. Um dos principais diferenciais deste app é o scanner de recibos,. Por meio deste, é possível criar uma versão digital do recibo e depois jogá-lo fora.  

Tendo as características dos programas que visam o controle financeiro, o Finance realiza gráficos para despesas e também receitas. A sua interface é bem colorida e muito fácil de ser utilizada.  

O Organizze pode ser baixado para smartphones Android ou iOS. Ele funciona mesmo que o usuário não esteja conectado à internet. Uma desvantagem deste app é que a pessoa precisa lançar todas as suas despesas de forma manual.  

A conotação do Zero Paper é basicamente empresarial. O app serve para que proprietários ou responsáveis por pequenas empresas tenham controle sobre os gastos da empresa.  

O aplicativo Minhas Economias pode ser usado por dispositivos iOS, Android e também por meio da web. Uma das vantagens de usá-lo é que a pessoa tem à disposição todos os seus dados financeiros, assim, fica mais fácil quando ele precisa acessá-los.  

O Finance Plus é um app que só funciona no Windows Phone 7.5, contudo, ele é gratuito e possui boas funcionalidades. Vale a pena testar!

Considerado como um bloco de notas, o Orçamento Inteligente 2 possui uma interface bonita e simples, permitindo que o usuário calcule de forma manual os seus gastos. No final do mês, o app libera uma planilha com os gastos totais e específicos.  

Como pode perceber, há diversos instrumentos para melhorar o seu desempenho financeiro, cabe a você escolher qual é mais propício para as suas necessidades.  

Por Melina Menezes

Foto: divulgação


Alta dos juros e da tributação sobre empréstimos será utilizada para conter as pressões inflacionárias

Uma das consequências da atual situação econômica brasileira será a desaceleração do crédito bancário em 2015. Vale ressaltar que esta consequência é resultado direto de um cenário com alta dos juros para conter as pressões inflacionárias, bem como do aumento da tributação sobre os empréstimos. Tais medidas foram tomadas pelo Governo Federal com o intuito de ajustar as contas públicas. A estimativa de desaceleração foi divulgada pelo Banco Central.

Vale ressaltar que esta nova previsão foi divulgada oficialmente pelo chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Tulio Maciel. Segundo as expectativas do BC, o crédito ofertado pelos bancos deve crescer 11%, sendo que a expectativa anterior era de 12%. Segundo ele, um dos principais motivos para a previsão do crédito bancário ter sofrido uma baixa foi o nível de atividade da economia brasileira, bem como o comportamento dos empréstimos no primeiro bimestre de 2015.

Val ressaltar que o Banco Central também divulgou que o volume total do crédito das instituições financeiras acabou registrando um aumento em fevereiro. Tal aumento foi de 0,5%, dessa forma, passando para R$ 3,02 trilhões. Esse resultado é positivo, haja vista a queda de 0,2% em janeiro de 2015. Portanto, na parcial o primeiro bimestre de 2015 foi positivo, pois registrou crescimento de estoque de crédito bancário de 0,3%.

Além disso, os dados do Banco Central também informam que o crédito com recursos livres deve alcançar um aumento de 6% neste ano. Esse resultado também é negativo, haja vista a última expectativa de crescimento ter sido de 7%. Já em relação ao crédito direcionado, saiba que a expectativa de crescimento é a mesma: 16%. No entanto, é um percentual inferior ao avanço de 19,6% em 2014.

O BC também fez questão de ressaltar que o crédito bancário, em 2015, deve ser puxado pelos bancos públicos. A previsão é de 14% de alta. Já a expansão de crédito pelos bancos privados nacionais passou de 9% para 7%.

Por Bruno Henrique

Crédito bancário


Guardar o dinheiro na poupança está cada vez menos interessante para os brasileiros. Pelo terceiro mês seguido, a poupança perdeu para a inflação.

No mês de fevereiro a poupança rendeu 0,59%, mas a inflação ficou em 1,22%. Levando em consideração o prazo de 12 meses, a perda do poder aquisitivo do brasileiro chegou a 0,57%.
Sendo assim, quem tem dinheiro aplicado na poupança teve prejuízo nos últimos 3 meses.

Só no mês de fevereiro a perda do poupador foi de 0,62% o que tem feito com que muitas pessoas começassem a buscar novas formas de investimento.

O poupador perdeu dinheiro também no acumulado de 12 meses, no período de março de 2014 ao mês de fevereiro deste ano, sendo que neste período a poupança teve um rendimento de 7,09% enquanto a inflação chegou a 7,7% de acordo com os índices medidos pelo IPCA.

Além da inflação, outro investimento muito utilizado pelos brasileiros e que também deu prejuízo foi o CDI – Certificado de Depósito Interbancário. O melhor investimento foi o Ibovespa, principal índice da Bolsa no país.

Retirar o dinheiro da poupança é uma medida urgente para não perder mais dinheiro, visto que o cenário tem previsão de uma melhora a curto prazo, porém, antes de transferir o dinheiro da poupança para outra aplicação é preciso avaliar bem todas as opções.

Importante observar que não existe uma aplicação que seja a melhor, há várias aplicações e cada uma tem o seu perfil de investir. É importante conversar com o gerente de seu banco e procurar se informar sobre cada uma destas opções para ver qual delas combina mais com o seu perfil de investidor.

Geralmente, as aplicações onde você pode deixar o dinheiro por um espaço maior de tempo sem mexer nele é que rendem mais, mas esta não é uma regra válida sempre, por isto é preciso cautela na escolha, além de procurar estar sempre se informando e ficar atento ao mercado, acompanhando as informações para saber quais as aplicações estão em alta e aquelas que estão em baixa.

Por Russel

Poupan?a


A poupança registrou um número recorde quando o assunto é a saída líquida de dinheiro, ou seja, as retiradas menos os depósitos.

Ao todo, a caderneta da poupança registrou nada menos que R$ 6,26 bilhões no mês de fevereiro. Vale ressaltar que este é o maior valor para a série histórica para todos os meses. É importante destacar que esta série teve início em janeiro de 1995. O dado aqui informado foi divulgado nesta quinta-feira, 05 de março, pelo Banco Central.

Um detalhe muito importante é que a saída da poupança em fevereiro acabou superando o recorde anterior, que já era do mês de janeiro de 2015. Ou seja, em 2015 já registramos dois valores históricos para a saída da poupança nos dois primeiros meses. O valor de saída em janeiro foi de R$ 5,528 bilhões. É importante ressaltar que esta retirada da mais tradicional modalidade de investimentos do Brasil está ocorrendo em um momento bastante delicado: alta da inflação, alta dos juros, dos tributos, bem como do endividamento das famílias, perda de rentabilidade e etc.

A situação é bastante desconfortante, pois em apenas dois meses o Banco Central já registrou uma retirada de R$ 11,79 bilhões da poupança. Se compararmos com o mesmo período do ano de 2014, apenas R$ 3,6 bilhões foram retirados.

Em números absolutos, o Banco Central informou que os depósitos na caderneta da poupança foram de R$ 135,9 bilhões. Já os saques somaram, ao todo, R$ 142,17 bilhões. Além disso, o Banco Central também informou que o volume total de recursos aplicados na caderneta obteve um recuo em fevereiro. O estoque de recursos em janeiro contava com R$ 660 bilhões, no entanto, em fevereiro passou a ser de R$ 658 bilhões.

É importante ressaltar que em 2014 o saldo encerrou na máxima da série histórica: R$ 662 bilhões. Já o ano de 2015 apresenta cenário bem distinto, haja vista a captação já estar negativa em R$ 11,8 bilhões.

Por Bruno Henrique

Dinheiro da poupan?a


Um estudo feito em parceria entre o Programa de Finanças Práticas Visa Brasil e a Boa Vista SCPC divulgou que quase metade da população brasileira pertencente à classe C procura poupar dinheiro.

A pesquisa foi realizada consultando 1.000 pessoas da classe C em diversos estados, a realização da mesma foi através do ambiente virtual. O resultado indicou que a principal forma de poupar é colocando o dinheiro na poupança, mostrando que as pessoas não estão dispostas a correr riscos oriundos de investimentos em fundos fixos e outras formas de aplicação do capital. 

Como resultado do estudo realizado, foi constatado que 49% das pessoas que estão classificadas como participantes da Classe C nacional poupam o seu dinheiro. Do total de pessoas que informaram que gostam de ter sempre dinheiro guardado, 43% disseram que a principal causa de manter uma reserva de recursos é a preocupação com imprevistos de ordem financeira ou emergências (saúde, educação, entre outras). Outras pessoas afirmam que estão reservando dinheiro para a compra da casa própria (26%). Ainda há quem esteja economizando para o final de sua trajetória laboral marcada pela aposentadoria, uma boa parcela da população busca reter um pouco do ingresso mensal para assegurar uma velhice mais tranquila. A porcentagem menor de poupadores (4%) está fazendo a sua reserva pensando na compra do seu primeiro automóvel.

Um dado interessante foi que do total de pessoas que poupam mais de R$100 (74%), 65% utilizam a poupança, logo, 24% deixam o dinheiro em casa e somente 10% procuram fundos de investimento, CDBs ou aplicar em ações. Esta configuração atual demonstra que o brasileiro está preferindo não "trocar o certo pelo duvidoso". Numa economia que está em retração e com juros bastante altos, as pessoas não estão buscando investir e sim poupar. 

Das pessoas que participaram da pesquisa e indicaram que não poupam valor algum, 30% afirmam que há grande probabilidade de iniciar a sua reserva em breve, 44% disse que a possibilidade não é tão remota.

Por Melina Menezes

Poupar


Início de ano é sempre difícil, pois além das contas que chegam nesta época, como o IPVA, IPTU, material escolar, tem ainda os gastos do final de ano que ficam quase sempre para serem pagos neste período.

O brasileiro até já se acostumou a todo início de ano, ficar um pouco mais “apertado” financeiramente, pois sabe que os gastos são muitos. O que ninguém esperava é que 2015 fosse um ano tão difícil, economicamente falando.

Se até o final de 2014 a única preocupação maior dos brasileiros era com a crise hídrica, foi só o novo ano começar para as pessoas verem que teriam muito mais que se preocupar. O aumento no preço dos alimentos, combustível, roupas, móveis, imóveis, medicamentos, mão de obra, serviços em geral, aliado ao crescente desemprego e à falta de perspectiva para novas contrações, seja nas indústrias, comércio ou prestação de serviço, fez com que muitos brasileiros se desesperassem e imediatamente, tiveram que conter o consumo.

E as histórias são as mais diversas: pais que mudaram os filhos para escolas mais baratas, uso do transporte público para ir trabalhar deixando o carro na garagem, cancelamento de viagem para o exterior e até viagens para dentro do Brasil, além de compras de eletrodomésticos e eletrônicos que iam ser feitas, mas que foram canceladas, pelo menos temporariamente, até que a situação econômica do país se estabilize.

A previsão não é das melhores para 2015. O dólar foi às alturas e a tendência é de que continue subindo.
As tarifas de água e luz tiveram aumentos e terão novos ainda este ano. Os combustíveis também saltaram de preço e espera-se novo aumento no decorrer dos próximos meses.

Já não basta poupar água e luz, o brasileiro está contendo o consumo de um modo geral. O comércio teve queda nas vendas assim como o setor de prestação de serviços. O desaquecimento na economia, a alta na inflação e o temor de novas surpresas desagradáveis está fazendo com que os brasileiros contenham o consumo ao máximo, para que consigam atravessar o ano sem fazer novas dívidas, pois o futuro nunca foi tão incerto e a situação econômica é bastante obscura.

O melhor agora é consumir o mínimo, economizar ao máximo e estar preparado para novas notícias, sejam elas boas ou não.

Por Russel

Conten??o de consumo


O período de férias acabou e, como diz a sabedoria popular, o ano no Brasil só começa depois do carnaval. E com os gastos das festas de fim ano somado às férias, carnaval e as outras contas do início de ano, como IPTU, IPVA, gastos com materiais escolares, é possível que muitas pessoas cheguem à conclusão que gastaram bem mais do que ganharam nesse período.

Se você é uma delas, veja 5 dicas de como equilibrar as suas contas e seguir com a vida financeira tranquila durante o resto do ano.

1. Evite o Cheque Especial

A tentação é grande. Você está cheio de contas para pagar e quando olha no seu extrato bancário, possui uma quantia à sua disposição que daria para quitar algumas delas, ou até mesmo todas. Segundo informações divulgadas pelo Banco Central, a taxa de juros superou os 200% ao ano, sendo considerada a mais alta dos últimos 16 anos.

Então, embora pareça ser uma solução fácil para os seus problemas, a longo prazo poderá aumentar ainda mais as suas dívidas.

2. Fuja dos cartões de crédito

Além da taxa de juros alta nas compras parceladas, os cartões nos dão a ilusão de possuir mais dinheiro do que temos de fato, o que pode aumentar o desequilíbrio financeiro.

3. Pesquise os preços na hora do supermercado

As compras de mês são um dos gastos que pesam mais no orçamento doméstico. Fazer uma lista de compras necessárias e pesquisar os preços em diferentes mercados irão garantir uma economia significativa na compras realizadas.

4. Arranje uma fonte de renda extra

Use a sua criatividade e crie uma fonte de renda extra. Você pode usar seus talentos para oferecer aulas, vender bijuterias, alugar uma vaga não usada na garagem ou oferecer algum serviço que saiba fazer. Não venda produtos para pagamento posterior, pois você poderá ganhar mais dívidas caso a pessoa resolva não pagar por eles.

5. Corte os gastos supérfluos

Doces, lanchinhos fora da hora, gastos com noitadas, passeios, compras no shopping, entre outros. Verifique quais os seus gastos são realmente necessários e quais deles podem ser evitados.

Por Raquel Conrado

Foto: divulgação


A economia brasileira está em queda, ou seja, o ano de 2015 deve ser ainda pior que 2014. Além da expectativa de um “crescimento” próximo ou igual à zero do PIB, recentemente uma pesquisa realizada pela Focus informou que o valor do dólar deve subir ainda mais até o final este ano.

A divulgação do boletim oficial da pesquisa aconteceu na quarta-feira, 18 de fevereiro. Com isso, é especulado que a moeda norte-americana chegue a casa de R$ 2,90 até o final de 2015.

Vale ressaltar que esse aumento na expectativa para o valor do dólar até o final de 2015 pegou muita gente de surpresa. É importante destacar também que até à última pesquisa, a expectativa de aumento era para R$ 2,80. Além disso, para o ano de 2016 também foi registrado um possível aumento no valor da moeda estadunidense, sendo assim, o valor passou de R$ 2,90 para R$ 2,93 (há quatro semanas o valor para 2016 era de R$ 2,85).

Outro detalhe muito importante quanto a esta pesquisa realizada pelo Boletim Focus, é justamente quanto às mudanças que ocorreram no câmbio. Sendo assim, as previsões para 2015 saltaram de R$ 2,73 para R$ 2,81. Já o ano de 2016 também deve ter aumento no câmbio, haja vista a pesquisa registrar uma expectativa de subida de R$ 2,82 para R$ 2,84.

Apesar da expectativa do aumento no valor do dólar, a previsão em si não obteve grandes impactos nas projeções para as contas externas. Dessa forma, a atual expectativa que é de um déficit de US$ 78 bilhões se manteve. Já em relação ao ano de 2016, houve sim um pequeno aumento na atual projeção que passou de US$ 69 bilhões para US$ 69,25 bilhões.

Outra previsão que não sofreu alterações foi o Investimento Estrangeiro Direto, o IED. Segundo a pesquisa Focus o valor deve permanecer em US$ 60 bilhões para os anos de 2015 e 2016.

Além disso, outro dado muito importante também foi divulgado: a dívida líquida do setor público em relação ao PIB. Segundo a pesquisa, essa dívida sofreu um aumento de 37,20% para 38% em relação à última expectativa. Já o ano de 2016 registrou um aumento de dívida de 37,80% para 38,55%.

Por Bruno Henrique

Foto: divulgação


Recentemente, a Serasa Experian informou que o ritmo de avanço anual da demanda do consumidor por crédito foi o menor registrado nos últimos cinco meses. A informação foi divulgada na última terça-feira, 10 de fevereiro. Esse resultado obtido opõe-se ao conseguido nos meses de novembro e dezembro, quando no mês antes das festas o ritmo de crescimento anual de crédito tinha tido uma alta de 8,8% e no último mês do ano registrou uma alta maior de 13% ao ano. 

De acordo com as informações concedidas pelos economistas da Serasa Experian, essa diminuição do ritmo foi causada pela situação atual das famílias que evitam o endividamento por conta das dificuldades econômicas. Entre as medidas que podem ter sufocado o ritmo podem ser citadas o aumento da inflação, taxas de juros mais altas e desconfiança por parte dos consumidores.

Comparado ao resultado registrado no mês de dezembro de 2014, houve uma queda de 2,5% da demanda por crédito.

A demanda em janeiro caiu 4,7% no grupo das famílias que tem renda de até R$ 500 por mês. Já nas famílias que possuem uma renda entre R$ 500 e R$ 1.000 por mês, a demanda recuou 3%. Seguindo os grupos de renda, encontra-se aquele que é caracterizado por uma renda familiar entre R$ 1.000 e R$ 2.000, nesses a demanda por crédito caiu 1,8%, o mesmo nível foi registrado para o grupo familiar com renda entre R$ 2.000 e R$ 5.000. A queda foi de 1,3% no grupo das famílias que possui uma renda mensal entre R$ 5.000 e R$ 10.000. Nas famílias cuja renda supera os R$ 10.000 a demanda recuou 1,1%.

No estudo feito por regiões, a única região do País que registrou aumento na demanda por crédito durante o mês de janeiro foi a Centro-Oeste, nela houve um aumento de 1,5% da demanda comparando com a porcentagem obtida no mês de dezembro de 2015. As demais regiões registraram queda na taxa de demanda, sendo que a queda mais severa ocorreu na Região Sudoeste. 

Por Melina Mariel Menezes Pereda

Cr?dito


Na última terça- feira, 10 de fevereiro de 2015, foi divulgada a pesquisa do Banco Central que informa a situação do Brasil no que se refere à liberação de recursos tanto para pessoa física quanto para pessoa jurídica.

Conforme o BC, o início de 2015 está sendo marcado por uma maior restrição na liberação de créditos. A pesquisa foi feita em 46 instituições financeiras em todo o país no período entre 8 e 19 de dezembro de 2014. A divulgação dos dados ficou por conta do Chefe do Departamento Econômico do IBGE, Tulio Maciel.

De acordo com as informações contidas no relatório redigido pelo Banco Central (o Boletim Regional Trimestral), foi percebido um decréscimo nas possibilidades de liberação de créditos para os meses de janeiro, fevereiro e março (primeiro trimestre do ano) ao comparar o resultado obtido neste primeiro trimestre do ano com os números alcançados no mesmo período de 2014. Dos quatro segmentos analisados, a deterioração ocorreu em três deles.

No caso de pessoas jurídicas, empresas de micro, pequeno e de médio porte o poder de liberação de crédito passou dos 0,18% negativos para -0,56%. Já para as grandes empresas o indicador passou doa 0,08% para -0,29%.

Já para pessoas físicas, o crédito habitacional passou de 0,22% no último trimestre de 2014 para -0,22% neste trimestre de 2015. Para o crédito ao consumo houve uma leve melhora de -0,18% passou para -0,09%. Por mais que tenha havido uma exceção para as pessoas físicas, a expectativa é que a restrição à liberação de crédito continue.

Nesta pesquisa realizada pelo Banco Central, que tem como objetivo informar sobre a capacidade de liberação de recursos no país, o indicador varia de menos duas concessões a mais duas concessões.

Como pode-se perceber quase todos os setores registraram um quadro de dificuldade na captação de créditos para pessoas físicas e jurídicas.

Por Melina Menezes

Restri??o na libera??o de cr?dito


Enquanto os empregados têm comemorado o vasto número de feriados que teremos ao longo do ano de 2015, um estudo realizado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) aponta que os nove feriados nacionais, os sete pontos facultativos, além dos 43 feriados estaduais, podem acarretar perdas para a indústria que chegam ao montante de R$ 64,6 bilhões. De todos os feriados estaduais, 32 ocorrem em dias de semana.

O estudo mostra que a perda calculada com os feriados representa 4,8% da produção da indústria brasileira. No ano passado, o índice foi de 3,6% do Produto Interno Bruto (PIB) industrial. Para 2015, o PIB industrial está estimado em R$ 1,355 trilhão.

As perdas ocorrem tanto para as indústrias quanto para o governo, pois com os feriados as indústrias param a produção e, consequentemente, o governo arrecada menos impostos. Estima-se que R$ 18 bilhões, da indústria de transformação, deixem de ir para os cofres do governo.

Obviamente, as perdas mais significativas estão nas regiões com mais indústrias no Brasil – São Paulo (R$ 19,5 bilhões), Rio de Janeiro (R$ 10,1 bilhões) e Minas Gerais (R$ 6,4 bilhões).

Ao longo de 2015 somente oito estados não terão feriados estaduais em dias úteis, são eles: Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraná, Pará, Pernambuco e Rio Grande do Sul.

Uma das soluções apontadas pela Firjan é mudar os feriados que caem em dias úteis para segunda-feira ou sexta-feira, dessa forma, minimizaria os riscos de diminuir a competitividade da indústria nacional e auxiliaria a meta de redução do custo Brasil. Outra questão é que, ao transferir os feriados para o início ou fim da semana, diminui-se a chance de haver “enforcamentos” de dias úteis. Afinal, em diversos feriados que ocorrem, por exemplo, na terça-feira, muitas indústrias acabam emendando o feriado, não tendo expediente também na segunda-feira.

Por Rafaela Fusieger

Calend?rio


Como  podemos nos  divertir com tão pouco?

Diga-se de passagem, que o lazer do  brasileiro está mesmo custando os olhos da cara.

A contar pelo salário que se ganha no final de cada  mês, o brasileiro paga muito  caro para  se  divertir no  final de  semana. A cervejinha tão apreciada por muitos na praia, no clube ou até mesmo no barzinho está  ficando cada vez mais cara.

Estudos  mostram que  as classes A e B gastam, em média, em uma viagem de  final de semana R$ 573, enquanto as  classes C, D e E gastam quase metade, R$ 281.

Esse  comparativo aponta que  as classes A e B têm uma  folga no  bolso, podendo  desfrutar de viagens e apreciar eventos como teatro, boates e cinema.

Mas o que dizer das classes C, D e E, que por  sinal  são a maioria?

Sim, essas  classes são a maioria. Trabalhadores que trabalham o mês  inteiro, se  matam de trabalhar e  ainda nas  horas de folga fazem bicos para dar uma equilibrada no orçamento, não conseguem se  quer  ter tempo para desfrutar de um final de semana de lazer.

Foram 620 pessoas entrevistadas nas 27 capitas brasileiras, onde  descobriu-se que o brasileiro tem R$ 389 por mês destinado a gastar em lazer.

Porém, esses dados não refletem a  vida  do povo brasileiro, pois esses  valores não condizem com nossa condição financeira.

As pessoas  desprovidas de muito  dinheiro sabem se  divertir e fazer de seu final de semana um ótimo  momento de  lazer, pessoas que sabem aproveitar o pouco que tem.

Se levar  tudo na ponta do lápis, certamente nem  teremos como ter momentos de  lazer, afinal com o que se  ganha não dá nem para chegar à praia e comer um pastel.

Mas,  diga-se  de  passagem, muitas vezes com o pouco que temos ou que nos sobra sabemos aproveitar  os momentos de lazer.

Por Andre Escobar

Gastos com lazer


Todos gostariam de poder administrar melhor seu salário, mas, não é qualquer um que tem essa aptidão, já que é mais fácil gastar do que economizar. Antes do mais nada, saiba que economizar demasiadamente nem sempre é o melhor jeito de administrar seu dinheiro. Se todos os meses você tem dificuldade em administrar o seu salário, aprenda agora por meio das dicas abaixo:

1. Assim que você pegar a sua renda, ou o seu salário, já separe ele pela metade, meio a meio. Uma metade, você reserva para pagar suas contas mais emergentes, como água, luz, IPTU, telefone, internet, fatura de cartão de crédito, mensalidade da escola das crianças, etc. Já a outra metade do dinheiro, você reserva apenas para despesas pessoais e coisas de mais necessidade, como despesas de supermercado, medicamentos, etc. Dessa mesma metade, guarde pelo menos de 10% a 20% para lazer e para pequenos gastos que você tiver durante o mês, como gasolina para o carro, o salão de beleza da sua esposa, manutenções da sua casa, etc.

2. Invista sempre. Outra maneira de usar seu dinheiro de forma inteligente é investindo. De tipos de investimentos o mercado está cheio, cabe a você saber qual deles se encaixa no seu perfil. Por isso, antes do mais nada, identifique primeiro qual perfil de investidor você tem. Um perfil de investidor vai de conservador a um investidor mais agressivo no mercado. Esteja atento a isso, pois o seu perfil também tem que condizer com o seu tipo de renda e o quanto você quer investir. Para isso, pesquise mais a respeito de cotas, juros, poupanças, ações, dividendos, etc. É importante ressaltar que você deve investir conforme sua renda. Comece com uma pequena porcentagem e depois vá aumentando conforme os seus gastos forem diminuindo e assim sobrar mais dinheiro. Para isso, será necessário também que você gaste menos ou pechinche mais quando for gastar, para que assim seu dinheiro renda mais.

Por Daniela Almeida da Silva


Você sabia que algumas crenças negativas que as pessoas têm a respeito do dinheiro podem simplesmente impedi-las de tê-lo? Pois é. Infelizmente não fomos ensinados a ver o dinheiro como um bem natural em nossas vidas, por isso, fomos adquirindo com o tempo, crenças como "dinheiro não traz felicidade" e "pessoas honestas não têm dinheiro".

Essas crenças são limitadoras, ou seja, podem limitar a abundância e o sucesso financeiro em nossas vidas. Saiba, portanto, o que cada uma delas significa na verdade:

– "Dinheiro não traz felicidade":

Essa é uma das crenças mais populares e universais, transmitidas por várias gerações. É tão agravante que até a maioria das telenovelas mostram isso nas tramas. Sempre tem um rico que sofre mais do que o pobre, que tem mais problemas que o pobre. E o pobre, por sua vez, sempre bonzinho, certinho e é sempre o mocinho da história. No final, é sempre ele que "vive feliz para sempre", assim como nos contos. O que as pessoas não sabem é que isso está cada vez mais sendo reforçado na sociedade à medida que criamos o hábito de assistir essas telenovelas. E não basta assistir, também comentamos os capítulos no ônibus, na fila do banco, no trabalho e na conversa com os vizinhos, nos tornando cada vez mais alienados por essa cultura reducionista. Por isso, tenha sempre em mente, uma vez por todas, que o dinheiro só traz infelicidade quando se tem ganância por ele e quando só temos tempo para ele e não para as pessoas que amamos.

– "Pessoas honestas não têm dinheiro":

Esta segunda crença também pode ser considerada um dos principais equívocos da sociedade, pois nos dá a ideia de que somente pessoas desonestas possuem dinheiro. É fato que por um lado existem corrupções e pessoas que ficam ricas na desonestidade, mas, por um outro lado, também existem aquelas pessoas que ganharam a vida trabalhando duro.

Portanto, saiba que essas duas crenças preconceituosas sugerem abandonar seus sonhos para viver uma realidade criada e estimulada pela nossa sociedade. Cabe a você escolher seu próprio caminho para vencê-las da melhor maneira, sem abandonar seus princípios.

Por Daniela Almeida da Silva

Dinheiro


Hoje em dia, se fala muito sobre motivação, conquistas financeiras e poder aquisitivo, mas não se fala em aspectos para mantê-los ou conquistá-los. É sempre um conselho daqui, uma experiência dali e outra história de vida acolá. Mas, o que o povo quer saber mesmo é de colocar a mão na massa, de resultados concretos e realizados em tempos reais e de ter a certeza de suas próprias escolhas.

A maioria das pessoas que tem facilidade para conquistar seus bens financeiros também tem uma certa dificuldade de mantê-los, por um outro lado, há pessoas que conquistam tudo com dificuldade na vida e não deixam que nada escape de suas mãos, mas também não aproveitam em nada.

Veja agora como ter sucesso em suas conquistas financeiras e saber aproveitá-las da melhor forma:

– Não crie limitações:

As limitações só nos servem apenas como obstáculos, por isso saiba driblá-las para que você tenha qualidade de vida em sua vida e em suas conquistas. A primeira coisa que você precisa fazer é não criar muitas expectativas em torno de seus objetivos, pois expectativas, por mais positivas que elas sejam, consomem energia e te tiram do principal foco, que é gerar metas sobre aquilo que você realmente quer.

– Cuide de suas economias:

Por menores que sejam suas economias, elas lhe valerão muito no momento em que você mais precisar. Portanto cuide delas. E para cuidar bem delas não precisa economizar ao extremo, mas sim saber como gastar e onde deixar de gastar. É criar fontes de rendas, investimentos e planejamentos para melhores condições, sendo seu dinheiro pouco ou muito.

– Aproveite cada sinal que a vida enviar:

Quem acredita nas oportunidades que a vida tem a nos oferecer não dorme na estrada. Fica sempre atento às oportunidades que as circunstâncias podem sugerir e aceita cada uma delas de forma grandiosa, pois mesmo que não venham a calhar, podem significar muita coisa para quem sabe onde quer chegar. Por isso, qualquer sinal positivo pode ser um aviso que suas conquistas estão perto.

Saiba ter persistência e ao mesmo tempo perseverança naquilo que você quer, não importa o que seja.

Por Daniela Almeida da Silva


É de conhecimento geral que todos os trabalhadores trabalham a vida toda e sonham no final da sua carreira ter uma aposentaria que seja muito confortável e que dê para cobrir todas as despesas pessoais, além de sobrar dinheiro para luxos como viagens, um bom carro e porque não uma boa casa.

Contudo, para aqueles desconhecem, conforme a previsão do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), as tendências com relação à aposentadoria dos brasileiros vão totalmente de encontro a esses anseios dos trabalhadores de ter uma aposentadoria farta, uma vez que segundo os estudos dessa instituição até o ano de 2060 a população, no Brasil, acima de 65 anos deve superar os atuais 14,9 milhões chegando a, aproximadamente, 65 milhões de idosos. Fato este que irá impactar sobremaneira o sistema previdenciário do país, devido ao grande número de idosos aposentados que teremos nessa ocasião.

Uma excelente opção para o trabalhador ainda continuar sonhando com uma aposentadoria farta é a previdência privada, uma vez que ela permite que o trabalhador faça uma reserva, em vida, para que em um momento de necessidade ou na velhice retire um bom valor para ter um pouco mais de conforto.

Então que tal se aposentar com R$ 1 milhão em mãos?

Vamos dar algumas sugestões que irão demonstrar como esse sonho pode virar realidade muito fácil na vida de muito brasileiros, basta um pouco de controle e planejamento das finanças.

Para se ter R$ 1 milhão em 40 anos, por exemplo, se uma pessoa a partir dos 20 anos de idade juntar R$ 520,00 aos 60 anos ela terá R$ 1 milhão.

Uma outra possibilidade é se com os mesmos 20 anos a pessoa juntar, apenas R$ 254 por mês e com uma ajuda de R$ 50.000 aos 60 anos ela também alcançará a sua meta.

Outra alternativa seria para os pais que pensam no futuro dos filhos, haja vista que se a partir de um ano de idade os pais começarem a poupar R$ 160,00, aos 40 anos o filho já terá R$ 1 milhão em mãos.

Então fica a dica, no momento de incerteza em que estamos vivendo atualmente, vale a pena procurar uma instituição financeira e simular como será o seu futuro financeiro.

Por Adriano Oliveira

Aposentadoria


Organização pessoal, financeira e profissional são fundamentais para construir uma base na carreira.

Você sabe como organizar a sua vida financeira? Muitas pessoas têm dificuldade em lidar com as finanças, porque gastam mais do que ganham e, por isso, acabam se endividando. A parte financeira organizada reflete em outros setores da vida. Por isso, é imprescindível saber como gastar o dinheiro da forma correta.  

Que tal conferir algumas dicas?

– Faça um planejamento!

É fundamental planejar as suas finanças, definir metas, para saber como alcançar os seus objetivos. Mantenha o foco e selecione as prioridades. Assim, você vai evitar gastos desnecessários. Estabeleça prazos para as suas metas e não dê passos maiores que as pernas. Ou seja, não sacrifique o seu dinheiro, por uma coisa que pode provocar um arrependimento depois.

– Faça um orçamento:

Faça um pequeno orçamento da sua vida e comece a contabilizar as coisas. Anote quanto tem gastado, ou seja, tenha a percepção de que até as pequenas coisas doem no seu bolso. Além disso, reserve dinheiro para os imprevistos, que podem surgir durante o mês. A partir do momento que você contabilizar os seus gastos, até os pequenos, verá como tudo pesa no seu bolso.

– Você tem dívidas?

Se você tem dívidas acumuladas é preciso mudar o comportamento financeiro. Quais gastos você pode regular? Em que precisa mudar? Selecione as prioridades na sua vida e ajuste as mudanças que devem ser feitas. Busque formas de aumentar a sua receita e quitar os débitos. Fique atento aos seus gastos, para manter as finanças em ordem.

– Parcelamento:

Evite parcelar as suas compras, porque elas podem provocar uma dor de cabeça lá na frente. Não abuse do cartão de crédito. Desta forma, procure pagar a fatura do seu cartão totalmente, sem parcelar.

– Poupe!

Separe uma parte do seu orçamento para poupar. Quanto mais poupar, melhor. Tenha uma reserva sempre para emergência, você não sabe o dia de amanhã.

Por Babi

Dinheiro


O que é economia de dinheiro para você? Muitas pessoas passam a vida inteira trabalhando para viver bem depois com seu dinheiro guardado e economizado nesse tempo todo, sem ao menos fazer um planejamento de vida e econômico. A maioria delas, quando precisa usar seu dinheiro para realizar um grande sonho ou comprar algo por necessidade, para e pensa muito antes de fazê-lo. Em seguida, seja por medo ou opressão, opta por não fazê-lo. Ora, o que seria da vida sem os prazeres que ela nos proporciona? É o que muitas pessoas pensam quando passam parte da vida trabalhando para guardar dinheiro, e no fim, nunca conseguem aproveitar.

Na verdade, a única coisa que devemos aprender e carregar como prioridade é que o dinheiro tem que ser tratado com muito carinho, independente de sua proporção. Quem não tem esse princípio, acaba sendo abandonado pelo dinheiro. Infelizmente, a cultura consumista não valoriza esse pensamento e não age dessa forma. Eles acreditam que ter é melhor que ser, e não dão importância aos valores morais atribuídos a esse meio.

Às vezes, o fato de economizar não condiz apenas com o dinheiro físico, mas também com tudo o que o envolve. Por exemplo, apagar as luzes ao sair de um cômodo de sua casa, não demorar muito debaixo do chuveiro, falar pouco ao telefone, usar pouco papel, não desperdiçar comida, entre outros tipos de economia também estão atreladas ao dinheiro. Saiba que uma boa iniciativa como essas irá reverter em economia de dinheiro, e você poderá desfrutar de outros prazeres da vida sem ficar muito preocupado com as contas no final do mês.

Tenha em mente também que economizar é função de todos que compõem o seu ambiente, e não somente você. São critérios e raciocínios de uma pessoa inteligente e que age em conjunto. Enfim, o dinheiro que não estará sendo gasto desnecessário no que é necessário, ficará mais fácil de mantê-lo no bolso.

Pense nisso!

Por Daniela Almeida da Silva


A moeda nacional do Brasil é o Real. Essa moeda que recebemos pelos trabalhos prestados e que merece melhor investimento para termos um retorno satisfatório. Devemos planejar a vida financeira, porque encontramos muitas mudanças no cenário econômico.

Adquirimos gastos pela indisciplina durante o uso incorreto desta moeda, no entanto, devemos planejar com o que vamos gastar, avaliar a necessidade do gasto e se é de prioridade tal investimento.

A palavra economizar, basicamente, significa que devemos gastar menos com algo do orçamento como, por exemplo, comparar preços antes de efetuar uma compra ou não e gastar menos energia elétrica e água em casa, ensinando ou estabelecendo metas com os demais integrantes da família.

Essa dica também vale para a conta de telefone. O uso deste somente para necessidades e negócios e atentar ao valor da tarifa cobrada. Hoje em dia as empresas de telecomunicações, geralmente, oferecem tarifas melhores para cada orçamento.

Ao economizarmos, tendemos gastar a mais com algo, por isso, é preciso e necessário obter metas voltadas ao hábito da poupança. Quando sobrar algum dinheiro, separe qualquer quantia e faça uma poupança e deixe render. Portanto, é conveniente gastarmos menos do que ganhamos; regrinha básica para o aumento de capital.

Com o dinheiro na poupança, o cliente tem opção de investimento com juros melhores, porém com algumas condições.

Existem várias maneiras de investimentos que podem adequar ao perfil de cada investidor e é importante o cliente manter-se informado desses investimentos com os gerentes dos respectivos bancos, escolhendo o que melhor atenderá cada situação.

Outra dica interessante é a inflação. O investidor deve proteger-se, ou seja, se você não protege o que poupou em investimentos com rendimentos que superem a inflação, terá uma queda no seu padrão de vida ao longo dos anos. Mesmo quando a inflação é baixa, a longo prazo ela pode ter um efeito negativo para seu negócio.

Por Railson Tomás de Araújo Lopes

Foto:divulgação


Algumas pessoas não sabem, mas o dinheiro tem que ser levado muito a sério e tratado com muito carinho. Ele deve ser considerado como um meio de troca muito importante, uma moeda que materializa as coisas. Na verdade, quem não tem costume de tratar bem o dinheiro acaba, por fim, de ser abandonado por ele mesmo.

Infelizmente a nossa cultura do consumismo não privilegia aqueles que têm cuidado com o dinheiro, mas com aqueles que fazem parte do sistema de consumo de bens no mundo, pois a intenção da sociedade é estar sempre ganhando e gastando, gastando e ganhando, e assim, permanecer nessa esfera viciosa e conseguir um bom status. Tem aqueles que o fazem no bom sentido, mas mesmo assim não têm um equilíbrio, um limite adequado. Mas não são apenas essas pessoas que agem assim. Não é só a classe da burguesia que atua assim, há também a classe trabalhadora que gasta até mais que pessoas burguesas. Esse desequilíbrio social nos mostra de forma clara, a que ponto nossa sociedade chegou.

Damos prioridade para coisas descartáveis, e são milhares de pessoas que deixam se levarem pela maré do consumo, fazendo despesas totalmente desnecessárias. Essas pessoas exageram tanto nos gastos que no fim do mês acabam passando necessidade, pois já não têm nenhum dinheiro para comprar o necessário.

Economizar é a função dos inteligentes, pois eles sabem que mais vale saborear os gastos num tempo bom e propício para isso do que cair na armadilha do consumismo imediato, deliberado, demasiado e não planejado. Para saber economizar, você só precisa parar e refletir se esse desejo de comprar algo que você tanto quer tem a ver com suas necessidades básicas do momento ou não. Normalmente, consideramos necessidades básicas coisas essenciais para nossa sobrevivência de forma digna no dia a dia, como comida, água, pagamento de dívidas, e outros meios para sobreviver de uma forma tranquila.

Por Daniela Almeida da Silva

Dinheiro

Foto: Divulgação


Qual o significado que o dinheiro tem para você? Trabalho, diversão, amor, prazer, satisfação, luxúria, sucesso? Seja lá qual for o significado que você dá para ele, saiba que inconscientemente você age de acordo com o que acredita para consegui-lo.

A primeira aposta é sempre o trabalho, pois é um dos meios mais antigos para consegui-lo de forma honesta, além de estar dentro de valores e crenças pessoais que você pode criar. Quando ficamos sem dinheiro, normalmente ficamos deprimidos, angustiados e com uma autoestima baixa, pois algumas pessoas o consegue com facilidade, já outras batalham demais e às vezes acima do limite para consegui-lo. Ainda tem aqueles que, infelizmente, escolhem um caminho mais largo e sombrio para consegui-lo, que muitas vezes não tem volta. Enfim, basta olhar ao nosso redor e poderemos encontrar pessoas lutando de tudo quanto é forma para se dar bem de algum jeito.

Se você se encontra desanimado neste momento por estar sentindo a falta dele, pare e reflita sobre alguns mitos antes de criticá-lo:

– Dinheiro só traz felicidade se você escolher usá-lo apenas para satisfação pessoal. Uma pessoa que só pensa em gastar dinheiro, normalmente tem uma ideia diferente e idealizada para consegui-lo, e isso traz uma segurança à ela. Diferente daquelas que ganham pouco e só pensam em economizar para depois gastar exageradamente ou ganham muito e não sabem gastar.

– Só fica rico se souber gastar dinheiro. Isso nem sempre funciona para todos. A boa ideia é sempre saber investir, e investir corretamente. Até a própria poupança se você não souber usar você fica no zero, ou não tem um bom retorno.

– Abrir um negócio próprio e trabalhar que nem louco se ganha dinheiro fácil, rápido e enriquece. Bom, nem sempre isso vale para todos também. Existe o tempo certo, o negócio certo e as pessoas certas para isso. É preciso se instruir muito antes, para não correr o risco de ficar no vermelho.

Por Daniela Almeida da Silva

Dinheiro

Foto: Divulgação


Cada vez mais os pais vêm ensinando seus filhos desde cedo a pouparem suas finanças. Um deseja realizar uma viagem ao exterior e conhecer a Disney nos Estados Unidos, outro sonha em realizar a sua festa de 15 anos e outro sonha em juntar dinheiro para destinar a um Instituto de pacientes com câncer. Afinal de contas o que todas essas crianças têm em comum? Juntar dinheiro e conseguir o desejado.   

Essa medida vem sendo amplamente adotada e inserida nas grades curriculares de algumas escolas particulares de Belo Horizonte/MG, juntamente com apoio da associação de pais de alunos das escolas e com certeza trará reflexos positivos no futuro dessas crianças, que é termos jovens e adultos mais conscientes quanto a noções de economia e o que realmente pode gastar, para não ficarem tão endividados.

Segundo especialistas em educação financeira o primeiro passo a estimular seu filho ou até mesmo você a poupar é a conversa aberta e espontânea em família sobre o tema. Discutir o assunto é fundamental e mostrar a criança que o primeiro passo é aprender a sonhar e descobrir quanto custam os sonhos seja ele em curto, médio ou longo prazo.

Outro detalhe que especialistas recomendam é que cada criança, orientada principalmente pelos pais, adquira um cofrinho e passe a ter o hábito de recolher suas pequenas economias, pois por menor que seja essa quantia, chega-se a um determinado valor, basta ter força de vontade que se consegue alcançar e ter aquele objeto ou aquela viagem tão sonhada.

Finalmente aos pais ficam as dicas para ajudarem seus filhos: Estabeleçam  algumas tarefas a seus filhos para que eles ganhem um dinheirinho extra, Faça passeios mais econômicos, Evite ir toda semana ao shopping, Incentive o seu filho a obter boas notas na escola. Se essas pequenas dicas forem seguidas, você terá dado um grande passo com seu filho sobre a importância em aprender a economizar.

Por Valter Falinácio

Crian?as poupam dinheiro

Foto: Divulgação


Relembrando a História do Brasil em meio às eleições, vamos comentar a mudança da moeda brasileira que trouxe a revolução na economia e desenvolvimento do país. Neste ano de 2014, estamos completando 20 anos do Plano Real.

O plano atravessou tempos de instabilidade econômica e de crescimento da inflação. Até 1994, a inflação ultrapassou a casa dos 2 mil por cento ao ano, no governo Collor.

No ano de 1993, ele começava a ser gerado por uma equipe econômica liderada por Pedro Malan, Gustavo Franco e Fernando Henrique Cardoso. E esse plano passou a entrar em vigor em 1994.

O plano era razoavelmente simples. Mas precisava da confiabilidade da população, que estava “esmagada” pela inflação avassaladora da época. Onde, a cada dia, os valores dos produtos mudavam em lojas e supermercados. Algumas vezes, mudavam de valor no mesmo dia em questão de horas. Há quem presenciou cenas de estar escolhendo mercadoria nas prateleiras e ter que apressar a compra porque o funcionário do estabelecimento já iria começar a reajustar os valores dos produtos.

Ele se baseava na desindexação da economia, ou seja, tirar os parâmetros comparativos da economia, por exemplo, o ouro, o dólar, o barril de petróleo, etc, e estabelecer o Real como uma mercadoria. A nossa moeda tem o nome de Real porque ela tem valor real. Consequentemente, a moeda passa a ser valorizada pela quantidade que ela tem, pelo PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro.

A criação desse plano fez com que o Estado conseguisse controlar a inflação a partir da abertura do capital internacional, que trouxe as importações e o fomento à indústria – o apoio à indústria brasileira. Fazendo com que a indústria pudesse concorrer com os produtos importados e segurasse o preço, favorecendo o consumo de produtos nacionais, valorizando o mesmo. E, assim, vem o sucesso do Plano Real no Brasil, no governo FHC.

Por Belle C.

C?dulas de Real

Foto: Divulgação


Os brasileiros estão ficando mais ousados e alguns até deixam a tradicional Poupança para investirem na Bolsa. Mas logo descobrem que investir na Bolsa requer mais trabalho, uma vez que na Poupança basta depositar seu dinheiro e conferir os rendimentos mensais, enquanto que na Bolsa seu dinheiro poderá ter que ficar investido por um longo período até dar um retorno satisfatório. E uma pessoa que conseguiu faturar R$ 420 mil na Bolsa, mas agora pretende sair, qual a melhor opção para investir o dinheiro?

Adquirir um imóvel para alugá-lo é um bom investimento, seja para aluguel residencial ou comercial, mas é preciso ter muito cuidado, verificando a localização do imóvel, vizinhança, infraestrutura do bairro e se há projetos futuros para a região, como a construção de avenidas, aeroportos, parques, shoppings, presídios, etc.

Vale lembrar ainda que, o dinheiro aplicado em um imóvel, para ser recuperado pode levar um bom tempo, já que para que um imóvel seja bem vendido, não pode ter pressa.

Mas, se a pessoa não quiser investir em um imóvel, quais seriam as outras opções? A aplicação sempre depende do aplicar, ou seja, se a pessoa é mais cautelosa, a poupança poderá ser a melhor alternativa, apresentando vantagens e desvantagens. A vantagem seria da praticidade e segurança, além do fato de que, todo mês você tem o seu rendimento, sendo assim, se precisar do dinheiro, basta esperar que se completem os 30 dias, para você ter o seu rendimento e então poderá sacar seu dinheiro. A desvantagem é que a poupança rende cerca de apenas 0,5% ao mês, o que é muito pouco diante de outros investimentos.

Aplicando R$ 420 mil na poupança você terá um rendimento de R$ 2.100,00 mensais. Se a poupança for a sua opção, a dica é não sacar todo o rendimento, procure reduzir suas despesas para que o rendimento de R$ 2.100,00 seja suficiente para você cobrir seus gastos mensais e ainda sobre um pouco, para você deixar em sua poupança e ir aumentando o seu capital. Se puder obter uma fonte de renda, para não mexer no rendimento de sua poupança, então seria perfeito.

Mas com um capital de R$ 420 mil, o LCI/LCA se torna opção de investimento bem melhor que a poupança. Basta conversar com seu gerente para ver as vantagens, sendo que se puder deixar por um período maior nesta aplicação as vantagens serão maiores que na poupança.

Por Russel

Dinheiro

Foto: Divulgação


Você possui caderneta de poupança ou pensa em abrir uma? Se a resposta for positiva, esse artigo certamente irá auxiliá-lo a definir se essa é a melhor escolha. Vamos lá:

Se você parar para avaliar o rendimento da poupança durante alguns meses, perceberá que ele altera mês a mês. Conforme o valor investido, talvez não seja tão fácil notar, mas quem possui um valor relevante certamente perceberá a diferença. Para comprovar essa informação é simples: faça uma simulação do rendimento da poupança, utilizando um mesmo valor, em meses distintos. Isso é possível com a Calculadora do Banco Central, clique aqui para acessá-la.

Embora a caderneta de poupança esteja entre os investimentos favoritos dos cidadãos do Brasil, especialistas afirmam que ela não é 100% segura, tendo seu risco variado entre diferentes bancos.

Em comparação aos demais investimentos, a poupança é vista como segura e prática, porém os ganhos com ela são bem menos significativos que os demais. Exceto se na poupança estiver aplicado um valor alto, isso pode render muito, inclusive há pessoas que utilizam o rendimento como um salário.

Há períodos em que o rendimento da poupança fica menor que o da inflação em alguns produtos, portanto é possível encontrar no mercado financeiro outras aplicações financeiras que ofereçam melhores retornos para quem investe, bem como segurança em relação aos riscos. Para se ter ideia, o rendimento da poupança fica na casa dos 6% ao ano.

Se você está satisfeito com o rendimento da poupança, uma opção para melhorar ainda mais é o Certificado de Depósito Bancário (CDB), papel de renda fixa emitido por bancos. Assim como a poupança, eles são seguros, fáceis de resgatar, mas podem fornecer rendimentos maiores.

Para quem quer uma alternativa melhor que a poupança, são indicadas as Letras Financeiras do Tesouro (LFT), Títulos do Tesouro Nacional, e Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e Letras de Crédito do Agronegócio (LCA). 

Por Rafaela Fusieger

Investimentos

Foto: Divulgação


Ter um dinheiro guardado na poupança já foi apontado como um dos melhores investimentos, mas isso foi há muitos anos atrás. Atualmente, quem tem dinheiro guardado na poupança pode acabar tendo é prejuízo. O problema é que muita gente acaba optando pela poupança pelo costume e não porque fez uma avaliação e viu que esta seria a melhor opção para o seu caso. Não existe o melhor investimento, existem investimentos que são melhores para uma ou outra situação.

Quem tem uma renda baixa e consegue separar apenas R$ 100 por mês deve pensar muito antes de escolher onde aplicar seu dinheiro. E tem o fato de que em determinado momento um investimento pode ser o melhor, mas depois de certo tempo poderá deixar de ser interessante e então é hora de buscar uma nova opção.

Quem está começando a fazer uma economia agora, com R$ 100 por mês, certamente vai ficar na dúvida se consegue um bom investimento, pois muitas aplicações exigem que o montante tenha um valor mínimo e assim a pessoa acaba ficando mesmo com a poupança.

Realmente, quanto maior for o seu capital, melhores serão as opções de escolha para você aplicar o seu dinheiro, mas nem por isso a poupança é a única alternativa para quem está começando agora. O dinheiro aplicado na poupança está rendendo na média de 0,5% ao mês, mais a Taxa Referencial, o que é muito pouco. Ao ano, a poupança rende pouco mais de 6%. Mas vale lembrar que a poupança é isenta do Imposto de Renda.

Uma boa alternativa é optar pela poupança no início e ir depositando os R$ 100,00 todos os meses. Depois de um tempo, quando tiver um montante maior, poderá optar pelos fundos de investimentos, mas cuidado, pois o Imposto de Renda incide sobre estes fundos, sendo:

  • 22,5% para aplicações até 180 dias;
  • 20,0% para aplicações de 181 a 360 dias;
  • 17,5% para aplicações de 361 a 720 dias;
  • 15,0% para aplicações acima de 720 dias.

Neste caso, quanto mais tempo seu dinheiro ficar aplicado melhor, então tenha a certeza de que neste período você não precisará mexer no seu dinheiro.

E enquanto seu dinheiro fica aplicado, você pode continuar economizando seus R$ 100,00 mensais na poupança, assim, quando sua aplicação vencer, se não estiver precisando do dinheiro, você poderá juntá-lo ao que está na poupança e fazer uma nova aplicação, única e com um montante maior, conseguirá melhores opções.

Por Russel


A poupança já foi um bom investimento. Há alguns anos atrás quem guardava seu dinheiro na poupança poderia fazer uma boa economia. Atualmente, aplicar seu dinheiro na poupança é um péssimo negócio.
Apesar disso, mais da metade da população brasileira que tem um dinheiro para investir, acaba optando pela poupança e o motivo é simples: falta de conhecimento.

O brasileiro tem essa cultura, de poupar na poupança e fica com preguiça de se informar sobre outros investimentos.

Quem aplica seu dinheiro na poupança, tem um rendimento médio ao mês de apenas 0,5%, não chegando nem a 7% ao ano. Quem aplica dinheiro na poupança dificilmente terá seu dinheiro corrigido de verdade.

O LCI e o CDB são ótimas opções de investimentos e que poderiam estar sendo utilizados por muitos brasileiros que continuam preferindo a poupança, por falta de interesse em se informarem sobre essas formas de investimentos.

Para se ter uma ideia, enquanto a inflação garante um rendimento bruto de 6,8%, o CDB quase atinge a casa dos 10%.

Se você reservar um tempo para fazer um controle financeiro, em pouco tempo poderá investir no LCI e LCA, garantindo maior rentabilidade e contando com a mesma segurança oferecida pela poupança.
O importante, ao investir seu dinheiro no LCI e LCA, é que você tenha um controle feito para poder saber que sua aplicação deverá ficar no banco por um período superior a 1 ano.

Outra alternativa mais interessante à poupança, são os CDBs de Liquidez Diária, além dos fundos DI, sendo que estes cobram o IR e também o IOF, mas mesmo assim são mais vantajosos, principalmente para quem precisará retirar parte do dinheiro antes do período de 1 mês.

Poupança hoje em dia, é somente para quem tem uma quantia muito pequena para investir, sendo que muita gente prefere a poupança até mesmo para não gastar o dinheiro, porque sabe que se ficar em casa, vai acabar comprando algo, mesmo sem precisar.

Para garantir maior rendimento então, a dica é “Controle Financeiro”. Se você tem uma poupança, continue depositando seu dinheiro nesta conta até conseguir um montante que lhe permita partir para outra aplicação.

E enquanto isso, gaste um tempo com seu gerente, conversando sobre as aplicações que o banco oferece e converse até com gerentes de outros bancos, para saber quando você poderá deixar de vez a poupança para investir seu dinheiro em uma aplicação que possa, de fato, garantir-lhe melhores rendimentos.

Por Russel

Dinheiro

Foto: Divulgação


Todo profissional trabalha na expectativa de receber do empregador certa quantia que lhe servirá para a subsistência. Entretanto, não importa se a pessoa é um catador de recicláveis ou um bancário, lidar com dinheiro é algo um tanto complicado.

Mas o melhor, e apesar de ser bastante simples, é que existem diversas dicas que podem ajudar qualquer pessoa a lidar quando o assunto é o dinheiro ganho. Christopher Pollock, um consultor de serviços financeiros, por meio do site Quora deu algumas dicas de premissas em relação a finanças pessoais que qualquer profissional (não importando o quanto ganhe) deveria conhecer segundo ele. Abaixo listamos algumas delas:

– Transforme o que gasta em investimento: a regra é bastante simples quando se observa que qualquer quantia gasta é uma espécie de investimento. Pode ser uma viagem ao exterior (um investimento de lazer). A dica que fica é que seja qual for o dinheiro gasto ele tem que ser gasto com algum propósito, útil de preferência.

Gastar menos do que ganha: apesar de ser uma regra básica é uma das mais difíceis de seguir. É preciso ter muita disciplina para isso, ou então o sujeito acabará na lista dos endividados.

– Aprenda sobre finanças: qualquer trabalhador deveria ter um mínimo possível de conhecimento sobre o assunto. Uma observação interessante é que o brasileiro, em geral, não é muito “ligado” no tema. Seja uma exceção.

– Cuidado com os falsos profetas: tão importante quanto saber sobre finanças é saber ainda mais quem são os melhores “conselheiros”.  Todo trabalhador tem um objetivo que planeja tornar concreto por meio do seu trabalho. Para atingir esse objetivo é comum pedir opiniões de diversas pessoas. É aí que se deve tomar cuidado. Geralmente se procura conselhos de familiares, amigos e conhecidos. Na verdade qualquer um pode e deve se informar com um profissional. Um bom exemplo disso é alguém que quer investir em ações pedir informações para quem conhece do setor é bem melhor que o amigo dono do bar (a não ser que ele seja um investidor).

– Preparando a aposentadoria: as pessoas têm o hábito de confiar por completo no INSS. Na verdade a coisa não é bem assim. Ninguém sabe o que acontecerá depois que se aposentar. Então é bom pensar nisso desde já para garantir um futuro melhor, mesmo que a aposentadoria seja boa. É bom criar o hábito de guardar dinheiro e investi-lo.

Por Denisson Soares

Dinheiro

Foto: Divulgação





CONTINUE NAVEGANDO: