Confira aqui algumas dicas para diminuir as despesas com o Carro.

No atual momento pelo qual o país está passando em termos econômicos e juntando-se a isso o crescimento do desemprego, um dos principais objetivos das pessoas tem sido realizar o maior corte de gastos possíveis. Se o cidadão possuir um carro próprio deve parar um pouco e pensar no fato de que seu veículo pode estar sendo um dos grandes vilões do orçamento doméstico.

Márcia Dessen, que atualmente ocupa o cargo de diretora do Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros, destaca que muitas pessoas já tiraram seus filhos de escolas privadas, cortaram gastos com o plano de saúde, mas ainda assim continuam com o carro. O pior é que a maioria nem percebe que ele é um grande peso para o orçamento.

Em uma simulação breve feita por Dessen os gastos mensais com o veículo podem ultrapassar os R$1.200,00. Isso se ainda não contarmos as parcelas de um possível financiamento e o fato de que quanto mais caro o carro mais pesado são os impostos.

Mesmo assim se a pessoa não estiver mesmo em condições de abrir mão do carro, há algumas medidas que podem ser tomadas para tornar os gastos menores. Abaixo selecionamos algumas dicas para você. Confira.

Realizar Manutenção

Alguns especialistas apontam para o fato de que o brasileiro criou o hábito de trocar de carro com frequência. Com isso ele acaba perdendo muito dinheiro. Isso pelo simples fato de que cada carro que sai da concessionária perde entre 15% e 20% de seu valor. Fazer a manutenção do carro pode estender seu tempo de uso para um período de cinco anos. O que na realidade é um tempo mínimo podendo até durar mais.

Optar por Modelos Menores

Quem possuir um carro grande o melhor é que faça a troca por um menor. Isso é bem simples de se entender o motivo: Quando maior o carro maiores serão também os gastos. Uma boa saída é dar uma olhada na tabela do Inmetro e verificar se o veículo é econômico ou não. Você poderá ver essas informações no link: http://zip.net/bhtnrJ.

Não deixe de Pegar Carona

Uma boa idéia para diminuir as despesas no transporte é dividir as mesmas. Para isso vale de tudo: Carona com colegas do trabalho, rodízio para levar as crianças para a escola e por aí vai.

Use o táxi ou o Uber

Pode parecer que não, mas em grande parte dos casos os gastos com esses tipos de transporte saem mais baratos no final do mês para quem os usa em comparação com quem prefere circular pela cidade com veículo próprio.

Essas são apenas algumas dicas. Optar pela bicicleta, compartilhar o carro e até mesmo alugar um também pode contribuir para a economia no final das contas.

Por Denisson Soares


Entenda porquê utilizar cartão de crédito para cobrir despesas domésticas é muito perigoso para as finanças do lar

Tempos difíceis na economia brasileira, e o pior que nem sabemos quanto tempo essa  crise  vai durar. O que  sabemos é que tem atingido várias pessoas, empresas, comércios, etc. De acordo com levantamentos realizados, muitas pessoas estão fazendo uso do cartão de crédito para cobrir despesas domésticas.

O uso do cartão de crédito para esses fins são um perigo para as finanças do lar, pois os juros do pagamento rotativo são os mais elevados do mercado.

As compras com cartão muitas vezes são uma atrativo, pois o parcelamento sem juros é oferecido em vários estabelecimentos fazendo com que as pessoas se sintam atraídas para  comprar.

Não que comprar com cartão seja algo errado, mas no momento em que estamos vivendo é algo a ser feito com extrema cautela.

Ao chegar a fatura depois das compras somos tentados pelo pagamento da  fatura com o valor mínimo, achando que  com isso  teremos um  folga nas finanças, mas isso é algo muito perigoso a ser feito.

O pagamento de uma fatura no valor mínimo pode fazer com que a dívida venha a crescer  cerca de três vezes, no mínimo.

Outra armadilha é o cheque especial, onde muitas pessoas veem o seu limite como um refúgio, contando sempre com aquela quantia para usar e acabam esquecendo que aquela quantia limite do cheque especial não pertence a nós e sim ao banco, e que deveria ser usada em ocasiões que podemos chamar de emergenciais.

O uso do limite do cheque especial faz que com venhamos a pagar juros e  com isso a situação  financeira fica cada vez mais no vermelho.

Os economistas sugerem que o limite do cartão de crédito ou cheque especial seja de 20% a 30% do salário do seu titular, assim ficará mais fácil para administrar.

Outra sugestão é que não se tenha muitos cartões de créditos, pois tendo uma quantidade menor de cartões fica fácil administrar tanto as contas como os  gastos. 

Por André Escobar

Cartão de crédito


O período de férias acabou e, como diz a sabedoria popular, o ano no Brasil só começa depois do carnaval. E com os gastos das festas de fim ano somado às férias, carnaval e as outras contas do início de ano, como IPTU, IPVA, gastos com materiais escolares, é possível que muitas pessoas cheguem à conclusão que gastaram bem mais do que ganharam nesse período.

Se você é uma delas, veja 5 dicas de como equilibrar as suas contas e seguir com a vida financeira tranquila durante o resto do ano.

1. Evite o Cheque Especial

A tentação é grande. Você está cheio de contas para pagar e quando olha no seu extrato bancário, possui uma quantia à sua disposição que daria para quitar algumas delas, ou até mesmo todas. Segundo informações divulgadas pelo Banco Central, a taxa de juros superou os 200% ao ano, sendo considerada a mais alta dos últimos 16 anos.

Então, embora pareça ser uma solução fácil para os seus problemas, a longo prazo poderá aumentar ainda mais as suas dívidas.

2. Fuja dos cartões de crédito

Além da taxa de juros alta nas compras parceladas, os cartões nos dão a ilusão de possuir mais dinheiro do que temos de fato, o que pode aumentar o desequilíbrio financeiro.

3. Pesquise os preços na hora do supermercado

As compras de mês são um dos gastos que pesam mais no orçamento doméstico. Fazer uma lista de compras necessárias e pesquisar os preços em diferentes mercados irão garantir uma economia significativa na compras realizadas.

4. Arranje uma fonte de renda extra

Use a sua criatividade e crie uma fonte de renda extra. Você pode usar seus talentos para oferecer aulas, vender bijuterias, alugar uma vaga não usada na garagem ou oferecer algum serviço que saiba fazer. Não venda produtos para pagamento posterior, pois você poderá ganhar mais dívidas caso a pessoa resolva não pagar por eles.

5. Corte os gastos supérfluos

Doces, lanchinhos fora da hora, gastos com noitadas, passeios, compras no shopping, entre outros. Verifique quais os seus gastos são realmente necessários e quais deles podem ser evitados.

Por Raquel Conrado

Foto: divulgação


Um levantamento realizado pela Visa revelou que os brasileiros costumam não lembrar no que foi gasto cerca de 26% de suas despesas semanais.

O estudo foi feito com doze países, incluindo o Brasil, onde doze mil pessoas foram entrevistadas, sendo que oito por cento delas eram brasileiras. De acordo com a pesquisa, os gastos com alimentação são os mais esquecidos pelos brasileiros, com 43% de participação, seguido por itens não essenciais e compras de lazer, com 35% e entretenimento, com 29%.

Também foi ressaltado por parte dos brasileiros entrevistados que, quando o gasto é feito em dinheiro, fica mais complicado realizar um controle, principalmente quando se tratam de compras de pequeno valor.

Por Elizabeth Preático

Fontes: Band, Zero Hora


Para aquelas pessoas que estão endividadas e encontram dificuldades para liquidar de vez com as dívidas, confira aqui algumas dicas do que fazer para acabar com as dívidas.

A palavra chave para se livrar das dívidas é Planejamento Pessoal. Primeiramente identificar onde estão os seus gastos e levantar quanto você esta gastando além do que recebe. Após isso verificar como e no que você esta gastando este dinheiro. A partir dai, você consegue estabelecer quais são os seus gastos prioritários e assim poderá realizar um planejamento e corte de alguns gastos para sair das dívidas.

Confira no vídeo abaixo mais algumas dicas de como sair das dívidas e o que não fazer quando se está endividado:


Você gasta mais do que ganha? Será que é você que ganha pouco, ou você não está sabendo como administrar o dinheiro?

Já diria o bom poupador: “Mais vale ganhar R$ 2 mil / mês e economizar R$ 200, do que ganhar R$ 5 mil e não economizar nada”.

Muitas vezes o problema em não economizar está justamente nas pequenas despesas, as quais você não dá tanto valor. São aquelas despesas que não constam em sua planilha de gastos, mas que no final do mês acabam tendo grande representatividade.

As pessoas tendem a analisar apenas as despesas de supermercado, alimentação, internet, tv a cabo, água, energia, etc., porém, esquecem de que aquela compra diária de supérfluos pode impactar fortemente no orçamento doméstico.

É fácil hoje encontrar pessoas com bons salários (R$ 6 mil ou acima), e que no final do mês esquentam a cabeça com dívidas de cartão de crédito, compras parceladas, e outros transtornos mil. Não siga esses maus hábitos! Crie uma fórmula para controlar o que você gasta.





CONTINUE NAVEGANDO: