Na íntegra! A Câmara dos Deputados divulgou no Diário Oficial da União a disponibilidade de contratar 113 empregados concursados que desejam trabalhar na casa legislativa. Vagas destinadas para quem tem ensino superior em qualquer área (analista legislativo) ou médio completo (técnico legislativo). Candidatos devem ter escolaridade concluída em instituição de ensino com reconhecimento do MEC. Também há oportunidades destinadas às pessoas que possuem deficiência física.

O salário varia entre aproximados R$ 12 mil e R$ 25 mil, de acordo com o nível acadêmico dos candidatos. A jornada de trabalho dura 40 horas por semana. De acordo com informações colhidas no site CESPE/UNB (centro responsável por organizar o concurso público), há disponibilidade para fazer inscrições até o dia 24/02/2014.

Os valores para realizar a inscrição giram entre R$ 100 (cargos de nível médio) e R$ 150 (postos de trabalho para ensino superior). Pessoas que sofrem por conta de algum tipo de deficiência física podem solicitar a isenção da taxa.

Candidatos destinados a participar do cargo de técnico legislativo possuem a necessidade de serem aprovados nas provas objetivas e discursivas. Também há exame de aptidão física aos participantes do posto de trabalho para agente de “polícia legislativa / técnico legislativo”. Por outro lado, além de ter que responder questões e realizar redação, quem participa nos cargos superiores também está subordinado às análises de títulos.

As provas objetivas estão previstas para o dia 20 de abril. Vale ressaltar que os exames de perícias aos cargos reservados para deficientes públicos apenas acontecem no Distrito Federal, Brasília. Mudança de local ou qualquer tipo de adulteração nas datas dos testes serão divulgados no Diário Oficial e (ou) “espaço do candidato”, dentro do site CESPE/UNB.

Mais informações podem ser acessadas na nota publicada no site CESPE ou no edital oficial para o concurso da Câmara dos Deputados 2014.

Por Renato Duarte Plantier


O deputado federal Marco Maia (PT-RS), alerta que a casa pode impedir as votações das medidas provisórias nas câmaras mistas de discussão, caso o governo insista em obstruir a votação dos royalties. Maia é o atual presidente da Câmara dos Deputados.

O projeto de revisão dos pagamentos de royalties esteve na pauta de votação do congresso nacional na sessão plenária do dia 31 de outubro. Maia disse que há rumores no congresso de que o governo possa tentar impedir a votação no plenário do projeto. Caso isso se confirme Maia declara que não será votada mais nenhuma medida provisória no congresso até a votação do projeto dos royalties.

O projeto de revisão dos pagamentos de royalties chegou a discussão na câmara dos deputados depois de quase um ano de tramitação no Senado. Segundo o deputado petista, ele afirma que o texto do projeto de Carlos Zarattini (PT-SP) é equilibrado e pode obter um bom entendimento entre os parlamentares, garantido assim sua aprovação ainda este ano.

O texto do relator do projeto prevê uma melhor divisão dos royalties do petróleo explorado na área marítima brasileira para os estados e municípios que não estão envolvidos diretamente nos setores de exploração. Assim a divisão dos royalties ficaria mais equalizada no país.

Por Matheus Camargo





CONTINUE NAVEGANDO: