Restituição do Imposto de Renda – Onde Investir o Dinheiro



  

Confira aqui algumas dicas de onde investir o dinheiro da Restituição do Imposto de Renda.

Diante de um cenário de crise financeira em que vive o Brasil, é importante saber aumentar o patrimônio. A Receita Federal estabeleceu 28 de abril (sexta-feira) como o último dia para envio da declaração do imposto de renda. Se você tem dinheiro a receber, confira aqui como utilizar esse recurso da sua restituição para investir e conquistar uma grana extra.

Especialistas recomendam que as pessoas que não estão precisando do dinheiro para agora, como por exemplo, para uma urgência, podem fazer a declaração do IRPF nos últimos dias, próximos ao prazo final. Assim, os valores serão corrigidos pela taxa SELIC, em torno de 12,25%. Há também a alternativa de empregar a quantia no Tesouro Selic, com essa mesma taxa de juros básico, o investidor terá um bom retorno.

Outra forma de fazer o dinheiro render é aplicar a restituição em tesouro direto. Esse investimento de renda fixa trata-se da aquisição de um título público do governo federal. Dependendo do valor e do prazo estabelecido, quem aplicou pode obter retorno com juros. Nesse caso, é importante observar qual a quantia mínima exigida por cada linha de crédito para comprar o título.

Se você aguarda receber da Receita Federal algo em torno de R$ 5 mil, a recomendação é investir em títulos privados. Esse é o valor mínimo requerido por algumas instituições bancárias.





Aqueles que vão receber acima de R$ 10 mil podem diversificar a aplicação, como por exemplo, ações, aposentadoria, fundo imobiliário e linha de crédito que solicitam aportes iniciais altos. Existe também o Tesouro IPCA. Se optar por essa aplicação, esteja ciente que só compensa fazer o resgate na data do vencimento, pois como a rentabilidade muda, caso faça o saque antes do prazo, o valor resgatado pode ser menor.

Uma forma de iniciar seus investimentos é fazer uso da restituição do imposto de renda pessoa física. Assim, observa-se que há outras aplicações com risco reduzido além da poupança. Seja qual for o formato que você escolher, tenha em mente o objetivo para utilizar aquele montante despendido.

Vale destacar que como não houve reajuste da tabela do imposto de renda 2016, há discrepância de 6,29% devido à inflação, conforme o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Melisse V.



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *