Inflação deverá estabilizar apenas em 2017



  

Vários fatores corroboram para que a inflação seja estabilizada apenas em 2017.

A perspectiva para a inflação não é das melhores. Espera-se que só haja uma estabilidade maior para a alta dos preços em 2017. A explicação para o pessimismo decorre de múltipla motivação.

Na política monetária há uma expectativa de que a meta de inflação anunciada pelo governo sirva de guia para a sociedade e para a economia, porém não é o que tem acontecido.

Deveria haver uma sincronia entre a previsão e um ajuste dos produtores, economia, etc. A previsão governamental deveria trazer certa estabilidade.

Infelizmente isso não tem acontecido, pois um dos motivos cruciais para a estabilidade é o fato das pessoas acreditarem nas metas do governo, algo que não tem ocorrido. Para que isso seja possível o Banco Central deve se esforçar para que a inflação fique perto da previsão inicial, um pouco acima ou um pouco abaixo, no máximo.

Acontece que atualmente a inflação está longe da meta por motivos simples. Basicamente, a sucessão de erros do passado tem feito com que as previsões para a inflação não sejam levadas a sério.





Podemos citar como exemplos de erros a frouxa política de juros praticada pelo BC, a situação fiscal do governo (que gasta mais do que arrecada), reajuste excessivo de tarifas (luz, água, combustível), etc.

Tudo isso corrobora com a instabilidade da inflação e, consequentemente, com uma perspectiva mais longa para que o cenário se torne mais estável.

Por esses e outros motivos relacionados à crise e à recessão econômica, o BC faz novas previsões: a inflação deverá se estabilizar apenas no ano de 2017. É uma previsão mais realista se comparado com as últimas previsões. É uma dura previsão, mas realista ao menos.

Com isso, o consumidor poderá ao menos realizar um planejamento orçamentário mais adequado diante do novo cenário de perspectiva de estabilidade. Esperamos que as previsões e ações governamentais estejam mais adequadas e alinhadas com a realidade.

Por André César

Inflação



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *