Juros do cheque especial atingem 12,28% em outubro



  

Taxa de juros do cheque especial registrada em setembro foi a maior desde setembro de 1995.

A taxa dos juros do cheque especial é de 12,28% neste mês de outubro, de acordo com a pesquisa do Procon de SP, é o maior índice registrado desde setembro de 1995.

As pesquisas foram realizadas com sete instituições financeiras e foi verificado que cinco bancos aumentaram a taxa do cheque especial e o aumento superou o mês de setembro que foi em torno de 11,90%.

A CEF (Caixa Econômica Federal) passou de 10,35% para 11,38% ao mês, o Santander de 4,21% em relação a setembro, o Banco do Brasil, 3,69%, o Itaú 2,58%, o Bradesco 2,4%. O empréstimo pessoal obteve alta de 6,27% am na média bancária. 

O Banco Bradesco apresentou a maior alta de 6,57% para 6,61% e as demais instituições financeiras permaneceram estáveis, sem alterações.

De acordo com os economistas, as altas taxas de juros acabam prejudicando o crédito no Brasil e impedem a retomada do crescimento da economia, reflexo da taxa Selic. Outra taxa que sofreu aumento foi a do cartão de crédito rotativo que atingiu 345,8% ao ano





As altas taxas de juros comprometem o crédito e vários ramos são afetados dentro da economia como, por exemplo: a produção, as vendas, a antecipação de pagamentos das contas, e, com isso, não se gera uma rotatividade no comércio. O consumidor passa a ter receio na hora de adquirir um empréstimo, um financiamento, pois os juros em caso de atrasos aumentarão a conta, e o consumidor fica mais previnido na hora de contratar um serviço financeiro. 

Com a restrição do crédito o consumidor passa a comprar menos, pois os altos juros consomem as finanças, e faz com que haja o aumento da inadimplência e do calote, e esses índices de aumento das instituições bancárias é uma forma de prevenção e precaução a esses fatores. 

O governo, visando arrecadar mais, aumentou as taxas para que arrecadem mais e possam cumprir com os gastos, mas ao mesmo tempo coloca o consumidor em uma situação difícil, pois o mesmo não poderá continuar consumindo muito, e passa a ficar restrito e à mercê das taxas abusivas dos juros. 

Por Marisa Torres

Dinheiro



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *