Alta nas taxas do empréstimo pessoal e do cheque especial



  

Banco do Brasil e Santander registraram as maiores altas em nos juros para o cheque especial em maio. No empréstimo pessoal as maiores alta foram na Caixa, no Banco do Brasil e no Itaú.

Mais uma vez os brasileiros são surpreendidos com a  alta dos  juros nas  instituições  financeiras, onde tem atingido o empréstimo pessoal e o cheque especial elevando significativamente as taxas de juros.

Está cada vez mais claro que os  dias vindouros estão cada vez mais nebulosos, onde ficaremos presos a  juros elevados sem ao menos termos uma expectativa de melhora da nossa economia.

E a tendência é que  essa situação se arraste assim por todo o ano de 2015, com a alta das taxas de  juros mês a mês.

De acordo com o PROCON-SP, que realizou uma pesquisa  no último dia  5,  em sete bancos onde a  taxa de  juros para  empréstimo pessoal e  do cheque especial tiveram altas significativas.

No empréstimo pessoal a taxa pesquisada subiu de 6,02% ao mês para 6,10% no período, já a taxa do cheque especial, que estava com 10,9% em abril, teve um aumento para 11% no mês de maio.

Das sete instituições financeiras onde foi realizada a pesquisa somente duas elevaram as  taxas no cheque especial no mês de maio. O Banco do Brasil, que tinha a taxa em 9,86%, passou para 10,34% no mesmo período. E o Banco Santander, que elevou a  sua  taxa, que era de 13,49%, em 0,25 pontos percentuais, para algo em torno de 13,74% ao mês.





Os demais bancos como o Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú e Safra, mantiveram as  suas  taxas sem qualquer alteração.

Já no empréstimo pessoal, onde a procura tem sido maior, tivemos o aumento registrado em  três bancos, sendo que a  maior  taxa  ficou  registrada em um banco público.

A Caixa Econômica Federal registrou um aumento de 0,36 pontos percentuais no período de abril e maio, onde passou de 4,04% e alcançou  a marca de  4,4% ao mês.

Os outros  dois  bancos que  tiveram  suas  taxam  aumentadas  foram o Banco do Brasil, com um aumento de  5,15% para 5,25% ao mês, seguido do  Banco Itaú, que passou de 6,22% para 6,26% ao mês, os  outros quatro bancos mantiveram suas  taxas  sem alteração.

Por André Escobar

Juros



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *