Juros do cartão de crédito chegaram a 300% ao ano



  

Em abril, os juros do cartão de crédito atingiram 12,14%, levando à média de 300% ao ano. Principais fatores para esta alta são a elevação da Selic, o aumento nos índices de inflação e a falta de perspectiva para que a inflação recue.

Desde 1999, conforme informa a Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), o cartão de crédito nunca foi tão pior negócio para se investir quando o assunto é economia. A entidade afirma que após levantamento de dados feitos com pesquisas apuradas, os juros do cartão de crédito estão em 300%, referente a abril de 2015.

Para se traduzir melhor em números essa verdadeira “bomba” que leva ao endividamento, os juros do cartão que antes estavam em 12,02% no mês de março, perfazendo o total de 290,43% ao ano, agora em abril foi conduzido à elevação de juros de 12,14%, chegando até aos caminhos que levaram à média de 300% ao ano.

Para quem gosta de fazer suas compras em cartão de crédito – seja de alto valor até a compra daquele cafezinho – desde que pagando a fatura rigorosamente em dia, não haverá prejuízos, pois pode ser essa compra considerada como o mesmo se paga em dinheiro, ou, em cash (expressão muito usada para citar dinheiro vivo ou dinheiro na hora).

No entanto, se a pessoa faz parte de um grupo que compra desregradamente; não tem hábito de fazer planilha com os gastos do mês e por isso se vê na situação de não ter condições de pagar a fatura do cartão, no dia do seu vencimento, pode esperar porque vai entrar no que já foi citado acima nesse artigo: no pior negócio econômico de sua vida.





A culpa dessa alta de juros em 300% ao ano não é exclusivamente do consumidor, que não consegue honrar o pagamento das suas dívidas no cartão. Conforme a Anefac, embora eles estejam sim entre as razões dos bancos elevarem as taxas a níveis tão estratosféricos, outros fatores como a elevação da taxa básica de juros (Selic), aumento nos índices de inflação e falta de perspectiva para que essa inflação recue, também têm colaborado para que a taxa de juros do cartão de crédito chegasse ao alarmante.

Com essas informações, cabe aos consumidores decidirem se devem ou não comprar no cartão de crédito, algo que é mais aconselhável como citam os economistas da Anefac, quando o consumidor tem um salário fixo por mês e ainda tem controle dos seus gastos. Do contrário, ainda segue como uma boa opção se fazer compras à vista – o que irá livrar de juros tão altos e ainda, quem sabe, pode render um bom desconto que geralmente é oferecido para quem faz compras à vista.

Por Michelle de Oliveira

Cartão de crédito

Foto: Divulgação



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *