Selic subiu para 13,25% ao ano



  

Taxa atingiu seu maior valor em 6 anos, após acumular sua quinta alta consecutiva.

A taxa Selic está próxima de alcançar o seu índice histórico de 2009, quando atingiu a marca de 13,75%. Como previa os “gurus” do mercado financeiro, o Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) deu o seu aval para mais uma subida na taxa de juros. Com uma alta 0,50 ponto percentual ela atingiu o seu maior valor em 6 anos, 13,25% de acordo com anúncio feito pelo comitê na última quarta-feira (29/04).

A Selic acumula a sua quinta subida consecutiva: a primeira foi em outubro do ano passado quando alcançou 11,25%, em dezembro foi elevada a 11,75%, janeiro e março atingiu 12,25% e 12,75%, respectivamente. Vale ressaltar um detalhe, as subidas têm mantido uma constância no seu valor, todas foram de 0,50 ponto percentual.

A subida da taxa é a principal ferramenta utilizada pelo Banco Central para controlar o consumo e consequentemente a inflação, que atingiu agora em março um recorde em 20 anos, 1,32%; elevada em sua maior parte devido à subida dos preços dos combustíveis e energia elétrica autorizadas pelo governo.

Esse controle inflacionário através da Selic se dá da seguinte forma: quando os juros sobem as pessoas consomem menos forçando assim os preços em geral a caírem, todavia, se por um lado controla, em parte, a inflação por outro trava o Produto Interno Bruto, já que a economia não cresce, não gera empregos e o País fica estagnado.

Em contrapartida quando os juros estão baixos as pessoas passam a consumir mais, as empresas crescem e geram mais empregos e, com isso, o PIB do País se eleva, porém, como as empresas brasileiras não estão preparadas para um grande aumento de demanda por produtos e serviços, os preços sobem gerando a inconveniente inflação.





Apesar dos pesares, a poupança, que é o único investimento da maioria dos brasileiros, continua rendendo a mesma coisa, pois de acordo com uma regra do ano de 2012 este investimento só renderá menos quando a Selic estiver em valor menos que 8,5% ao ano, como não é o caso ela permanece rendendo os seus habituais 6,71%.

Mas há mais alguém que se beneficia, e muito, com a alta da Selic: os bancos, pois com ela vem o aumento de algumas tarifas bancárias como o cheque especial, que chegou a 220,4% em março, de acordo com o Banco Central.

A alta da Selic até agora tem sido um mal necessário, mas que nunca será bem aceito, principalmente pela classe trabalhadora desse País.

Por Édson Dassib

Alta da Selic



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *