Demanda por crédito em janeiro de 2015 foi a menor dos últimos 5 meses



  

Recentemente, a Serasa Experian informou que o ritmo de avanço anual da demanda do consumidor por crédito foi o menor registrado nos últimos cinco meses. A informação foi divulgada na última terça-feira, 10 de fevereiro. Esse resultado obtido opõe-se ao conseguido nos meses de novembro e dezembro, quando no mês antes das festas o ritmo de crescimento anual de crédito tinha tido uma alta de 8,8% e no último mês do ano registrou uma alta maior de 13% ao ano. 

De acordo com as informações concedidas pelos economistas da Serasa Experian, essa diminuição do ritmo foi causada pela situação atual das famílias que evitam o endividamento por conta das dificuldades econômicas. Entre as medidas que podem ter sufocado o ritmo podem ser citadas o aumento da inflação, taxas de juros mais altas e desconfiança por parte dos consumidores.

Comparado ao resultado registrado no mês de dezembro de 2014, houve uma queda de 2,5% da demanda por crédito.





A demanda em janeiro caiu 4,7% no grupo das famílias que tem renda de até R$ 500 por mês. Já nas famílias que possuem uma renda entre R$ 500 e R$ 1.000 por mês, a demanda recuou 3%. Seguindo os grupos de renda, encontra-se aquele que é caracterizado por uma renda familiar entre R$ 1.000 e R$ 2.000, nesses a demanda por crédito caiu 1,8%, o mesmo nível foi registrado para o grupo familiar com renda entre R$ 2.000 e R$ 5.000. A queda foi de 1,3% no grupo das famílias que possui uma renda mensal entre R$ 5.000 e R$ 10.000. Nas famílias cuja renda supera os R$ 10.000 a demanda recuou 1,1%.

No estudo feito por regiões, a única região do País que registrou aumento na demanda por crédito durante o mês de janeiro foi a Centro-Oeste, nela houve um aumento de 1,5% da demanda comparando com a porcentagem obtida no mês de dezembro de 2015. As demais regiões registraram queda na taxa de demanda, sendo que a queda mais severa ocorreu na Região Sudoeste. 

Por Melina Mariel Menezes Pereda

Cr?dito



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *