Mitos e crenças sobre o dinheiro



  

Você sabia que algumas crenças negativas que as pessoas têm a respeito do dinheiro podem simplesmente impedi-las de tê-lo? Pois é. Infelizmente não fomos ensinados a ver o dinheiro como um bem natural em nossas vidas, por isso, fomos adquirindo com o tempo, crenças como "dinheiro não traz felicidade" e "pessoas honestas não têm dinheiro".

Essas crenças são limitadoras, ou seja, podem limitar a abundância e o sucesso financeiro em nossas vidas. Saiba, portanto, o que cada uma delas significa na verdade:

– "Dinheiro não traz felicidade":

Essa é uma das crenças mais populares e universais, transmitidas por várias gerações. É tão agravante que até a maioria das telenovelas mostram isso nas tramas. Sempre tem um rico que sofre mais do que o pobre, que tem mais problemas que o pobre. E o pobre, por sua vez, sempre bonzinho, certinho e é sempre o mocinho da história. No final, é sempre ele que "vive feliz para sempre", assim como nos contos. O que as pessoas não sabem é que isso está cada vez mais sendo reforçado na sociedade à medida que criamos o hábito de assistir essas telenovelas. E não basta assistir, também comentamos os capítulos no ônibus, na fila do banco, no trabalho e na conversa com os vizinhos, nos tornando cada vez mais alienados por essa cultura reducionista. Por isso, tenha sempre em mente, uma vez por todas, que o dinheiro só traz infelicidade quando se tem ganância por ele e quando só temos tempo para ele e não para as pessoas que amamos.

– "Pessoas honestas não têm dinheiro":





Esta segunda crença também pode ser considerada um dos principais equívocos da sociedade, pois nos dá a ideia de que somente pessoas desonestas possuem dinheiro. É fato que por um lado existem corrupções e pessoas que ficam ricas na desonestidade, mas, por um outro lado, também existem aquelas pessoas que ganharam a vida trabalhando duro.

Portanto, saiba que essas duas crenças preconceituosas sugerem abandonar seus sonhos para viver uma realidade criada e estimulada pela nossa sociedade. Cabe a você escolher seu próprio caminho para vencê-las da melhor maneira, sem abandonar seus princípios.

Por Daniela Almeida da Silva

Dinheiro



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *