Análise da cultura política



  

É comum as pessoas debaterem política somente em época de eleições, como agora nessas eleições presidenciais de 2014, mas é histórico que o comportamento das pessoas pode ser analisado em termos racionais ou sociológicos.

As pessoas seriam motivadas pela satisfação do interesse, sendo “puxadas” pela perspectiva de um benefício; ou seriam “empurradas” por forças inerciais. A análise da cultura política se insere nesse grupo, enquanto a ação coletiva também.

É antiga a identificação de uma relação entre os sistemas políticos e os atributos culturais de determinada sociedade. Montesquieu relacionou os princípios constitucionais de uma nação aos seus “costumes e moral”. Os valores, sentimentos, crenças e conhecimentos são relevantes para explicar os padrões de comportamentos políticos adotados pelos indivíduos. Com um estudo comparativo que envolveu cinco países, eles tentaram estabelecer o quanto essas variáveis culturais e subjetivas influenciariam o sistema político. Assim, o comportamento dos indivíduos não seria motivado pela racionalidade, mas por valores. Almond definiu cultura política como um padrão particular de orientações para a ação política, um conjunto designificado e propósitos dentro do qual cada sistema político está embutido.

As análises que se utilizam da cultura política mais comuns são aquelas que tentam explicar a estabilidade de determinada democracia pelo tipo de cultura política presente na sociedade. Assim, nos países desenvolvidos, haveria democracias mais estáveis porque eles teriam valores de participação da sociedade mais fortes. Já em países como da América Latina, como no Brasil, a democracia seria mais instável porque os valores não são de participação e respeito ao próximo, mas sim de busca dos próprios interesses.





A cultura política de uma determinada sociedade ou nação representa um vasto e complexo campo para a pesquisa social. Vasto porque lida com uma multiplicidade de fatores que integram a cultura política propriamente, entre elas o comportamento de apatia (alienação) dos cidadãos, os graus de confiança e de tolerância, as configurações das forças políticas atuantes.

É preciso que a sociedade possa acordar, e realmente lutar pelos seus interesses através da política. 

Por Paulo Victor Bragança



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *