Quebra do BVA já era prevista



  

O Banco Central anunciou na semana passa a intervenção no Banco BVA. Segundo analistas do mercado a intervenção do BC já era prevista. Há pelo menos cinco meses rumores se espalhavam no mercado sobre a situação financeira precária do BVA. Clientes reclamavam sobre dificuldades de realizar saques de depósitos na instituição, situação que só piorou as vésperas da intervenção.

Com a operação no BVA o Banco Central completou sua quinta intervenção no ano de 2012. Os operadores do banco julgavam que o BVA ainda poderia ser salvo, tanto que ficaram surpresos quando sete fiscais do BC entraram na sede do banco perto das nove horas da última sexta-feira, 19 de outubro. O banco não publicou seu balanço financeiro do primeiro semestre desse ano. Ele apontaria um prejuízo liquido da instituição na casa dos 100 milhões de reais.

Em meados de agosto, o BC chegou a anunciar uma capitalização de 300 milhões para tentar salvar o banco. O presidente do BVA, Ivo Lodo, chegou a anunciar a capitalização. Porém, o dinheiro não saiu e o BC aumentou a pressão de fiscalização sobre a instituição.





Ivo e José Augusto Ferreira dos Santos, controlador do banco, saíram em busca de dinheiro par recuperar a liquidez da instituição e recorreram ao Fundo Garantidor de Créditos. Os técnicos da instituição avaliaram os dados do banco e acertaram um empréstimo de 130 milhões. Precisando de mais dinheiro para recuperar a instituição Ivo e José Augusto procuraram  o empresário Carlos Alberto Oliveira Andrade, sócio preferencial do banco, que assinou um contrato de empréstimo no valor de 300 milhões de reais.

Apesar do esforço de Ivo e José Augusto não deu tempo para colocar as finanças do banco em dia e o BC executou a intervenção na semana passada.

Por Matheus Camargo



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *