Benefícios das embalagens padronizadas



  

Com o objetivo de adaptar o Ceasa às normas exigidas pelos ministérios da Agricultura, Produção e Abastecimento (Mapa), e da Saúde e do Inmetro, professores e estudantes da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) desenvolveram o projeto da Central de Embalagens.

Segundo o presidente do Ceasa/PE, Romero Pontual, o objetivo do projeto é evitar o disperdício, que chegava à casa dos 20%. Atualmente, não ultrapassa 2%,com destaque para a questão da limpeza, pois com higienização das caixas evita-se a tranferência de pragas de uma plantação para outra.

PADRONIZAÇÃO
Também houve a padronização das caixas, para a venda dos produtos por quilograma. O sistema consiste no mecanismo de utilização de caixas de dois quilos e de dois quilos e meio para a utilização na comercialização dos hortifrutícolas que circulam no Ceasa.





"As mercadorias só podem entrar para serem comercializadas aqui se estiverem dentro das caixas. Eles deixam as caixas aqui e pegam um 'vale-caixa' para a retirada delas já higienizadas", afirma o gerente de Operações da Central, Marcelo Loyo. A despesa dos transportadores é de apenas R$ 0,35 por caixa.

Cerca de 80% dos produtos comercializados no Ceasa já estão dentro da padronização.A meta é que até o ano que vem, todos eles já estejam sendo comercializados dentro desse sistema.

Por: Alexandre de Souza Acioli



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *